Socialista Morena
Cultura

Albert Camus, 100 anos

Cynara Menezes
07 de novembro de 2013, 19h01

(Foto: Henri Cartier-Bresson)


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Fabrício em 11/11/2013 - 03h02 comentou:

Você não cria experiências, você se submete a elas.
Camus

Até então, O estrangeiro é o livro mais significativo que já li na vida. Não me canso da passagem onde Mersault vomita toda a vida que lhe restava no capelão que insistia em lhe oferecer a "salvação".

Responder

Elton em 13/11/2013 - 18h03 comentou:

O interessante em O Estrangeiro é, no meu ponto de vista, que Mersault é condenado mais por não ter chorado ou demonstrado pesar no velório da mãe…

Responder

Paulo Henrique em 13/11/2013 - 20h47 comentou:

Me corrijam se eu estiver enganado, mas Camus e Sartre se afastaram um do outro por implicações filosóficas e políticas, não foi? Enquanto Sartre passou a se empenhar na tentativa de conciliação entre existencialismo e marxismo (uma conciliação problemática a meu ver, mas a inclinação dele ao marxismo é algo notável e importante), Camus, por outro lado, desceu cada vez mais ao irracionalismo (ou "absurdismo" , como ficou conhecida sua corrente).

Responder

oswaldo em 02/06/2014 - 16h01 comentou:

a respeito de Camus o link http://www.nankin.com.br/uma-topografia-do-absurd… contém um ensaio a respeito de sua obra (acesso gratuito)

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Viva o dia dos mortos!


  Os mexicanos têm outra relação com o dia de Finados e com a própria morte em si: lá é dia de festa, de farra, não de choro e velas. Dia de celebrar a vida…

Cultura

O dia em que eu e o Chico visitamos o Lula, por Martinho da…


Site reproduz texto do novo livro do sambista, Crônicas de um Ano Atípico, sobre a visita que fez ao ex-presidente na prisão