Socialista Morena
Cultura

Los Barbudos e a partida de beisebol mais comunista da História

Reza a lenda que, se tivesse sido contratado pelos Washington Senators aos 15 anos, Fidel Castro teria se tornado um astro do beisebol e sua vida seria outra. Um “olheiro”, Joe Cambria, teria visto o adolescente Fidel jogar em Havana e, impressionado com a “bola de curva” (curveball) do arremessador, o convidara para jogar profissionalmente […]

Cynara Menezes
28 de novembro de 2016, 18h34
fidelbarbudos

(Fidel, o arremessador. Fotos: Joe Scherschel)

Reza a lenda que, se tivesse sido contratado pelos Washington Senators aos 15 anos, Fidel Castro teria se tornado um astro do beisebol e sua vida seria outra. Um “olheiro”, Joe Cambria, teria visto o adolescente Fidel jogar em Havana e, impressionado com a “bola de curva” (curveball) do arremessador, o convidara para jogar profissionalmente nos Estados Unidos. O jovem preferiu continuar estudando e se tornou o revolucionário comunista cuja trajetória se interrompeu na última sexta, 25 de novembro, aos 90 anos.

O mito do Fidel beisebolista se tornou tão poderoso que, em 1964, um ex-jogador profissional, Don Hoak, chegou a publicar um artigo contando como enfrentara o imberbe Fidel numa partida entre estudantes em Havana que jamais aconteceu. Em uma reportagem feita para a Harper’s Magazine em 1989, Castro’s Curveball, o jornalista J. David Truby sustenta a história do “olheiro” como verdadeira, afirmando que Fidel foi “seriamente considerado para jogar nos Senators”.

Truby revela ainda que Fidel deixou os dirigentes do New York Giants estupefatos ao recusar uma oferta de 5 mil dólares da época para jogar no time. Talvez o garoto tenha pressentido que havia um destino mais importante para ele neste mundo –liderar uma revolução, quem sabe?

fidelcamilo

(Fidel e Camilo Cienfuegos)

Nenhum destes relatos ficou comprovado. A “reportagem” de David Truby, hoje tida como inventada, acabou de fato romanceada por Tim Wendel na novela homônima Castro’s Curveball, de 1999. Entrevistado pela ABC em 1991, o próprio Fidel Castro avaliou, sem falsa modéstia, que havia sido um jogador de beisebol “bastante bom”, mas que não teria chance nos grandes times. “Eu provavelmente estaria engraxando sapatos em Nova York”, disse.

fidelcamilo2

(Camilo e Fidel, animados na chegada)

O que, sim, é história é que Fidel Castro foi a vida inteira louco por beisebol e, seis meses após a revolução que acabou com a ditadura de Fulgêncio Baptista, ele e seus camaradas organizariam um jogo de beisebol em Havana: Los Barbudos contra a Polícia Nacional. No estádio del Cerro, hoje chamado Latinoamericano, os guerrilheiros luziam uniformes com o nome do time. Camilo e Fidel seriam os lançadores de cada uma das equipes, mas à última hora Cienfuegos apareceu com o uniforme dos Barbudos. “Não fico contra Fidel nem em um jogo de bola”, explicou, fortalecendo outra lenda: a de que o comandante odiava perder e era daqueles capazes de fugir com a bola e o taco.

raulbeisebol

(O jovem Raúl Castro na arquibancada)

Havia mais de 26 mil pessoas no estádio, a maior audiência já vista até então. As grandes estrelas eram Camilo e Fidel. Para nós, brasileiros, as regras e jogadas soam todas muito complicadas, mas o que se sabe é que a tal maestria de Fidel não deu as caras, pelo menos não naquela partida. Segundo os relatos sobre a partida, ambos se saíram razoavelmente bem, mas nem tanto; e o jogo terminou em 3 a 0 para os policiais. Há quem diga, porém, que a lenda do Fidel craque de beisebol nasceria naquela noite.

Tão perto e tão longe dos Estados Unidos, o beisebol continuou sendo o esporte nacional de Cuba após a revolução e muito pela promoção que Fidel fazia do esporte. “Assim como a terra, a pelota voltou para o povo”, disse Fidel em 1962, ao inaugurar a Série Nacional de Beisebol. “A bola não é criação ianque, os primeiros habitantes de Cuba já jogavam, com o nome de Batos. Este é um triunfo da bola livre sobre a bola escrava. Nossos atletas deixaram de ser mercadoria para converter-se em jogadores. Algum dia, quando os ianques se decidirem a coexistir com nossa pátria, o que terão sem dúvida que fazer, também os venceremos no beisebol, e então se poderá comprovar a superioridade do esporte revolucionário sobre o esporte explorado.”

fidelbarbudos2

(El comandante comandando)

Apesar de ter acabado com o esporte profissional na ilha, o que para os detratores “destruiu” o beisebol cubano, para outros foi justamente com o fim do profissionalismo que ele alcança sua época de ouro. “A verdade é que o auge do beisebol cubano se alcançou na segunda metade do século 20 —uma era pó-revolução e não pré-revolução”, defende o historiador do beisebol Peter C. Bjarkman neste interessante artigo. “Fidel Castro e suas políticas de amadorismo foram no fundo responsáveis, durante os anos 1960 e 1970, por reconstruir o esporte de Doubleday e Cartwright na ilha e convertê-lo em uma vitrine de patrióticas competições amadoras. O resultado direto dessas duas décadas e das outras três que se seguiram seria um dos mais fascinantes circuitos de beisebol no mundo.”

fidel19

(Camisa 19, Fidel Castro)

Algumas dezenas de astros cubanos, porém, fugiram para o profissionalismo (e os dólares) dos EUA neste meio tempo. Só em 2015, fala-se que mais de 100 jogadores de beisebol de Cuba pediram asilo em terras norte-americanas. A última das fugas aconteceu em fevereiro deste ano, quando os irmãos Yulieski e Lourdes Gurriel, de 31 e 22 anos, respectivamente, duas das principais figuras do esporte em Cuba, desertaram na República Dominicana, abandonando a concentração após a equipe ser eliminada da Série do Caribe.

No mês seguinte, os irmãos chegaram a Miami, e, em julho, Yulieski foi contratado pelos Houston Astros por cinco anos e 47,5 milhões de dólares. Seu irmão Lourdes está jogando no Toronto Blue Jays, no Canadá, com um contrato de sete anos e 22 milhões de dólares.

Fidel e os Barbudos jogaram apenas uma vez, mas o comandante continuou batendo uma bolinha de vez em quando. Em novembro de 1999, o barbudo-mor participou de mais uma partida histórica: um embate entre Cuba e Venezuela, outro país aficionado ao beisebol, só com veteranos. Fidel dirigia o time cubano e Hugo Chávez era o lançador do venezuelano. Vejam Chávez arremessando e rebatendo. Todo um astro.

Mas, como treinador, Fidel se saiu bem melhor do que como jogador: o time de Cuba ganhou da Venezuela por 5 a 4. Chávez mostrou fair play. “Venezuela e Cuba ganharam. Este jogo aprofundou nossa amizade.”

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Governo Temer inicia substituição de médicos cubanos por profissionais brasileiros


O apoio das entidades da classe médica ao golpe que arrancou do cargo Dilma Rousseff está sendo recompensado celeremente pelo governo ilegítimo de Michel Temer. O ministério da Saúde anunciou hoje que apenas profissionais brasileiros…

Cultura

A noite em que Jean-Paul Sartre fumou um charuto com Che Guevara


“Guevara, diretor do Banco Nacional, ao oferecer-me um excelente café em seu escritório, me disse: – Primeiro sou médico, depois soldado, e finalmente, como o senhor vê, banqueiro.” Entre fevereiro e março de 1960, pouco…