Acampamento Terra Livre, por Rogério Assis

Publicado em 26 de abril de 2017
Bras’lia, 25/04/2016 Passeata da Manifesta‹o Nacional Ind’gena, chega ao congresso nacional e Ž recebida com bombas de g‡s lacrimogneo pela pol’cia. Fotos: RogŽrio Assis / Greenpeace

(Fotos: RogéŽrio Assis/Greenpeace)

O fotógrafo paraense Rogério Assis é um especialista em fotografar índios. Iniciou a vida profissional documentando etnias indígenas para o Museu Emílio Goeldi, em Belém, e foi o primeiro fotógrafo a ter contato com os Zo’é, povo de língua tupi que habita o noroeste do Pará, ao longo dos rios Cuminapanema, Erepecuru e Urucurianana, em 1989. Ele é autor de quatro livros sobre os índios, um sobre os Zo’é e outros três em parceria com o ISA (Instituto Socioambiental).

Rogério Assis está em Brasília fotografando, para o Greenpeace, o Acampamento Terra Livre 2017, que reúne mais de 3 mil indígenas na capital federal até o dia 28 de abril.

Bras’lia, 25/04/2016 Passeata da Manifesta‹o Nacional Ind’gena, chega ao congresso nacional e Ž recebida com bombas de g‡s lacrimogneo pela pol’cia. Fotos: RogŽrio Assis / Greenpeace

Bras’lia, 25/04/2016 Passeata da Manifesta‹o Nacional Ind’gena, chega ao congresso nacional e Ž recebida com bombas de g‡s lacrimogneo pela pol’cia. Fotos: RogŽrio Assis / Greenpeace

Brasília, 25/04/2016 Passeata da Manifestação Nacional Indígena, chega ao congresso nacional e é recebida com bombas de gás lacrimogêneo pela polícia. Fotos: Rogério Assis / Greenpeace

Brasília, 25/04/2016 Passeata da Manifestação Nacional Indígena, chega ao congresso nacional e é recebida com bombas de gás lacrimogêneo pela polícia. Fotos: Rogério Assis / Greenpeace

rogerio1

rogerio2

rogerio3

rogerio4

rogerio5

rogerio6

rogerio7

(O cacique Raoni)

 

 

 

Publicado em

Em Camaradas

0 Comente

Bolivarianismo tipo exportação: a comunista brasileira que é deputada na França

Publicado em 23 de abril de 2017
silvia2

(A comunista franco-brasileira Silvia Capanema. Foto: reprodução Facebook)

Por Manuca Ferreira, de Paris*

Neste domingo, 23 de abril, a França tem chance de colocar um esquerdista, Jean-Luc Mélenchon, no segundo turno da eleição presidencial, em uma disputa onde a candidata xenófoba de extrema-direita Marine Le Pen parecia ser a grande estrela. E o socialismo sul-americano estará representado por Silvia Capanema, mineira de 38 anos que vive na França desde o fim de 2002, se filiou ao Partido Comunista Francês (PCF), foi eleita vereadora, ocupa um cargo equivalente ao de deputada estadual e é secretária da juventude e luta contra as discriminações na região de Seine-Saint-Denis, a mais pobre da França continental

Casada com um franco-brasileiro, mãe de duas filhas, uma de sete meses e outra de quase três anos, Silvia prossegue na área acadêmica –ela veio à França fazer um mestrado em história e é professora de cultura brasileira, língua portuguesa e história do Brasil, Portugal e América Latina na Paris 13–, que concilia com o ativismo político.

Nessa entrevista exclusiva, por email, para o Socialista Morena, a comunista fala da campanha de Mélenchon, do France Insoumise (França Insubmissa) e sua possibilidade de chegar ao segundo turno, em 7 de maio. Silvia fala ainda dos desafios das esquerdas francesa e brasileira e diz, sem perder de vista a terra natal: “Houve golpe, sim, e é preciso reconstruir o Brasil”.

Socialista Morena – Como surgiu seu interesse pela vida político-partidária?

