Socialista Morena
Cultura

50 anos do assassinato de Martin Luther King: sua vida em HQ

Trechos do histórico discurso “Eu tenho um sonho” (I have a dream) acompanham ilustrações sobre o líder negro

Primeiro gibi com Luther King na capa, de 1958
Cynara Menezes
28 de agosto de 2013, 17h50

Há 50 anos o reverendo Martin Luther King Jr. era assassinado num hotel em Memphis, um crime até hoje não solucionado. A viúva de King, Coretta, nunca acreditou que James Earl Ray tenha sido o verdadeiro culpado. Hoje a direita tenta se apropriar da imagem do reverendo, que era um liberal no sentido norte-americano do termo e considerado “um radical”. Foi perseguido a vida inteira pelo FBI, a PF dos EUA, acusado de ser “comunista”.

Trechos do histórico discurso “Eu tenho um sonho” (I have a dream), pronunciado no Memorial Lincoln, em Washington, em 28 de agosto de 1963, acompanham algumas ilustrações do líder negro em histórias em quadrinhos.

Tenho certeza que, se não fossem os assassinatos de King, John e Robert Kennedy, a história dos Estados Unidos seria outra. E a do mundo também.

Martin Luther King e Bobby Kennedy em um gibi do Lanterna Verde em 1970

“Eu tenho um sonho: um dia, nas colinas vermelhas da Geórgia, os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos descendentes dos donos de escravos poderão se sentar junto à mesa da fraternidade.”

Esse é mais recente e tem no Brasil: “Vejo a Terra Prometida”, biografia de King em quadrinhos

“Eu tenho um sonho: minhas quatro pequenas crianças vão um dia viver em uma nação onde elas não serão julgadas pela cor da pele, mas pelo conteúdo de seu caráter.”

Cena do assassinato de Luther King nessa HQ que dá para ler online

“Quando nós permitirmos que o sino da liberdade soe, quando nós deixarmos ele soar em toda moradia e todo vilarejo, em todo estado e em toda cidade, nós poderemos apressar aquele dia em que todas as crianças de Deus, homens pretos e homens brancos, judeus e gentios, protestantes e católicos, poderão unir as mãos e cantar, nas palavras do velho spiritual negro: ‘Livres, finalmente. Livres, finalmente’.”

O discurso completo, com legendas em português:

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Lenir Vicente em 15/01/2013 - 19h50 comentou:

O mundo seria mesmo outro se eles não tivessem sido assassinados.

Responder

joão em 28/08/2013 - 21h38 comentou:

É tudo muito triste. Hoje os E.U.A. têm um presidente negro, qdo eleito, foi uma emoção, uma revolução, acenou-se com grandes mudanças na grande nação branca do norte. E o que vemos hoje, um presidente q tem quebrado suas promessas de campanha sistematicamente e por vêzes fazendo coisas até piores q seu antecessor e tem se revelado, para mim: um tremendo canastrão.

Responder

Décio em 29/08/2013 - 01h21 comentou:

Não vai ter puxação de saco do picareta Obama?

Responder

wellington em 23/07/2014 - 09h52 comentou:

talvez se ele nao tivesse sido assassinado, ele nao seria tao conhecido e o movimento nao teria ganhado tanta força. grande luther king!

fiescaixa.net

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

HQ sobre Carolina Maria de Jesus é indicada ao Jabuti


Joia rara “garimpada” pelo jornalista Audálio Dantas em uma favela do Canindé em 1958, Carolina é "descoberta" mais uma vez, agora em quadrinhos

Cultura

A cooperativa de gibis do Brizola e o abrasileiramento do Zé Carioca


Numa sobreloja da rua da Praia, em Porto Alegre, entre goles de chimarrão e cafezinho comprado das vendedoras ambulantes que passavam por ali, um grupo de quadrinistas, todos na casa dos 20 anos, participavam de…