Socialista Morena
Maconha

A maconha é uma nova commodity

Uma das coisas que me espantam no capitalismo, sobretudo o brasileiro, é a absoluta falta de criatividade. Se depender do sistema, nem mesmo as maneiras de se fazer dinheiro se renovarão. Vejam o caso das commodities: elas são praticamente as mesmas desde que o mundo é mundo: agricultura (leia-se grãos), pecuária, mineração, petróleo… Nada de […]

Cynara Menezes
22 de junho de 2016, 17h56
grow

(“Faça a economia crescer; legalize e cobre impostos”)

Uma das coisas que me espantam no capitalismo, sobretudo o brasileiro, é a absoluta falta de criatividade. Se depender do sistema, nem mesmo as maneiras de se fazer dinheiro se renovarão. Vejam o caso das commodities: elas são praticamente as mesmas desde que o mundo é mundo: agricultura (leia-se grãos), pecuária, mineração, petróleo… Nada de novo sob o sol.

As principais commodities brasileiras, por exemplo, não se renovam desde a época do coronelismo (ou talvez essa época nunca tenha passado): já foram borracha, café e banana; hoje são soja, minério de ferro, petróleo e carne. Para começo de conversa, esta é uma maneira ultrapassada de enxergar a economia, porque todas estas commodities são nocivas ao meio ambiente. Vão contra a “sustentabilidade”, para usar uma palavra tão ao gosto dos capitalistas “modernos”.

Mas o caso é que essas commodities do tempo da onça são responsáveis por 65% de nossas exportações. Se o capitalismo tivesse se modernizado de verdade, já existiriam outras, não? Ou será que o fato de as commodities, as mercadorias que movem os mercados, continuarem idênticas há pelo menos 100 anos é uma prova concreta da estagnação do capitalismo?

A economia do planeta está frequentemente em crise. São crises cíclicas, ao que tudo indica inerentes ao sistema. E o que acontece em momentos de crise como o que vive o Brasil agora? Trabalhadores são demitidos e são feitos cortes nos programas sociais dos governos. Não muda, é sempre esta equação em toda parte: quando vem a crise, quem paga o pato são os que mais precisam e não quem mais dinheiro tem. Mais grave: NADA no sistema se altera. É assim com as commodities: aconteça o que acontecer, o Brasil sempre exportará soja. Ou seja, nós alimentamos um sistema falido, obsoleto, arcaico.

Por que não modernizar o sistema, pelo menos? Promover novas commodities pode ser uma solução. Uma delas: os produtos orgânicos são um mercado em ascensão no mundo e movimentam cerca de 80 bilhões de dólares anualmente. Para se ter uma ideia, mesmo com o Brasil em crise, nosso minúsculo mercado de orgânicos cresceu 25% em 2015. Insistimos em soja, algodão e milho, quando também poderíamos estar também exportando orgânicos. Somos campeões em agrotóxicos e lanterninhas em orgânicos.

Quando se fala em orgânicos, há gente até na esquerda que torce o nariz: “Ah, mas não vai ter comida para todo mundo se não houver agrotóxico”. Mentira. Primeiro que isso seria uma negação à premissa máxima do capitalismo, a lei da oferta e da procura. Se há procura, haverá oferta. E segundo porque somos um país de dimensões continentais, existe espaço para alimentos com e sem agrotóxicos -sendo que estes últimos representam o passado e os orgânicos, o futuro.

Vejam o caso do Canadá, um país enorme como o nosso, que é o quarto mercado mundial em orgânicos. Em março, o país fechou um acordo de equivalência com a União Europeia que tornará possível a exportação dos produtos orgânicos canadenses. No Brasil, um acordo semelhante está parado desde 2007 e não existem nem sequer números oficiais sobre a produção e a comercialização de orgânicos. Este é um número que tem muito mais a ver com os tempos em que vivemos: 59% dos canadenses estão conscientes de que plantar orgânicos é melhor para o meio ambiente. Isso se chama visão de futuro.

Outra clara commodity do mundo em que vivemos é a maconha. De acordo com um estudo recente elaborado por técnicos da Câmara Federal a pedido do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), a legalização da maconha poderia render ao Brasil cerca de 6 bilhões de reais apenas em impostos -um cálculo feito por baixo, levando em consideração que apenas 2,7 milhões de brasileiros fumam maconha recreativamente, um número claramente subestimado (nos EUA são mais de 20 milhões). O país também economizaria quase 1 bilhão de reais no sistema prisional se não ocorressem prisões relacionadas à maconha.

Nos Estados Unidos, onde foi liberada para uso medicinal em 25 Estados e para uso também recreativo em quatro, a maconha é considerada uma nova commodity quente pelos especialistas na bolsa de valores, prejudicada pelo fato de ainda ser proibida nos demais. Por lá, a expectativa é de que em 2016 a maconha legal movimente 6,7 bilhões de dólares. Se fosse legalizada no país inteiro, projeções apontam que poderia alcançar quase 22 bilhões de dólares em 2020.

Imaginem no Brasil a produção enorme de maconha que teríamos: todos sabem que a cannabis cresce que é uma maravilha no sertão nordestino, e olha que na criminalidade, sem nenhuma técnica agrícola moderna… Detalhe: maconha não é só a que contém THC e “dá barato”; a fibra também pode ser usada na fabricação de dezenas de produtos. Infelizmente, em nosso país a discussão sobre a legalização da maconha é interditada pela lógica eleitoreira que favorece os acordos com o pensamento retrógrado tanto de fundamentalistas evangélicos quanto de ruralistas (não raramente aliados no Congresso Nacional).

Até os nossos capitalistas são mais atrasados do que os outros.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos, Maconha

Direto na mente: conheça o clube de boxe chileno turbinado com cannabis


Enquanto aqui no Brasil o ministro da Justiça do governo ilegítimo sonha ridiculamente em “erradicar a maconha na América do Sul”, no Chile, onde é permitido plantar para consumo próprio até seis plantas da erva…

Direitos Humanos, Maconha

Vamos falar de maconha?


“Já fumamos a macumba ou diamba. Produz realmente visões e como um cansaço suave; a impressão de quem volta cansado dum baile, mas com a música ainda nos ouvidos” (Gilberto Freyre) Está quase no fim…