Silvia Capanema – Sempre gostei. No Brasil, atuei um pouco no movimento estudantil mais tradicional, mas depois me afastei e fiquei mais concentrada na vida acadêmica. Vindo morar aqui, participava de passeatas, mas não estava muito envolvida. Sempre mais envolvida na vida acadêmica, associativa, sempre de esquerda. Quando vim morar em Saint-Denis, em 2010, é que entendi a necessidade do engajamento e participação. Brinco que sempre fui comunista e não sabia. Vendo a situação da periferia francesa –Saint-Denis é uma periferia de Paris bem popular, com muitos imigrantes, alojamentos sociais, jovens desempregados–, eu me aproximei dos grupos de esquerda local. Via que, por um lado, a cidade fazia um esforço enorme em termos de serviços públicos e de rede associativa para a população, e que muita coisa funcionava. Saint-Denis é uma cidade tradicionalmente comunista. Por outro lado, havia uma necessidade grande de muitas coisas e de continuar um trabalho intenso de mobilização da população, e até de denúncia pelo tratamento desigual que recebem aqui. Denunciar o racismo, o desprezo e o preconceito das elites francesas com relação às periferias das grandes cidades. Então, veio a campanha de 2012, a presença do Front de Gauche (Frente de Esquerda) e a candidatura de Jean-Luc Mélenchon. Eu fui totalmente conquistada pelo Mélenchon e os militantes do Front de Gauche. Entrei na campanha. Quando acabou, os comunistas  locais nos acolheram e acabamos aderindo ao PCF, meu marido e eu.

O que é ser comunista na França?

Uma realização, para mim, pois me sinto ’em família’ e, ao mesmo tempo, com toda autonomia para lutar e agir. O PCF é um partido revolucionário e que, ao mesmo tempo, tem uma história de conquistas reais. Uma história nacional, com vários atuantes na resistência francesa durante a guerra (resistência à ocupação nazista). Antes mesmo da resistência, com a formação do Front Popular e as conquistas dos trabalhadores (jornada de trabalho de 40 horas, férias remuneradas) em 1936. Depois, com a composição do Conselho Nacional da Resistência e a aliança com os sociais democratas (De Gaulle) que resultou na construção do sistema social francês depois da guerra (a seguridade social, sobretudo, obra de um comunista e as alocações familiares – equivalentes ao Bolsa-Família). Mais tarde, com o programa comum de 1981 que levou à eleição de Mitterrand e algumas conquistas como a ‘renda mínima de inserção’, apesar da decepção depois. E até mesmo a participação no governo Jospin, que criou a jornada de 35 horas. Um partido próximo dos sindicatos e das lutas sociais, que se associa a outros partidos ou movimentos para obter conquistas, como foi o Front de Gauche desde 2008 e a atual campanha de Jean-Luc Mélenchon, com a France Insoumise (movimento criado em 2016). E também, um partido com uma história municipal e local forte. As periferias de Paris, várias cidades, são marcadas por prefeituras comunistas, pela presença importante da moradia social, dos serviços públicos para a infância (creches, colônias de férias, escolas), arquitetura ousada em alguns lugares, visão de que é preciso haver parques e locais de lazer para as classes populares. É uma cultura, uma tradição. Ser comunista também é participar da Fête de L’Humanité, um festival que reúne entre 200 e 500 mil pessoas todos os anos em setembro, e que é um momento forte de encontro das esquerdas mundiais. É estar próximo do povo, panfletando nas ruas, nas moradias populares. Eu tenho muito orgulho dos camaradas e orgulho de ter sido indicada para ter o cargo eletivo que tenho. Eu, cidadã de origem estrangeira, mulher que fala com sotaque, que vem de um país de terceiro mundo (logo, ‘inferior’ em muitos olhares). Só os comunistas e seus próximos é que realmente me deram o lugar de igualdade na França que eu sempre busquei ter, de cidadã. Eu devo isso a eles, a nós, que sempre confiaram em mim desde o início. Logo que aderi ao partido, já me deram responsabilidades importantes, como criar um jornal da nossa seção, que não saia há anos, e que nós conseguimos lançar e foi um sucesso. O jornal foi batizado ‘La Citoyenne’ (A Cidadã).

