Socialista Morena
Kapital

Coca-Cola chantageia governo e ameaça sair do Brasil para continuar sem pagar IPI

Reportagem da Folha afirma que presidente da gigante das bebidas ameaçou mudar fábrica para a Colômbia se benefícios fiscais não voltarem

Cena do filme The Coca-Cola Case. Foto: reprodução
Da Redação
22 de agosto de 2018, 18h14

Vocês podem imaginar que uma empresa gigante como a Coca-Cola não pague impostos? Pois é o que acontece no Brasil. A bilionária multinacional dos refrigerantes simplesmente recebe subsídios governamentais e incentivos fiscais na Zona Franca de Manaus que a deixam praticamente isenta de impostos, como se fosse uma entidade filantrópica ou uma igreja. Agora, ameaça sair do país se Michel Temer não devolver ao setor os benefícios que o governo tirou por meio de decreto, em junho.

Segundo informou a Folha de S.Paulo, o presidente da Coca-Cola no Brasil, Henrique Braun, chegou a se encontrar pessoalmente com o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid, para fazer uma verdadeira chantagem: se a alíquota do IPI não for de pelo menos 15%, a empresa passará a produzir seus xaropes na Colômbia. Uma ameaça que não se sustenta, porque, diz o jornal, “para transferir a produção de xarope para outro país, a Coca-Cola perderia vantagens como o desconto de 75% no pagamento do seu Imposto de Renda, além de passar a pagar tributos como Imposto de Importação e PIS/Cofins”. Além disso, teria que importar o concentrado, perdendo em competitividade para as concorrentes.

A jogada da Coca-Cola, da Pepsi e da Ambev, também beneficiadas com a boquinha fiscal, foi justamente instalar, na década de 1990, a origem do concentrado utilizado em seus refrigerantes na Zona Franca, onde deixam de pagar IPI, têm alíquotas diferenciadas do PIS/Cofins, recebem de volta 90,25% do ICMS e têm desconto de 75% no Imposto de Renda. Enquanto isso, os pequenos fabricantes regionais de refrigerantes, as tubaínas, não têm isenção alguma. Como pode?

Em 1998, relata a Carta Capital, o Supremo Tribunal Federal julgou, em 1998, a vantagem da Coca-Cola na Zona Franca, mesmo que não fabrique nenhum “produto amazônico” para tal, e o voto do ministro Nelson Jobim foi decisivo. Desde 2015, o filho de Jobim, Alexandre Kruel Jobim, preside a Abir (Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas).

O decreto de Temer que reduz de 20% para 4% o desconto do IPI para o setor de refrigerantes na Zona Franca já foi derrubado no Senado, e o lobby da Coca-Cola, da Pepsi e da Ambev já está se movendo para derrubá-lo também na Câmara

Talvez o único acerto de Temer até agora, o decreto que reduz de 20% para 4% o desconto do IPI para o setor de refrigerantes na Zona Franca já foi derrubado no Senado, e o lobby da Coca-Cola, da Pepsi e da Ambev já está se movendo para derrubá-lo também na Câmara. De acordo com o governo, o fim dos benefícios às gigantes das bebidas açucaradas representará uma arrecadação extra para o país de 740 milhões de reais até o final de 2018. Calcula-se que o país perca 1,6 bilhão por ano com os benefícios fiscais a estas multinacionais.

A própria ameaça da Coca-Cola de que sua “saída” do Brasil resultará na diminuição de empregos não se sustenta. Os empregos que o setor gera na Zona Franca são ínfimos quando comparados aos subsídios que recebe: a produção de concentrados gera apenas 798 postos de trabalho na Zona Franca, contra 47 mil empregos das fábricas de refrigerantes em todo o país. E está reclamando por ganância: mesmo com a redução do desconto, perderá apenas parte dos benefícios que continuará a ter.

“O decreto, na prática, diminuiu os elevados benefícios de crédito tributário que algumas fabricantes de refrigerantes recebem. Empresas como AmBev e Coca-Cola, além de não pagar vários impostos na Zona Franca de Manaus, ainda recebem crédito de 20% sobre o que produzem por lá. Ou seja, não pagam o imposto (IPI, alíquota que era de 20%) e ainda recebem crédito por isso. O governo brasileiro então subsidia a produção de refrigerantes dessas fábricas. O decreto diminui esse crédito imoral das fabricantes de refrigerantes”, disse, na época, o advogado do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), Igor Britto.

