Socialista Morena
Cultura, Politik

Alta ajuda de Nietzsche

  Morei dez anos em São Paulo e, quando você vive numa cidade gigante como essa, se não se mantiver atento e forte, corre o risco de ser levado pelo fluxo e se esquecer de quem é. Há uns oito anos eu me encontrava assim: esquecida de quem era de fato. Não andava mais de […]

Cynara Menezes
09 de novembro de 2012, 20h34

 

(caricatura do genial brasileiro Cássio Loredano)

Morei dez anos em São Paulo e, quando você vive numa cidade gigante como essa, se não se mantiver atento e forte, corre o risco de ser levado pelo fluxo e se esquecer de quem é. Há uns oito anos eu me encontrava assim: esquecida de quem era de fato. Não andava mais de bicicleta, não subia montanhas e não parava para admirar as coisas boas e simples da vida, como o pôr-do-sol. Momentos como estes são perigosos porque nos levam a tomar decisões erradas. Se a gente não se der conta logo, pode se perder de si mesmo para sempre.

Eu sempre fugi de Nietzsche porque, otimista incorrigível que sou, confundia o niilismo dele com pessimismo. Felizmente, neste período de confusão, lembrei que um amigo tinha me dito: “Você precisa ler Nietzsche”. Na banca de revista em frente ao Conjunto Nacional, na Paulista, comprei uma edição baratinha do Ecce Homo, a derradeira obra do autor alemão. Por incrível que pareça, este livro, do cara que eu achava ser pessimista, foi importantíssimo para o meu reencontro comigo mesma.

Pois é, tem auto-ajuda e tem alta ajuda. Ecce Homo, como diz sua epígrafe, me lembrou “de como a gente se torna o que a gente é”. Do livro pincei algumas frases que anotei em uma cadernetinha que carrego sempre comigo em caso de eu voltar a esquecer quem sou. Compartilho-as com vocês.

***

“Os anos em que minha vitalidade foi mais débil foram os anos em que deixei de ser pessimista: o instinto de auto-restabelecimento me proibiu uma filosofia da miséria e do desânimo.”

***

“O que não acaba com o homem, o fortalece.”

***

‘Engolir sapos faz, irremediavelmente, um mau caráter –e inclusive estraga o estômago. Todos aqueles que silenciam são dispépticos. Vede bem, eu não pretendo ver a grosseria sendo desprezada. Ela é, de longe, a forma mais humana de objeção e, em meio à suavização moderna, uma de nossas maiores virtudes.”

***

“O triunfo sobre o ressentimento, libertar a alma disso: eis o primeiro passo para o restabelecimento.”

***

“Me falta um critério confiável para saber o que é um sentimento de culpa. Segundo aquilo que se ouve a respeito disso, um sentimento de culpa não me parece nada digno de atenção.”

***

“Deus é uma resposta esbofeteada e grosseira, uma indelicadeza contra nós, os pensadores –no fundo apenas uma proibição esbofeteada e grosseira contra nós: vós não deveis pensar!”

***

“Me interessa de maneira bem diferente uma questão à qual a ‘sorte da humanidade’ está ligada muito mais intimamente do que a qualquer curiosidade teológica: a questão da nutrição. (…) Não se deve ter nervos, deve-se ter um ventre alegre.”

***

“A cozinha alemã como um todo –quantas são as coisas, quantos são os homens que lhe pesam na consciência! (…) A origem do espírito alemão –vísceras enturvadas! O espírito alemão é uma indigestão, ele não é capaz de dar conta de nada.”

***

“A dieta inglesa dá pés de chumbo ao espírito –pés de inglesa. A melhor cozinha é a do Piemonte.”

***

“Eu, um inimigo do vegetarianismo por experiência, não saberia recomendar com seriedade suficiente a abstenção incondicional de bebidas alcoólicas a todas as naturezas mais espirituosoas. (…) In vino veritas: parece que aqui também eu discordo do mundo inteiro a respeito do conceito ‘verdade’… No meu caso o espírito paira sobre a água.”

***

“O café nos torna sombrios. Chá saudável apenas pela manhã.”

***

“Sentar o menos possível, não acreditar em nenhum pensamento que não tenha nascido ao ar livre e em livre movimentação –quando também os músculos estiverem participando da festa. Todos os preconceitos vêm das vísceras… A vida sobre as nádegas é que é o verdadeiro pecado contra o espírito santo.”