Como está sendo a campanha de Mélenchon à presidência?

É uma campanha inovadora, que atraiu jovens e classes populares. Ele é excelente orador e tem uma cultura muito ampla. Mudou a imagem de agressivo para a de ‘vovô sábio’, mas continua combativo. E valoriza os discursos, debates. Sempre que fala, chama muito a atenção com a astúcia de linguagem e poder de persuasão. Acabou seduzindo jovens. Ele inovou na forma, quando usou hologramas em comícios, aparecendo simultaneamente em sete cidades. Usa a internet como nenhum outro, tem um site onde recebeu mais de 420 mil apoios. Usa o youtube, redes sociais… Novos aplicativos como o Mélenphone (um telemarketing autoexplicativo que qualquer militante pode fazer da sua casa, com um programa que mostra quais os melhores militantes em números de chamadas) e um jogo eletrônico. No conteúdo, o programa também é ótimo. Um projeto econômico que é totalmente explicado e sustentado por economistas não-ortodoxos. E várias ideais que foram evoluindo e que estão explicadas em livros temáticos: juventude, relações internacionais, ecologia, escola etc… Todos os comícios dele reúnem milhares de pessoas. Ele dá esperança e tem um programa inovador, revolucionário, que propõe uma nova república e uma retomada econômica keynesiana, com aumento dos salários, cobertura da seguridade social a 100% das pessoas, aposentadoria aos 60 anos (financiada pela igualdade salarial entre mulheres e homens), agricultura ecológica que será consumida nas cantinas escolares. Nova política fiscal, que combate a evasão e taxa os grandes grupos e menos as classes médias e os pequenos empreendedores… Enfim, os pilares do conteúdo são: reforma política (VI República com menos poder dos políticos e maior controle popular), transição ecológica como motor de investimento econômico (substituir o nuclear por energia limpa; investir na agricultura orgânica), avanços sociais (mais funcionários para as escolas, saúde e polícia sobretudo; aposentadoria aos 60 anos com 40 anuidades; igualdade salarial entre mulheres e homens; seis semanas de férias e efetivar a jornada de 35 horas; aumento de mais de 15% do salário mínimo). Programa excelente com linguagem excelente. Mas, claro, as mídias combatem e o pensamento tradicional e elitista francês tem medo.

A senhora disse recentemente que o Nuit Debout (movimento político anti-institucional criado, inicialmente, para se opor à reforma trabalhista do governo socialista) influenciou a campanha de Mélenchon ainda que ele não seja um candidato do movimento. De que maneira se dá essa influência?

Ele foi sensível a esse movimento. Ele viu o Nuit Debout nascer e pensou que existia, na França, algo como os “indignados” mundo afora. Então, ele pensou na “France Insoumise”, ultrapassando o quadro do Front de Gauche, que era o nosso quadro anterior. Isso aparece na vontade de resistir ao desmonte do sistema social francês e de propor uma nova organização política mais horizontal, com renovação das instituições. Além disso, criar uma forma de enfrentar o acúmulo de capitais e de distribuir as riquezas, e de respeito à natureza de maneira incondicional.

De que maneira a senhora e a campanha de Mélenchon respondem às “acusações” de que ele seria bolivariano, interessado em fazer um processo de “venezualização” da França?

Isso é o terrorismo da grande imprensa, dos grandes grupos, dos empresários. Terrorismo que usam contra o Lula, a Dilma no Brasil, e sabemos que é absurdo! Claro que Mélenchon conhece a América Latina e usa as suas referências. E claro que não há só coisas ruins que foram feitas, principalmente em termos de democracia local. Mas ele conhece os limites e erros e o programa dele é completamente diferente e nunca vai repeti-los. Por exemplo, a dependência do petróleo na Venezuela. O que é proposto aqui é completamente diferente! Essa propaganda é a atualização das propagandas anticomunistas (perigo vermelho) que sempre se usava contra as esquerdas. Cair nisso é ignorância pura, falta de cultura. 