Um país onde gigantes das bebidas danosas à saúde recebem subsídios e incentivos fiscais é um país de trouxas. Onde mais a Coca-Cola encontraria uma moleza destas?

Após a notícia circular nas redes sociais, a Coca-Cola publicou uma nota dizendo que não tem planos para deixar o Brasil.

“Reiteramos que a Coca-Cola Brasil não tem planos de deixar a Zona Franca de Manaus, de onde, há 28 anos, sai o concentrado utilizado na produção de várias de nossas bebidas pelas 36 fábricas instaladas no país. O nosso compromisso com o Brasil é sólido e de longo prazo, numa trajetória que já soma 76 anos.

Nossos valores e práticas incluem diálogo e transparência com governos e com a sociedade brasileira. 

Atuamos em 202 países sempre com total respeito às leis locais.

Em todo o Brasil, o Sistema Coca-Cola emprega 54 mil pessoas direta e outras 600 mil indiretamente na produção e distribuição de 213 produtos de 20 marcas. Só este ano nosso investimento no Brasil foi de R$ 3 bilhões, seguindo o mesmo patamar de 2017.”

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(11) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Paulo Roberto em 22/08/2018 - 22h49 comentou:

Caramba eu não sabia disso tudo. Realmente o Brasil é terra, onde a exploração come solta. Que vergonha!

Responder

Miranda em 23/08/2018 - 18h05 comentou:

KKKKK…a coca cola quer ir embora? Ja vai tarde, com sua receita de venenos e exploração. Se a economia mudasse de rumo, 54 mil trabalhadores seriam facilmente realocados em postos mais dignos, que não contribuiriam para a criação de doenças em nossa população.

Responder

Manuel Sousa em 23/08/2018 - 21h16 comentou:

Governo de merda, q a coca cola vá logo , já vai tarde.
Têm mais é q pagar tudo, q o governo confisque todo o patrimônio q e nosso.

Responder

Manuel Sousa em 23/08/2018 - 21h18 comentou:

Coca cola , já vai tarde.

Responder

Sergio em 24/08/2018 - 09h07 comentou:

Deixe-a ir embora! Imposto de importação e vamos tomar refrigerantes produzidos no Brasil! Incentivar a indústria local!

Quero ver alguém pagar $15,00 numa latinha de Coca Cola importada. Quem tem mais a perder é a Coca Cola! Só presta assim! Há anos sem pagar imposto! O que é isso? País em crise e os caras não querem dar sua cota de sacrifício?????????

Responder

Geraldo Baptista em 25/08/2018 - 07h36 comentou:

tem é que aumentar mais ainda para 50% ou mais e se quiser sair do pais que saia e nao volte. Nao precisamos destas porcarias.

Responder

ricardo procopio de oliveira em 25/08/2018 - 09h48 comentou:

Coca-Cola nao vai fazer falta nenhuma,torço pra ela encerrar suas atividades.

Responder

Rodrigo em 26/08/2018 - 15h50 comentou:

“Um país onde gigantes das bebidas danosas à saúde recebem subsídios e incentivos fiscais é um país de trouxas.”

Disse tudo!

Responder

Joaquim em 27/08/2018 - 19h31 comentou:

Pode ir e levar tambem as fabricas de cigarros.Nao sera prejuiso,a saude agradece.

Responder

CLÁUDIO PEREIRA PINHEIRO, O CPP! JUÍZO GENTE! em 29/08/2018 - 11h07 comentou:

“FACE” MEU BROTHER,
A ESQUERDA JÁ PROVOU QUE FAZ MAIS E BEM MELHOR PELA NAÇÃO BRASILEIRA!
#LulaPresidenteJá!
Haddad vice!

Responder

Vicente Jouclas em 31/08/2018 - 12h07 comentou:

Basta irmos a Manaus e verificar o formigueiro humano sem incentivo algum.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Mountain Dew, o refrigerante que detona dentes nos EUA (e que a Ambev trouxe…


Uma bebida cítrica cuja embalagem mais parece a de um desentupidor de pia, “verde neon” que nem o Diabo Verde. E a impressão de que aquela garrafinha contém algo corrosivo não é só impressão

Kapital

Davi enfrenta Golias: a luta das tubaínas contra a Coca-Cola e a Ambev


Indústrias pequenas apoiam decreto de Temer que reduz de 20% para 4% o desconto no IPI na compra de concentrados na Zona Franca