Socialista Morena
Direitos Humanos

A esquerda precisa se acostumar com LGBTs e negros de direita; eles sempre existiram

Será que gays e negros têm a obrigação de serem de esquerda apenas por serem gays ou negros?

Gay de direita na parada LGBT em Santiago. Foto: reprodução twitter
Cynara Menezes
04 de julho de 2018, 18h10

No dia 23 de junho, um jovem gay chileno, Nicolás Mendoza Morales, causou polêmica nas redes sociais do país ao aparecer na parada LGBT de Santiago com um cartaz: “orgulhoso de ser gay e de direita”. As reações foram agressivas, ao ponto de compararem o rapaz a um “judeu nazista”, como se isso fosse uma contradição em termos. O mesmo tipo de reação furiosa de setores da esquerda costuma acontecer quando um negro vem a público se assumir como defensor do capitalismo e do tal “livre mercado”. Mas será que gays e negros têm a obrigação de serem de esquerda apenas por ser gays ou negros? Não acho.

Boa parte da esquerda no mundo ainda não se acostumou com a possibilidade de existirem, e cada vez mais, LGBTs e negros de direita. Para contrapor esta tendência, citam Paulo Freire, que afirmava: “quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor”. Darcy Ribeiro também alertava, em O Povo Brasileiro, para os negros que, ao ascenderem socialmente, se veem seduzidos pelo “patriciado tradicional”, ou classe dominante, no desprezo à própria raça e origem. O mesmo pode ser dito hoje do “pobre de direita”, outro alvo frequente da esquerda na crítica àqueles que renegam de onde vieram, abraçando o ideário burguês. Mas quem disse que todo negro ou gay se sente oprimido?

Para começo de conversa, a esquerda deve assumir que não possui a luta contra a homofobia em seu DNA. Se é bem verdade que muitos nomes de esquerda estão ligados à defesa dos direitos LGBTs desde os primórdios, outros nomes também os rechaçaram desde os primórdios. Marx e Engels já foram apontados como homofóbicos; se Emma Goldman e Harry Hay são considerados pioneiros na defesa dos direitos dos homossexuais, o governo de Fidel Castro perseguiu os LGBTs em Cuba até 1979, quando a homossexualidade foi descriminalizada. Em 2010, Fidel se desculpou publicamente pelas perseguições.

Graças à esquerda os direitos LGBTs se difundiram mundo afora e é a esquerda quem continua à frente das principais iniciativas em favor de gays e lésbicas. Todas estas conquistas são, porém, conquistas dos LGBTs, não são propriedade da esquerda

Na verdade, o histórico da esquerda em relação aos direitos LGBTs tem altos e baixos. Se, após a revolução russa de 1917, a homossexualidade foi logo descriminalizada, em 1933 o ditador Josef Stalin a criminalizou novamente (assim como fez com o aborto), e sujeitou os gays à pena de prisão e trabalhos forçados. Na Alemanha Oriental, a homossexualidade era considerada um sinal de “decadência burguesa” e foi punida entre 1953 e 1957, mas foi descriminalizada em 1968, enquanto nos EUA vários Estados só o fariam nos anos 1990.

Ou seja, nas suas piores épocas, era a esquerda a opressora… De um modo geral, pode-se dizer que é só após a rebelião de Stonewall, em 1969, que a esquerda começa a se identificar plenamente com a causa LGBT. E, sim, é graças à esquerda que os direitos LGBTs se difundiram mundo afora sobretudo a partir dos anos 1980 e é a esquerda quem continua à frente das principais iniciativas em favor de gays e lésbicas, como a defesa do casamento igualitário. Todas estas conquistas são, porém, conquistas dos LGBTs, não são propriedade da esquerda.

No caso dos negros é um tanto diferente, porque a luta contra o racismo sempre foi dos setores mais “liberais” (no sentido oposto a “conservador”) da sociedade. Os grandes nomes da luta pela emancipação dos negros são de esquerda e os comunistas sempre se identificaram com ela. Embora setores da direita tentem falsear a biografia de Martin Luther King, ideologicamente ele se situava à esquerda do partido Democrata e foi perseguido sob a acusação de ser comunista, coisa que tampouco era. Os Panteras Negras eram assumidamente de esquerda enquanto a Ku Klux Klan é de direita e seu jornal oficial inclusive declarou apoio a Donald Trump em 2016.

Por que um negro não pode achar que o capitalismo é o sistema que melhor lhe traz chances para ascender socialmente? Por que um gay não pode ser a favor do Estado mínimo? Não existe contradição alguma nisso

No entanto, tanto no caso dos LGBTs quanto no caso dos negros, a esquerda faz uma cobrança por “gratidão” que me parece um contrassenso. Ora, se tudo que a esquerda deseja em sua luta em defesa das minorias é empoderar negros e LGBTs, fazê-los plenos cidadãos, isso inclui permitir a eles escolher a ideologia com a qual mais se identificam intelectualmente, sem patrulha. Por que um negro não pode achar que o capitalismo é o sistema que melhor lhe traz chances para ascender socialmente? Por que um gay não pode ser a favor do Estado mínimo? Não existe contradição alguma nisso.

Ao longo da história, sempre existiram homossexuais e negros de direita. Houve incontáveis ditadores africanos e afro-americanos de direita, como Idi-Amin em Uganda ou Papa Doc no Haiti. O grande espoliador das riquezas da África e arquiteto do apartheid, Cecil Rhodes, era gay. Em 1975, Peter Campbell fundou na Inglaterra o Grupo Conservador pela Igualdade Homossexual, a primeira organização conservadora em defesa dos gays de que se tem notícia. Então ser de esquerda não é bem algo que estaria nos genes de negros e de homossexuais como um destino. Não se nasce de direita ou de esquerda, torna-se.

O debate com LGBTs e negros de direita jamais deveria partir de raça ou de orientação sexual, mas se resumir a ideias, assim como fazemos com quaisquer outros cidadãos de direita. Cerceá-los ideologicamente é uma forma de continuar oprimindo

O debate com LGBTs e negros de direita jamais deveria partir de raça ou de orientação sexual, mas se resumir a ideias, assim como fazemos com quaisquer outros cidadãos de direita. LGBTs e negros podem ser de direita tanto quanto as mulheres podem ser de direita e não cobramos delas que sejam de esquerda apenas por ser mulheres. Se é igualdade o que a esquerda preza, devemos combater o pensamento de direita em negros e LGBTs como fazemos  com qualquer um, e não, de forma paternalista, cobrar que eles pensem como nós apenas porque os “ajudamos” em suas conquistas. Cerceá-los ideologicamente é uma forma de continuar oprimindo.

Em minha opinião, partir para a gozação ou a ofensa em relação aos negros e homossexuais de direita é um caminho equivocado principalmente porque a esquerda deveria apreciar que a defesa dos direitos LGBTs e contra o racismo se dissemine, independentemente das ideologias. Precisa ser mais generosa com suas bandeiras, em vez de agir como um amante ciumento que deseja manter apenas para si as suas causas. Que existam cada vez mais negros e LGBTs empoderados: este deve ser nosso desejo. Se eles querem ser de esquerda ou de direita, aí já não é problema nosso.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(22) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Nelson Silva em 04/07/2018 - 21h11 comentou:

Bela reflexão, Cynara. Fez muito sentido para mim. Sou seu fã! Valeu!

Responder

John em 04/07/2018 - 22h30 comentou:

Eu discordo veementemente desse artigo, primeiro você recorre num erro que já observei em outro post, achar que as ideológias conflitantes são como times de futebol, ambos os lados teriam “motivos” suficientes para escolherem suas ideologias, se você observar atentamente ás bases que compoe a ideologia de direita verá que é um contracenso enorme achar que á direita é só uma base de pensamento diferente da de esquerda, a ideologia de direita na sua base, na suas premissas defendem o status quo, defendem que uma minoria privilegiada permaneça assim, defende que o mundo é feito de fracos e fortes e que os fortes devem prevalecer sobre os mais fracos, se alguém concorda que á humanidade evoluiu o suficiente para não precisar aceitar essas premissas a ideologia de direita passa á ser o que realmente é, uma das mais terriveis ideologias de controle social de todos os tempos, partindo desse pré suposto não se trata de duas escolhas sobre pontos de vistas diferentes, se trata da escolha por uma lógica egoista e excludente e outra inclusiva e solidaria, falar que esquerda e direita são dois pontos de vistas conflitantes é o mesmo que dizer que esquerda e direita são tudo a mesma coisa, que basta você escolher á que melhor te enquadra e pronto vivam felizes, isso não corresponde á realidade.