Sair da União Europeia e da Otan entram de que maneira no programa de Mélenchon? Corre o risco de haver segregacionismos caso ele ganhe?

Sair da Otan é a proposta clara. Quanto à UE, ele não quer sair. Quer negociar os tratados e mudar a orientação da Europa, pois do jeito que está, com a regra do déficit fiscal e da livre concorrência, vai destruir a atividade econômica dos países, e, aí sim, destruir a Europa. Mélenchon pretende criar uma Europa social, com protecionismo social (para evitar o dumping e pressionar os outros países para que eles transformem suas formas de produzir e respeitem os trabalhadores). Ele acha que a relação de forças na Europa é muito desigual e que a França, segunda economia do bloco e nação de prestígio político importante, tem condições de impor mudanças. Ele sabe que terá aliados para isso e que vai conseguir modificar, basta negociar. Mas, numa negociação, é preciso haver um plano B, para poder ganhar força caso a pressão não seja cedida. Várias pessoas estão escrevendo ‘JLM é quem pode salvar a Europa!’. É isso que queremos!

Você certamente tem acompanhado o que tem acontecido no Brasil. Qual a sua opinião sobre o quadro atual no nosso país?

Houve golpe, sim, e é preciso reconstruir o Brasil. Fazer uma série de reformas, contra-reformas e avanços sociais. Acho que o Brasil também precisa de uma VI República que combata o sistema que possibilita a corrupção. Uma reforma política radical, com Constituinte formada por cidadãos sem mandato eletivo, financiamento público de campanhas, limitação de mandatos, coerência partidária e programática. Reforma fiscal é indispensável (taxar mais, taxar heranças, rentistas, rever isenções a grandes empresas). Reforma agrária (buscando a agricultura camponesa, que pode ser a base alimentar nas escolas públicas). Reforma territorial para equilibrar as finanças dos Estados, repassando responsabilidades para a União talvez. E não aceitar as reformas feitas por Temer, fazer uma contra-reforma: Previdência, PEC dos gastos públicos, código do trabalho… Avançar nas questões feministas e de igualdade de gênero, bem como de igualdade racial e promoção da diversidade. Enfim, refundar o SUS, a educação nacional. Acho que boa parte do programa “Avenir em Commun” [programa proposto por Mélenchon] seria bom para o Brasil também! 

Há um posicionamento oficial do PC Francês e da France Insoumise sobre o processo de impeachment e o atual governo brasileiro?

Denunciamos o golpe! Tanto o PCF quanto as equipes de Mélenchon. Estamos envolvidos nos coletivos locais desde o inicio do processo. O setor internacional do PCF é bastante ativo com relação a isso. 

Após as contradições da esquerda no poder, tomando como exemplos tanto o governo socialista de Hollande como a experiência do lulopetismo no Brasil, como reposicionar este campo no atual contexto mundial?

É preciso refazer a esquerda. Uma esquerda de transformação social e de mentalidades. Revolucionária. Não ceder ao neoliberalismo e apresentar outras propostas, demonstrar. Voltar às ruas, ao encontro do povo. Deixar movimentos sociais e sindicais fortes, mas independentes. A esperança pode ser o Podemos- Unidos Podemos, na Espanha, a France Insoumise-PCF, o PSOL. Mas os grandes partidos também vão ter de se repensar, como o PT ou o PS (Partido Socialista). E se refundar. Aí poderemos fazer alianças mais largas para obter objetivos comuns, pensar nessa troca como algo que enriqueça e não deteriore os partidos. 