***

“A influência climática sobre o metabolismo, sua redução e seu aumento, vai tão longe que uma escolha errada no que diz respeito ao lugar e ao clima pode não apenas alienar alguém de sua tarefa, como também chegar ao ponto de evitar que ele chegue até ela. (…) O gênio é condicionado pelo ar seco, pelo céu límpido…”

***

“A escolha da alimentação; a escolha do clima e do lugar… A terceira coisa na qual a gente não pode errar –a nenhum preço– é na escolha do seu tipo de recreação. No meu caso, faz parte da minha recreação ler tudo: ler me relaxa da minha própria seriedade. (…) Essas pequenas coisas –alimentação, lugar, clima, recreação e toda casuística do egocentrismo –são mais importantes –quaisquer que sejam os critérios– do que tudo aquilo que foi tido como importante até o momento.”

***

“Eu acredito apenas na formação francesa e considero todo o resto que se faz na Europa em termos de formação um equívoco –sem falar na formação alemã…”

***

“Talvez eu sinta inveja de Stendhal, no fim das contas? Ele me arrancou a melhor piada de ateísta: ‘A única desculpa de Deus é o fato de não existir’.”

***

“Quando a gente quer se livrar de uma pressão insuportável, o haxixe é necessário.”

***

“O que eu quero da música: que ela seja alegre, serena e profunda como uma tarde de outubro.”

***

“O erudito, que no fundo se limita apenas a ‘moer’ livros, ao fim das contas acaba perdendo por completo a capacidade de pensar por si mesmo. Eu vi com meus próprios olhos: naturezas talentosas, de tendência livre e fértil, ‘lidas à ruína’ já aos trinta anos, simples palitos de fósforos, que têm de ser friccionados para soltar faíscas –soltar pensamentos…”

***

“Que a gente se torne o que a gente é pressupõe que a gente não saiba, nem de longe, o que a gente é.”

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(22) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

mmagnesio em 09/11/2012 - 21h48 comentou:

Garoto esperto esse Nietzsche..! Reconheço q tenho uma certa preguiça dele. Mas vou dar uma chance.

É verdade isso que vc disse, uma cidade do tamanho de São Paulo faz isso com a gente, tem que ficar esperto.

bjo,
Maneco

Responder

Rafael em 09/11/2012 - 22h13 comentou:

Ate deu vontade de ler novamente uns livros dele encostados aqui…OU comprar novos, nunca lidos.

Responder

    Karin em 28/10/2013 - 06h36 comentou:

    Recomento comprar novos (usados)
    >.-

Boneto em 10/11/2012 - 19h39 comentou:

Cynara, conheci seu blog graças a uma postagem de um texto seu no site do Rodrigo Vianna. Parabéns!! Seus textos são envolventes e é impossível parar de ler o que você escreve!

Responder

Trevisolli em 10/11/2012 - 20h39 comentou:

Nietzsche é um deus em forma de cogumelo.

Gosto muito do velho e bom Dostoiévski…

Responder

Régis Varão Filho em 16/08/2013 - 18h23 comentou:

Gosto bastante de Nietzsche e aproveito para fazer uma observação, até onde sei, sobre ele.

Nietzsche não é niilista, inclusive Nietzsche se considera o primeiro a resolver este problema do niilismo, pessimismo. O ponto mais interessante que eu acho de Nietzsche é que para ele o tipo do homem fraco e que tem desprezo pela vida é de fato este que vem da moral socrática-platônica-cristã, ou seja quase todo mundo do ocidente. Em Ecce Homo é o exemplo mais claro de como Nietzsche afirma este tipo de homem.

Ler Nietzsche é muito, muito perigoso. Principalmente porque Nietzsche não é claro em seus textos, ele escreve de uma forma poética e enérgica o que leva muita gente a interpretar como quiser e tomar como pessoal. Aí reside o perigo, fazer qualquer tipo de leitura. Acho que, para as pessoas em geral, o melhor antes de ler um livro de Nietzsche é ler sobre ele e eventualmente um livro dele.

Responder

    Jurema Flor em 27/10/2013 - 16h18 comentou:

    Puxa, Regis, cê foi 'na ferida'! Antes de saber sobre Ele, achei algumas coisas abomináveis, mas felizmente achei coisas adimiráveis que me fizeram ler tudo q encontrava sobre…Aí me 'apaixonei'(acho que forever).________

    herbo em 29/10/2013 - 01h53 comentou:

    Nietzche era EZQUIZOFRENICO, tentar achar coerencia no que ele escrevia é devaneio.

Leon Hydra em 26/10/2013 - 16h03 comentou:

Raramente uma mulher tem Nietzsche com referencial de vida.

Já é um bom começo.

Responder

    Elinne Barros em 27/10/2013 - 14h25 comentou:

    Raramente qualquer pessoa tem Niesztche como referencial, não só as mulheres.

    Suzana em 27/10/2013 - 15h10 comentou:

    Desculpe, mas bom começo para quê?