Responder

vinicius em 05/07/2018 - 08h21 comentou:

Ai, Cynara, te amo, mas discordo totalmente desse artigo. Quando vem à baila notícias de gays, por exemplo, que se auto intitulam como “conservadores”, eu fico estarrecido, visto que, a gente bem sabe que o conservadorismo ao longo da história cerceou a liberdade dessa minoria, quando não tentou extermina-la. Ouvir uma pessoa se considerar um “gay conservador” me remete a uma ignorância absurda misturada com uma síndrome de Estocolmo. Como você pode ser a favor de uma ideologia que tenta te rebaixar, diminuir e marginalizar por causa da sua condição? E pior, muitos desses “gays conservadores” se apossam e disseminam esse discurso de maneira danosa. É por causa desse conservadorismo que o Brasil é o país que mais mata homossexuais no mundo, inclusive. Desculpa, mas eu enquanto gay e militante LGBT não posso e nem vou ter sororidade com esse tipo de gente.

Responder

Flavio de Oliveira Lima em 05/07/2018 - 11h41 comentou:

Ótimo ponto.
Todos os meus colegas de profissão que são gays, ou são direitistas golpistas/fascistas, ou direitistas discretos tipo “neutro”.
Por isso a esquerda tem que parar de associar automaticamente suas idéias ao ideário lgbt, que apesar de ser justo, valido e progressista, é diferente de ser de esquerda.
E a direita usa essa associação para assustar gente que potencialmente seria de esquerda, mas tem preconceito (sim, quero essas pessoas no meu lado na política, sorry people).
Os gays direitistas nunca associam as duas coisas, e esse garoto é uma exceção que espero que vire moda.
Enfim, GAYS DE DIREITA, SAIAM DO ARMÁRIO E FAÇAM COMO O GAROTO! DECLAREM-SE TAMBÉM GAYS E DE DIREITA!
Deixar a defesa publica do ideário lgbt só nas costas de esquerda é politica e intelectualmente desonesto.

Responder

Flavio de Oliveira Lima em 05/07/2018 - 11h45 comentou:

Você tem razão.
Mas se todos os gays de direita seguirem o exemplo do garoto e assumirem as duas posições, vai tirar o fardo da defesa do ideário lgbt das costas da esquerda.
Fardo sim, compa, fardo.
Vai facilitar muito a defesa das nossas posições econômico-sociais, a meu ver mais importante nessa altura da História Humana.

Responder

Moacir Schmidt em 05/07/2018 - 12h39 comentou:

Você tem que entender a diferença entre a “DIREITA COMO ELA É” e a “DIREITA COMO A ESQUERDA ACHA QUE ELA É”

Responder

Claudio Kezen em 05/07/2018 - 12h47 comentou:

A luta contra o racismo começou com mulheres brancas nas igrejas protestantes americanas. Sim o Cristianismo é o responsável. Informe-se melhor e durma com isso.

Responder

Renato em 05/07/2018 - 12h51 comentou:

A turma de esquerda em todos os países do mundo tem perdido credibilidade justamente por falar e não agir, por apoiar minorias e odiar quem pensa diferente, por fazer patrulha ideologica e viver de hipocrisia.
Este artigo é descente apesar de duvidar sempre de alguem que apoia socialismo e regimemes reconhecidamente não democraticos.

Responder

Elder em 05/07/2018 - 13h28 comentou:

” (..) se você observar atentamente ás bases que compoe a ideologia de direita verá que é um contracenso enorme achar que á direita é só uma base de pensamento diferente da de esquerda, a ideologia de direita na sua base, na suas premissas defendem o status quo, defendem que uma minoria privilegiada permaneça assim, defende que o mundo é feito de fracos e fortes e que os fortes devem prevalecer sobre os mais fracos, (…)”

Nem a direita e nem a esquerda tem a intenção de defender nada disso. Grande parte das pessoas, de ambos os lados, acreditam genuinamente que suas ideologias são uma melhor alternativa. Isso que tu disse é só uma forma de alimentar a polarização que sai dos campos das ideias e das discussões e parte para os discursos de ódio. Além disso, tira o foco das argumento e coloca o foco no argumentador. O que, por si só, demonstra pobreza intelectual. E vemos ela de ambos os lados.

Em tempo, ter boas intenções e acreditar que ideologia x ou y é melhor não quer dizer nada. Um governante bem intencionado pode destruir toda uma sociedade e nem ao menos compreender que foi ele o responsável por aquilo tudo. Não são e nunca serão as boas intenções ou a fé que torna o mundo melhor. É a razão, a mente criativa.