 

*PAGUE O AUTOR: Gostou da matéria? Contribua com o autor. Todas as doações para este post irão para o repórter Manuca Ferreira. Se você preferir, pode depositar direto na conta dele: Thiago Emanoel Ferreira dos Santos, Banco do Brasil, agência 2976-9, conta corrente 11934-2, CPF 019472405-01. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 

 

 

Publicado em

Em Camaradas

0 Comente

Waldir Pires: “Eles não conseguem dizer que Lula é ladrão”

Publicado em 16 de março de 2017
waldirpires

(Waldir Pires em sua casa em Salvador. Foto: João Fontoura)

Com vídeos de João Fontoura

Waldir Pires chega para a conversa quando já estamos aboletados no sofá da sala do confortável apartamento em que vive em Salvador. Sobre a mesinha de madeira em frente, há uma escultura de Iemanjá do artista plástico Tatti Moreno. A meu lado, em outra mesinha, de vidro, há dois porta-retratos: em um deles Waldir aparece com sua companheira, Zonita, civilizadamente acompanhados da fotografia da primeira mulher dele, Yolanda, falecida em 2005.

yemanjatatti

(A Yemanjá de Tatti Moreno…

yolanda

(…e as mulheres de Waldir: a atual, Zonita, e Yolanda, falecida em 2005)

O ex-governador, ex-ministro, ex-deputado federal e ex-vereador está, como de costume, simples e elegante, vestido com uma camisa de quadrinhos miúdos e manga curta para dentro da calça, caneta no bolso como quem saísse para trabalhar e os cabelos platinados caprichosamente penteados para trás. Aos 90 anos, a forma física de Waldir Pires é invejável. Sua memória lhe prega algumas peças de vez em quando, mas a sabedoria, a coerência e a honestidade que marcaram a atuação política do baiano de Acajutiba permanecem intactas.

Com o característico sorriso largo, ele conta que a idade não tem lhe impedido de saborear deliciosas feijoadas e moquecas, e mesmo de tomar um bom vinho, uma dose de uísque ou sua caipirosca favorita, de lima-da-pérsia. “Feijoada é uma beleza”, gargalha Waldir.

A primeira pergunta que faço a ele é sobre socialismo. Waldir Pires foi, ao lado de Darcy Ribeiro, uma das últimas pessoas a deixar o palácio do Planalto em 1964, após o golpe que arrancou João Goulart do cargo. Formado em Direito pela UFBA, Waldir era Consultor-Geral da República de Jango. Cassado imediatamente pela ditadura, partiu para o exílio e só voltaria ao Brasil em meados dos anos 1970, antes da anistia. Quando recuperou os direitos políticos, foi eleito governador da Bahia, em 1986.

 Sou um defensor dos princípios essenciais do socialismo, que são a base do processo democrático. Não há democracia sem eles, são elementares. No fundo, o socialismo é isso: participar do esforço para a formação de uma sociedade mais justa. E o povo brasileiro continua batalhando a inserção de todos os cidadãos, isso é incessante, não acabou. Tivemos conquistas razoáveis, mas ainda é difícil viver um momento sem preocupação, que assegure dizer ao cidadão: ‘você tem direitos fundamentais que serão respeitados’. Interrupções como a que houve agora são interrupções compatíveis com a insistência do poder econômico, mas não têm força para excluir o processo democrático. 

Waldir foi ministro da CGU (Controladoria-Geral da União), cargo que assumiu junto com o presidente Lula em seu primeiro mandato, em 2003. E faz questão de destacar como a fiscalização dos gastos públicos, nos governos anteriores a Lula, não era nada além de jogo de cena.

– A rigor, não existia mecanismo para produzir a fiscalização e o controle da aplicação do dinheiro público. Foi a partir do meu período que começou a existir, antes de Lula não tinha. E eu recebi total apoio dele. 

Até por ter testemunhado o interesse do ex-presidente em combater a corrupção dentro do governo, Waldir Pires tem total convicção da inocência de Lula.

