Socialista Morena
Cultura

Bentinho, o primeiro coxinha da história

Fraco e mimado, Bentinho foi incapaz de um único gesto de dúvida para com a única mulher que amou além da mãe

Portrait of a Dandy (Toulouse-Lautrec), Giovanni Boldini, c. 1880-1890
Cynara Menezes
24 de janeiro de 2013, 22h31

Rapazola, Bento Santiago, o Bentinho, ganhou de um conhecido no trem da central o apelido de Dom Casmurro, por ser homem calado, metido consigo mesmo e possuir “fumos de fidalgo”. Atualmente, teria sido apelidado “coxinha”. Coxinha, para quem não sabe, é o novo “mauricinho”, sujeito jovem com hábitos, trajes e pensamentos antiquados. Aquele cara que nos tempos dos nossos pais era chamado de “almofadinha”.

Criado pelo tio, pela mãe e pela prima dela, todos de cônjuge falecido, Bentinho cresce superprotegido na “casa dos três viúvos”. Um agregado, José Dias, completa o círculo de opressão em torno do guri. Não, não é bom criar filhos assim… Como o primogênito lhe nasceu morto, sua mãe, carola, faz promessa a Deus que, se o próximo vingar, irá metê-lo na igreja. O menino cresce neste ambiente devoto e austero, tendo como diversão ir à missa. Lá, a mãe não parava de lhe dizer “que reparasse no padre, não tirasse os olhos do padre”.

Em casa, gostava também de brincar de missa, e o padre amigo da família atesta sua vocação: seus brinquedos “sempre foram de igreja”, e que “adorava os ofícios divinos”. Se já existisse Opus Dei, o pobrezinho certamente brincaria de ser seu fundador. De forma que, aos 15 anos, o coxinha, ops, Bentinho acaba mesmo sendo enviado ao seminário. Fico pensando se, a exemplo de tantos coxinhas mundo afora, não teria outro destino se tivesse tido a coragem de desobedecer à mãe. O momento era ideal: na flor da adolescência, começava a se meter pelos cantos, aos beijos furtivos com a travessa e sedutora Capitu, e a descumprir as próprias promessas de rezar padres-nossos e ave-marias às centenas.

Não vou nem mencionar a mal-resolvida relação homoerótica que Bentinho teve com o amigo Escobar, de quem suspeitou anos a fio ser o pai do filho que teria com Capitu, sem qualquer prova que sustentasse a paranoia

Pelo contrário, Bentinho não só obedeceu bovinamente à genitora como deu ouvidos às intrigas do agregado José Dias de que a amada tinha olhos oblíquos e dissimulados de cigana. Palavras que iriam persegui-lo pelo resto da vida. Fraco, incapaz de decidir por conta própria, só escapa do destino de virar padre graças à interferência de amigos e forma-se, claro, bacharel em Direito. Não vou nem mencionar a mal-resolvida relação homoerótica que Bentinho teve com o amigo Escobar, de quem suspeitou anos a fio ser o pai do filho que teria com Capitu, sem qualquer prova que sustentasse a paranoia.

Avarento, apesar de rico, Bentinho chega a lamentar ter que gastar dinheiro para manter os estudos do rapaz após a morte de Capitu. E revela-se insensível ao ponto de jantar e ir ao teatro no mesmo dia em que é informado da morte prematura de Ezequiel, o filho que rejeitou. Típico filhinho da mamãe, machista, egoísta e cruel, foi incapaz de um único gesto de arrependimento ou de dúvida para com a única mulher que amou –além da mãe.

E política? Ora, como muitos coxinhas, Bentinho dizia-se apolítico, embora conservador de berço. Fosse hoje em dia e fosse ele uma pessoa de carne e osso, não um personagem de Machado de Assis, com certeza estaria engrossando as fileiras da “nova” direita brasileira.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(11) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Amyr em 24/01/2013 - 23h10 comentou:

Cynara, sou seu fã. Bentinho era um bunda-mole. Em Curitiba o chamaríamos de "piá-de-prédio".

Responder

    morenasol em 24/01/2013 - 23h19 comentou:

    hahahaha. hilário. adorei

glaucocortez em 25/01/2013 - 01h52 comentou:

Cynara, muito legal. O desafio de contestar o único dono da voz. Genial Machado!

Responder

Amanda em 25/01/2013 - 13h17 comentou:

Falei exatamente isso no meu trabalho de ficção brasileira.
Bentinho é um frouxo!
uma pena que os leitores mais ingênuos compram o discurso do narrador.
Perdi as contas de quantas vezes ouvi por aí que Capitu não valia nada.

Responder

Anderson em 25/01/2013 - 16h49 comentou:

rá, será q vc já conhece o coxinha da câmara de BH?
http://www.youtube.com/watch?v=YDi1GcrGtEA

Responder

addison em 25/01/2013 - 18h05 comentou:

Tens razão , GLAUCO CORTEZ, por ocasião de meus estudos em Curitiba, haviam muitos, e inclusive os chamávamos de CURITIBOCAS !!!!!!!!!!!!!!! Isto na década de 60, mas pelo que vi nada mudou!!

Responder

Bruno em 26/01/2013 - 00h59 comentou:

O coxinha de São Paulo é o prefeito

Responder

Miguel do Rosário em 26/01/2013 - 02h20 comentou:

Taí, o Machado continua moderno, não? Bentinho poderia também ser editor de cultura da Folha.

Responder

Helder em 26/01/2013 - 17h44 comentou:

Machado sabia das coisas…

Responder

mauro em 21/11/2013 - 23h22 comentou:

Pode ter sido o primeiro da literatura brasileira, mas da história eu colocaria o Calígula. Coxinha típico

Responder

Igor em 17/12/2013 - 01h32 comentou:

Agora faça um texto falando do outro lado da moeda, o pseudo-intelectual com mania de grandeza: Brás Cubas. Esse se identificava com a esquerda brasileira, um playboyzinho arrogante e hipócrita, que se achava muito caridoso, mas não conseguia dar uma moeda de ouro a um frei que salvara sua vida, tal qual esses revolucionários de facebook (e uma grande parcela dos seus leitores) que falam e falam de comunismo, mas nunca fizeram uma caridade na vida.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Mãe Stella de Oxóssi, a imortal do candomblé


Aos 88 anos, a ialorixá do do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá se torna a primeira mãe de santo acadêmica do país

Politik

As mais estapafúrdias teorias da direita comunistofóbica


Dos "Beatles comunistas" aos "Muppets comunistas", algumas das maiores paranoias da extrema direita num só post