Responder

Vicente Adolfi em 05/07/2018 - 13h37 comentou:

John, Embora eu seja de direita e tenha muitas diferenças de pensamento com a socialista morena, achei o texto dela muito bom, coerente e democrático (reconhecendo abusos de governos totalitaros de esquerda tb). Já o seu comentário foi de uma boçalidade e imbecilidade gritantes. Pare de repetir chavões que boa parte da esquerda usa para caracterizar a direita e vá estudar sobre as ideologias de direita (que assim como a esquerda é múltipla) . Ser de direita é ter uma visão estruturalmente diferente da esquerda e achar que forçar todos a uma igualdade absoluta é antinatural e antidemocrático. Mas isso não tem nada a ver com defender opressoes, privilégios absolutos de minorias, pobreza e etc… Qualquer um com um minimo de bom senso e humanidade quer o fim da pobreza, a igualdade de oportunidades, fim de preconceitos e privilégios políticos e jurídicos para determinadas classes.

Responder

Renato em 05/07/2018 - 14h02 comentou:

volte daqui alguns anos e esse blog vai se chamar Liberal Morena rsrsrs

Responder

Eduardo em 05/07/2018 - 14h59 comentou:

Mais uma bela reflexão, Cynara.
Parabéns pelo pensamento evoluído.

Responder

Paulo Martins em 05/07/2018 - 15h20 comentou:

John,você está correto! Daqui a pouco vamos defender aqueles negros que tatuam suásticas em seus corpos e fazem a saudação nazista como algo que se simplifica no campo da escolha pessoal e não do ridículo,do desconhecimento,da ignorância e do patético.

Responder

Rodrigo em 05/07/2018 - 18h59 comentou:

Texto interessante. Acrescento que muita gente hoje não sabe a diferença entre direita e esquerda, e isso leva uma multidão a ser de direita achando que é “o melhor pro povo”. Além disso, uma correção: “nos EUA vários Estados só [descriminalizariam a homossexualidade] nos anos 1990”. Vários estados lá só descriminalizaram a “sodomia” (mesmo heterossexual) em 2003, por ação da Suprema Corte: https://en.wikipedia.org/wiki/Lawrence_v._Texas.

Responder

democrata em 06/07/2018 - 16h45 comentou:

Há homofóbicos de esquerda como Che Guevara foi. Mas há gays q apoiam ou passam pano pra reaças tb.

Um exemplo é um youtuber do canal “Enzuh”. Q faz estilo “Christian Pior”, q já fez videos se gabando de ser descendente de europeu, zoando sotaque de nordestino, etc.

Nesse vídeo ele se mostra ponderado, mas não se deixe levar, veja os vídeos do canal dele

_______ Sou Gay e da Direita, e Daí?

https://www.youtube.com/watch?v=NNQ03i-nhTU

_______ Gay e CONTRA a Parada do Orgulho LGBT 2018

https://www.youtube.com/watch?v=tn33Q8w4cVU

Já esse vídeo, da “Lívia Zaruty” do canal “Etnia brasileira” , q antes era simpatizante de reaças, mas depois foi tomando consciência e tenta ser o mais imparcial possível:

_______ FERNANDO HOLIDAY O GAY “NÃO PRATICANTE” DE DIREITA

https://www.youtube.com/watch?v=-70EHy-8vH4

Responder

John em 06/07/2018 - 23h21 comentou:

Pode chorar á vontade, mas já estudei o suficiente das bases dos direitistas, e aqui incluo pseudos liberais, conservadores, monarquistas a base é a mesma, defender o status quo, defesa da propriedade, defesa dos valores dominantes, se você não estudou sr vicente á respeito do que você defende á culpa não é minha, mas está tudo lá, quem estuda as bases da ideologia da direita só vai encontrar isso.

Responder

John em 06/07/2018 - 23h42 comentou:

Elder eu não sei se no seu texto você quis dizer que as bobagens de direita são a “razão” porque se for acho que você tem que procurar urgentemente algum tratamento psiquico, quanto á governantes não saberem das consequências do seus atos isso daí é um mito, geralmente decisões ruins mais dias menos dias são descobertas no campo da politica visto que são objetos de intensa disputa, as criticas se somam os resultados são identificáveis, os maiores estragos na sociedade derivaram de trabalhos ideológicos de legitimação do poder, quando um sujeito com a desculpa de estar atuando em favor de determinado projeto utiliza da retórica e da propaganda para se manter no poder, no meu post questionei a argumentação de que escolher a direita ou a esquerda se trate unicamente de pontos de vista, isso não é verdade, escolher a direita ou á esquerda se trata de defesas de mundos conflitantes, não de pontos de vista diferentes, seria um ponto de vista diferente num caso em que não alterasse radicalmente as consequências de determinada crença o que não é o caso: “ah mas teve muitos governos de esquerda que foram autoritários”, sim houve muitos governos que se diziam de esquerda que foram autoritários mas sua base ideológica não referendava seu autoritarismo e se você pegar as bases ideológicas da maioria das vertentes de direita verá que elas referendam sim o autoritarismo, seja por meios explícitos seja pela defesa do status quo ( o que é um autoritarismo de visão: “meu mundo é o correto e qualquer visão diferente é uma utopia”) , esquerda e direita tem diferenças radicais demais para serem tratados como meros pontos de vista conflitantes, são dois modos de encarar o mundo que vive, de um lado a defesa dos privilégios como algo natural, a defesa de que as desigualdades se curam ou sozinhas, ou com a ajuda da mão invisivel, ou que elas são naturais e o outro lado defendendo totalmente o contrario dessas conclusões.

Responder

Viviane em 09/07/2018 - 11h12 comentou:

Eu entendo que “esquerda” é a defesa da equidade entre todos os cidadãos, enquanto a “direita” naturaliza a desigualdade. Portanto, quem defende a igualdade, em que campo for, é de esquerda. Lidem com isso.

Responder

Line em 09/07/2018 - 13h46 comentou:

Gostei do texto, mas sempre aparecem tipos como o Claudio, colocando o protagonista das lutas anti-racismo em ”brancos e cristãos” e não duvido nada que vez em quando, ele diga até que ”tem mais negro racista que branco”. Sendo também que nem todo branco e cristão é de direita, tem sim brancos e cristãos de esquerda e isso é algo que a esquerda também ignora muitas vezes ou faz muitas ironias. Essas mulheres brancas e cristãs que faziam campanha anti-racismo, provavelmente eram chamadas com frequência de ”comunistas”, ”lixo branco”, ”vadias” e ”feminazis” pelos grupos hegemônicos de brancos e cristãos, mesmo elas não sendo nenhuma dessas coisas. A centro-direita, o PT e Lula por exemplo, têm muitos eleitores cristãos.

Responder

DENIS em 11/07/2018 - 16h26 comentou:

JOHN: É verdade. Mas é dificil de admitir. eu sempre digo isso para justificar minha “esquerdopatia”: racistas, xenófobos, machistas, ultra fanáticos religiosos e etc coincidentemente andam juntos com a Direita. mas eles não admitir. Daí a minha opção não só pela esqueda, mas pela pauta da esquerda.

Responder

DENIS em 11/07/2018 - 16h30 comentou:

agora sobre “negros racistas”, recomendo uma pesquisa sobre RACISMO REVERSO. Ver Djamila Ribeiro, Pesquisadora na área de Filosofia Política e feminista. Foi secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.
magistralmente, ele mata a pau a questão.
Cynara, posso linkar?
https://www.cartacapital.com.br/blogs/escritorio-feminista/racismo-reverso-e-a-existencia-de-unicornios-205.html

Responder

Leão Trotsqui em 13/07/2018 - 16h25 comentou:

Meu deus a falta de materialismo leva a cada teoria absurda.
Ser gay nao é nem nunca foi revolucionário… a opressão de direitos de pessoas que se relacionam com o mesmo sexo é que jogou essas pessoas automaticamente em uma luta por direitos, portanto progressista. Mas até onde eu sei o Kassab , o Holiday e o Bruno Cosvas gostam de piroca …
Ninguem é revolucionario de nascencça, por ter tal cor, tal fenotipo, tal opçao sexual… sao as condiçoes materiais do sistema excludente que colocam os grupos oprimidos no campo da esquerda.. e quem faz parte dos grupos oprimidos e quer estar do outro lado da moeda é por que nao conhece a estrutura do capitalismo.. em outras palavras é um ignorante, um masoquista ou um dissimulado..
É normal que Papa Doc oprimisse seu povo em favor do Imperialismo?
Ninguem tem que aceitar isso… o que acho que acontece as vezes é alguns usarem do mesmo racismo para criticar um negro de direita … Mas um negro ou branco pobre de direita nao deixa de ser um imbecil

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

Globo diz que novela “baiana” não tem negros porque Taís Araújo estava ocupada


Assista também no post ao vídeo que está viralizando no facebook ao ironizar novela escandinava da Globo passada na Bahia

Cultura

Daniel Pxeira, o cartunista brasileiro que ganhou o mundo pelas mãos de Demi Lovato


Cantora norte-americana se posiciona nas redes sociais contra a absurda proposta de "cura gay" utilizando palavras em português e charge de recifense radicado em Brasília