– Lula é o objeto da tentativa, que não se consegue, de chegar pela força à interrupção do poder democrático. Lula está se dizendo candidato e as reações da direita brasileira são absolutamente combatentes disso, mas não com força impedidora. Não tem nada aí capaz de impedi-lo de se candidatar. Lula é o favorito, favorito pelo povo, e não tem nada significativo capaz de responsabilizá-lo. Eles não conseguem dizer que Lula é ladrão, que se beneficiou disso ou daquilo, porque não têm provas, senão já o teriam prendido. Há juízes honrados e outros hesitantes, oscilantes. Muitas vezes foram coniventes, há posições omissas do poder judiciário. Se prenderem Lula, é uma ruptura mesmo do processo político, aí é golpe de Estado.

Eu pergunto a Waldir algo que sempre me intrigou: como é que Fernando Henrique Cardoso nunca foi capaz de sair em defesa de Lula, com quem conviveu durante tanto tempo, mesmo sabendo que se trata de perseguição política?

– Fernando Henrique sempre foi um vacilante democrata. Ele não é uma personalidade da luta democrática, nunca foi. Pela vida dele, pelos atos, pelas hesitações. Tem muitos momentos em que recuou, no seu próprio governo. Não é um exemplo da disponibilidade de afirmação democrática. Nunca fomos totais companheiros de luta.

No final do ano passado, Waldir Pires concluiu o mandato como vereador em Salvador e com isso sua passagem pelos cargos da política, mas continua “disponível para todas as batalhas”. Apesar da natureza alegre e otimista, não consegue disfarçar certa mágoa do ex-governador Jaques Wagner por não ter lhe dado a chance de encerrar a carreira como senador eleito pela Bahia, em 2010. Mesmo com o apoio que teve de Waldir na campanha, Wagner optou por lançar ao Senado Walter Pinheiro, que acabaria deixando o PT em 2016, dois meses antes do impeachment de Dilma.

– Fiz a campanha, percorri a Bahia toda com Wagner. Eu era um eleitor que tinha a força de ter sido integrado no processo eleitoral. Lamento isso, nem toco no assunto. Não sei o que aconteceu, fiz a eleição dele, participei o tempo inteiro… Inacreditável.

A decepção de Waldir decorre do fato de ter feito dobradinha com Wagner desde aquela primeira eleição da volta da democracia, mais de 30 anos atrás. Os dois “W” saíram um para governador, pelo PMDB, e o outro para deputado federal, pelo PT. Ambos saíram eleitos num ano particularmente bom, em que a esquerda baiana derrotaria fragorosamente o candidato de Antonio Carlos Magalhães, o célebre coronel da direita brasileira morto dez anos atrás.

Waldir e o arqui-rival ACM foram contemporâneos e chegaram a ser amigos na juventude. Ele não explica o porquê do rompimento, mas conta que se dava muito bem com o filho do Malvadeza, Luis Eduardo Magalhães.

– O menino dele era um rapaz muito bom e tinha uma atenção comigo muito grande, apesar das relações difíceis que eu tinha com o pai dele.

Para o neto de ACM, prefeito de Salvador, Waldir também reserva elogios, ma non troppo:

– Como prefeito está cumprindo bem, dá para ver. Está trabalhando bem, mas não é nada excepcional.

Mesmo antes de passar pela CGU, o nome de Waldir Pires era e continua sendo sinônimo de correção e honradez na política. Embora ele não ache que passará à história apenas pela honestidade, que vê como uma obrigação.

– Ah, mais um pouco, não é? (Ele ri.) Acho que dei minha contribuição, no sentido modesto e real das coisas. Tudo na vida é modesto, a não ser quando se é malandro. Eu não tergiversei, nunca tolerei que pudesse me tornar um produtor de facilidades da vida política. Ganhar dinheiro com isso… Nunca construí nada no sentido de meus filhos entrarem para a política. E nunca permiti que houvesse dúvidas a respeito da minha conduta. É essencial na vida do político que ele se faça credor e participante da luta pela dignidade da carreira política. É essencial na vida política que você seja decente, que não manipule interesses econômicos e capitule para se tornar um beneficiário de setores financeiros. Ao fazer isso, deixe a política antes. E, para não degradar sua biografia, não volte. Quem faz isso evidentemente é um malandro.

 

 

Publicado em

Em Camaradas

0 Comente