Socialista Morena
Trabalho

O dia em que um bando de vigaristas destruiu os direitos de milhões de trabalhadores

Por Katia Guimarães* As bravas mulheres da oposição bem que tentaram: protagonizaram o ato político mais surpreendente dos últimos tempos na tentativa de barrar a aprovação da macabra reforma trabalhista defendida pelo governo Temer. Por quase sete horas, a mesa diretora do plenário da Casa foi ocupada por cinco senadoras –Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra […]

(Eles riem; você chora. Foto: Lula Marques/AGPT)
Cynara Menezes
11 de julho de 2017, 22h19
(Eles riem; você chora. Foto: Lula Marques/AGPT)

(Eles riem; você chora. Fotos: Lula Marques/AGPT)

Por Katia Guimarães*

As bravas mulheres da oposição bem que tentaram: protagonizaram o ato político mais surpreendente dos últimos tempos na tentativa de barrar a aprovação da macabra reforma trabalhista defendida pelo governo Temer. Por quase sete horas, a mesa diretora do plenário da Casa foi ocupada por cinco senadoras –Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN), Vanessa Grazziontin (PCdoB-AM), Regina Sousa (PT-PI) e Angela Portela (PSB-RR). Essa foi a única alternativa de protesto encontrada, já que o Senado estava prestes a concluir a última etapa de votação antes da sanção presidencial.

No final, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), forçou o início da votação e a reforma trabalhista foi aprovada por 50 a 26, dando fim a um dos maiores legados da Era Vargas, a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), que garantiu proteção ao trabalhador brasileiro na década de 1940. Que o trabalhador brasileiro guarde bem esta data. Hoje, 11 de julho de 2017, um bando de vigaristas destruiu seus direitos e os colocou de volta no início do século 20.

A estratégia de ocupar o plenário foi traçada pelas próprias senadoras e ganhou o apoio de colegas como a senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), além dos senadores e deputados da oposição. “Elas colocaram seus próprios mandatos em risco”, ressaltou Roberto Requião (PMDB-PR). A ideia era conseguir adiar a votação para o segundo semestre, ganhando tempo para alertar a sociedade do descalabro que é a “reforma”, ou pelo menos forçar um acordo para garantir que os trabalhadores pudessem assistir à votação na galeria do plenário, o que permitiria o debate sobre a matéria e facilitaria as mudanças no texto. Isso levaria a reforma trabalhista de volta para análise na Câmara dos Deputados. Impassível, o governo não aceitou qualquer acordo proposto pelas oposicionistas.

senadoras

Por volta do meio-dia, quando as senadoras já ocupavam o plenário, Eunício tentou dar início à votação, mas foi impedido de assumir a presidência e mandou cortar a luz do plenário e a transmissão da TV Senado. Mesmo às escuras, as senadoras resistiram, almoçaram e passaram o dia no plenário. O caso ganhou repercussão nas redes sociais e logo a hashtag #ForçaSenadoras se espalhou. As transmissões da ocupação pelo Facebook do PT no Senado atingiram mais de 5,6 milhões de pessoas. Fotos e memes tomaram conta do twitter. “Ode as senadoras!”, “senadoras guerreiras!” “senadoras me representam!”, diziam alguns dos tuítes. Artistas e personalidades destacaram o feito e a presidenta Dilma também usou as redes sociais para estimular a resistência das cinco valentes.

Como era de se esperar em um protesto liderado por mulheres em uma Casa dominada pelos homens, o machismo tomou conta das críticas pelos corredores do Senado, partindo de senadores, funcionários e até de jornalistas. “Palhaçada” e “avacalhação” eram os adjetivos mais suaves. O vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), chegou a dizer que as senadoras usaram a fragilidade feminina para realizar o protesto “Elas estão sendo machistas”, disse. “Por que só tem mulher lá?”, indagou ele.

