Socialista Morena
Politik

A pergunta que a Record não respondeu sobre o estado de saúde de Bolsonaro

O candidato do PSL à presidência tinha alguma condição preexistente na região do abdômen antes de receber a facada?

Mulher de Bolsonaro ora com a mão sobre abdômen do deputado em abril. Foto: reprodução
Da Redação
23 de outubro de 2018, 11h24

Neste domingo, o programa Domingo Espetacular, da Record, a emissora chapa-branca do bolsonarismo, deu a versão oficial para o estado de saúde do candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro um mês e meio depois de receber uma facada em Juiz de Fora, Minas Gerais, durante um ato de campanha. A “reportagem”, feita para justificar a ausência do deputado nos debates, chega a entrar em detalhes bizarros sobre a bolsa de colostomia utilizada por Bolsonaro, dizendo que ela acomoda “fezes líquidas”. Assista:

A questão que a Record não conseguiu responder é: Bolsonaro tinha algum problema de saúde na região do abdômen anterior à facada? No dia 13 de abril deste ano, o jornal O Globo noticiou que Bolsonaro passou mal em Roraima e chegou a ser internado no Hospital Central do Exército, no Rio. O candidato, indignado, postou dois vídeos acusando o grupo de “fake news” sobre sua saúde. Num deles, aparece correndo na praia com a filha.

No outro, ele volta a desmentir que tenha problemas de saúde. Isso cinco meses antes de receber a facada em Juiz de Fora.

O jornal O Globo chegou a dar o desmentido da assessoria de imprensa do candidato: “Bolsonaro nega atendimento em hospital informado pela assessoria”. Mas manteve a informação. “Waldir Ferraz, assessor de imprensa de Bolsonaro, informou ontem ao GLOBO que o deputado passou mal ainda no aeroporto de Boa Vista (RR), onde se reuniu com líderes políticos locais. ‘Ele chegou a vomitar'”, diz o jornal, citando o assessor. “O assessor de Bolsonaro alega que o Exército não vai confirmar o atendimento porque ‘é uma questão pessoal’.”

Em março, porém, ele havia aparecido em um vídeo usando uma sonda nasogástrica. Por quê?

Fato é que, no final de abril, Bolsonaro e sua esposa Michelle aparecem no 36º Congresso Internacional de Missões, organizado pelo grupo evangélico Gideões Missionários da Última Hora, na cidade de Camboriú/SC, e o deputado ora por sua saúde. O pastor pergunta: “quem aí tem problema no estômago levante o braço”. Bolsonaro levanta. O pastor então pede para o acompanhante colocar a mão no local, e Michelle coloca a mão justamente no abdômen do então pré-candidato à presidência. Por último, o pastor Dorgival Timóteo impõe a mão sobre o ventre de Bolsonaro.

Confira:

Os próprios canais evangélicos divulgaram o vídeo.

O que tinha Bolsonaro na região do abdômen? É preciso lembrar que, após a facada, o próprio filho dele, Flávio, disse que o ferimento havia sido “superficial”. Só depois da internação no hospital, em Juiz de Fora, é que a situação se descobre complicada.

O deputado foi então submetido a duas cirurgias e terá que ser operado novamente em janeiro, segundo o Estadão, imediatamente após a posse, caso seja eleito no domingo. A explicação oficial é que se trata de uma cirurgia para retirada da bolsa de colostomia.

O país precisa saber qual era o problema que afligia o candidato na região do abdômen meses antes de receber a facada no mesmo local. É preciso transparência sobre o real estado de saúde de Bolsonaro

O Brasil já viveu uma situação em que o presidente não assumiu por questão de doença, com Tancredo Neves, em 1985, substituído por José Sarney. Também já fomos governados por vices-presidentes duas vezes desde então: Itamar Franco tomou o lugar de Fernando Collor, em 1991, e Michel Temer, o de Dilma Rousseff, em 2016, após processos de impeachment.

O país precisa saber qual era o problema que afligia o candidato na região do abdômen meses antes de receber a facada no mesmo local. É preciso transparência sobre o real estado de saúde de Bolsonaro. Não basta uma emissora de televisão simpática ao candidato dar sua versão oficial.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Omar Dario em 24/10/2018 - 16h06 comentou:

Esta história de facada tá me cheirando mal desde o início. Um energúmeno que passou a
vida inteira destilando ódios uma hora vai ter problemas sérios de saúde, em algum momento o corpo reclama. Não me surpreenderia em nada se ele adiasse a operação até
o meio da campanha só para armar este circo e capitalizar votos. Quem operou ele em juiz de fora e são paulo deveria ser investigado. Sinto um forte aroma de Tancredização no ar.
O capitão que se cuide na mão dos seus colegas de caserna, quando ele perceber que foi usado pode ser tarde demais, e aí o poder ficará nas mão do mourão o nosso “duterte” tupiniquim.

Responder

Daniel Silva em 30/10/2018 - 00h17 comentou:

E temendo que a verdade viesse a tona, Joice Hasselman criou uma fake news sem pé nem cabeça falando que uma revista de grande circulação recebeu 600 milhões para acabar com a candidatura do Bolsonaro.
Essa suposta notícia nunca foi revelada, mas muito se especula que seria a descoberta que essa facada foi orquestrada para preservar e vitimizar o Bolsonaro.
Bolsonaro sempre usou coletes a prova de balas nas ruas. Esse falso atentado um dia virá a tona.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Maconha

Tapa na Pantera: cada vez mais idosos buscam a maconha para aliviar a dor


Baseados em intuição, não em evidências científicas, homens e mulheres acima dos 45 anos recorrem à cannabis como analgésico

Maconha

Maconha é incluída na categoria “plantas medicinais” em lista oficial da Anvisa


A Cannabis Sativa L., popularmente conhecida como maconha, foi incluída pela Anvisa na categoria “plantas medicinais”, ao lado de outras 19 novas substâncias, produtos biológicos, princípios ativos, excipientes e plantas de interesse da indústria farmacêutica.…