Elinne Barros em 27/10/2013 - 14h24 comentou:

Se tem uma coisa que Niesztche nunca foi é pessimista, nem muito menos niilista. Muito pelo contrário. Ele justamente ataca o niilismo de Schopenhauer e o pessimismo e nagação da vida presentes na teologia cristã. Ele prega um "sim" à vida e transmutação dos valores. Se uma pessoa acha pessimismo nele é porque não sabe nada sobre ele.

Responder

Alice em 27/10/2013 - 20h42 comentou:

Mais uma análise clichê e diria eu, errônea, de Nietzsche. Esse é o grande perigo de pincelar frases de seu livro, e pior, ler somente uma obra do autor. Tomar Nietzsche pessoal, como auto-ajuda (ou alta ajuda, pq no fundo é tudo ajuda), é o maior crime contra este filósofo. Siga o conselho de seu amigo e Và ler Nietzsche, por favor!

Responder

Marcos em 28/10/2013 - 13h56 comentou:

Além de não ser de fácil elucidação, para se tentar captar a essência do pensamento Nietzschiano será necessário entender como se integram 3 dos pensamentos/conceitos centrais de sua obra, quais sejam: A Transvaloração de Todos os Valores, O Eterno Retorno do Mesmo e a Vontade de Potência. No livro "Nietzsche" volumes 1 e 2, Heidegger propõe a integração desses 3 eixos como condição central para uma verdadeira compreensão do filósofo demolidor da moral hipócrita e das filosofias que procuram uma vida na morte em detrimento de se viver a própria vida.

Responder

Pedro P. de Medeiros em 28/10/2013 - 18h07 comentou:

Só a poesia do "martelo falante"; e basta o início!: TU, O MEU QUERER, MILAGRE PARA TODA ANGUSTIA; TU, MINHA NECESSIDADE, LIVRA-ME DAS VITÓRIAS MESQUINHAS.

Responder

Medeiros em 28/10/2013 - 18h09 comentou:

Sem comentários!

Responder

Renato Nunes em 29/10/2013 - 00h45 comentou:

"O socialismo é o fantasioso irmão mais jovem do quase decrépito despotismo, do qual quer herdar; suas aspirações são, portanto, no sentido mais profundo, reacionárias. Pois ele deseja uma plenitude de poder estatal como só a teve alguma vez o despotismo, e até mesmo supera todo o passado por aspirar ao aniquilamento formal do indivíduo: o qual lhe aparece como um injustificado luxo da natureza e deve ser transformado e melhorado por ele em um órgão da comunidade adequado a seus fins" – Friedrich Wilhelm Nietzsche.

Responder

herbo em 29/10/2013 - 01h50 comentou:

O bom é que morreu louco e doente, o caminho que a Cynara parece que vai seguir.

Responder

Rogério Holanda em 30/10/2013 - 02h35 comentou:

Muito bom! Sou de Fortaleza e mesmo vivendo numa cidade praiana e com sol o ano todo, me sinto assim muitas vezes!

Responder

João em 15/11/2013 - 12h45 comentou:

Dizem que Jesus muda vidas e tudo mais, não sei bem como, mas Nietzche faz o mesmo sem roubar o intelecto nem nos jogar num mar de culpas. Le-lo e viver o que ele fala foi uma das mais libertadoras experiências que tive na vida.

Responder

João em 03/04/2015 - 17h39 comentou:

E eu ainda tenho que aturar Socialistas falando de Nietzsche, quando o próprio diz :"O socialismo é o fantasioso irmão mais jovem do quase decrépito despotismo, do qual quer herdar; suas aspirações, são, portanto, no sentido mais profundo, reacionárias. Pois ele deseja uma plenitude de poder estatal como só a teve alguma vez o despotismo, e até mesmo supera todo o passado por aspirar ao aniquilamento formal do indivíduo: o qual lhe aparece como um injustificado luxo da natureza e deve ser transformado e melhorado por ele em um órgão da comunidade adequado a seus fins" Você me matam de rir ….

Responder

Fábio em 10/03/2018 - 14h25 comentou:

Você é uma comunista que sabe dar valor no que precisa ser dado! 👏🏻😉

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Nise, o gato e eu. Por José Carlos Peliano


O economista José Carlos Peliano conta com exclusividade para o blog sobre sua amizade com a psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), que passou à história por se rebelar contra as “terapias” agressivas que eram…

Cultura, Politik

Os muquiranas do conhecimento


A primeira vez que eu, menina do interior baiano, ouvi falar de Machu Picchu e da civilização inca foi num gibi de Tio Patinhas. O velho sovina de Walt Disney era incapaz de presentear Huguinho,…