Na GloboNews, o senador Jorge Viana (PT-AC) reagiu a uma jornalista, que afirmou que o PT estava usando as mulheres para paralisar o Senado. “Elas decidiram e nós apoiamos. E estamos aqui ajudando”, protestou. “Elas só estão ali porque usam saias”, reclamou outro repórter. Um funcionário da segurança da Casa reclamou do “absurdo” e mais um jornalista chegou a dizer que iria enviar fraldas geriátricas para as senadoras. O machismo não parou por aí. O senador Gladson Camelin (PP-AC), depois de gritar com a senadora Gleisi dizendo que ela precisa de um espelho para se enxergar, tentou impedir a petista de sentar em uma das cadeiras da mesa do plenário.

Irritado com a iniciativa das senadoras da oposição, o presidente Eunício passou o dia reclamando, se dizendo chocado. Falou em ditadura, sem se lembrar que o rolo compressor do governo é que funciona como uma ditadura ao chantagear e comprar parlamentares com cargos e emendas, sem deixar os textos serem alterados. Ele retornou ao plenário no fim do dia para dar um ultimato ou elas abriam mão do protesto ou ele iria realizar a votação em qualquer dependência do Senado.

Um dos pontos altos foi quando uma manifestante, que conseguiu mandado de segurança para assistir à votação da galeria do plenário, cobrou o voto dado a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) e chegou a xingar os senadores governistas. “Vocês estão vendendo a classe trabalhadora”, disse. Pouco antes, as manifestantes e duas amigas cantaram o Hino da Independência. Senadores da oposição e governistas batiam boca. José Medeiros (PSD-MT), que pouco antes entrou no Conselho de Ética contra as senadoras que faziam a ocupação, gritava afirmando que o PT tinha que devolver o dinheiro da Petrobras. Nesse momento, o plenário contava com diversos seguranças, inclusive mulheres. Por fim, Eunício deu início à votação mesmo fora de sua cadeira. O líder do PT, Lindbergh Farias (RJ), protestou mas foi impedido pelos seguranças de subir à tribuna.

A bem da verdade, a reforma trabalhista é só mais um dos descalabros cometidos desde que Michel Temer, com o apoio da mídia comercial, sobretudo a Globo, deu o golpe, derrubou a presidenta Dilma, rachou a estrutura política brasileira e colocou o país de ponta-cabeça. De lá para cá, foram aprovadas a PEC do Teto dos Gastos, que congela todos os investimentos públicos na educação e na saúde pelos próximos 20 anos, mas não o gasto com juros; a mudança do regime de exploração do pré-sal, entregue a multinacionais; a regularização fundiária, que avança sobre terras da Amazônia; a reforma do ensino médio, que deixa de fora matérias fundamentais como Filosofia e História; sem falar no corte ou redução de políticas públicas para a agricultura familiar, a reforma agrária, a demarcação de terras indígenas, o Bolsa Família, no fim dos profissionais cubanos no Mais Médicos e a Farmácia Popular…

Agora, a “reforma” que leva os trabalhadores de volta ao século passado segue à sanção presidencial.

*PAGUE A AUTORA: Gostou da matéria? Contribua com a autora. Todas as doações para este post irão para a repórter Katia Guimarães. Se você preferir, pode depositar direto na conta dela: Katia Guimarães, Caixa Econômica Federal, agência 4760, conta 21602-1, CPF 602.735.771-15. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Samuel Pinheiro: não é Fora Temer nem Fora Maia, é “Fora Meirelles, inimigo do…


Por Samuel Pinheiro Guimarães* O senhor Henrique Meirelles, ex-presidente do Bank of Boston e durante vários anos presidente do Conselho da J&F (de Joesley), de onde saiu para ocupar o Ministério da Fazenda, procura, à…

Politik

PF acha malas de dinheiro em suposto “bunker” de Geddel Vieira Lima em Salvador


A operação Tesouro Perdido é um desdobramento da Cui Bono, que investiga fraude na liberação de créditos da Caixa entre 2011 e 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica