Socialista Morena
Kapital

Como os capitalistas financiaram o nazismo de Hitler e o fascismo de Mussolini

A mais recorrente mentira que a direita tenta espalhar e que encontra receptividade em jovens sem leitura e que se contentam com meia dúzia de frases nas redes sociais, é que o sanguinário Adolf Hitler foi um socialista

Cynara Menezes
23 de maio de 2014, 20h45

Quem fornecia o pesticida Zyklon-B (cianeto de hidrogênio) colocado nas chamadas “câmaras de gás” utilizadas pelos nazistas para exterminar milhões de judeus? A empresa alemã IG Farben, antecessora da mesma Bayer que continua a fornecer inseticidas mundo afora.

A ignorância em torno do socialismo não resiste a cinco minutos de pesquisa no Google. A mais recorrente mentira que a direita tenta espalhar e que encontra receptividade em jovens sem leitura, desconhecedores da história e que se contentam com meia dúzia de frases nas redes sociais, é que o sanguinário Adolf Hitler foi um socialista. Isto baseado na “genial” sacada de que o nome do partido dele era Partido Nacional Socialista. Certamente devem achar que a Coréia do Norte é democrática e popular, já que se chama República Democrática Popular da Coréia. Ou talvez o PSB brasileiro seja socialista, né?

Vários esquerdistas na rede perderam algum tempo desmentindo a idiotice. Os melhores links, em minha opinião, estão no artigo Detonando a Mentira de que os Nazistas eram de Esquerda (em inglês), onde o blogueiro e tuiteiro Shoq escancara o total nonsense desta história. Mas o cineasta independente grego Aris Chatzistefanou foi além e praticamente desenhou para quem se recusa a pesquisar ou pelo menos usar a lógica. A ascensão do nazismo de Adolf Hitler na Alemanha e do fascismo de Benito Mussolini na Itália durante os anos 1920, 1930 e 1940 só foi possível com a colaboração e o suporte financeiro de grandes corporações ainda hoje poderosas: BMW, Fiat, IG Farben (Bayer), Volkswagen, Siemens, IBM, Chase Bank, Allianz… Sem contar, é claro, com os grupos de mídia.

O filme Fascismo Inc. é o terceiro feito por Chatzistefanou para mostrar as origens da crise econômica na Europa e na Grécia em particular. São imperdíveis também os primeiros da série: Dividocracia e Catastroika, que denunciam a bolha imobiliária e depois a “ajuda” do FMI (Fundo Monetário Internacional), fiel à sua velha cartilha de socorrer os ricos em detrimento dos pobres. Em Fascismo Inc., o cineasta esmiúça a estreita colaboração de industriais e banqueiros com os nazistas para perseguir e destruir o sindicalismo e os socialistas, a quem chamavam de “terroristas” (qualquer coincidência com o Brasil de hoje será mera semelhança). Detalhe: Hitler extinguiu o Partido Comunista alemão um dia depois de tomar posse.

Hitler extinguiu o Partido Comunista alemão um dia depois de tomar posse

O documentário relata inclusive como a perseguição aos judeus não foi apenas uma questão racial, mas também tinha interesses econômicos. Como os judeus integravam uma poderosa classe média na Alemanha de então, os nazis se utilizaram do racismo para fazê-los bode expiatório da crise, acusando-os de “roubar os empregos” dos alemães não por acaso, o mesmo discurso que a direita utiliza atualmente em relação aos imigrantes na Europa. O fascismo de Benito Mussolini não foi, ao contrário do que os ditadores pregavam, um movimento de massas: o rei Emanuel III entregou o poder a Mussolini porque era o que queriam as indústrias do Norte da Itália. Para confrontar as massas de esquerda, era preciso criar um movimento de massas de direita. Que melhores líderes para isso do que o psico Adolf e o fanfarrão Benito?

O filme mostra ainda como, no tribunal de Nuremberg, as empresas envolvidas com o nazismo foram submetidas a uma pantomima de condenação. Enquanto os oficiais nazis foram enforcados, quem entrou com o dinheiro para financiar a empreitada foi solto anos depois os diretores da IG Farben (Bayer), que fornecia os químicos para matar gente, foram condenados a no máximo 8 anos.

Mas o pior são os sinais que Chatzistefanou está vendo, na sociedade grega, de recrudescimento deste nazi-fascismo financiado pela grana: os partidos neonazis gregos são apoiados por parte da elite econômica e dos grupos de mídia (olha eles aí de novo) do país. E o cineasta está convencido de que é uma tendência que pode se espalhar como consequência da crise. “Nosso lema é: ‘o que acontece na Grécia nunca fica na Grécia. Temo que este crescimento da extrema-direita e movimentos neo-nazistas que estamos vendo nos últimos anos na Grécia apareçam em outros países da Europa onde a austeridade foi imposta do mesmo jeito” (leia mais aqui).

Muita gente usa a tirania do ditador soviético Josef Stalin para atacar a esquerda. Stalin (cujo exército, por sinal, derrotou os nazistas) é acusado da morte de milhões, mas o socialismo foi uma de suas vítimas. Hitler também matou milhões, mas o capitalismo não sofreu sob o nazismo ou o fascismo. Pelo contrário: foi seu financiador.

Assistam o filme, é muito bom. Legendas em português.

UPDATE:

Como nossos amigos reaças ficam me mandando “discursos” de Hitler, vou colocar algumas frases da autobiografia dele, Minha Luta (Mein Kampf) para ver se eles caem na real. Sei que será difícil, mas… Não custa tentar.

Com vocês, Hitler:

“A cor vermelha de nossos cartazes foi por nós escolhida, após reflexão exata e profunda, com o fito de excitar a Esquerda, de revoltá-la e induzi-la a freqüentar nossas assembléias; isso tudo nem que fosse só para nos permitir entrar em contato e falar com essa gente.”

“Como não tinham logrado perturbar a calma das companhias, mediante gritarias e aclamações ofensivas, os representantes do verdadeiro socialismo, da igualdade e da fraternidade, começavam a jogar pedras. Com isso foi esgotada a nossa paciência, e, em conseqüência, distribuímos pancadas à esquerda e à direita, durante dez minutos. Um quarto de hora mais tarde, não havia mais um vermelho nas ruas.”

“Nos anos de 1913 e 1914 manifestei a opinião, em vários círculos, que, em parte, hoje estão filiados ao movimento nacional-socialista, de que o problema futuro da nação alemã devia ser o aniquilamento do marxismo.”

“Nesse tempo, abriram-se-me os olhos para dois perigos que eu mal conhecia pelos nomes e que, de nenhum modo, se me apresentavam nitidamente na sua horrível significação para a existência do povo germânico: marxismo e judaísmo.”

Nos anos de 1913 e 1914 manifestei a opinião, em vários círculos, que, em parte, hoje estão filiados ao movimento nacional-socialista, de que o problema futuro da nação alemã devia ser o aniquilamento do marxismo

“Só o conhecimento dos judeus ofereceu-me a chave para a compreensão dos propósitos íntimos e, por isso, reais da social-democracia. Quem conhece este povo vê cair-se-lhe dos olhos o véu que impedia descobrir as concepções falsas sobre a finalidade e o sentido deste partido e, do nevoeiro do palavreado de sua propaganda, de dentes arreganhados, vê aparecer a caricatura do marxismo.”

“Se o judeu, com o auxilio do seu credo marxista, conquistar as nações do mundo, a sua coroa de vitórias será a coroa mortuária da raça humana e, então, o planeta vazio de homens, mais uma vez, como há milhões de anos, errará pelo éter.”

“No meu íntimo eu estava descontente com a política externa da Alemanha, o que revelava ao pequeno circulo que meus conhecidos, bem como com a maneira extremamente leviana, como me parecia, de tratar-se o problema mais importante que havia na Alemanha daquela época – o marxismo. Realmente, eu não podia compreender como se vacilava cegamente ante um perigo cujos efeitos – tendo-se em vista a intenção do marxismo tinham de ser um dia terríveis.”

FIM


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(252) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Clayton em 23/05/2014 - 20h50 comentou:

Financiou o comunismo na Rússia também. Financiaram a China nos anos 80. E foi capital americano!

Responder

    morenasol em 23/05/2014 - 20h55 comentou:

    ahã. "financiou o comunismo na rússia". encontre o erro

    Clayton em 23/05/2014 - 21h30 comentou:

    União Soviética, ato falho.

    morenasol em 23/05/2014 - 21h59 comentou:

    mantenho o "encontre o erro"

    Clayton em 23/05/2014 - 22h46 comentou:

    Sabe de nada… Você é teimosa, hein!?

    Pesquise a seguinte bibliografia:

    "The Open Conspiracy“, H.G. Wells
    "The Fearful Master", G. Edward Griffin
    "Brotherhood of Darkness", Stanley Monteith
    "The True Story of the Bilderberg Group", Daniel Estulin

    O problema é que esquerdista tem ojeriza à leitura, via de regra. São bitolados.

    Outros temas correlatos: Elite Global e Socialismo Fabiano.

    Financiaram o parque industrial da União Soviética de Stalin, a indústria bélica do Führer, além da China desde os anos 80. Wall Street por trás, sempre!

    suedprofessor em 24/05/2014 - 05h35 comentou:

    Clayton, quase toda a sua fala é uma falácia:

    *Os maiores produtores de acadêmicos tem viés esquerdistas (logo, são os que mais leem).
    * Os capitalistas não financiaram o parque industrial soviético, mas sim, houve dinheiro estadunidense na URSS, e a maior parte desse dinheiro entrou de forma clandestina, e buscando incentivar uma classe que pudesse internamente se contrapor ao sistema. Prova disso são os inúmeros bilionário na Rússia pós URSS.

    renan em 27/05/2014 - 05h00 comentou:

    Exatamente. A URSS não poderia aceitar dinheiro americano. A União Soviética estava quebrada pelos gastos militares excessivos e a despreocupação com a economia e mesmo assim não aceitou dinheiro americano para que não ficasse em dívida com eles e não tivessem que ceder a entrada de transnacionais americanas no futuro. Se entrou algum dinheiro foi clandestino!!!

    kil em 26/05/2014 - 14h19 comentou:

    tem o livro "The Best Enemy Money Can Buy" de Antony C. Sutton, também.

    Aldair B M em 26/05/2014 - 23h11 comentou:

    Esquerdista é bitolado? Albert Einstein era bitolado? Noam Chomsky é bitolado? Clayton é esperto. Eh, Clayton… Tá difícil ficar do seu lado… Você citou fontes em inglês… Quer debater em inglês? Be my guest. Quer discutir em italiano? andiamo!

    Mastrandea em 01/06/2014 - 05h32 comentou:

    Parei em "esquerdistas".

    Matheus de Souza em 24/05/2014 - 19h36 comentou:

    morenasol 79p · 22 horas atrás
    ahã. "financiou o comunismo na rússia". encontre o erro

    Acheio o erro: "morenasol"

    Adriano Meirinho em 25/05/2014 - 16h45 comentou:

    Boa!

    Paula em 26/05/2014 - 17h23 comentou:

    Esse blog é sério? Ou é comédia?
    Começando pelo "esquerdismo way of life"… hahaha…
    A fofa mete o pau nos yankees, mas "adoga" americanizar a bagaça.

    morenasol em 26/05/2014 - 17h47 comentou:

    entender ironia é pedir muito da direita burra. ops, pleonasmo

    Paula em 26/05/2014 - 17h56 comentou:

    Por uma frase vc já determinou que sou "das direita" e "burra".

    Congrats, "Saynara"! Seu "way of life" é very invejável.

    Ceticista em 26/05/2014 - 18h47 comentou:

    ██ Direita burra? Agora vc foi preconceituosa.

    Tem muitos q se dizem esquerda mas qdo tem um pouco mais de dinhero ai quero ver ser comunista.

    Nao é certa esa dicotomia: ESQ (pobres bonzinhos) x DIR (brancos racistas maus). Tem negros ricos q qdo tem grana fica se exibindo em Ferrari, etc.

    renan em 27/05/2014 - 05h05 comentou:

    "…negros ricos q qdo tem grana fica se exibindo". Os "negros ricos" de que você falou declararam a posição política deles a você? Ótima base para um discussão meu caro.

    Paula em 27/05/2014 - 15h25 comentou:

    Renan, fofo, seja negro ou branco, desfilando com Ferraris… se for "de esquerda", é um belo de um caviar beluga russo consumido com talheres de diamantes.
    Haja coerência, não é mesmo?

    ceticista em 03/06/2014 - 05h23 comentou:

    Leu tudo? Disse "Tem negros ricos" omitiu o "Tem" pelo "…" e passou noção de todos negros ricos são assim.

    Mas me corrijo: Como muitas vezes demonizam os brancos ricos capitalistas (associado com nazismo), o oposto fica sendo os negros sao pobres, pois é imagem q se passa em sites de esquerda. O post la em cima da entender q CAPITALISMO = NAZISMO. Entao se tiver negros ricos é contradição, pois riqueza é vista aqui como coisa de capitalista.

    Andre em 29/06/2014 - 23h28 comentou:

    Pra mim é indiferente se o nazismo era de esquerda ou de direita.
    Se é pra classificar os regimes no nível de "maldade" ou de "efetividade", vamos classificá-los pelo número de mortes e pela quantidade de países em que esse sistema funciona.
    Pelas mortes, já colocamos Stalin como o campeão.
    Joseph Stalin – 42.672.000 ESQUERDA
    Mao Tse-tung – 37.828.000 ESQUERDA
    Adolf Hitler – 20.946.000 PODE SER DE DIREITA (PELO MIMIMI)
    Chiang Kai-shek – 10.214.000 CONSERVADOR DE DIREITA
    Vladimir Lenin – 4.017.000 ESQUERDA
    Tojo Hideki – 3.990.000 ESQUERDA
    Pol Pot – 2.397.000 ESQUERDA
    Yahya Khan – 1.500.000 MILITAR (SE QUISEREM PODEM CONSIDERAR DIREITA)
    Josip Tito – 1.172.000
    Preciso fazer as contas?
    Agora vamos ver os países comunistas que estão se dando bem…
    Deixa eu ver….
    Espere um pouco…
    Hum…
    Quase lá…
    Desisto!

    Wallace R em 03/11/2014 - 17h34 comentou:

    Que comédia… Você acredita mesmo que já existiu algum país comunista? Aconselho a ler O Manifesto Comunista de Karl Marx e Friedrich Engels. 😉

    Boa leitura. ~

    Huehue em 18/11/2014 - 13h00 comentou:

    Aham,se vc somar todas as mortes nas ditaduras que os USA fizeram e a dos caras do Eixo,vai ficar quase igual aos "socialistas".

Clayton em 23/05/2014 - 20h57 comentou:

Os 25 itens elaborados pelo Partido dos Trabalhadores Nacional-Socialista seriam endossados por diversos membros da ESQUERDA, jamais por LIBERAIS. Eram coletivistas, repudiavam o capitalismo liberal (tanto que usavam os judeus, ícones deste capitalismo, como bodes expiatórios para todos os males do país), e depositavam no estado a solução para tudo. Abaixo, o link com todos os pontos.

***Programa de 25 Pontos do Partido Nacional-Socialista Alemão (1920)***
http://uniaoariana.wordpress.com/2010/05/11/25-po

Responder

    ZENIO SILVA em 26/05/2014 - 17h37 comentou:

    Podes esclarecer como sabes que os tais "25 itens" do partido nazista,mencionados no teu comentário, seriam endossados por "membros da esquerda" e "jamais por LIBERAIS"?! Isso é uma suposição, ou és porta-voz de esquerdistas e liberais ao mesmo tempo?!

    Clayton em 26/05/2014 - 18h45 comentou:

    Pois não. Alguns pontos do programa que corroboram o que eu disse. Atende muito mais à "agenda" das esquerdas. Preste atenção:

    7. Nós exigimos que o Estado especialmente se encarregará de garantir que todos os cidadãos tenham a possibilidade de viver decentemente e recebam um sustento.

    10. O primeiro dever de todo cidadão deve ser trabalhar mental ou fisicamente. Nenhum indivíduo fará qualquer trabalho que atente contra o interesse da comunidade para o benefício de todos.

    11. Que toda renda não merecida, e toda renda que não venha de trabalho, seja abolida.

    13. Nós exigimos a nacionalização de todos os grupos investidores.

    14. Nós exigimos participação dos lucros em grandes indústrias.

    15. Nós exigimos um aumento generoso em pensões para idade avançada.

    16. Nós exigimos a criação e manutenção de uma classe média sadia, a imediata socialização de grandes depósitos que serão vendidos a baixo custo para pequenos varejistas, e a consideração mais forte deve ser dada para assegurar que pequenos vendedores entreguem os suprimentos necessários aos Estaso, às províncias e municipalidades.

    17. Nós exigimos uma reforma agrária de acordo com nossas necessidades nacionais, e a oficialização de uma lei para expropriar os proprietários sem compensação de quaisquer terras necessárias para propósito comum. A abolição de arrendamentos de terra, e a proibição de toda especulação na terra.

    25. A fim de executar este programa, nós exigimos: a criação de uma autoridade central forte no Estado, a autoridade incondicional pelo parlamento político central de todo o Estado e todas as suas organizações.

    morenasol em 26/05/2014 - 19h05 comentou:

    privatização em massa sob o regime nazista. a direita brasileira é tão burra que se ilude HOJE com hitler como os alemães se iludiram naquela época http://www.ub.edu/graap/nazi.pdf

    Clayton em 26/05/2014 - 19h43 comentou:

    Socialismo e nazismo e suas semelhanças:

    “Que significa ainda a propriedade e que significam as rendas? Para que precisamos nós socializar os bancos e as fábricas? Nós socializamos os homens.” (Adolf Hitler, citado por Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, pg 218-219)

    Ensinada desde os tempos de Lênin, muitos socialistas usam a tática de acusar os opositores daquilo que eles mesmos são ou fazem. Tudo que for contrário ao socialismo, vira assim “nazismo”, ainda que o nacional-socialismo tenha inúmeras semelhanças com o próprio socialismo.

    Tanto o nazismo como o marxismo compartilharam o desejo de remodelar a humanidade. Marx defendia a “alteração dos homens em grande escala” como necessária. Hitler pregou “a vontade de recriar a humanidade”. Qualquer pesquisa séria irá concluir que nazistas e socialistas não eram, na prática e no ideal coletivista, tão diferentes assim.

    Não obstante, para os socialistas, aquele que não for socialista é automaticamente um “nazista”, como se ambos fossem grandes opostos. Assim, os liberais, que sempre condenaram tanto uma forma de coletivismo como a outra, e foram alvos de perseguição dos dois regimes, acabam sendo rotulados de “nazistas” pelos socialistas, incapazes de argumentar além dos tolos rótulos de “extrema-esquerda” e “extrema-direita”.

    Tal postura insensata coloca, na cabeça dos socialistas, uma “direitista” como Margaret Thatcher mais próxima ideologicamente de um Hitler que este de Stalin, ainda que Thatcher tenha lutado para defender as liberdades individuais e reduzir o poder do Estado, enquanto Hitler e Stalin foram na linha oposta.

    O fim da propriedade privada de facto foi um objetivo perseguido tanto pelo nazismo como pelo socialismo, que depositaram no Estado o poder total. O Liberalismo, em sua defesa pela liberdade individual cujo pilar básico é o direito de propriedade privada, é radicalmente oposto tanto ao nazismo como ao socialismo, que em muitos aspectos parecem irmãos de sangue.

    A conexão ideológica entre socialismo marxista e nacional-socialismo não é fruto de fantasia, e Hitler mesmo leu Marx atentamente quando vivia em Munique, tendo enaltecido depois sua influência no nazismo. Para os nazistas, os grupos eram as raças; para os marxistas, eram as classes. Para os nazistas, o conflito era o darwinismo social; para os marxistas, a luta de classes. Para os nazistas, os vitoriosos predestinados eram os arianos; para os marxistas, o proletariado.

    Além da justificativa direta para o conflito, a ideologia de luta entre grupos desencadeia uma tendência perversa a dividir as pessoas em parte do grupo e excluídos, tratando estes como menos que humanos. O extermínio dessa “escória” passa a ser desejável seja para o paraíso dos proletários ou da “raça” superior. Os individualistas, entrave para ambas ideologias coletivistas, acabam num campo de concentração de Auchwitz ou num Gulag da Sibéria, fazendo pouca diferença na prática.

    A acusação de que a Alemanha nazista era uma forma de capitalismo não se sustenta com um mínimo de reflexão. O “argumento” usado para tal acusação é de que os meios de produção estavam em mãos privadas na Alemanha. Mas como Mises demonstrou, isso era verdade somente nas aparências. A propriedade era privada de jure, mas era totalmente estatal de facto, da mesma forma que na União Soviética. O governo não só nomeava dirigentes de empresas como decidia o que seria produzido, em qual quantidade, por qual método, e para quem seria vendido, assim como os preços exercidos.

    Para quem tem um mínimo de conhecimento sobre os pilares de uma sociedade capitalista liberal, não é difícil entender que o nazismo é o oposto deste modelo. Para os nazistas, assim como para os socialistas, é o “bem comum” que importa, transformando indivíduos de carne e osso em simples meios sacrificáveis para tal objetivo.

    Existem, na verdade, vários outros pontos que podemos listar para mostrar que o nazismo e o socialismo são muito parecidos, e não opostos como tantos acreditam. O fato de comunistas terem entrado em guerra com nazistas nada diz que invalide tal tese, posto que comunistas brigaram sempre entre si também, e irmãos brigam uns com outros, ainda mais por poder.

    Apesar do Liberalismo se opor com veemência a ambos os regimes, os socialistas adoram repetir, como autômatos, que liberais são parecidos com nazistas, apenas porque associam erradamente nazismo a capitalismo. Se ao menos soubessem como é o próprio socialismo que tanto se assemelha ao nazismo!

    Clayton em 26/05/2014 - 19h47 comentou:

    “Deve ser sempre enfatizado que o nacionalismo econômico é um corolário do estatismo, seja o intervencionismo ou o socialismo.” (Mises)

    Muitos historiadores tentaram explicar o surgimento do nazismo de diferentes formas. O enfoque do economista Mises, no entanto, é bastante peculiar, pois mostra como o nazismo foi um filhote da mentalidade estatizante que dominou o mundo na época, e a Alemanha em particular. O prisma econômico de Mises permite uma abordagem transparente, que desfaz uma das maiores inversões já criadas na história: a idéia de que o nazismo é de “direita” e, portanto, oposto ao socialismo e mais próximo do capitalismo.

    Socialismo, afinal, trata de um sistema econômico de organização da sociedade, defendendo meios públicos de produção, contra o pilar do capitalismo, que é a propriedade privada. Analisando por este ângulo, fica evidente a proximidade entre nazismo e socialismo, ambos totalmente opostos ao capitalismo de livre mercado.

    Quando se fala em nazismo, o antissemitismo é uma das primeiras características que vem à mente. Mises mostra, no entanto, que esse ódio racial foi apenas um pretexto utilizado pelos nazistas, transformando os judeus em bodes expiatórios. Era impossível diferenciar antropologicamente alemães judeus dos não-judeus. Não existem características raciais exclusivamente judaicas, e o “arianismo” não passava de uma ilusão. As leis nazistas de discriminação contra os judeus não tinham ligação com considerações da raça em si. Eles se uniram aos italianos e japoneses, sem ligação alguma com a “supremacia racial nórdica”, enquanto desprezavam os nórdicos que não simpatizavam com seus planos de domínio mundial. Tantas contradições não incomodavam os “arianos”, pois o racismo não era a causa do movimento, e sim um meio político para seus fins.

    Tudo aquilo que representava um empecilho no caminho do poder total era considerado “judeu” pelos nazistas. Apesar de os nacionalistas alemães considerarem o bolchevismo uma criação judaica, isso não os impediu de cooperar com os comunistas alemães contra a República de Weimar, ou de treinar seus guardas de elite nos campos de artilharia e aviação russos entre 1923 e 1933. Também não os impediu de costurar um acordo de cumplicidade política e militar com a União Soviética entre 1939 e 1941.

    Mesmo assim, a opinião pública defende que o nazismo e o bolchevismo são filosofias implacavelmente opostas. O simples fato de que os dois grupos lutaram um contra o outro não prova que suas filosofias e princípios sejam diferentes. Sempre existiram guerras entre pessoas do mesmo credo ou filosofia. Se a meta for a mesma – o poder – então será natural uma colisão entre ambos. O rei Charles V disse uma vez que estava em pleno acordo com seu primo, o rei da França, pois ambos lutavam contra o outro pelo mesmo objetivo: Milão.

    CONTINUA (…)

    Clayton em 26/05/2014 - 19h48 comentou:

    Hitler e Stalin miravam no mesmo alvo. Ambos desejavam governar a Polônia, a Ucrânia e os estados bálticos. Além disso, disputavam o mesmo tipo de mentalidade, aqueles desesperados que estão dispostos a sacrificar a liberdade em prol de alguma promessa de segurança. Nada mais normal do que um bater de frente com o outro, quando sustentar o acordo mútuo ficou complicado demais. Não devemos esquecer que os socialistas de diferentes credos sempre lutaram uns contra os outros, e isso não os torna menos socialistas. Stalin não virou menos socialista porque brigou com Trotsky.

    Os bolcheviques partiram na frente em termos de conquista de poder, e o sucesso militar de Lênin encorajou tanto Mussolini como Hitler. O fascismo italiano e o nazismo alemão adotaram os métodos políticos da União Soviética. Eles importaram da Rússia o sistema de partido único, a posição privilegiada da polícia secreta, a organização de partidos aliados no exterior para lutar contra seus governos locais e praticar sabotagem e espionagem, a execução e prisão os adversários políticos, os campos de concentração, a punição aos familiares de exilados e os métodos de propaganda.

    Como Mises disse, a questão não é em quais aspectos ambos os sistemas são parecidos, mas sim em quais eles diferem. O nazismo não rejeita o marxismo porque sua meta é o socialismo, e sim porque ele advoga o internacionalismo. Ambos são anticapitalistas e antiliberais, delegando todo o poder ao governo centralizado e planejador. No nazismo, a propriedade privada não foi abolida de jure, mas foi de facto, e os empresários eram nada mais do que “gerentes administrativos”, obedecendo a ordens do governo, que decidia sobre tudo, incluindo alocação de capital e preços exercidos.

    Os judeus foram vítimas dos nazistas basicamente por representarem uma minoria que pode ser legalmente definida em termos precisos, o que era tentador numa era de intervencionismo estatal. Os nazistas souberam explorar isso usando os judeus como bodes expiatórios para os males criados pelo sistema econômico inadequado. Existiam aqueles que tentavam justificar o antissemitismo denunciando os judeus como capitalistas, e existiam outros que culpavam os judeus pelo comunismo.

    As acusações contraditórias cancelam uma a outra. Com a derrota na primeira Guerra Mundial, o nacionalismo alemão conseguiu sobreviver arrumando um culpado para o fracasso. Os nacionalistas insistiram que eram invencíveis, mas alegaram terem sido sabotados pelos judeus. Se estes fossem eliminados, a vitória seria certa. O uso dessa minoria como bode expiatório serviu para a concentração de poder doméstico, assim como para o apoio de muitos no exterior, pois onde quer que houvesse alguém interessado em se livrar de um competidor judeu, lá poderia estar um apoio ao nazismo. De fato, não foi pequeno o apoio inicial que os nazistas receberam de fora. A humanidade pagou um elevado preço pelo antissemitismo. Na União Soviética, os pequenos proprietários, os kulaks, exerceram esse papel de minoria culpada pelos males econômicos. Na essência, a tática é a mesma.

    CONTINUA (…)

    Clayton em 26/05/2014 - 19h48 comentou:

    Os comunistas alemães abriram o caminho para o nazismo, ajudando a enterrar de vez o liberalismo no país. Os comunistas estavam ansiosos para tomar o poder através da violência. No começo de 1919, eles partiram para batalhas nas ruas de Berlim e conseguiram o controle de boa parte da capital. No final de 1918, a grande maioria da nação estava preparada para defender um governo democrático, segundo Mises. Mas esse choque criado pelos comunistas e marxistas, que se declararam a favor da ditadura do proletariado rejeitando a democracia, gerou enorme descrença no povo.

    Os alemães ficaram desiludidos com a democracia, sentindo-se enganados, como se o apelo pela democracia fosse apenas um meio de conquistar os tolos. Democracia passou a ser sinônimo de fraude. Os nacionalistas foram rápidos em aproveitar essa mudança de mentalidade. Os métodos marxistas foram usados pelos nacionalistas, que haviam lido Lênin e Bukharin. Um plano para a tomada do poder tinha sido traçado.

    Em 1919, a escolha política alemã era entre o totalitarismo bolchevique, sob a ditadura de Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht, ou o parlamentarismo. No entanto, os comunistas, apesar de minoria, não estavam dispostos a aceitar a decisão democrática, e o único meio de detê-los era o uso da força. A intervenção militar dos nacionalistas foi vista como única saída por muitos alemães. Os nazistas chegaram ao poder graças à ameaça comunista. Ambos disputavam os mesmos adeptos, já que o liberalismo não era mais uma alternativa após tanta idolatria ao estado.

    É verdade que Hitler conseguiu subsídios das grandes empresas na primeira fase de sua carreira política. Mas ele tomou esse dinheiro como um rei toma o tributo de seus súditos. Se os empresários negassem o que era demandado, Hitler teria os sabotado ou mesmo usado violência. Os empresários preferiram ser reduzidos ao papel de gerentes administrativos sob o nazismo a ser liquidados pelo comunismo no estilo soviético. Não havia uma terceira opção naquele contexto.

    Tanto a força como o dinheiro eram impotentes contra as idéias, e estas apontavam na direção da estatização da economia. O próprio Hitler concluiu que não era necessário socializar os meios de produção oficialmente. Ele havia socializado os homens! Os empresários alemães contribuíram com parte do avanço nazista, assim como várias outras camadas da nação, incluindo as igrejas, tanto a católica como a protestante. O lamentável fato é que a maioria do povo alemão abraçou o nacional-socialismo.

    O cenário catastrófico da economia foi crucial para criar um terreno fértil ao nazismo. Mas o fato de existir uma doença não explica, por si só, a busca por um determinado remédio. Esse remédio é procurado porque o doente acredita que ele pode curá-lo. Logo, o caos econômico na Alemanha só levou ao nazismo porque muitos passaram a acreditar que este era o caminho da salvação. E isso foi uma conseqüência das idéias estatizantes, mercantilistas, que espalharam a falácia de que mais espaço físico e recursos naturais deveriam ser conquistados pelos alemães para garantir o suprimento doméstico e a retomada do crescimento.

    A inflação que devastou a economia não era vista como resultado das políticas do governo, mas sim como um problema do capitalismo internacional. A mentalidade de guerra, que encara o comércio entre nações como um jogo de perde e ganha, foi fundamental para o crescimento nazista. Poucos compreendiam as vantagens do livre comércio, da divisão internacional de trabalho. Para os males causados pelo intervencionismo estatal, mais estado foi proposto como solução. A ignorância econômica da grande maioria dos alemães foi o que permitiu o avanço do nacionalismo-socialista radical.

    Os aspectos fundamentais da ideologia nazista não diferem daqueles geralmente aceitos pelas demais ideologias estatizantes. O controle da economia deve ser estatal. O lucro é visto com enorme desdém. O planejamento centralizado é uma panacéia para os males econômicos. As importações são encaradas como uma invasão estrangeira negativa. O individualismo deve ser duramente combatido em prol do coletivismo. Eis o arcabouço ideológico que possibilitou a conquista do poder pelos nazistas, que derrubaram os concorrentes estatizantes porque estavam dispostos a defender até as últimas conseqüências esta mentalidade.

    Os pilares do nazismo foram erguidos sobre a mentalidade estatizante da época. A idolatria ao estado e a desconfiança em relação ao livre comércio sustentaram os dogmas nazistas. Mises afirma que somente através da destruição total do nazismo o mundo poderá retomar suas conquistas e melhorar a organização social, construindo uma boa sociedade. Infelizmente, os pilares de sua ideologia permanecem conquistando muitos adeptos, ainda que sob diferentes rótulos. São estes pilares que devem ser atacados para a garantia do progresso da civilização.

    Ismael em 27/05/2014 - 03h04 comentou:

    Uma das grandes certezas nessa discussão é que o capitalismo liberal não funciona em economias planejadas e administradas por representantes dos trabalhadores, mas funciona perfeitamente bem em democracias e funciona ainda melhor em ditaduras como a de Pinochet no Chile, entre outras, e melhor ainda em regimes totalitários com o nazista e o fascista onde os sindicatos que combatiam os lucros capitalistas foram massacrados pelo estado governado pela extrema direita e que apesar do discurso contra o grande capital, se resumia nisso, algo vago enquanto internamente ao passo que os nazifascistas, como hoje na Ucrânia, se alinhavam com o capitalismo nacional.

    Yuri em 27/05/2014 - 15h50 comentou:

    Clayton ,estou contigo campeão ,nós de direita , sabemos argumentar ,enquanto a esquerda apenas tapa os ouvidos ,ignora a argumentação e vem falar besteira , poupe-me!

    O Nazismo era bem esquerdista , só com os olhos tapados para não ver isso…

    luiz em 18/09/2014 - 15h27 comentou:

    "Nós de direita sabemos argumentar" E esse é o seu argumento? kkk

Hider em 23/05/2014 - 21h11 comentou:

Pôxa é muito rico e prazeroso ler seus textos.

Responder

    morenasol em 23/05/2014 - 21h23 comentou:

    obrigada

    Adriano Meirinho em 25/05/2014 - 16h46 comentou:

    Vou dar umas coisas boas para vc ler… me manda seu email 🙂

    morenasol em 26/05/2014 - 17h47 comentou:

    hahahaha inveja mata!

    Marcelo em 26/05/2014 - 18h16 comentou:

    Ótimos argumentos, Cynara! O interessante é que muitos que se dizem "de direita" se recusam a debater política seriamente, sem recorrer a clichês, a ignorância e a desinformação propagada pela Veja. Além disso, boa parte deles se agarra ao que chamam de "É a minha opinião, tenho o direito de pensar assim!!". Claro que tem todo mundo tem o direito de permanecer fechado para ouvir o contraditório, para conhecer outros pontos de vista, mas saibam que se compartilharem opiniões descontextualizadas da história, baseadas em preconceitos, achismos e "Vejismos", nas redes sociais, é óbvio que aparecerão pessoas dispostas a questionar esses frágeis "argumentos". Acredito que boas reflexões sobre política e realidade social podem surgir, inicialmente sem partidarismos, com análises sóbrias sobre a realidade, sobre governos e suas práticas. Quando partimos para um debate, já de início defendendo partido X ou Y, de certa forma, nos fechamos para uma crítica aprofundada nas qual não existe o bem e o mal, mas sim conflitos de interesses.

    Eng de Marco em 26/05/2014 - 18h29 comentou:

    Então meu caro, abra sua mente e leia outro ponto de vista: http://liberzone.com.br/nazismo-esquerda-ou-direi

    Marcelo em 26/05/2014 - 19h10 comentou:

    Eng de Marco, também sugiro uma leitura atenta e livre de preconceitos desse texto:
    http://www.centrodosocialismo.com.br/2013/09/o-na

    Att
    Marcelo

    Adriano Meirinho em 28/05/2014 - 01h15 comentou:

    Mas que mania essa esquerda tem de achar que quem é da direita, lê a Veja, assiste Globo e se atualiza com a Sherazade… pensamento mais limitado este ein? Sem falar que vocês acham que somos tucanos… a análise de vocês é tão rasa, que nem conseguem entender coisas simples. Debater? Já tentei diversas vezes, entretanto 100% das vezes, vocês esquerdistas, cantam de galo, se acham os doutrinadores da verdade, ficam histéricos e partem para a ofensa (está na cartilha de ataque né?)

    Marcelo em 30/05/2014 - 02h48 comentou:

    Não sei você, Adriano, mas o que vejo em sites de debates em que direitistas opinam, a linha de argumentação, em geral, segue a linha editorial da Veja, reproduz a linha de raciocínio sensacionalista de figuras como Olavo de Carvalho, Rodrigo Constantino e Reinaldo Azevedo entre outros ícones que limitam a reflexão crítica de quem os segue/lê. Só um exemplo: é comum encontrar um pânico generalizado de que estamos prestes a nos tornar uma nova Venezuela (pausa para riso ou para dó de tamanha mediocridade). Acho que essas figuras queimam o filme da Direita com suas análises "tragicômicas" da realidade.

EngLib em 23/05/2014 - 22h46 comentou:

Olá!

Uma coisa interessante que a esquerda atual se esquece (se é que um dia, ao menos, soube disso) é que se o Adolf Hitler fosse trazido para os dias atuais, ele seria um perfeito esquerdista.

Praticamente todos os pontos que o Hitler e seus colegas nazistas defendiam no passado são quase os mesmos que a esquerda contemporânea também defende. Por exemplo:

01. Anti-Tabagismo.

02. O partido nazista foi o primeiro partido no mundo ocidental a incluir nas suas diretrizes partidárias os direitos dos animais.

03. Cristofobia. Hitler odiava o cristianismo. Em seu lugar, ele queria o retorno a um paganismo germânico idealizado.

04. Política de controle das armas e fogo.

05. Políticas abortistas.

06. Eutanásia.

07. Uso da educação como instrumento de doutrinação ideológica.

08. Anti-semitismo. Basta ver como a esquerda de hoje é completamente histérica perante o estado de Israel. Se levassem o Hitler a uma dessas manifestações "anti-sionistas" que a esquerda tupiniquim tanto gosta de fazer, provavelmente, ele não pensaria duas vezes em se juntar aos manifestantes quando visse alguma liderança esquerdista tocando fogo na bandeira de Israel.

09. O programa econômico nazista é esquerdismo do começo ao fim. Não há uma referência positiva ao sistema de livre iniciativa, ao livre mercado, ao laissez-faire, enfim, a nada que a direita sempre considerou e considera economicamente importante. Ronald Reagan e Margaret Thatcher são de direita. É necessário um salto lógico muito grande para considerar gente como Adolf Hitler e Benito Mussolini uma versão extrema do Reagan e/ou da Thatcher.

10. Políticas de ações afirmativas (as cotas). Assim como a esquerda atual, Hitler e seus amigos nazistas também eram contra a meritocracia e a favor de métodos de seleção identitários/coletivistas. Quando os nazistas chegaram ao poder na década de 1930 e após terem transformado a Alemanha em uma tirania, os comissários nazistas resolveram fazer um levantamento da composição racial das funções/profissões/cargos de maior prestígio social. Esse levantamento mostrou que havia uma super-representatividade de judeus nas posições de maior prestígio social e que isso não refletia a composição racial da população alemã, pois os judeus eram menos de 1% desse total. Hitler e seus amigos nazistas consideraram isso como uma prova cabal de que os alemães estavam sendo excluídos das melhores oportunidades profissionais e que os judeus e suas maquinações eram os responsáveis por esse cenário, daí a necessidade de reservar essas vagas proporcionalmente à quantidade de alemães na população. Em termos de estrutura, esse discurso não é em nada diferente do que a esquerda de hoje usa para afirmar que, se um determinado segmento social não está justamente representado nas universidades, nas repartições públicas e afins, isso é a prova mais evidente de que há exclusão nesses ambientes e que os brancos, as elites e suas maquinações são os responsáveis por isso, daí que nas universidades e nos concursos públicos as vagas devem ser reservadas proporcionalmente à quantidade de cada raça na população.

Assim posto, Hitler não era apenas um bom esquerdista no seu tempo, mas ele continuaria a ser um bom esquerdista mesmo nos dias de hoje.

Até!

EngLib

Responder

    morenasol em 24/05/2014 - 12h20 comentou:

    ridículo. o post é sobre um filme que você nem assistiu antes de abrir o bico. mas, pelo visto, o post te incomodou. então já fico feliz ; )

    João em 24/05/2014 - 12h31 comentou:

    Nossa fica feliz…não debate…parabéns pelo blog…

    Fábio Glins em 22/08/2014 - 21h28 comentou:

    morena, vc é bem fraca de contra argumentação usa da falácia "apelo ao ridículo" como tentativa de ridicularizar o post do amigo, no entanto nas sua reposta ( longas duas linhas), não vi um contra-argumento de fato. Independente de tudo, defenda-se da bela construção do colega, gostaria de vê-la refutando o post do amigo.

    MFG em 26/05/2014 - 17h51 comentou:

    EngLib,
    sua linha de argumentação até que não é de todo ruim, com sua lógica.
    Ao menos tenta fundamentar seus argumentos.
    Pena que são tão falaciosos quanto o Espantalho: traz o anti-tabagismo como exemplo de práticas comuns com nazistas? Assim já começa entregando sua Falácia do Espantalho.
    Sofrível.

    walter em 26/05/2014 - 20h13 comentou:

    meu caro, os israelenses tomaram israel dos palestinos, expatriaram varias pessoas.Eu sou a favor de todos os ataques terroristas que a contecem por lá

    blablabla em 27/05/2014 - 01h39 comentou:

    anacronismo brabeira hein… "Hitler seria um esquerdista". A esquerda, a atuação dos judeus na política internacional global, o fascismo, tudo isso mudou (em termos conceituais e na prática) depois da segunda guerra mundial e da guerra fria… calma lá

    Ari em 27/05/2014 - 02h46 comentou:

    O forte intervencionismo , ATUALMENTE, é uma bandeira quase exclusiva da esquerda. Mas no contexto da época, apesar de todos os argumentos interessantes do amigo ali em cima, Hitler era de direita.

    marcos adv em 27/05/2014 - 11h34 comentou:

    Fico admirado como uma pessoa que sabe se expressar tão bem consegue escrever tanta baboseira, seu comentário demonstrou que já leu bastante durante a vida, mas não compreendeu nada, só decorou algumas palavras do contexto, filósofia de almanaque poderíamos dizer. Demonstrou que não sabe nada sobre Hitler, socialismo, esquerda e direita, antissemitismo, talvez saiba sobre engenharia. Há 2500 anos tudo que vc escreveu foi chamado de sofismo, discurso bonito sem conteúdo feito para tentar convencer. Te aconselho a ler livros e não a veja ou superinteressante, talvez assistir Discovery ajude. Obs. Não tenho nenhuma simpatia pelo socialismo.

    EngLib em 27/05/2014 - 21h36 comentou:

    Olá!

    Meu caro, que tal se você pegasse cada um ou pelo menos alguns dos 10 pontos que listei acima e tentasse refutá-los através de argumentos?

    Essa seria uma tarefa muito mais intelectualmente reconfortante do que usar rótulos ignóbeis para desqualificar os outros.

    Até!

    EngLib

    Everton Lourenço em 29/05/2014 - 14h04 comentou:

    EngLib, vc vai tão longe nessa sua obsessão que no seu raciocínio, já que Hitler gostava de cachorros, se eu gostar de cachorros, devo ter muito em comum com Hitler. Não é por que eu tenho um aspecto ou outro em comum com ele que eu tenho uma visão de mundo semelhante à dele. Hitler e os membros de seu movimento respiravam, comiam, bebiam e transavam. Seguindo esse raciocínio, se eu respiro, como, bebo e transo, sou nazista tb? Tem um nome pra esse tipo de raciocínio: é sofisma. Parece lógico, mas passa longe de ser.

    Vc parece ser alguém que realmente pesquisa bastante na internet e que pensa bastante sobre isso, seu problema é tomar as premissas erradas (que só podem fazer chegar às conclusões erradas tb) e se aprofundar em fontes distorcidas.

    Não posso responder por todas as esquerdas (existem muitas linhas), apenas por mim mesmo. De qualquer forma, vou tentar dar um tratamento ponto-por-ponto bem rápido pq tenho de voltar ao meu trabalho e ademais tô com preguiça de me alongar:

    "01. Anti-Tabagismo."
    Não sei de onde vc tirou isso. O que vejo de comum às várias esquerdas atuais são a preocupação com o problema da guerra às drogas e sua consequências para a população mais pobre; e a intenção de regular o consumo de drogas no geral, tanto as que são lícitas hj em dia (cigarro, bebidas, remédios) quanto as ilícitas, respeitando o direito de escolha de cada um sobre o uso que fará ou não, e tratando os excessos como questões de saúde.

    "02. O partido nazista foi o primeiro partido no mundo ocidental a incluir nas suas diretrizes partidárias os direitos dos animais. "
    Se for verdade (e não duvido que seja), ótimo. Qual é o problema em querer proteger os animais contra os nossos excessos? Mas é bom lembrar que o tratamento dado pelos nazistas aos judeus, ciganos, negros, comunistas, socialistas, social-democratas e todos que eles achassem inferiores ou que estivessem em seu caminho não parece ser de alguém que reconhecesse direitos nem mesmo para outros seres humanos, que dirá para animais (e como a visão nazista era do darwinismo social, pode ter certeza de que eles viam os animais como seres inferiores aos humanos, e, claro, dentre estes tb viam escalas de superioridade – e isso era um traço comum à cultura burguesa da época, se vc pesquisar vai ver que a maioria dos homens "ilustrados" na Europa ou nos EUA pensava de maneira similar).

    "03. Cristofobia. Hitler odiava o cristianismo. Em seu lugar, ele queria o retorno a um paganismo germânico idealizado. "
    De novo, não posso responder por toda a esquerda, mas o que percebo não é uma "cristofobia" e sim a intenção de que as pessoas tenham liberdade para escolher e praticar a religião que quiserem (ou nenhuma), mas respeitando as escolhas dos outros. O que a esquerda em geral combate é o fato de que muitas vezes parlamentares religiosos tentam aprovar leis baseados em sua fé (e sendo o Brasil um país em geral cristão, claro que esses parlamentares religiosos tendem a ser cristãos). Vamos lá, vc escolher viver sob os valores de uma religião é uma questão de cunho individual e que deve ser respeitada; agora, vc querer que os outros vivam sob os valores da religião que vc escolheu é complicado, hein?

    "04. Política de controle das armas e fogo. "
    Tb não vejo problema nesta questão. Numa sociedade extremamente violenta, a facilidade para ter acesso a armas de fogo pode definir a diferença entre um surto e um assassinato em massa (vide os já comuns casos nos EUA, por exemplo). Mas existem linhas de esquerda completamente contrárias a esta ideia, que defendem o armamento da população por entenderem que uma população armada pode lutar e derrotar um déspota tirano e garantir sua liberdade (e esse raciocínio estava na base da defesa do armamento nos EUA tb, mas lá se vão alguns séculos de transformações na visão de mundo dos estadunidenses e no funcionamento de sua sociedade).

    "05. Políticas abortistas. "
    No caso dos nazistas, para os outros, sempre. Políticas abortivas de eliminação do que eles considerassem inferior, era isso que os nazistas aplicavam, era uma forma de "limpeza da raça humana" (ou "eugenia"). Já o que as esquerdas defendem (e nem todas) é que as pessoas fazem abortos, sendo proibido ou não. É um fato de saúde, então deve ser tratado como tal. A diferença é que a filha da patroa faz na clínica particular, com todo um aparato de segurança, enquanto a filha da empregada faz num canto qualquer com substâncias e técnicas sem controle algum, que muitas vezes deixam sequelas irrecuperáveis, quando não lhes trazem simplesmente a morte.

    <CONTINUA>

    Everton Lourenço em 29/05/2014 - 14h06 comentou:

    <CONTINUAÇÃO>

    "06. Eutanásia. "
    Mesmo caso do item anterior, os nazistas viam como solução pra lidar com os "inferiores". As esquerdas veem como a possibilidade de respeitar a opção individual do sujeito de aliviar o seu sofrimento (ou, quando o sujeito está numa situação irrecuperável, abreviar o sofrimento de seus familiares e conhecidos).

    "07. Uso da educação como instrumento de doutrinação ideológica. "
    Toda educação é ideológica. Desculpe, mas é, não existe neutralidade na instituição "escola". Mesmo o modelo de escola que conhecemos foi criado após o avanço político da burguesia na Europa ocidental no século XIX pra espalhar os seus valores, criar e manter o sentimento de nacionalismo, a unificação das línguas em cada território e, consequentemente, a própria unidade territorial e política de cada país. Concordo que há linhas dentro da esquerda que gostariam de usar a escola mais claramente como uma ferramenta de "doutrinação" aberta e nisso não diferem da direita, mesmo que muitas vezes na esquerda as pessoas não tenham noção do caráter de doutrinação – diferente do caso da direita, em que na maioria das vezes as pessoas não tem noção desse caráter de doutrinação do que ensinam, pois realmente acreditam, ingenuamente, na neutralidade política desses saberes. Mesmo assim, é só nas esquerdas que existem pessoas realmente preocupadas em ter na educação uma ferramenta de emancipação, de conscientização crítica do indivíduo de seu papel na sociedade capitalista e das contradições presentes nessa mesma sociedade e das possibilidades de mudança. Nas visões de direita da educação isso não pode estar presente, a crítica é muito mais superficial visto que essa educação mira formar profissionais (ou empreendedores) capazes e não cidadãos críticos, questionadores e ativos em sua sociedade.

    "08. Anti-semitismo. Basta ver como a esquerda de hoje é completamente histérica perante o estado de Israel. Se levassem o Hitler a uma dessas manifestações "anti-sionistas" que a esquerda tupiniquim tanto gosta de fazer, provavelmente, ele não pensaria duas vezes em se juntar aos manifestantes quando visse alguma liderança esquerdista tocando fogo na bandeira de Israel. "
    Nas esquerdas atuais desconheço quem considere judeus seres inferiores e dignos da eliminação. Não há anti-semitismo, mas sim críticas ao modelo político, social e econômico adotado em Israel, que é um modelo de Apartheid e espezinhamento dos palestinos e de seus direitos. Ninguém nas esquerdas atuais nega aos israelenses seus direitos mas sim exige que o governo israelense deixe de negar os direitos da população palestina.

    <CONTINUA>

    Everton Lourenço em 29/05/2014 - 14h06 comentou:

    <CONTINUAÇÃO>

    "09. O programa econômico nazista é esquerdismo do começo ao fim. Não há uma referência positiva ao sistema de livre iniciativa, ao livre mercado, ao laissez-faire, enfim, a nada que a direita sempre considerou e considera economicamente importante. Ronald Reagan e Margaret Thatcher são de direita. É necessário um salto lógico muito grande para considerar gente como Adolf Hitler e Benito Mussolini uma versão extrema do Reagan e/ou da Thatcher. "
    Assim como existem diversas esquerdas existem diversas direitas. Reagan e Thatcher são representantes de direitas mais contemporâneas e hegemônicas hoje em dia, guiadas pelo pensamento neoliberal. Quem faz um salto lógico no raciocínio é vc ao achar que por não seguir esses valores, o nazismo teria um programa econômico de esquerda. Mostra o seu desconhecimento sobre as diversas visões econômicas presentes nas diversas esquerdas. Mas veja: disciplina militar no trabalho e sob o patronato, perseguição e fechamento dos sindicatos, negação dos direitos de greve, arrocho salarial, aumento constante nas taxas de lucro do capital empregado. Onde essas medidas representam um programa econômico "de esquerda"? Só se for de uma esquerda completamente distorcida ou cooptada, pois essas medidas vão diretamente contra valores centrais ao pensamento de esquerda.

    "10. Políticas de ações afirmativas (as cotas). Assim como a esquerda atual, Hitler e seus amigos nazistas também eram contra a meritocracia e a favor de métodos de seleção identitários/coletivistas. Quando os nazistas chegaram ao poder na década de 1930 e após terem transformado a Alemanha em uma tirania, os comissários nazistas resolveram fazer um levantamento da composição racial das funções/profissões/cargos de maior prestígio social. Esse levantamento mostrou que havia uma super-representatividade de judeus nas posições de maior prestígio social e que isso não refletia a composição racial da população alemã, pois os judeus eram menos de 1% desse total. Hitler e seus amigos nazistas consideraram isso como uma prova cabal de que os alemães estavam sendo excluídos das melhores oportunidades profissionais e que os judeus e suas maquinações eram os responsáveis por esse cenário, daí a necessidade de reservar essas vagas proporcionalmente à quantidade de alemães na população. Em termos de estrutura, esse discurso não é em nada diferente do que a esquerda de hoje usa para afirmar que, se um determinado segmento social não está justamente representado nas universidades, nas repartições públicas e afins, isso é a prova mais evidente de que há exclusão nesses ambientes e que os brancos, as elites e suas maquinações são os responsáveis por isso, daí que nas universidades e nos concursos públicos as vagas devem ser reservadas proporcionalmente à quantidade de cada raça na população. "
    Meu caro, não eram políticas afirmativas, eram políticas totalitárias e de eugenia, baseadas numa visão de mundo em que uns seriam superiores aos outros. É justamente para compensar as consequências de pensamentos como esses que surgiram políticas afirmativas, para tentar fazer com que os que foram espezinhados tradicionalmente numa sociedade e mantidos em condição de inferioridade possam ser erguidos à condição de igualdade com os que antes os espezinhavam (e que o contato destes últimos com os primeiros nos mesmos ambientes ajude a eliminar neles o que ainda existe de pensamento discriminatório, mesmo q muitas vezes não intencional). É o completo oposto de uma política de discriminação baseada no Darwinismo social como a nazista ou a aplicada nos diversos apartheids, como o estadunidense até os anos 60, o sul-africano ou o israelense! Seu raciocínio é completamente absurdo!

    EngLib em 01/06/2014 - 05h55 comentou:

    Olá!

    Algumas respostas ao Everton Lourenço.

    ***** PARTE 01 *****

    Há um diferença gigantesca entre um programa partidário e os gostos pessoais e as necessidades fisiológicas de um determinado indivíduo. O que torna Adolf Hitler e os nazistas em típicos esquerdistas, tanto na época deles quanto nos dias atuais, não é o gosto pessoal de cada um deles ou o fato de eles, por serem também pessoas, terem os mesmos tipos de exigências biológicas que os demais. E também não é a simples presença do termo "Socialismo" no nome do partido nazista que os coloca na esquerda. O que realmente os torna esquerdistas é toda uma essência ideológica e um projeto de poder que encontram vários pontos em comum com a esquerda da época do nazismo e mesmo com a esquerda atual.

    Sofisma é colocar um sinal de igual entre um programa partidário e os gostos pessoais e as necessidades fisiológicas de um indivíduo. Compara situações completamente díspares. Isso é profundamente diferente de demonstrar que Hitler e os nazistas eram típicos esquerdistas de seu tempo e que, mesmo hoje em dia, eles continuam a ter muito em comum com a esquerda contemporânea, a exemplo daqueles 10 pontos listados mais acima.

    Vamos às réplicas.

    01. O Partido Nazista foi o pioneiro no uso do anti-tabagismo como programa de governo e de saúde pública. Toda a propaganda anti-tabagista dos nazistas era voltada para a vilanização do tabaco e, como não poderia deixar de ser, sendo os bons socialistas que eram, das empresas fabricantes de cigarros. Além de se venderem como os grandes preocupados com a saúde pública, os nazistas ainda conseguiram atingir em cheio os grandes empresários do setor de tabaco. Anti-capitalismo do melhor tipo.

    Traga isso para os dias de hoje e veja como a esquerda adora fazer o mesmíssimo tipo de coisa. Quer um exemplo recente? Ei-lo: "Governo proíbe fumo em locais fechados e veta qualquer propaganda de cigarros" (link: http://bit.ly/1mY9jLX ).

    Observe a linguagem utilizada na notícia (excerto): "A regra, que será publicada no Diário Oficial da União na próxima segunda-feira (2), entra em vigor em dezembro. De acordo com o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a regulamentação visa a desestimular ainda mais o tabagismo e proteger as pessoas que não fazem uso do cigarro."

    "Desestímular ainda mais o tabagismo" e também "proteger as pessoas que não fazem uso do cigarro" (uma referência aos fumantes passivos). Parece até que isso saiu diretamente do programa anti-tabagista dos nazistas. Não acredita? Dá uma olhada nisso aqui: http://1.usa.gov/1mYalHO

    Viu lá a charge? Viu a legenda dizendo "Fumante passivo, você não fuma o cigarro — ele fuma você!"? Dá uma olhada no resto desse artigo sobre o anti-tabagismo nazista e você verá que há muito em comum com o que a esquerda atual prega.

    E outra: Os nazistas, com o seu programa anti-tabagista de saúde pública, foram os pioneiros em uma atitude que a esquerda atual é mestra absoluta: Praticar anti-capitalismo disfarçado de benéficas iniciativas/medidas de governo cujas únicas intenções é o bem geral do público.

    A proibição de propaganda voltada para o público infantil é outro exemplo desse anti-capitalismo disfarçado de uma simples iniciativa que apenas quer o bem das crianças,do público em geral e etc.

    02. Hehehehehehe. . . "Qual é o problema de proteger os animais contra os nossos excessos?" Mais esquerdista do que isso não dá. Hitler e os nazistas tinham a mesma opinião que a sua e valorizavam tanto esse posicionamento que ele foi parar no programa e na prática do Partido Nazista.

    Novamente, uma coisa é uma opinião pessoal, outra é um programa partidário. Tendo essa premissa como base, observe que são os partidos de esquerda atuais que colocam o direito dos animais dentro dos seus programas e diretrizes.

    Quando trouxe a preocupação dos nazistas com os direitos dos animais (a exemplo da proibição da vivissecção) foi para contrastar isso ao brutal desprezo que eles tinham/têm pela vida humana (nazistas usavam cobaias humanas) e como a ESSÊNCIA dessa atitude permanece verdadeira nas esquerdas de hoje em dia. Basta ver que, no geral, os esquerdistas atuais são plenamente favoráveis às leis que protegem os ovos da tartaruga marinha, mas batalham todos os dias para tornar o aborto uma prática corriqueira, glamourizada e acessível.

    Em ambos os casos há um desprezo gigantesco pelo valor da vida humana.

    03. A cristofobia da esquerda atual tem o mesmo objetivo daquela dos nazistas: Banir os cristãos da praça do debate público.

    04. Parece que você é um de esquerda. E políticas de controle das armas de fogo é um tema que a esquerda tem buscado implementar. Mais um ponto em comum entre o Hitler e a esquerda atual.

    CONTINUA. . .

    EngLib em 01/06/2014 - 05h57 comentou:

    CONTINUAÇÃO. . .

    ***** PARTE 02 *****

    05. Mas aí é que está. Quando o Hitler e os nazistas chegaram ao poder, uma das primeiras medidas foi legalizar o aborto. Havia uma lei de proteção da vida humana implementada em 1871 e que foi jogada no lixo pelos nazistas. E outra, Hitler selecionou os mais favoravelmente ferozes médicos ao aborto para compôr o programa abortista dele. Esse programa foi vendido, inicialmente, como uma iniciativa de saúde pública, para cuidar da mulher, da raça ariana (eugenia) e coisas tais, aquela velha prática da esquerda de vender maléficos programas de governo como sendo a maior maravilha do mundo.

    Vale lembrar que, na época, a eugenia era muito comum na esquerda, pois, na visão dos esquerdistas desses tempos, assim como o socialismo era a ideologia que permitiria a construção de uma sociedade perfeita e livre dos males do capitalismo, a eugenia era a ciência que permitiria criar o ser humano "perfeito". Se os esquerdistas da época se consideravam capazes de criar a sociedade perfeita, então nada os impediria de também criar o ser humano perfeito.

    Os esquerdo-socialistas da época apenas transportaram para a biologia a arrogância epistemológica e praxiológica existente na raíz do socialismo.

    06. Sobre a eutanásia, você escreveu: "Mesmo caso do item anterior, os nazistas viam como solução pra lidar com os 'inferiores'. As esquerdas veem como a possibilidade de respeitar a opção individual do sujeito de aliviar o seu sofrimento (ou, quando o sujeito está numa situação irrecuperável, abreviar o sofrimento de seus familiares e conhecidos)."

    E o que disse Hitler a respeito da eutanásia? Ei-lo:

    "Berlin, 1 September 1939

    Reichsleiter Bouhler and Dr. med. Brandt are instructed to broaden the powers of physicians designated by name, who will decide whether those who have – as far as can be humanly determined – incurable illnesses can, after the most careful evaluation, be granted a mercy death.

    Signed: Adolf Hitler"

    Tradução livre:

    "Berlin, 1 de Setembro de 1939

    Reichsleiter Bouhler e o Dr. médico Brandt estão instruídos a aumentar os poderes dos médicos designados por nome, que decidirão se aqueles que possuem – tanto quanto possa ser humanamente determinado – doenças incuráveis possam, após a mais cuidadosa avaliação, ter a misericórdia da morte.

    Assinado: Adolf Hitler"

    Observe a semelhança que há na linguagem empregada por você e no escrito do Hitler sobre o mesmíssimo assunto. E não apenas na linguagem, mas, sobretudo, na finalidade, nos objetivos.

    A bem da verdade é que a eutanásia virou, na Alemanha Nazista, um assunto de saúde pública. O mesmo tipo de coisa que a esquerda atual prega.

    Quanto aos "inferiores" a que você se refere, a esmagadora maioria deles era exterminada nos campos de concentração nazistas.

    07. "Toda educação é ideológica." Bom, sem comentários. . .

    CONTINUA. . .

    EngLib em 01/06/2014 - 05h58 comentou:

    ***** PARTE 03 *****

    08. Você já começa errando ao considerar que o anti-semitismo é considerar os judeus "inferiores". O anti-semitismo é muito anterior ao nazismo e nem sempre teve algo a ver com "inferioridade dos judeus" e coisas tais.

    A verdade é que a esquerda, desde os seus primórdios com Karl Marx, sempre teve uma forte componente anti-semita. August Bedel, fundador do esquerdista Partido Social Democrata alemão, afirmava que o anti-semitismo era o socialismo dos tolos, uma declaração que, mesmo implicitamente, reconhece a existência de um prevalente anti-semitismo na esquerda. Lênin, outro esquerdista, perante o virulento anti-semitismo dos seus asseclas ideológicos, vez por outra era obrigado a lembrá-los de que não eram os judeus os inimigos, mas, sim, todos os capitalistas do mundo. O problema era quando o tal capitalista também era judeu.

    A existência do Estado de Israel permitiu à esquerda canalizar o seu anti-semitismo sob o disfarce do anti-sionismo (ódio a Israel). Por mais que os esquerdistas atuais afirmem serem contra a eliminação do povo judeu, eles não hesitam em se aliar aos mais vis inimigos de Israel e que têm muito explicitamente entre os seus objetivos a destruição do Estado israelense, como é o caso de grupos terroristas como o Hamas. Veja estas frases:

    01. "The Jews are the most despicable and contemptible nation to crawl upon the face of the Earth, because they have displayed hostility to Allah."

    Tradução livre:

    01. "Os judeus são a mais desprezível e abjeta nação a ter rastejado sobre a face da Terra, porque eles mostram hostilidade a Alá".

    02. "[Hamas] must lay the foundation for a tomorrow without Zionists."

    Tradução livre:

    02. "[O Hamas] deve lançar as bases para um amanhã sem os sionistas."

    Sabe de quem são essas frases? De lideranças/membros e/ou simpatizantes do Hamas.

    A primeira frase poderia ter sido dita por ninguém menos do que Adolf Hitler, basta trocar "Alá" por "Nacional-Socialismo" (o deus dos nazistas). Já na segunda frase, apenas troque "sionistas" por "judeus" e ela se encaixaria sem problemas na retórica dos nazistas. E olha que peguei apenas duas frases, há muitas mais que nem essas.

    Se, hoje, o Hitler estivesse vivo, a atitude dele em relação aos judeus o tornaria, mais uma vez, senão um típico esquerdista, pelo menos um típico aliado dos esquerdistas atuais quando o assunto fosse o Estado de Israel. Prova disso é que a estrutura dos argumentos que Hitler e os nazistas usavam para vilanizar e destruir os judeus não difere em quase nada daquilo que alguns aliados da esquerda contemporânea utiliza para vilanizar e destruir o Estado de Israel.

    Aliás, dado o hype que se tem hoje ao se declarar "anti-sionista", talvez o próprio Hitler dissesse que, na realidade, nunca foi anti-semita, mas, sim, "anti-sionista".

    09. Mas o programa econômico nazista é puro esquerdismo do começo ao fim. É engraçado que você, um esquerdista, venha considerar de direita coisas como a estatização de setores inteiros da economia e controle das empresas privadas pelo Estado/partido, sendo que a direita sempre foi acusada de defender o liberalismo econômico. Isso é maluquice.

    Disciplina militar no trabalho foi a regra em praticamente todos os países que experimentaram o socialismo. União Soviética, Cuba, Camboja, Coreia do Norte, China e outros. Nesses países, os trabalhadores apenas trocaram os seus antigos patrões (os empresários) por novos (a classe privilegiada da Nomenklatura).

    A perseguição e fechamento dos sindicatos também aconteceu nos demais países socialistas, não foi apenas na Alemanha Nazista. Lênin fez isso muito antes de Hitler chegar ao poder. O mesmo pode ser dito quanto ao direito de greve, que foi eliminado.

    Quer ver arrocho salarial? Dá um pulo em Cuba.

    Disciplina militar no trabalho, arrocho salarial, fechamento dos sindicatos e coisas tais são coisas típicas do socialismo.

    10. Esse ponto está melhor exposto em um comentário mais acima.

    Até!

    EngLib

    Everton Lourenço em 02/06/2014 - 16h59 comentou:

    Maaaaaaano, vc mistura tudo, puta que pariu (começando do meu reducto ad absurdum que vc levou na literal). Bom, perdi meu tempo em tentar vir argumentar o que quer que seja, vc não refletiu sobre um único ponto que coloquei e chegou ao ponto de achar que eu estava falando sério sobre "inferiores" quando eu estava simplesmente ironizando as crenças eugenistas da época. Um grande abraço e espero mesmo que um dia desses vc comece a se questionar um pouco pq, do jeito que está, vc só vai tomar toda informação que passar pela sua frente como confirmação das suas certezas, nunca como ponto de partida para reflexão.

    EngLib em 02/06/2014 - 22h02 comentou:

    Olá!

    Em nenhum momento considerei que você estivesse falando a sério sobre os "inferiores", isto é, que você realmente considera que haja pessoas que são "inferiores". Essa é uma interpretação intelectualmente desonesta da sua parte.

    Foram em duas ocasiões que você se referiu àquilo que os nazistas chamavam de "inferiores": Sobre a questão da eutanásia e sobre a do anti-semitismo. Em ambos os casos, mostrei, através de argumentos, que as atitudes da esquerda atual sobre o Estado de Israel e a opinião dessa mesma esquerda sobre a eutanásia são muito parecidas com as atitudes e opiniões dos nazistas sobre esses mesmíssimos assuntos.

    No caso da eutanásia, mostrei que ela não foi de imediato transformada em um instrumento de genocídio e que, assim como a esquerda atual, o Hitler e seu establishment médico viam a eutanásia como uma forma humana de eliminar a dor daquelas pessoas que não poderiam ser tratadas pela medicina da época. O próprio Hitler deixou isso bem claro. Isso está 100% de acordo com o que a esquerda atual pensa sobre tal assunto.

    Afirmei também que, dada a atitude do Hitler em relação aos judeus, ele, se vivo estivesse, estaria em forte sintonia com a esquerda ou pelo menos com aqueles que a esquerda se alia (Hamas e afins) quando o assunto fosse o Estado de Israel. Aquelas frases dos líderes/membros/simpatizantes do Hamas que destaquei são anti-semitismo na sua pior expressão e que, trocando uma ou outra palavra, em quase nada diferem dos slogans anti-semitas do nazismo. Ao que parece, a esquerda contemporânea não vê nenhum problema em se aliar aos anti-semitas do Hamas, que pregam nada menos do que a destruição de Israel (está no estatuto deles, inclusive), assim como Hitler pregava a destruição dos judeus.

    Se a esquerda atual não vê problemas em se aliar aos anti-semitas do Hamas, qual seria, então, o problema de se aliar ao Hitler? Ele tem um anti-semitismo ainda mais feroz do que aquele dos terroristas do Hamas, além de oferecer duas coisas que os esquerdistas de hoje tanto amam: Nacionalismo e Socialismo.

    Everton, é uma pena que você não tenha trazido contra-argumentos para rebater as minhas proposições (aliás, nenhum dos esquerdistas daqui o fez). Mas, enfim, não irei mais me alongar nesse debate. Foi bom argumentar com você.

    Sucesso e felicidades! 🙂

    Até!

    EngLib

    Everton Lourenço em 05/06/2014 - 16h00 comentou:

    Vamos deixar as coisas bem claras: Sou um homem de esquerda. Trabalhista, progressista, socialista, comunista, esquerdopata, me chame como vc quiser. Acredito nos ideais traídos da Revolução Francesa: Igualdade, Liberdade e Fraternidade. Já fui um leitor das Vejas e Folhas de São Paulo dessa vida, preso numa bolha, defendendo os valores do neoliberalismo pra Deus e o mundo mas, quando resolvi conhecer tb o que o "outro lado" falava, pra poder enfrentá-los melhor, devagar comecei a notar como em cada debate, em cada tema discutido, os argumentos e opiniões das minhas revistas e jornais favoritos só se sustentavam por meias verdades, por informações tiradas de contexto e até mesmo por mentiras mesmo. Devagar fui percebendo o quanto a minha compreensão de mundo sofria pela doutrinação que sofri desde minha infância. Quanto do que eu tinha certeza não passava de preconceitos e informações marteladas na minha cabeça até se tornarem verdadeiras. Bom, desculpe o preâmbulo, mas vc tinha dito algo como "vc parece esquerdista", então é bom deixar as coisas sem nenhuma ambiguidade: Sou "esquerdista", com orgulho, e mesmo que cada experiência histórica de tentativa de superação do capitalismo tivesse falhado miseravelmente em todos os sentidos (e não acho que seja assim), ainda assim não mudaria o fato do quão podre eu continuaria considerando o Capitalismo desde suas bases e quão necessária continuaria me parecendo a sua superação.

    Amigo, só nos seus sonhos que os seus "argumentos" provam o que quer que seja. Cada um dos seus "argumentos" é baseado em um entendimento errado ou preconceituoso sobre um aspecto que vc observa (de forma distorcida) na esquerda à partir do seu ponto de vista conservador nos costumes e neoliberal ou até mesmo anarcocapitalista na economia. Cada um dos seus "argumentos" força a barra para ligar um aspecto que vc não entende na esquerda a algo que vc observa no Hitler, nem que tenha de se basear em discurso oficial dele ao invés de na realidadde. Seus "argumentos" só fazem sentido para pessoas que, como vc, não conhecem as esquerdas mais de perto, não entendem realmente em que nível estão as discussões em cada corrente da esquerda. O sujeito não precisa nem ser socialista como eu pra ver o quanto não faz sentido o que vc diz, basta conhecer só um pouquinho mais de perto as esquerdas e a História do séc. XX. Vc diz que eu não argumentei sendo que pra cada um dos pontos que vc levantou, mostrei pq não faz sentido o que vc disse. Quando eu vi que vc insistiu até na história do "anticristianismo", vi que não tinha jeito mesmo. É por essas e outras que muita gente desiste de discutir com vcs, como faz a própria Cynara. Não tem argumento que demova uma fé cega e irreflexiva que enxerga só o que prefere enxergar.

    <CONTINUA>

    Everton Lourenço em 05/06/2014 - 16h01 comentou:

    <CONTINUAÇÃO>

    Vc confunde discurso oficial com realidade. Hitler e seus asseclas não instituíram o aborto ou a eutanásia pq realmente tinham preocupações com o sofrimento ou o direito de escolha do outro numa situação limite, eles não poderiam ter avançado sua discussão nesse sentido pq não eram capazes de respeitar ninguém que eles não vissem como parte de seu grupo. Vc pode continuar desfilando discursos ou documentos oficiais o quanto quiser, não vai mudar a realidade das ações deles. Desde o princípio tais medidas estavam relacionados ao controle eugênico que eles queriam estabelecer sobre a população. Desde o início sua preocupação era em conter e eliminar os indesejáveis. Ninguém na esquerda atual pretende que medidas como essas sejam usadas para fins eugênicos, muito pelo contrário. Se formos aprovar leis que controlem e regulem essas atividades, que sejam muito bem construídas para impedir seu uso abusivo. Conheço muita gente de esquerda (de diversas linhas) e acredite, não conheço um único entre eles que deseje usar qualquer uma dessas medidas para cercear quem quer que seja ou para eliminar qualquer grupo étnico ou classe social – muito pelo contrário: o que os move em seu ativismo é a luta pela igualdade e pelo fim das injustiças. Em compensação, entre meus conhecidos de direita (os que admitem ser e os que não entendem o que significa mas que compartilham da visão de mundo em algum nível) abundam os que consideram, mesmo que meio inconscientemente, nordestinos, negros, árabes, chineses ou indianos gente menor ou de menos valor.

    Quando vc diz que a esquerda quer construir um novo mundo e que isso é muito próximo de querer construir um novo homem, e que isso levaria a visão da esquerda para perto da eugenia, vc mistura tudo: o novo homem que a esquerda quer de fato construir é um homem cuja moral não se baseie nos preceitos mesquinhos e limitados do capitalismo, um homem que não se move apenas pela ganância ou pelo impulso de não passar fome. Estamos falando de uma transformação de visão de mundo, não de seleção ou classificação genética. Parte-se do princípio de que os homens são iguais, não do contrário.

    Quando vc fala no anti-semitismo em autores ou ativistas políticos de esquerda do século XIX ou primeira metade do século XX, vc comete um anacronismo. Eugenia, darwinismo social eram generalizados entre os grupos "iluminados" até a segunda guerra mundial, é óbvio que gente como Marx não deixaria de ser influenciada em algum nível pelo clima intelectual da época. Marx podia ter uma visão mais sagaz que a média, mas não deixava de ser um homem do seu tempo. Na direita burguesa ou aristocrática não era diferente. Pegue qualquer Churchill da vida e vá ver o que ele falava sobre eugenia. Agora, na esquerda a eugenia nunca foi um programa de governo, o darwinismo social nunca foi tomado por doutrina social oficial e justificativa pra criar privilégios ou negar direitos (aliás, não pode haver contradição maior num governo que se pretende de esquerda do que a negativa de direitos, considerando que seu objetivo maior deveria ser o estabelecimento e a expansão de direitos).

    Quando vc fala no apoio dos grupos da esquerda atual a grupos que lutam contra Israel vc olha apenas um lado da moeda. Veja, opressão violenta gera reação violenta. A questão palestina é complexa mas resumir tudo à atividade de "antisemitas" é cuspir na realidade, é falsidade intelectual. O regime israelense é um regime de apartheid, há décadas, e sob Netanyahu a situação só tem piorado. A violência diária contra os palestinos, o controle de cada atividade, de cada aspecto da vida palestina são semelhantes ao que os próprios judeus sofreram sob Hitler antes dos campos de concentração. Como esperar que não surja gente disposta a tudo contra essa situação? Repare que não estou defendendo os grupos que atuam através do terrorismo político na região. O que estou dizendo é que a questão é complexa e não vai se encerrar enquanto o modelo de governo de apartheid não for revisto. Dizer que a esquerda se alia a antisemitas numa "guerra a Israel" ou algo que o valha é falsear a realidade e diminuí-la num esquema simplista que não a explica, no máximo a faz caber numa visão limitada de mundo. Se vc realmente se preocupa com a situação naquela região, tb deveria dar atenção ao fato de que há uma nação ocupada, com uma população de amigos e parentes separados por um muro físico e simbólico, que precisam mostrar documentos ou provar suas intenções a cada 10 passos, e essa nação ocupada não é a israelense.

    <CONTINUA>

    Everton Lourenço em 05/06/2014 - 16h02 comentou:

    <CONTINUAÇÃO>

    A impressão que me dá é que vc, que se identifica como alguém de direita (novamente, no seu caso pelo visto, conservador nos costumes e 'liberal' na economia), que abomina tudo o que tenha a ver com o que vc entende por esquerda, não aceita que coloquem o Hitler no mesmo lado do espectro político que vc, logo, vai aceitar qualquer "argumento" que aparecer jogando os nazistas no colo da esquerda. E mais: se vc, assim como a esmagadora maioria dos neoliberais e anarcocapitalistas, entende que o que separa a esquerda da direita é o conflito entre "estatistas" e "defensores do livre-mercado", é óbvio que vc vai chegar à conclusão que "Hitler era um 'estatista', logo, era de esquerda". O que vc (e todos os seus camaradas neoliberais ou anarcocapitalistas) precisa entender é que isso passa longe de ser verdade. Como eu disse antes, essa última onda de defesa do que vcs chamam de "livre-mercado" pela maioria da direita é recente, não passa dos anos 70 (e mesmo nos anos 70 ainda era algo localizado, com Friedman orientando uma contrareforma "liberal" na economia da ditadura chilena de Pinochet e com o início da contrareforma "liberal" na Inglaterra de Thatcher à partir de 79). Antes disso vc tem só mais dois momentos históricos em que essas ideias econômicas acabam prevalecendo nas linhas da direita: durante o período da grande expansão capitalista global de 1850-1875; e durante os anos que precedem a grande crise de 29. Durante todo o resto do tempo a defesa do capitalismo não implicou defesa do "livre-mercado", muito pelo contrário. Só pra ficar em um exemplo histórico, durante o período de 1875 mais ou menos até a primeira guerra mundial, os governos das grandes nações imperiais desenvolveram economias que vcs neoliberais não pensariam duas vezes antes de chamar de "estatistas" e posso te garantir, nenhum desses governos foi de esquerda e na maioria das vezes perseguiu os ativistas políticos que tentavam organizar os trabalhadores. O conflito real que define a dualidade direita/esquerda é entre os que entendem que o Capitalismo é aceitável, desejável ou a única possibilidade existente, mesmo com todas as suas contradições; e os que o entendem como um sistema injusto, irracional e/ou incapaz de sustentar uma forma de funcionamento equilibrada para a humanidade no médio e no longo prazo. É a dualidade entre os que aceitam o sistema capitalista e aqueles que desejam reformá-lo ou desconstruí-lo por completo. Vcs erram feio em achar que o que desejamos criar é um sistema semelhante ao modelo soviético, por exemplo (e erram feio mesmo em achar que existiu um único "modelo soviético" e não uma sucessão de modelos contingentes durante os diferentes períodos históricos e conjunturas do século XX). Ninguém tem um mapa, um guia com o desenho exato da sociedade que queremos criar, mas o que mais existe dentro da esquerda é crítica aos erros da própria esquerda, aos erros cometidos nas tentativas anteriores de criar uma sociedade pós-capitalistas. Há linhas na esquerda que rejeitam por completo o vínculo com qualquer dessas tentativas. E vcs na direita? A quantas anda a autocrítica? Não vejo muitas críticas contundentes às contradições do sistema capitalista, obviamente. De fato, esse esforço em jogar o Hitler pro nosso colo mostra que nem mesmo uma crítica à eugenia como parte de um programa de governo capitalista vcs conseguem fazer. Não é à toa que o racismo e a culpabilização dos imigrantes ainda é a plataforma principal dos partidos de extrema direita que crescem na Europa hj em dia.

    Um grande abraço, felicidade e tudo de bom para vc e para todos nós, EngLib. Para todos nós! =)

    joão victor em 24/09/2014 - 14h36 comentou:

    pooooooooooooorra hahahahaha

    03. Cristofobia. Hitler odiava o cristianismo. Em seu lugar, ele queria o retorno a um paganismo germânico idealizado.

    olha quanto ódio
    http://ignaciotrillo.files.wordpress.com/2012/03/
    http://1.bp.blogspot.com/-zoVfe0TN1Rs/Tz6vgdPR8EI
    http://brasil.indymedia.org/images/2011/02/487111

    pqp mano… dessa eu ri… eu parei ai, na boa…

    eu não sou socialista nem comunista, nem sou capitalista, eu acho q se qualquer governo for empregado bem, com lideres bons ele pode dar certo, hitler era capitalista e stalin era comunista, e ambos foram monstros, n é a forma de governo, é quem está no poder que importa.

    joão victor em 24/09/2014 - 14h38 comentou:

    só pra constar o pooooorra n foi falado gritando, mas sim com uma risada e um pouco de sarcasmo

    HueBr em 18/11/2014 - 13h01 comentou:

    O cara era duas caras msm.

    Um amigo em 09/12/2014 - 23h29 comentou:

    Ah, claro, por que Marx e Lênin pregavam a eugenia, o antissemitismo, a limpeza étnica, o poder para a raça branca etc, né?. Se você acha isso, você não conhece a obra deles. E mais: comparar política de cotas com Eugenia é de ignorância ímpar. Bom, pelo jeito você já foi pesquisar sobre Hitler e seu programa de governo. Agora, que tal uma lida em O Capital, Manifesto do partido comunista e as obras de Lênin, como O que Fazer? por exemplo? Só você para ver uma ideologia como o nazismo como de esquerda. Das duas uma: ou você não sabe o que é nazismo ou não sabe o que é esquerda. Outra coisa: a esquerda critica o sionismo, não o judaísmo, semitismo. Se você não sabe diferencia-los não tem capacidade para propor comparações. Ser antissionista não é ser antissemita, que, aliás, era o que Hitler era: antissemita. Para terminar, ouça e leia você mesmo o que pensava Lênin dos Judeus e do Antissemitismo. https://www.youtube.com/watch?v=3HL6236mBdU&l… Passar bem.

EngLib em 23/05/2014 - 23h43 comentou:

Olá!

A Cynara escreveu:

"Quem fornecia o pesticida Zyklon-B (cianeto de hidrogênio) colocado nas chamadas “câmaras de gás” utilizadas pelos nazistas para exterminar milhões de judeus? A empresa alemã IG Farben, antecessora da mesma Bayer que continua a fornecer inseticidas mundo afora."

Esse argumento é tão ruim que, para ficar errado, teria de melhorar muito.

A questão, Cynara, é outra. O Zyklon-B existia desde os idos de 1920 e durante aproximadamente 20 anos, não há registros de a IG Farber tê-lo utilizado em seres humanos. O uso em humanos só ocorreu quando os nazistas começaram a tomar conta das empresas alemãs e passaram a ditar o que essas empresas deveriam produzir, como deveria ser produzido e para qual finalidade. Os principais cargos de chefia dessas empresas passaram a ser ocupados por pessoas indicadas pelo partido nazista ou por nazistas propriamente ditos.

E outra: Quando os nazistas passaram a ser os chefes das empresas alemãs, eles agiram como os bons esquerdistas que eram e começaram a implantar métodos socialistas de produção, com centralização das tomadas de decisões, destruição dos sindicatos (que foi inaugurado pelo Lênin e seus amigos), instalação de uma burocracia partidária nos cargos importantes das empresas, uso do trabalho escravo (uma "inovação" soviética) e etc.

Isso trouxe resultados catastróficos para a economia alemã. O programa de foguetes V-2 é um caso muito emblemático da ineficiência e resultados desastrosos que as medidas esquerdistas/socialistas trouxeram assim que os nazistas tomaram conta das empresas, pois tal programa conseguiu a grande proeza de matar mais gente no seu processo de fabricação do que no seu uso como arma de guerra, coisa típica do socialismo.

Até!

EngLib

Responder

    Pedro em 26/05/2014 - 23h21 comentou:

    Você tem alguma fonte dessa informação? Gostaria muito de lê-la.

    EngLib em 27/05/2014 - 21h34 comentou:

    Olá!

    Não consigo encontrar a referência no momento, mas se você for fazer uma pesquisa própria, encontrará que, no na Alemanha do período de 1920-1940, não há registros de empresas utilizando gases venenosos para brutalizar civis inocentes. Quem trouxe essa "inovação" foi o Hitler, quando colocou nas empresas alemães gente de sua confiança.

    Até!

    EngLib

    Dalla em 27/05/2014 - 16h36 comentou:

    "O uso em humanos só ocorreu quando os nazistas começaram a tomar conta das empresas alemãs e passaram a ditar o que essas empresas deveriam produzir, como deveria ser produzido e para qual finalidade. "

    Quem "inventou" o Zyklon B foi Fritz Haber, ainda na 1ª Guerra Munidal, patriota extremo (e judeu) que acreditava na guerra química como forma de encurtar as guerras.

    Leia um pouco mais aqui:
    http://www.bbc.com/news/world-13015210

    EngLib em 27/05/2014 - 21h31 comentou:

    Olá!

    Negativo! No próprio artigo que você linkou está bem claro:

    "Fritz Haber: Jewish chemist whose work led to Zyklon B"

    Uma tradução livre seria:

    "Fritz Harber: Químico judeu cujo trabalho _levou_ ao Zyklon B"

    O patriotismo dele era uma tentativa desesperada de ser aceito pela sociedade alemã da época.

    E outra: Há uma diferença gigantesca entre usar gás venenoso sobre forças beligerantes e usá-lo em civis inocentes para meramente satisfazer um sadismo ideológico do esquerdo-socialista Adolf Hitler e seus amigos.

    Assim como os jacobinos, os primeiros esquerdistas do mundo ocidental, utilizaram as guilhotinas para massacrar aqueles que eram considerados seus inimigos ideológicos, o esquerdista e socialista Hitler também utilizou a câmara de gás e os campos de concentração para exterminar aquelas pessoas que a ideologia nazista transformou em inimigos, ainda que tal constructo ideológico não tivesse nenhum contato com a realidade e fosse baseado nas mais toscas abstrações.

    Esse é uma característica muito forte na esquerda. Vem desde os seus primórdios em 1789.

    Até!

    EngLib

    morenasol em 27/05/2014 - 22h09 comentou:

    "esquerdista e socialista hitler". desista, amigo. o próprio hitler te desmentiu. aconselho a ir falsear a história em outra freguesia… tá cheio de blog lá na veja! eles vão adorar suas teorias… ; )

    Capitalista Loiro em 03/06/2014 - 15h07 comentou:

    Ótima contribuição, EngLib…. Olha só quem está falando em "falsear a história"…

    E se em argumento esquerdista não constar as seguintes palavras: nazismo – fascismo – Veja – coxinha – reacinha, então não é socialista de verdade….

    Brunschweig em 29/05/2014 - 18h02 comentou:

    De acordo. E, de qualquer forma, associar o mau uso de um produto (nesse caso específico, o uso horroroso dele) com o propósito da empresa que o fabricou é de uma pobreza argumentativa enorme. Por analogia, poderíamos associar os incêndios na amazônia com fábricas de fósforos, os suicídios com fábricas de raticidas, etc…

    Vinaxx em 07/06/2014 - 00h30 comentou:

    Incrível! É consenso hoje, que a indústria nazista estava, tecnologicamente, 30 anos na frente da indústria dos aliados e que se a guerra durasse mais 6 meses, com a entrada das novas armas nazista, o resultado poderia ter sido outro. Neste ponto, a renascimento tecnológico alemão, que saiu de aeromodelos e chegou a aviões não detectados por radares(Horton HO 229) jatos(ME 262), mísseis teleguiados(v1), submarinos mais velozes quando submersos, óculos de visão noturna, e etc, bem demonstra a capacidade nazista de prover educação e pesquisas avançadas. Os aliados foram os maiores beneficiados com esse conhecimento que eles estavam longe de possuir.
    Essa história de que os nazista morriam em maior número fazendo suas armas, do que matavam com as mesmas, é um conta da carochinha, que digam os ingleses!
    É interessante que se veja como o direitismo de Hitler foi apoiado pelas grandes famílias, inclusíve judias, como KRUPP, Porsche, Mercedes, e outras, assim como as americanas, Ford, Morgam( na época Chase bank), coca-cola(Fanta foi criada para os nazistas) GE, Hugo Boss, e por aí vai. Visconti bem tocou nesse assunto com o grande filme "Deuses malditos" onde mostra até que ponto uma família se destrói na busca pelo poder no novo regime!!! Ou seja, classificar Hitler como socialista, pq tem socialismo no nome do partido, é o mesmo eu dizer que o PSDB é um partido de esquerda, e é o mesmo que dizer que essas grandes empresas capitalista do mundo, e eu só citei uma pequena parte, tb praticam o socialismo e, portanto, apoiavam o novo "socialista" do mundo.
    Finalizando, a derrota da Alemanha na guerra não teve nada a ver com o "modo de produção socialista" seja lá o que isto for. É sabido e propalado que o que levou a Alemanha à derrota foi a megalomania do seu líder maior que passou a pensar que tudo podia e resolveu ignorar seus generais. Atacar a Rússia foi o seu maior erro cometido a partir daí 2/3 das forças nazista se perdiam na frente oriental e 1/3 que sobrava lutava contra os aliados.

suedprofessor em 24/05/2014 - 05h56 comentou:

Olá Cynara, gosto muito de suas postagens. Só quero acrescentar que o grande diferencial entre direita e esquerda, no que tange o comunismo e fascismo, é a base ética, e o que direitistas não assumem é o fato de eles estarem atualmente pautados no mesmo alicerce ético-moral que os fascistas. Fascismo e socialismo partiram (partem) de premissas diferentes, tinham objetivos diferentes, a metodologia foi diferente, mas é fato que por vezes, seja por motivos publicitários, ou por necessidades pragmáticas, se equipararam. Aí (aqui, srsr), os historiadores de facebook usam a metodologia da meia verdade, ou seja, usam fatos parciais para chegarem a uma "verdade absoluta". Típico! Concluindo, conceitualmente é uma grande "groselha" afirmar que Socialismo e Fascismo são a mesma coisa.

Recomendo a leitura do blog do João Fábio Bertonha, renomado pesquisado do assunto:
http://joaofabiobertonha.com/2014/03/10/fascismo-

Responder

    EngLib em 24/05/2014 - 18h43 comentou:

    Olá!

    Isso aqui é puro besteirol:

    "[. . .] [O] que direitistas não assumem é o fato de eles estarem atualmente pautados no mesmo alicerce ético-moral que os fascistas. [. . .]"

    Claro, claro. . . Afinal de contas, sempre foi a direita que defendeu "Tudo no Estado, nada contra o Estado, e nada fora do Estado".

    E, claro, direitistas como Ronald Reagan e Margaret Thatcher são os ícones mais famosos dessa frase do Mussolini.

    Até!

    EngLib

    suedprofessor em 25/05/2014 - 20h05 comentou:

    Englib, vc não entendeu a frase (por falta de vontade/capacidade). Você sabe o que é ética? moral? Vou te dar uma dica: Em qual dos sistemas a meritocracia é um valor máximo? no socialismo, ou no fascismo?

    Rodrigo em 26/05/2014 - 16h13 comentou:

    Em nenhum dos dois.

    cabecinhadeouro em 26/05/2014 - 17h49 comentou:

    rapáááá.. o capital vai sempre dizer que é melhor o que for melhor para ele mesmo. às vezes, vai ser co a intervenção do estado.. em outras vezes, vai ser com a ausência do estado.

    as gigantes da mineração que queriam pilhar nossos recursos minerais estavam interessadas no nosso subsolo? ahhh.. dá-lhe estado investindo pesado para prospecção e mapeamento das nossas reservas. Opa… tudo mapeado? agora é só levar embora? dááá-lhe estado mínimo!!! e assim por diante!!!

    por fim…
    da mesma maneira que o sued aí de cima, classifico esquerda/direita a partir de padrões éticos e da ótica humanista!

    suedprofessor em 26/05/2014 - 19h41 comentou:

    CAbecinhadeouro, parece-me que vc faz justiça ao nick. Olá Rodrigo, espero que estejas bem. Entendo seu argumento quando diz que a meritocracia não pertence ao socialismo e nem ao fascismo. Mas não concordo (totalmente) Vamos lá! Por razões óbvias não vou argumentar o porque da meritocracia não pertencer ao campo da esquerda (como valor fundamental). Já no fascismo, acho que seu argumento contempla uma lógica em que, para nazistas, as desigualdades se justificam no campo da essência (talvez esse fosse seu pensamento). Não concordo, pois nem todo fascista é nazista, além do mais, mesmo dentro do nazismo alemães foram beneficiados em detrimento de outros alemães, e qual foi a premissa ética? Isso mesmo! De forma resumida, para mim o fascismo tem respaldo em valores que o coloca à direita. Basta responder a pergunta: Em que lugar vc encontra a lógica na ordem, na hierarquia e na desigualdade? Abraços!

    Penso que a meritocracia é uma premissa fundamental para direitista, a justificativa da desigualdade, a lógica de uma filosofia da existência. E, ligando essa ideia ao Fascismo, visualiza-se meritocracia

Paulo em 24/05/2014 - 15h43 comentou:

O próprio Hitler assumia que era socialista, ele mesmo disse que a única diferença do socialismo dos comunistas para o socialismo dele é que os comunistas queriam socializar os meios de produção, eles, os nazistas, queriam socializar os homens.

Responder

    Mendes em 28/05/2014 - 14h37 comentou:

    Grande tirada a sua. Só mostra sua ignorância.

    Paulo em 28/05/2014 - 20h58 comentou:

    Eu era ignorante quando era esquerdista, hoje não sou mais.

    Ismael de Jesus em 29/05/2014 - 18h14 comentou:

    Nada há nada mais problemático que ex: marido, mulher e ex-esquerdistas (César Maia, Lobão, Mussolini e outros). No entanto, ninguém em sã consciência ou inteligente (como o socialista Einstein) trocaria o ideal de justiça e igualdade social por um sistema de acumulação de riquezas responsável pela morte de 5 crianças de fome no mundo! Por isso, não existem ex esquerdistas, mas oportunistas ou modistas de juventude! Que é socialista ou comunista avalia a realidade ( a práxis) e estuda as teorias. Por isso, a maioria dos gênios não escapam da luz progressista: à esquerda é uma inspiração para a vida. Já o que inspira a coca cola ou o itaú? Nada. Quem são os ícones da direita? Pinochet, Mise, Thachter, Reagan, Nixon, Truman ou os capitalistas brancos da África de Sul, responsáveis pela implantação legal do racismo no país?

EngLib em 24/05/2014 - 18h41 comentou:

Olá!

Cynara, este trecho do seu post é muito ruim:

"[. . .] Stalin (cujo exército, por sinal, derrotou os nazistas) é acusado da morte de milhões, mas o socialismo foi uma de suas vítimas. [. . .]"

É a velha falácia dos esquerdistas/socialistas: O socialismo só deu errado por causa de pessoas como o Stálin, Lênin, Trótsky, Mao, Pol Pot, Fidel Castro, Che Guevara e afins.

Esse argumento é extremamente ruim. Quando os esquerdistas/socialistas de hoje afirmam que, se não fossem por pessoas como o Stálin, o socialismo teria dado certo, eles se esquecem de que, uma vez que um sistema de organização social como o socialismo seja implantado, serão exatamente pessoas como o Stálin que irão lutar pelo poder, usando os meios mais violentos para consegui-lo.

Até!

EngLib

Responder

@ericprete em 24/05/2014 - 18h51 comentou:

Esse é o argumento? Porra, mas é óbvio que o GRANDE capital financia a esquerda. A maior burrice dos militantes esquerdistas, daquela época e de hoje, é não se perguntar de onde vem o dinheiro do governo, partido ou organização que manda neles. Qualquer projeto de esquerda custa dinheiro, muito dinheiro, e ele tem que sair de algum lugar.

E esse financiamento vale a pena, é interessante demais pro grande capitalista tomar controle do estado. É o único meio seguro de eliminar a concorrência, destruir pra sempre o livre mercado e garantir o lucro pelas próximas gerações.

Duvida? Só tem que usar a técnica mais básica de investigação: vai lá e segue o dinheiro. Qualquer ONG brasileira é obrigada a prestar contas. As doações de campanha eleitoral também não são nenhum segredo. Em nível internacional é até mais fácil, a pesquisa já ta mastigada (joga no google activist cash). Mas cuidado, depois de descobrir quem de fato é o patrão, ninguém balança a bandeirinha vermelha do mesmo jeito.
http://m.youtube.com/watch?v=Vri-_f6KBzE

Responder

Bertoli em 24/05/2014 - 19h12 comentou:

Você ao menos sabe a diferença entre capitalismo e corporativismo ?
Melhor, sabe o que é capitalismo ?

Responder

    Rodrigo em 26/05/2014 - 16h16 comentou:

    Bertoli, cada vez que volto aqui nesse blog, me convenço mais de que é um espaço para textos de humor! A começar pelo slogan paradoxal, em inglês!!!

@spacewebs em 24/05/2014 - 19h21 comentou:

Seu testo tem fontes muito frágeis e tendenciosas, te recomendo que aprende o cálculo básico pra desenvolver um bom raciocínio lógico e posteriormente leia Marx e Mises / Hayek….
O fato do Brasil ser um dos piores em educação e ser praticamente nulo no meio cientifico esta diretamente ligado ao fato de existirem tantas pessoas que compactuam com esses ideais e enxergam o mundo de uma maneira distorcida…
Tenho amigos que moram na Alemanha e se espantaram quando disse que aqui no Brasil ensinam que Hitler era de direita e não era socialista…
caminhamos pra uma Venezuelização, infelizmente…

Responder

    Aldair B M em 25/05/2014 - 22h48 comentou:

    Por que morar na Alemanha seria um diferencial? O faxineiro de um avião aprende a pilotar pela faxina?

    Adriano Meirinho em 26/05/2014 - 01h23 comentou:

    Eles são alemães meu caro…
    Também tenho amigos alemães que desacreditam que aqui fala-se que Hitler é de direita…

    cabecinhadeouro em 26/05/2014 - 17h44 comentou:

    "tenho amigos alemães"… grande bosta! a opinião deles é mais importante do que as outras porque são alemães?? hahahaah ou porque são seus amigos?? huahuahau … Paga Pau de gringo é foda!

    suedprofessor em 26/05/2014 - 19h56 comentou:

    Por morarem dentro da Alemanha eles podem entender melhor o conceito? Ou será que o distanciamento ajuda a elucidar a questão? É uma escolha metodológica, mas a resposta, nesse caso, é simples. Vou ajudar de forma prática. Para entender sobre bestialismo é preciso transar com animais? como pode existir um ginecologista homem? Para estudar cachorros só mesmo morando em um canil? Sobre a questão em específico, a ciência é globalizada. E esse esclarecimento conceitual sobre fascismo de direita é/foi publicado em diversas revistas Qualis A Internacional. Meu professor universitário, por exemplo, concluiu seu doutorado em Roma, e sua tese/especialidade era/é o fascismo, e ele o coloca à direita.

    Jorge em 26/05/2014 - 19h54 comentou:

    Testo com S amigo??
    Parei de ler na segunda palavra.

    Fabiano Barril em 27/05/2014 - 00h13 comentou:

    Ser de esquerda não quer dizer que seja necessariamente socialista.

flaliman em 24/05/2014 - 20h02 comentou:

Gostaria de parabenizar os que aqui com sólidos argumentos derrubaram essa pachorrada de nazismo ser de direita!

No final somos obrigados a ler que capitalistas não sofreram sob o nazismo, como se a ocupação da França fosse uma colônia de férias e sobre Londres chovesse bombons de chocolate e não V2. e os americanos e outros aliados ficaram apenas assistindo o Exercito Vermelho combater a maquina alemã…

Responder

    suedprofessor em 25/05/2014 - 20h08 comentou:

    O blog tem o bom se senso de publicar ideias contrarias as deles, igualzinho em algumas revistas….kkkkk

leonardo em 25/05/2014 - 21h44 comentou:

“Eu não sou apenas o vencedor do marxismo. Se se despoja essa doutrina de seu dogmatismo judeu-talmúdico, para guardar dela apenas o seu objetivo final, aquilo que ela contém de vistas corretas e justas, eu sou o realizador do marxismo” (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, pp. 211).

Responder

    Fabiano Barril em 27/05/2014 - 00h19 comentou:

    O cristianismo utilizou das "ideias" de "cristo" e isso os fazem cristãos?

    Eng de Marco em 27/05/2014 - 01h59 comentou:

    SIM!

Aldair B M em 25/05/2014 - 22h42 comentou:

Ficar disputando a ideologia de Hitler e Mussolini é uma grande perda de tempo. O que caracteriza estes canalhas não é a posição ideológica econômica que ostentavam, mas o espírito opressor e violento que tinham na busca pelo poder. Mussolini foi sim, comunista. Mas isso antes de chegar ao poder. No poder, passou a perseguir o partido. Hitler foi, quando jovem, fã de Mussolini, que o inspirou muito em sua “carreira”.

Quanto ao povo judeu, cabe uma ressalva. Ele não foi o único povo que sofreu na mão do duo nazi-fascista, embora seja o único lembrado. O “mérito” dos judeus foi transformar esse terrível sofrimento (dos irmãos de cultura, não exatamente de quem lucra) em um ativo valioso, o “Holocausto”, para lucrarem, extorquirem e chantagearem os líderes mundiais, muito embora façam algo bem parecido com os palestinos.

Por isso, acredito que se por um lado é mesmo incorreto culpar a esquerda por esses fatos históricos, é igualmente incorreto imputar a culpa à direita. http://www.equilibriodistante.com

Responder

    Nada em 18/11/2014 - 13h05 comentou:

    Aê,pelo menos um comentário bom…

Luiz em 26/05/2014 - 00h03 comentou:

Capitalismo financia tudo. Afinal de onde os comunas, fascistas, nazistas iam conseguir recursos já que não produzem nada?

Responder

Alexandre Maruca em 26/05/2014 - 14h16 comentou:

Cynara, obrigado por compartilhar os videos. Com alguém já disse acima, é sempre um prazer ler seus artigos, pena a quantidade de gente que vem vomitar seus preconceitos e ignorâncias por aqui. Aliás, capitalista financiar comunismo, seria esta mais uma das contradições do sistema capitalista? Parece piada..

Responder

mario3m em 26/05/2014 - 14h38 comentou:

Capitalistas financiam qualquer um que tenha reais condições de chegar ao poder, independentemente de ideologia (olha o PT aí, gente). Lógica simples e direta: os grandes negócios dependem da 'boa vontade' de quem está no poder.

Responder

    Marcio em 26/05/2014 - 17h52 comentou:

    Uma correção… o poder depende da boa vontade de quem está como os " grandes" negócios!!

vitorio em 26/05/2014 - 14h41 comentou:

Tudo funciona graças ao capitalismo, afinal quem financiou os programas sociais da humanidade senão a força e riqueza alheia expropriada

Responder

    Aldair B M em 26/05/2014 - 22h56 comentou:

    Riqueza "alheia"? Antes de ela ser "expropriada" ela não foi sugada?

pepelegamba em 26/05/2014 - 15h23 comentou:

Cinarinha: nos seus exemplos de abertura vc esqueceu de citar o que gosto mais: PP (Partido Progressista) – o de Bolsonaro, nascido do PDS! Por que partidos de direita adotam nomenclatura de esquerda, mas não acontece o contrário, hem? Eles desgastam os rótulos deles e depois vem pescar do lado de cá… Porque tanta gente tem dificuldade de entender uma coisa tao simples: a direita está do lado dos ricos e a esquerda dos pobres. Esse superprincípio de onde derivam os demais está no livro (esquerda e direita de Bobbio, citando Chomsky (p.19, 1ª ed) e Rorty (p.9). Um trio bem razoável, para chegarmos a consenso conceitual. A tomada de poder da Alemanha foi feita com reuniões e apoio das grandes empresas, do capital, dos ricos. Por isso é de direita. Na Itália, mesma coisa: o empresariado, temendo o socialismo, apoia Mussolini. Na Russia o poder é tomado nao por empresas, não por Nobres, mas por iniciativa popular. Deu no que deu, paciência. O fato de toda fórmula de direita ser equivocada na história não faz com que toda fórmula de esquerda seja correta. Direita, desde a revolução francesa, é tradução interesse de abastados . Esquerda, é interesse público. Não há "política" de direita. Se se entende política como o encontro da fórmula que permita emancipação social e política do homem, ela será sempre de esquerda. A esquerda tem a dificuldade de qualquer ciência, filosofia, de criar um sistema viável para isso numa sociedade tão dinâmica. Não é fácil. Quando nos pegamos esgrimando ainda as cavilações da direita é porque ainda nem começamos a trabalhar.

Responder

    epz em 30/05/2014 - 17h48 comentou:

    meus parabéns pelo comentário. Matou a charada e derrubou qualquer argumento contrário.

Rodrigo em 26/05/2014 - 16h19 comentou:

MANIQUEÍSMO, a gente se vê por aqui!

Responder

Davi em 26/05/2014 - 16h26 comentou:

“Nós somos socialistas, nós somos inimigos do sistema econômico capitalista atual de exploração dos economicamente fracos, com seus salários injustos, com sua ultrajante avaliação de um ser humano de acordo com sua riqueza e propriedade ao invés de responsabilidade e comportamento, e nós estamos determinados a destruir esse sistema, custe o que custar” – Adolf Hitler, discurso proferido em 1º de maio de 1927, nas comemorações do Dia do Trabalho

Responder

    morenasol em 26/05/2014 - 16h39 comentou:

    "eu devo declarar da maneira mais categórica que não seríamos democratas (já não digo socialistas!) se não reconhecêssemos aos povos da rússia o direito à livre autodeterminação". stalin. isso significa que ele era um democrata? ; )

    EngLib em 26/05/2014 - 20h34 comentou:

    Olá!

    Cynara, não é uma singela referência ao termo "democrata" em um discurso do Stálin que o converte de anti-democrata em democrata. Da mesma maneira que não é a simples presença do termo "Socialista" no nome do partido nazista que torna tal entidade e seus adeptos socialistas.

    O que realmente faz de Stálin um anti-democrata e de Hitler um socialista é o conjunto de práticas que ambos adotaram ao longo de suas respectivas tiranias.

    Veja, por exemplo, os 10 pontos que listei no meu comentário mais acima. É exatamente aquilo que torna o partido nazista e seus adeptos em socialistas, e o que está lá é esquerdismo do começo ao fim. Seria um tanto difícil de encontrar, no período 1920-1940 e nos dias de hoje, um partido socialista/esquerdista que não defenda tais pontos.

    Além do mais, Hitler e seus asseclas tinham a característica mais marcante de um esquerdista: Eles queriam refazer o mundo tendo como base conceitos abstratos e constructos ideológicos provenientes de uma ideologia sem nenhum contato com a realidade. Basta observar que a ideia de "raça ariana" e a de "judeu" para os nazistas são duas falácias científicas do começo ao fim, que jamais encontraram qualquer embasamento na arqueologia e antropologia modernas.

    O mesmo é válido para o conceito de "burguês" no socialismo/comunismo, isto é, uma construção meramente ideológica e que nunca foi definida sob uma sólida base de conceitos, tanto isso é verdade que a ideia de "burguês" variava de acordo com o lugar onde o socialismo/comunismo estava sendo implantado. Por exemplo, na Rússia/União Soviética, os kulaks e alguns agricultores pobres eram considerados "burgueses", sendo que, não raro, o máximo que os comissários socialistas usavam como evidência dessa acusação era o fato de o miserável agricultor ter um tratorzinho todo sucateado para auxiliar na produção agrícola. Já no Camboja, para alguém ser considerado "burguês" bastava ter coisas como um par de óculos ou um certificado de aprendizado técnico.

    Assim posto, tanto Hitler quanto Stálin buscaram refazer o mundo tendo como ponto de partida abstrações das mais toscas, um gigantesco desprezo pelo indivíduo e o estabelecimento de políticas de Estado calcadas em conceitos meramente identitários/coletivistas.

    Aliás, essa atitude da esquerda de utilizar todo um sistema de abstrações como mapa para "consertar"/refazer toda a realidade é bastante antiga e vem desde os primórdios da esquerda ocidental na Revolução Francesa, passando pelos socialistas do século XIX (Owen, Fourier, Marx, Engels e outros), indo desaguar no socialismo brutalmente assassino do século XX, começando com a troika Lênin, Stálin e Trótsky, que abriu o caminho para todos os outros socialistas que vieram depois, Mao Tsé-Tung, Fidel Castro, Che Guevara, Enver Hoxha, General Tito, Pol Pot e o próprio Adolf Hitler.

    Esse tem sido o mote da esquerda ocidental desde os seus primórdios, isto é, de De Sade e Marx chegando até Hitler e Marcuse.

    Até!

    EngLib

    Danilo Henrique em 25/07/2014 - 19h26 comentou:

    Segundo o texto Paz Perpétua de Kant, que é referência das diferenças entre uma constituição Democrata e Republicana, sim, Stálin era um democrata

    A autodeterminação é um preceito democrata por definição. Qual a diferença, Cynara entre um Democrata e um Republicano?

    Mari em 26/05/2014 - 18h59 comentou:

    Davi, análise de discurso é uma questão bem complicada. Sugiro observar a data e o motivo do discurso: pra um governante que busca legitimação junto à população, é uma estratégia política óbvia se valer de um discurso que a agrade, especialmente numa situação tão complicada quanto a alemã no fim dos anos 20.

    E honestamente, dá pra ver claramente a influência de Goebbels, e um ódio romântico ao capitalismo motivado pela crença de que este era movido pelos judeus.

lordello em 26/05/2014 - 17h04 comentou:

podia colocar o link direto pro perfil do diretor no youtube, né? pelo menos ele pode ganhar uma grana com os views nos vídeos dele e continuar produzindo bons documentários… https://www.youtube.com/user/Intifada3/

Responder

Pat em 26/05/2014 - 18h39 comentou:

Estou horrorizada com a ignorância de alguns comentários

Responder

Mari em 26/05/2014 - 18h54 comentou:

galere vamos lá, todo mundo abrindo o google tradutor e lendo a wikipedia em inglês pra facilitar a vida: http://en.wikipedia.org/wiki/Nazism#Position_in_t

🙂

Responder

Dom_Marcelo_1 em 26/05/2014 - 19h58 comentou:

E grandes empresas financiam o socialismo do século XXi, como as fundações Ford, Rockefeller e Gates.

Responder

Gabriel em 26/05/2014 - 20h03 comentou:

Aris Chatzistefanou http://www.theguardian.com/profile/aris-chatziste… não Aris Chatzistenaou. Muito bom o texto.

Responder

    morenasol em 26/05/2014 - 20h29 comentou:

    obrigada, gabriel. corrigido!

Maia Kaefman em 26/05/2014 - 20h20 comentou:

Catastroika e Dividocracia são 2 dos melhores documentários que saíram nos últimos anos, fiquei louco aqui pra ver esse novo doc. do cara.

Hitler e Atila o Huno eram de esquerda, comunistas, como Judas e Jack o Estripador. Mas felizmente outro austríaco veio ao mundo redimir a raça humana; Von Mises, o iluminado. Suas idéias salvaram o capitalismo em 2008 e graças a elas o mundo vive um boom econômico sem precedentes ao contrário do Brasil que enveredou pelo bolivarianismo chavista e por isso tem taxas de desemprego altíssimas e atira grandes contingentes populacionais direto para a miséria. Felizmente Aécio Neves, esse homem sóbrio e ético, utilizando as idéias geniais de Mises e Fraga vai salvar o Brasil do bolivarianismo. Deve ser isso mesmo.

Responder

    ceticista em 03/06/2014 - 04h33 comentou:

    Eita viagem. Alice ainda ta no país das maravilhas.

    Atila o huno, comunista :O. O cara era da Idade Media, comunismo nem tinha sido imagiando (não ate onde se sabe).

leonardo em 26/05/2014 - 20h26 comentou:

Nossa! Eu fico apavorado com os comentários.

Um monte de gente que nunca leu Marx e não faz idéia do que é Capitalismo e Comunismo.

Acho que de todos, os piores são aqueles que acham que o Capitalismo produz alguma coisa… o Capitalismo foi explicado por Marx e o capitalismo não produz nada! NADA!!! O socialismo também não produz nada. Quem produz são as pessoas (ou, hoje em dia, também os robôs). Capitalismo e Socialismos são apenas formas diferentes de lidar com a produção. De forma bem básica, no Capitalismo a produção fica com quem financiou (o detentor de Capital) e não com quem realmente produziu, já no Socialismo a produção fica com quem financiou e com quem produziu.

A questão é que, na teoria, o capitalismo seria insustentável, já que os produtores não aceitariam este sistema por muito tempo (Oi você que trabalha para a Apple mas não ganha o suficiente para pagar um iPhone 5S) e iniciariam uma revolução que buscasse uma distribuição mais igualitária dos bens. Obviamente, os detentores de Capital, que ganham muito sem produzir nada, não querem que esta revolução aconteça. Para evitar a insatisfação do proletário, os detentores de capital precisam convencer os explorados de que eles vivem num mundo perfeito. Isso é feito atravez do controle da mídia, propaganda, e de manipulação política, financiando candidatos e partidos que defendam seus interesses.

É bem simples… é só ler. Mas pelo jeito os comentaristas do blog não sabem ler (escrever também parece estar complicado…)

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h46 comentou:

    Hj em dia o Comunismo virou religiao sem deus e sobrenatural, mas com muito fanatismo.

    Pq comunismo virou uma crença. Mesmo depois da URSS ter falido, ainda tem gente q crê em utopia.

    Danilo Henrique em 25/07/2014 - 19h46 comentou:

    De forma alguma. No Socialismo a produção fica com o Estado, que redistribui conforme o que ele entender como necessidade do cidadão

    Isso é claro porque Marx se apossa da ideia hegeliana de Estado, contida na sua filosofia do direito.

    Para isso leia a Filosofia do Direito de Hegel e sua interpretação de Estado como "resultado de todas as consciências".

    Após isso leia a Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, de Karl Marx, aonde Marx efetiva a crítica à religião, de Feuerbach, para a efetivação do Estado como vontade resultante do povo.

    É nessa crítica que Marx constrói sua principal tese, a do materialismo dialético, aonde ele introduz que somente uma revolução poderia efetivar essa ação do Estado, mas somente enquanto a população não se efetivasse como uma vontade em si.

    Marx acredita que a realização história do sujeito no Estado sucumbe a própria dialética que Hegel usa para a efetivar e anula as classes sociais. Dessa forma não seria mais necessário o Estado pois cada indivíduo seria dono de sua própria vontade desde que não a efetivasse no outro, chegando na Paz Perpétua que Kant propõe com o Imperativo Categórico.

    Sua leitura de Marx é a leitura "sociológica", que, sinceramente, é desprezível no contexto intelectual do autor

    Para apreensão desse contexto leia antes de mais nada:

    Kant : Resposta a Pergunta o Que é Esclarecimento;
    Kant : Ideia de uma História Universal com um Propósito Cosmopolita;
    Kant: Paz Perpétua;
    Hegel: Fenomenologia do Espírito;
    Hegel: A Filosofia do Direito;
    Feuerbach:A essência do cristianismo; (dificil encontrar on line, só bibliotecas)

milone em 26/05/2014 - 20h30 comentou:

"Como os judeus integravam uma poderosa classe média na Alemanha de então, os nazis se utilizaram do racismo para fazê-los bode expiatório da crise" daí eu tenho que usar as próprias palavras da autora: "qualquer coincidência com o Brasil de hoje será mera semelhança".

Responder

    ceticista em 03/06/2014 - 04h34 comentou:

    Correção: Racismo não, judeus nem se consideram como raça. Pode chamar de etnia, nacionalidade.

EngLib em 26/05/2014 - 20h37 comentou:

Olá!

Cynara, por gentileza, naquele meu comentário anterior em que listei aqueles 10 pontos, você poderia nos dizer quais são os pontos que você discorda?

Obrigado!

EngLib

Responder

    Maia Kaefman em 26/05/2014 - 21h20 comentou:

    Ai e eu sempre prometo que não vou mais bater boca com maluco na internet…

    1-Fidel castro realmente é um grande anti-tabagista. Ta serto!
    2-Pra que ratos brancos se existiam tantos judeus na Alemanha…
    3-Acho que foi Che Guevara que criou o Estado do Vaticano e não Mussolini né? Ta serto.
    4-Investiram pouco na indústria armamentista. Os neonazis quase não tem fetiche por armas.Ta serto!
    5-Realmente é a mesma coisa defender o aborto como direito da gestante e defender o aborto e esterilização em massa de "raças indesejáveis". sertíssimu.
    6-Confesso que agora estou confuso, os liberais não deveriam defender a liberdade individual? Não é disso que se trata o liberalismo? Escolher morrer não pode?
    7-Catecismo na escola é o que? E Educação Moral e Cívica no periodo da ditadura no Brasil? Ah mas é porque Médici era de esquerda tambem né? Ta serto…
    8-Kibutzes já ouviram falar? Marca de botas israelense…
    9-Reagan era um gênio mesmo, estadista. Tatcher e Pinochet também! Hitler e Mussolini foram grandes fãs de Marx, sempre elogiaram muito as idéias marxistas. Sertão mano! Não da pra ser capitalista e defender o estado, Keynes nunca existiu, é uma alucinação coletiva.
    10-Verdade, inclusive no movimento negro não há debate sobre cotas, são todos favoráveis. Alias não existe racismo no Brasil. Ta sertinhu.

    Englib, por favor passe uma relação da lista de prédios que você ajudou a projetar e obras que vc vistoriou…Quero passar bem longe do todas elas…

    EngLib em 26/05/2014 - 22h33 comentou:

    Olá!

    Maia Kaefman, eis algumas réplicas:

    01. Você precisa estudar um pouco mais. Em Cuba, há, sim, políticas anti-tabagistas. Em 2005, o governo cubano proibiu fumar em locais de trabalho, escolas, recintos públicos fechados e ordenou a remoção de máquinas de venda de cigarros nas escolas. Estude!

    Além do mais, é até compreensível que Cuba e Fidel Castro sejam tão dependentes do tabaco, pois essa é uma das poucas "indústrias" por lá existentes, tirando, obviamente, as indústrias de produção de prostitutas com doutorado, fugitivos que querem sair da prisão caribenha a todo custo e escravos dos mais variados.

    02. "Pra que ratos brancos se existiam tantos judeus na Alemanha… "

    Eita! Você está afirmando que não há problemas em usar judeus como cobaias? Se for o caso, isso apenas confirma o ponto "08" daquele meu comentário.

    03. A Igreja Católica está na Itália a pelo menos uns 2000 anos. Mussolini e Che Guevara eram apenas socialistas de vertentes diferentes, assim como Owen e Marx também eram; e Stálin e Trótsky também.

    04. Haja paciência! Eu falei de desarmamento dos cidadãos e não de investimento bélico. No quesito população desarmada, todos os socialistas perseguiram tal objetivo. Hitler, Stálin, Pol Pot, Castro, Guevara e etc.

    05. Mas aí é que está: O aborto entrou na debate político da Alemanha quando o Hitler assumiu o poder em 1933. Uma das primeiras medidas que ele tomou ao se tornar chanceler foi a de legalizar o aborto para convertê-lo em um instrumento de saúde pública e de saúde da mulher. Posteriormente, quando o governo dele foi virando uma tirania, é que ele pegou essa política abortista de saúde pública e a converteu em um instrumento de genocídio. E o Hitler não se contentou em legalizar o aborto apenas na Alemanha. Ele foi legalizando tal prática pelos países que ia conquistando, como a Polônia.

    06. Toda vida humana é digna de ser vivida.

    07. Catecismo na escola? Só se for em escola católica e é por vontade própria que os pais matriculam seus filhos nesses estabelecimentos, isto é, por uma questão meramente de escolha individual e não uma política de educação pública (como é o caso nos países socialistas). Educação Moral e Cívica? Desde quando essa disciplina colocou como educação o programa partidário da ARENA?

    08. Quantos campos de concentração os judeus dos kibbutzes estabeleceram?

    09. Reagan ajudou a destruir o comunismo. Thatcher reformou a Inglaterra de tal maneira que obrigou até mesmo os seus adversários políticos a absorverem nos seus programas partidários muitas das medidas que ela lançou. Pinochet e Fidel Castro são dois ditadores brutais e que cometeram crimes contra a humanidade, a diferença é que Pinochet tinham ideias econômicas melhores. Assim como Karl Marx tinha um gigantesco menosprezo pelo socialismo do Robert Owen e do Charles Fourier, Adolf Hitler e Benito Mussolini tinham um total desprezo por algumas ideias do socialismo de Karl Marx.

    10. Apenas observe o tipo de discurso utilizado pela esquerda atual para implantar as cotas. Esse discurso é um descendente direto daquilo que os nazistas fizeram com os judeus para expulsá-los das universidades, dos cargos públicos e etc.

    Até!

    EngLib

    Maia Kaefman em 27/05/2014 - 00h22 comentou:

    Vc defende que Hitler não apenas não era de extrema-direita, o que é um consenso, um fato, como era de esquerda. Socialista! Mas eu que preciso estudar mais? Ta serto!
    1-Senso de humor 0. Ser de esquerda é ser anti-tabagista? O Alckimin é de esquerda então.
    2-Não vou dignificar essa com uma resposta.
    3-A IC esta na Italia há pelo menos 2000 anos? Meu Deus…Mas eu que preciso estudar…
    4-Haja paciência mesmo! A Inglaterra deve ser comunista então…
    5-Amiguinho você não é liberal? Liberais costumam ser à favor do aborto por acreditarem na liberdade individual como premissa básica da organização social…
    6-Amiguinho você é ou não um liberal? Porque aparentemente você esta um pouco confuso sobre a definição desse termo…
    7-Desde que começou a ser lecionada.
    8-Nenhum, será pelo fato de que possuem inspiração socialista?
    9-Reagan, Thatcher e Pinochet foram fantoches do capital grosso…As idéias econômicas de Pinochet (que não eram dele mas sim dos sicofantas da Escola Austríaca) são tão boas que o mundo vive agora mesmo as consequências de sua aplicação, hibernou em 2008? Arrocho e crise. De novo você insiste que Hitler e Mussolini eram socialistas e não fascistas! O que foi o fascismo então?
    10-Apenas observe a composição étnica brasileira e depois contraponha com o número de negros e índios em cargos de alto-escalão ou na mídia, essa comparação com judeus no nazismo é uma idiotice.

    Amigo defina-se: Você hora se diz liberal, hora prega idéias fascistas, mas parece mesmo é que não tem nenhum desses conceitos claros na cabeça. Na real o conceito que se aplica melhor a essas tuas idéias é: Reaça. Hehehe.

    EngLib em 27/05/2014 - 22h23 comentou:

    Olá!

    Maia Kaefman escreveu:

    "Vc defende que Hitler não apenas não era de extrema-direita, o que é um consenso, um fato, como era de esquerda. Socialista! Mas eu que preciso estudar mais? Ta serto! "

    Apenas nos diga: Quais são as semelhanças entre Hitler e direitistas como Reagan, Thatcher, Adenauer, Churchill e outros?

    01. O Alckmin é social-democrata ao estilo da social-democracia europeia, isto é, uma esquerda que realmente fez seu acerto de contas com a queda do Muro de Berlin em 1989 e bem mais civilizada do que esse esquerdismo bolivariano que reina na América do Sul.

    Eu também sou contra pessoas fumarem em ambientes fechados, apenas considero que isso não deva se tornar uma política de Estado e que a propaganda de cigarros deveria ser permitida. Esse posicionamento é profundamente diferente do que defendiam Hitler e sua curriola, pois eles, sim, queriam e transformaram o anti-tabagismo em política de Estado.

    Até hoje a esquerda mantém esse mote.

    02. Não precisa responder, seu comentário anterior talvez tenha sido bem claro.

    03. A Igreja Católica está na Itália faz uns 1700 anos.

    04. No Reino Unido, quem lutou ferozmente por uma política de controle das armas de fogo foi a esquerda de lá. Isso ocorreu após o Massacre de Dunblane

    05. Liberais têm, acima de tudo, a vida como um direito inalienável.

    06. Idem ao ítem 05.

    07. Pura forçação de barra! Educação Moral e Cívica, basicamente, ensinava que os alunos deviam respeitar e admirar os símbolos da nação, como a bandeira, o hino nacional, os feriados republicanos e coisas tais. Isso é muito diferente do chorume ideológico de um Paulo Freire e sua pedagogia do oprimido.

    08. Se Israel fosse um regime socialista em vez de uma democracia, não duvidaria muito.

    09. Afirmar que Thatcher, Reagan e Pinochet foram fantoches do capital grosso é apenas destilar um besteirol ideológico de 5a categoria. Pelo menos em termos econômicos, todos os três, ao final dos seus respectivos mandatos, entregaram um país bem melhor do que aquele que pegaram.

    Outra correção: O programa econômico do Pinochet não tinha inspiração na Escola Austríaca, mas, sim, na Escola de Chicago. É Milton Friedman e não Friedrich Hayek.

    A crise econômica de 2008 tem origem lá no Jimmy Carter e nas políticas de populismo imobiliário que a esquerda americana lançou. O principal responsável por tal crise é o próprio governo americano que fez uma regulação tosca do setor bancário ao obrigar os bancos a financiar a casa de pessoas que não tinham como pagar e, caso se recusassem a tal, sofreriam punições, como ficar impedidos de abrir novas agências e coisas tais.

    Quer ver arrocho e crise de verdade? Dá um pulo em Cuba.

    Fascismo é esquerdismo. É apenas mais um movimento de massa de caráter meramente identitário/coletivista.

    10. Esse seu ponto é interessante, ei-lo:

    "Apenas observe a composição étnica brasileira e depois contraponha com o número de negros e índios em cargos de alto-escalão ou na mídia, essa comparação com judeus no nazismo é uma idiotice. "

    Hehehehehehe. . . Hitler e seus comparsas esquerdo-socialistas usavam um discurso semelhante a esse para reservar aos alemães vagas nas universidades, serviço público, empresas e etc. Dá até mesmo para usar as palavras que você próprio escreveu. Hitler diria algo mais ou menos assim:

    "Apenas observem a composição racial alemã e depois contraponha com o número de alemães em cargos de alto escalão ou na mídia. Há uma clara exclusão do alemão desses postos de trabalho e uma super-representatividade de judeus! Isso só pode ser culpa dos judeus e suas maquinações!"

    Viu só como, em termos de estrutura e mesmo de essência, esse seu discurso para justificar as cotas não é em nada diferente daquilo que os nazistas usaram para implantar as "cotas" deles?

    Até!

    EngLib

    Maia Kaefman em 28/05/2014 - 17h07 comentou:

    Ai criança como vc me cansa…

    Possuem muitas semelhanças, como as tendências imperialistas muito notadamente apresentadas por exemplo pelo fantoche Reagan, mas o ponto é que vcs liberais, ou pseudo liberais pois teu discurso oscila muito entre liberalismo e fascismo, convenientemente fazem um absurdo recorte ideológico, que só vcs enxergam, de que a direita é o liberalismo em sua forma utópica e todo resto é esquerda. Estatizou? Eh esquerda! Bullshit dear! A direita assume a forma de estado totalitário em diversos momentos da história como em 64 no Brasil.O idolo da direita brasileira Bolsonaro é favorável a um estado forte. Assumam seus ditadores. Sejam homens. Esse fato é tão básico que chega a ser ridículo. Classificar Hitler como socialista é de uma picaretagem inacreditável.

    1-Olha ai teu liberalismo seletivo que é louco pela liberdade desde que lhe seja conveniente! Eu sou comunista e fumo tabaco moderadamente. Alckmin faz um governo profundamente neoliberal. Vide Sabesp. Vide terceirizações. Vide OSs. Dizer que o cara é de esquerda é ser muito juvenil ou cínico mesmo.

    2-Dã.

    3-Não eram "pelo menos 2000"? Essa foi ótima…

    4-Mas é ótimo lutar pelo controle de armas. As estatísticas são incontestáveis. E vc vi negar que apesar desse ponto especifico do suposto programa nazista os neonazis tem um verdadeiro fetiche erótico por armas?

    5-Na sua opinião. Um liberal strictu sensus deveria ser favorável ao aborto. Questão de lógica. Alias aposto cem mil reais que vc é favoravel a pena de morte.

    6-Liberalismo seletivo na veia…

    7-Chorume? Chorume é dizer que nossas universidades são "madrassas vermelhas" por ensinar um pensador básico como Marx nos cursos específicos de humanas que tenham relação com ciencias sociais. Se vc não vê relação entre a obrigatoriedade da "educação moral e cívica" na grade durante a ditadura brasileira realmente fica difícil debater…

    8-Vá estudar a história da formação da ideia de kibutz. Novamente: Fatos, não teu revisionismo histórico chulé…

    9-Amigo fico realmente em dúvida se vc é cínico ou ignorante. "Entregaram países melhores"…A custo de que? Desmonte de leis trabalhistas, torturas e assassinatos, privatismo, desregulação financeira…Melhores pra quem? Essa é a formula da crise que vivemos hoje! E vc vem falar em J.Carter, ta de brincadeira! Os empréstimos subprime começaram nos anos 70? Ta loco? O governo "obrigou os bancos" a financiar casas? Cara vc esta lendo papel higienico usado…Essa é a explicação mais absurda e lunática que já vi sobre a crise de 2008…Deve ser coisa do astrólogo frustrado, só pode…Que tal comparar Cuba de Fidel com a Cuba de Batista? Vamos falar de arrocho? Grecia, Portugal, Irlanda, Brasil pós-ditadura…Que tal?

    10-Nossa que cinismo. Quantos judeus foram premieres alemães antes de Hitler? Quantos negros foram presidentes do Brasil até hoje? Como é facil quebrar tuas baboseiras. Fraquinho demais vc…

    Hitler foi um extremista de direita e só gente cínica ou profundamente ignorante contesta este fato. Tchau!

EngLib em 26/05/2014 - 21h52 comentou:

COTINUAÇÃO. . .

Mais um:

"Vivisection Forbidden in Prussia!

The New Germany leads all civilized nations in the area of animal protection!

The famous national socialist Graf E. Reventkow published in the Reichswart, the official publication of the "union of patriotic Europeans", the lead article "Protection and Rights {Recht} for the Animal". National Socialism, he writes, has for the first time in Germany begun to show Germans the importance of the individual's duty toward the animal. [. . .]

Graf Reventkow presents a number of examples of beastial vivisection crimes and affirms at the end, with mention of Adolph Hitler's sharp anti-vivisectionist positions, our demand that once and for all an end has to be brought to this animal exploitation.

We German friends of animals and anti-vivisectionists have placed our hopes upon the Chancellor of the Reich and his comrades in arms who are, as we know, friends of animals. Our trust has not been betrayed! The New Germany brings proof that it is not only the hearth but bringer of a new, higher, more refined, culture:

Vivisection, a cultural shame in the whole civilized world, against which the Best in all states have fought in vain for decades, will be banned in the New Germany!"

Tradução livre:

"Vivissecção Proibida na Prússia!

A Nova Alemanha lidera todas as nações civilizadas na área de proteção aos animais!

O famoso nacional-socialista Graf E. Reventkow publicou no Reichswart, a publicação oficial da união dos europeus patriotas, o artigo 'Proteção e Direitos Para os Animais'. O Nacional-Socialismo, escreve ele, pela primeira vez na Alemanha, começou a mostrar aos alemães a importância do dever do indivíduo em relação aos animais. [. . .]

Graf Reventkou apresenta alguns exemplos de crimes bestiais de vivissecção e afirma no final, mencionando os rígidos posicionamentos anti-vivissecção de Adolf Hitler, nossa demanda de que uma vez por todas acabe essa exploração do animal

Nós, alemães amigos dos animais e anti-vivisseccionistas colocamos nossas esperanças no Chanceler do Reich [Adolf Hitler] e seus camaradas [os nazistas] que são, como sabemos, amigos dos animais. Nossa confiança não foi traída! A Nova Alemanha traz a prova de que não é apenas o lar, mas também o portador de uma nova cultura mais elevada, mais refinada:

Vivissecção, uma vergonha cultural em todo o mundo civilizado, contra a qual os melhores indivíduos em vão lutaram contra em todos os países por décadas, será banida na Nova Alemanha!"

Esse último trecho deixaria os socialistas melancias excitadíssimos!

Esse último trecho é também carregado de ironias, pois, ao mesmo tempo em que Hitler e seus amigos socialistas estabeleciam leis de proteção aos animais, como a proibição da vivissecção, esses mesmos nazistas não pensavam duas vezes em utilizar seres humanos como cobaias, até mesmo em experimentos de vivissecção. É um desprezo gigantesco pela vida humana.

Até mesmo nesse desprezo pela vida humana Hitler e seus comparsas nazistas/socialistas estariam em plena sintonia com a esquerda moderna. Afinal de contas, é essa mesmíssima esquerda que defende leis de proteção aos animais com punições rigorosas e que, ao mesmo tempo, tenta a todos os custos implantar uma legislação abortista e que busca criar um ambiente cultural que glamourize o aborto.

Não faz tanto tempo assim que os bandidos fascistas dos Black Blocs invadiram o Instituto Royal e roubaram as cobaias animais que lá se encontravam. Se Hitler visse tal cena, ele não hesitaria em participar do ato de vandalismo. Afinal de contas, eis aí uma oportunidade para que bons socialistas como ele e os Black Blocs coloquem para fora o seu socialismo-melancia, além de ser uma excelente oportunidade de expressar todo o recalque anti-capitalista que essa gente tem.

Até!

EngLib

Responder

Antunes em 26/05/2014 - 22h10 comentou:

Qualquer pessoa que abriu um livro de história ao menos uma vez na vida, sabe que a política nazista surgiu com base na perseguição de "comunistas". Qualquer pessoas que tenha aberto um livro de história na vida, sabe que empresas americanas, inglesas e francesas estiveram entre as maiores patrocinadoras do partido nazista. Qualquer pessoa que tenha aberto um livro de história na vida, sabe que o governo soviético, e sua aliança com Berlim, também foram decisivos para onda nazi-fascista predominar. Qualquer pessoa que tenha aberto um livro de História na vida, sabe que as políticas usadas posteriormente, tanto por capitalista quanto por social-comunistas, se iguala de forma nojenta aos métodos nazi (fosse Washington, fosse Moscou), ainda que esses os criticassem.
Agora, claro, qualquer um que tenha "aberto um livro de história" saberia. Infelizmente mais da metade da população brasileira nunca abriu e nem vai abrir, pois certos governos brasileiros, independentemente do regime que pregam (ou ao menos dizem pregar, pois ambos eram para impor uma suposta base de "oportunidades iguais", algo totalmente diferente da prática), preferem manter o povo na ignorância, e altamente dependentes do Estado ou de suas empresas, para se perpetuar infinitamente no poder. Afinal, independência e consciência popular não enriquece os filhos, inflam o ego, ou enchem as contas bancárias.
E assim, assistimos as "Burguesias" e as "Nomeklaturas" reinarem, enquanto nos resta reclamar, ter esperança e paciência. Ou nos últimos tempos, mais reclamação e paciência do que esperança.

Responder

    Danilo Henrique em 25/07/2014 - 19h54 comentou:

    O Nacional-Socialismo e o Fascismo também são socialismos, só que fora do marxismo-leninismo. Nem todo Socialismo é Comunismo, este é apenas a interpretação marxista que alçava o socialismo ao ponto de um fenômeno "científico"

    Ler livros de História do Méqui sem ler bons livros de filosofia é inútil.

    O Socialismo é a filosofia política de controle absoluto das instituições através de representantes da sociedade.

    O Capitalismo, por não ser uma filosofia, mas sim mecanismo financeiro, sequer pode ser comparado ao Socialismo.

    A vertente oposta ao Socialismo é o Liberalismo, aonde as instituições são controladas pela interação das livres vontades individuais, sem mecanismos centralizados de controle.

Mario em 26/05/2014 - 23h10 comentou:

Cynara, na verdade o IG Farben era um conglomerado de várias empresas formado no entreguerras, sendo a Bayer uma delas. Dentre as outras havia a BASF, Hoetsch, Agfa, etc.

Responder

Afonso em 26/05/2014 - 23h49 comentou:

Da mesma forma está acontecendo a ascensão do bolivarismo na América do Sul ,desde os anos 1980.Esta ascensão só está sendo possível com a colaboração e suporte financeiro de empreiteiras que trabalham para o serviço público, estatais como Petrobras e Eletrobras, multinacionais, bancos privados e públicos , sem contar é claro com o silêncio da mídia, e a revolução cultural pregada por Antonio Gramsci..Como deu para notar o modus operandi é o mesmo,e o PT ainda tem a cara de pau de acusar de fascista e nazista todo aquele que se opõe a ele.MENTALIDADE ESQUERDISTA É ISSO:ACUSAR OS OPONENTES DAQUILO QUE ELES MESMO SÃO.

Responder

José M. Souza em 27/05/2014 - 00h21 comentou:

É raríssimo alguém comentar mas banqueiros norte-americanos e europeus(os Rothschilds, por exemplo) financiaram também a revolução russa de 1917. Via de consequência, assim, tornaram possível a existência do comunismo. Enfim, dizer que as massas tomaram o poder na Rússia naquele ano é pura balela.Não tinham dinheiro nem organização para tal feito.

Responder

Klaus em 27/05/2014 - 01h35 comentou:

E com a colaboração de Stalin até 1941.

Responder

@gabrielmpazin em 27/05/2014 - 02h22 comentou:

Queria deixar aqui como sugestão de leitura um livro sensacional que retrata com detalhes o envolvimento da IBM com o nazismo desde seu inicio: "IBM e o Holocausto" de Edwin Black.

É interessante ver a contribuição da IBM para a caça aos judeus pelos nazistas na Alemanha, ela forneceu principalmente a tecnologia de cartões-perfurados que na epoca foram cruciais para realizar o censo na Alemanha e assim os nazistas sabiam exatamente onde estavam os judeus.

Responder

CLÁUDIO LUIZ PESSUTI em 27/05/2014 - 02h50 comentou:

Hahha,os caras dizem que o nazismo era esquerdista, sendo que foi apoiado pela França, EUA e Inglaterra, no começo justamente por ser um anteparo a URSS. Hitler perseguiu e lutou contra os social-democratas e comunistas, os colocou no campo de concentração,os primeiros, e os caras dizem que ele era socialista, queria destruir a URSS e os caras chamam ele de socialista, queria fazer a paz com a Inglaterra, berço do capitalismo industrial, para impedir entrar em guerra com os EUA, e se dedicar a destruir a URSS.E os caras dizem que o camarada era socialista!! Isto é Goebbels,repetir uma mentira até que ela se torne verdade!,

Responder

    ceticista em 03/06/2014 - 05h41 comentou:

    Pode ser. Mas:

    NAZISMO = NACIONAL SOCIALISMO e nao de NACIONAL CAPITALISMO.

    No fim EUA e URSS lutaram contra Alemanha. Dependendo da situação esquerda, direita, cristao, islamico, etc. apesar de divergentes se aliam contra um inimigo comum depois voltam pra lutarem contra si.
    A linha q separa direita e esquerda as vezes é tao fragil, q um se mescla com outro qdo interesa e convem.

    Danilo Henrique em 25/07/2014 - 20h01 comentou:

    A URSS era comunista, que é um socialismo de vertente marxista-leninista

    O Nazismo e o Fascismo são outros tipo de socialismo. Não precisa ir longe, se vc ler o Manifesto do Partido Comunista, de Marx, verá que ele fala de outros tipos de socialismo.

    Daí a divergência entre Nazismo e Comunismo.

    Mas ambos eram de ideologia socialista, considerada esquerda no espectro político tradicional

    A direita é o liberalismo econômico, que nada tem a ver com nenhum tipo de socialismo.

    No nazismo as empresas existem, são privadas, mas agem conforme interferência do Estado. Isso é bem diferente de liberalismo, aonde as empresas são privadas e agem conforme a vontade de seus donos, assumindo lucros e riscos por decisões próprias.

    Não se deixe levar por mentiras repetidas…estude filosofia!

Alexandre em 27/05/2014 - 02h54 comentou:

Nossa como é cansativo essa ideia de dividir o mundo em preto x branco, capitalismo x comunismo, e ficar nessa tentativa de enquadrar o nazismo em um dos lados, parece briga de criança, o mundo é mais complexo que isso aí, e definitivamente não é uma competição pra ver quem é melhor, o buraco é mais embaixo e o fato de ter ideia que são parecidas não significa que são as mesmas coisas, estão fazendo uma salada.

Responder

    ceticista em 03/06/2014 - 05h45 comentou:

    Exato do jeito q eu penso.

    Hj em dia mistura Socialismo com Igreja Ortodoxa, Igreja evangelica de direita se dizem capitalistas (so se for pra arrecadar dinheiro).

    Misturam religiao, politica e racismo e dá uma confusao.

    Olha esse video q explica um pouco essa confusao: http://www.youtube.com/watch?v=hrH7cJGPZBI

Canhoto em 27/05/2014 - 04h01 comentou:

Quem financiou os expurgos, massacres, limpeza étnica e a russificação forçada de outros povos ordenados por Stalin? Já ouviu falar em Holodomor, episódio onde cerca de 25% dos ucranianos foram mortos? Sabia qur na mesma época cerca de 1/3 dos cazaques tb sucumbiram devido às arbitrariedades desse regime amado por mtos aqui? Isso sem falar nas outras etnias. Nem precisa se aprofundar mto… Stalin matou mais que Hitler! Sem falar em Mao, Pol Pot, Fidel, etc… os regimes de esquerda mataram muito e isso a morena não fala.

Responder

    morenasol em 27/05/2014 - 13h47 comentou:

    se você achar um só post onde elogio o stalinismo neste blog, te dou um prêmio em dinheiro (já que vocês o adoram como a um deus)

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 01h54 comentou:

    Nao elogia mas tb nao critica até onde vi.
    E sempre associa praticas desumanas com capitalismo. Como se fosse uma coisa exclusiva do capitalismo.

    Seus artigos sao bem tendenciosozinhos, fazendo os direita parecerem como demonios.

Canhoto em 27/05/2014 - 04h09 comentou:

Quem financia o bolivarianismo? Notas de dolares verdinhas que chegam direto dos EUA, maior comprador do petróleo da PDVSA.
As duas maioq aberrações do século XX foram o nazismo e o comunismo, duas faces da mesma moeda. Tirania e alucinação de lunáticos contra o povo.

Responder

Lucas` em 27/05/2014 - 05h21 comentou:

Pelo amor de deus, negar que o fascismo e o socialismo sao ambos farinha do mesmo saco beira o ridiculo. Ambos eram/sao guiados pela ideia do "bem comum" e da "sociedade como laboratorio". Basta conferir os ideais nazistas, qualquer semelhanca com o pensamento socialista NAO eh mera coincidencia. As diferencas entre os dois era apenas uma questao de conveniencia, devido a necessidade de se criar "inimigos". Alias, Hitler nunca se declarou contra o socialismo, apenas contra o marxismo.

Pontos do programa politico do Partido Nacional Socialista:
7. Nós exigimos que o Estado especialmente se encarregará de garantir que todos os cidadãos tenham a possibilidade de viver decentemente e recebam um sustento.
13. Nós exigimos a nacionalização de todos os grupos investidores.
14. Nós exigimos participação dos lucros em grandes indústrias.
15. Nós exigimos um aumento generoso em pensões para idade avançada.
16. Nós exigimos a criação e manutenção de uma classe média sadia, a imediata socialização de grandes depósitos que serão vendidos a baixo custo para pequenos varejistas, e a consideração mais forte deve ser dada para assegurar que pequenos vendedores entreguem os suprimentos necessários aos Estaso, às províncias e municipalidades.
17. Nós exigimos uma reforma agrária de acordo com nossas necessidades nacionais, e a oficialização de uma lei para expropriar os proprietários sem compensação de quaisquer terras necessárias para propósito comum. A abolição de arrendamentos de terra, e a proibição de toda especulação na terra.
18. Nós exigimos que uma guerra dura seja travada contra aqueles que trabalham para o prejuízo do bem-estar comum. Traidores, usurários, aproveitadores, etc., serão punidos com morte, independente de credo ou raça.
20. A fim de tornar possível para todos os alemães capazes e industriosos obter educação mais elevada, e assim a oportunidade de alcançar posições de liderança, o Estado deve assumir a responsabilidade de organizar completamente todo o sistema cultural do povo. Os currículos de todos os estabelecimentos educacionais serão adaptados para a vida prática.
A concepção da idéia do Estado (ciência de cidadania) deve ser ensinada nas escolas desde o início. Nós exigimos que crianças especialmente talentosas de pais pobres, quaisquer que sejam suas classes sociais ou ocupações, sejam educadas às custas do Estado.
21. O Estado tem o dever de ajudar a elevar o padrão de saúde nacional fornecendo centros de bem-estar maternal, proibindo trabalho infantil, aumentando aptidão física através da introdução de jogos compulsórios e ginástica, e pelo maior encorajamento possível de associações relacionadas com a educação física do jovem.
23. Nós exigimos que haja uma capanha legal contra aqueles que propaguem mentiras políticas deliberadas e disseminem-nas através da imprensa.

Falas de Hitler:
Que significa ainda a propriedade e que significam as rendas? Para que precisamos nós socializar os bancos e as fábricas? Nós socializamos os homens.” (Adolf Hitler, citado por Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, pg 218-219)

"Nós somos socialistas, nós somos inimigos do atual sistema econômico capitalista para a exploração dos economicamente fracos, com seus salários injustos, com sua indecorosa avaliação do ser humano de acordo com a riqueza e a propriedade em vez de sua responsabilidade e desempenho, e nós estamos todos determinados a destruir esse sistema sob todas as condições." – Primeiro de Maio de 1927

"Eu aprendi muito do marxismo, e eu não sonho esconder isso. (…) O que me interessou e me instruiu nos marxistas foram os seus métodos [Exatamente como disse o marxista Boff: que ele aproveitou o método marxista] (…) Todo o Nacional Socialismo está contido lá dentro (…) O nacional socialismo é aquilo que o marxismo poderia ter sido se ele fosse libertado dos entraves estúpidos e artificiais de uma pretensa ordem democratica" (Adolfo Hitler, apud Hermann Rauschning, Hitler m´a dit, Coopération, Paris 1939, pp.211- 212).

Responder

Wendell em 27/05/2014 - 12h44 comentou:

Agora pergunta pra esse povo, Cynara, se tá bom ou é pra desenhar?

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 02h41 comentou:

    Se for pra desenhar faz direito, rascunho mal-feito nao pode.

@rei0329 em 27/05/2014 - 14h42 comentou:

As críticas ao comunismo não o transformam em um defensor do liberalismo econômico. O seu ideal era bem próximo do ideal comunista: transformar a sociedade, mesmo que para isso fosse preciso dizimar aquela parte da sociedade que não tolera a mudança, ou que seja considerada um empecilho…

Responder

Hugo em 27/05/2014 - 18h39 comentou:

Este blog é tão infantil que acredita que de um lado estão os maus e no outro lado da linha estão os bons. Parece brincadeira de criancinhas.

Responder

Vitor em 27/05/2014 - 22h42 comentou:

Que discussão besta! Tanto faz se o nazismo era de direita ou de esquerda, se o socialismo matou mais que o fascismo… É importante lembrar apenas que existem imbecis de direita e de esquerda!

Responder

Tutameia em 27/05/2014 - 23h47 comentou:

O fascismo é a condição humana natural…nada mais abjeto que uma bando de criancinhas no jardim da infância sacaneando os coleguinhas mais fracos como fazem todo o tempo. Nem sei se é possível a construção de uma consciência melhor..

Responder

João em 27/05/2014 - 23h59 comentou:

Agora fala sobre o comunismo financiar a ditadura Russa.

Responder

Carlos em 28/05/2014 - 00h45 comentou:

Cynara,
Congratulações pelo texto e pelo blog. Sugiro apenas vetar esses odiosos e infelizes comentários que pululam aí por baixo. Já estamos carecas de saber que a direita anda pagando para nerds ociosos espalharem toda sorte de falácias que, repetidas ad nauseum, no estilo Goebbeliano, acabam enchendo o oco craniano de alguns. O DCM, por exemplo, tem como política não publicar esses lixos disfarçados de opinião, o que torna os comentários tão interessantes quanto o texto.
Abraços!

Responder

    Adriano Meirinho em 28/05/2014 - 17h35 comentou:

    Super democrático você ein? Autoritarismo nota mil para quem diz que é a favor da democracia e liberdade de expressão. Meus parabéns Carlos.

    Tutameia em 28/05/2014 - 21h12 comentou:

    fuzilar quem pensa diferente de vc por enquanto não né???
    ufaaaaaaaaaa..que alivio…

Marxista Leninista em 28/05/2014 - 14h49 comentou:

Mas tem muitos coxinhas, netos da ditadura, liberal capitalistas (responsáveis por desastres econômicos e militares), gente ignorante comentando por aqui. No mínimo deveriam ler o 18 de brumario com calma que nem é difícil de ler.

Responder

Daniela Amorim em 28/05/2014 - 15h12 comentou:

blog muito interessante… ótimo texto!!

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h30 comentou:

    Mas vc entendeu o texto?
    Ou so achou interessante?

Ismael de Jesus em 28/05/2014 - 21h25 comentou:

RESPOSTA 1 a EngLib
– INDÍCIOS DE QUE O SOCIALISMO/COMUNISMO MARXISTA É EXATAMENTE O OPOSTO AO NAZIFASCISMO NA PRÁTICA E NA TEORIA:

SOCIALISMO/COMUNISMO EM TEORIA – Karl Marx, filósofo alemão fundador do “socialismo científico”, defendia uma teoria racionalista e humanista, aprofundando os preceitos de igualdade, liberdade e fraternidade do Iluminismo, travando uma luta com a finalidade de se criar uma sociedade justa e igualitária e, portanto, tendo por base uma visão otimista e revolucionária em relação à humanidade. Para se alcançar a sociedade comunista, da qual Marx falou pouco, era preciso superar as classes sociais visando à emancipação da humanidade, a superação do domínio das necessidades e a instauração do reino da liberdade (quando a primeira revolução socialista estourou em 1917, Marx havia morrido há 35 anos e portanto não pode ser responsabilizado por nada).
NAZIFASCISMO EM TEORIA – Inspirado em parte em Nietzsche e Wagner e nos projetos de limpeza social dos EUA, décadas antes, era irracionalista, anti-humanista, nacionalista e tal como no darwinismo social capitalista dos liberais, hierarquizava as pessoas: para os primeiros, em vencedoras e fracassadas; para os segundos, superiores (os ricos e alemães) e inferiores (comunistas, judeus, ciganos, eslavos, hispânicos, negros e pobres). Ao contrário do que você disse em seus argumentos superficiais, ideológicos e sofismáticos, os nazistas, apesar de não inventarem o antissemitismo, eram obcecados com a ideia de raça superior e pelo fenótipo: tanto que mataram milhares de pessoas somente em experiências de laboratório onde as cobaias era serem humanos. Como os capitalistas, os nazifascistas eram adeptos do uso da força (como hoje com as lutas de vale tudo capitalistas), valorizavam a cultura do corpo atlético e eram adeptos da falsificação da verdade, como hoje é feito pelas televisões e grandes meios de comunicação em suas propagandas diuturnas capitalistas (suponho que o mestre de Roberto Marinho, Silvio Santos ou seu tenha sido Goebbels) com o objetivo de transformar as pessoas em autômatos, esvaziadas de pensamento crítico e próprio, aliás hoje o “grande irmão” (Big Brother) de H.G. Wells são os EUA, potência capitalista por excelência, como mostra suas peripécias ilegais contra a vida de pessoas e contra certos países!!

DIFERENÇAS HISTÓRICAS PRÁTICAS – 1) Outra diferença essencial é que, ao contrário do que você alega, hoje quando a esquerda brasileira defende a estratégia das diferenças não é para uniformizar e eliminar os mais fracos (coisa do capitalismo ultraliberal e do seu irmão siamês, o nazifascismo), mas para garantir assistência e recursos sociais para todos: idosos, deficientes, negros, indígenas, mulheres, crianças, homossexuais e não para eliminá-los ou para mantê-los longe do poder, como quer o liberalismo cortador de gastos sociais e oligopolista! Como os ultraliberais, também os nazifascistas odiariam esses gastos com fracos e perdedores assim como todo bom capitalista ultraliberal radical como Ludwig Von Mise, simpatizante do fascismo de Mussolini, para quem, por seu antiesquerdismo, "era bem intencionado", afirmou o filósofo e economista de Lviv, Áustria, mestre de F. V. Hayek.

2) PROPAGANDA E PRÁTICA NAZIFASCISTAS – Ao contrário dos comunistas quanto à prática do programa revolucionário, uma coisa era o que os nazifascistas diziam; outra foi o que fizeram. Irracionais, não gostavam de reflexões e agiam por impulso e pela violência. (Atualmente a empresa ELLUS que faz protestos contra o Brasil dizendo que "somos atrasados" enquanto impõe o trabalho escravo a seus trabalhadores 126 anos depois da abolição formal da escravidão parece irracional!) O regime fascista italiano nasceu com o objetivo de defender o capitalismo a todo custo e contra os comunistas. O mesmo se deu com o nazismo na Alemanha. Como os capitalistas de hoje, os fascistas chamavam de demagogos e populistas os políticos de esquerda e de fracos os democratas; e ainda diziam que iriam acabar com a baderna promovida por grevistas agitadores de esquerda. E isso eles faziam muito bem: encontravam nas ruas comunistas, socialistas e democratas liberais e sentavam a pancada!

Responder

Lara em 28/05/2014 - 21h32 comentou:

Existe 1 livro francês e documentários islâmicos que elucidam a formação do estado de israel pós 1a. guerra e judeus que já estavam habitando a região, conforme acordo de banqueiros judeus e imperador inglês. Daí se fabricou acordos e acordos, para formalizar o fabrico de israel. O financiamento de peso foi judeu!! Documentários e livro muito elucidador!!

Responder

Ismael de Jesus em 28/05/2014 - 21h34 comentou:

CONSIDERAÇÕES 2 –
3) FORÇA E GUERRA – Os fascistas e os nazistas acreditavam na força bruta porque para eles a razão humana era limitada (daí a crença capitalista até hoje repetida por Luciano Huck: “manda quem pode obedece quem te juízo”; ou a ideia mestra de Winston Churchill e das elites dos EUA para quem “o ser humano é belicoso por natureza”). A maior potência capitalista, EUA, tem muito dos nazifascistas: invadem países, espionar governos, derruba democracias e matam inimigos. Os grandes pacifistas eram de esquerda ou democratas.

4) SIMPATIA DO OCIDENTE COM O NAZIFASCISMO COMO TÁTICA – Como mostra de mais uma incompatibilidade entre comunistas e nazifascistas, continuemos. Quando Hitler começou o expansionismo do III Reich para o "espaço vital ariano" e passou a invadir Polônia, Bélgica, Holanda, Noruega, Dinamarca e Tchecoslováquia, o que Churchill, primeiro ministro britânico e Roosevelt, presidente dos EUA, esperavam para contê-lo? Simplesmente o que aconteceria mais tarde: Hitler invadir a URSS na Operação Barba Roxa, provocando a maior e mais decisiva batalha da Segunda Guerra em Stalingrado (1942-1943). Logo mais uma está provado que nunca houve nenhuma empatia entre nazifascistas e comunistas – nem poderia. Portanto, os maiores inimigos dos capitalistas eram os comunistas e contavam como aliados com Hitler e Mussolini.
5) POLÍTICAS AFIRMATIVAS E SOCIAIS – Sobre seu malabarismo a respeito do conceito marxista de luta de classes, sobre as políticas afirmativas atuais para afrodescendentes e indígenas e os programas sociais que, como todo bom fascista e direitista você abomina como demagogia, populismo e fracasso, não vou responder a essas bobagens, mas vou deixar uma pergunta simples: será que os nazistas aprovariam negros e pobres nas universidades, defenderiam sua ascensão social e aceitariam a criação de programas sociais para assistir pessoas pobres e com deficiência, mulheres e crianças desamparadas ou doentes? Tenho certeza e essa é uma generalização que afirmo com convicção: eles, como você, jamais aceitariam gastar recursos com “fracassados e inferiores”, como defendia Von Mises e Hayek, seus teóricos queridos. Por isso, Mais Marx e nada de Mise!!
6) UMA TÁTICA DE GUERRA – Você alega que a aliança provisória entre Stalin e Hitler mostra a aproximação ideológica entre os dois ditadores. Ora, não há nada mais tola que essa suposição: na verdade, o Tratado Ribentrop-Molotov foi um acordo que até hoje países de tradições e costumes diferentes fazem, como por exemplo, EUA e Rússia, China e EUA, etc.. No caso, estava-se vivendo uma segunda guerra mundial e não uma experiência bancária e os dois líderes tinham objetivos específicos: Hitler queria evitar uma guerra em dois fronts e por isso com o acordo neutralizou a URSS; e Stalin, por sua vez e sendo coerente com sua tese do "socialismo em um só país", esperava não ser atacado pela Alemanha nazista, GRAVE ISSO, ALEMANHA NAZISTA E NÃO COMUNISTA! (Risos) Sobre os bolcheviques, saiba que não é um nome que por si só nos causa temor porque significa maioria em russo e foi uma facção que radicalizou a revolução em 1917 e tomou seu controle.

Responder

Ismael de Jesus em 28/05/2014 - 21h36 comentou:

7) SEMELHANÇAS ATUAIS – Apesar da crueldade de Stalin ao eliminar comunistas históricos como Kamenev e Zinoviev, entre outros milhares, ele foi ingênuo ao confiar em um louco como o extremo direitista, católico e capitalista oligopolista Adolf Hitler. Stalin viveu o mesmo que décadas mais tarde o socialista Allende viveria com seu “aliado” Pinochet, um militar genocida que garantiu fidelidade à democracia enquanto urdia covardemente uma traição ao seu país e cujas reformas capitalistas ultraliberais até hoje são proclamadas pelos liberais do mundo como exemplares! Recentemente, a revista Forbes dos magnatas e mafiosos do capitalismo seletivo, disse que a Ucrânia (dos neonazistas e golpistas de KIEV) "precisa de um Pinochet para resolver a crise"! Percebam com quem existem semelhanças até hoje!!

8) SOLUÇÃO FINAL E PRÁTICAS CAPITALISTAS – Sobre a ideia de “soluções finais”, além dos exemplos práticos e históricos que já dei, vou citar apenas mais dois que são emblemáticos: no início do século XX Churchill ainda era um político conservador medíocre e desconhecido e a Grã Bretanha era dona de metade do Oriente Médio. Naquele momento, algumas tribos da região se rebelaram contra o domínio opressivo neo colonial britânico, algo natural e até recomendado por outro britânico de renome, John Locke. Foi então que Churchill teve uma ideia brilhante e definitiva: jogar gás venenos “naquelas tribos incivilizadas”! Outro exemplo: era abril de 1945 e a guerra já estava decidida a favor dos aliados (e todo mundo na época, conforme Anna L. Strong, e até os EUA reconheciam o protagonismo da URSS com seus tanques avançados e suas históricas táticas de terra arrasada), mas os pacíficos, civilizados e nada violentos norte-americanos, simplesmente fazendo uma demonstração de força contra a URSS que resultou na morte de 240 mil pessoas, jogaram duas bombas atômicas sobre duas cidades japonesas. Claro, mais uma genial “solução de força”, como Hitler faria. Não adiantou porque em 1949 a URSS também construiu a sua e depois outra, a bomba H. O que certo é que a URSS nunca jogou um artefato nuclear sobre nenhum inimigo em 46 anos de guerra fria! Já imaginou se Hitler tivesse uma bomba atômica? Agiria como "sua irmã", a URSS ou como os EUA, seu "inimigo"?

9) HITLER ERA CRISTÃO. DUVIDA? PERGUNTE AO PAPA – Outra mentira descarada sua, Sr. EngLib, é dizer que Hitler era anticristão e um defensor do paganismo. Absurdo. Mas vamos aos fatos históricos: todo mundo sabe que na Alemanha nazista (1933-1945) os únicos perseguidos políticos além dos já conhecidos comunistas socialistas e democratas, por causa de religião foram as Testemunhas de Jeová devido à recusa ao militarismo de Estado alemão, tão caro aos empresários capitalistas na ditadura militar brasileira. Sem falar que historicamente o Papa Pio XII manteve estreitas e insuspeitas relações amigáveis com o nazismo alemão (não adianta as olavetes astrólogas sonharem em reinventar a história em seu catolicismo galinha-verde!). Os registros históricos apontam que o Vaticano colaborou com a fuga de criminosos nazistas para… advinha? EUA, o berço do capitalismo segundo Von Mise e lugar mais antissocialista do planeta até hoje! E que Hitler era bastante católico.

10) BOBAGENS DIREITÓIDES SOBRE ANTISSEMITISMO – Sobre as bobagens sobre Israel não deveria nem responde porque é de uma baixeza típica dos fascistas capitalistas mistificadores da verdade. Apenas vou lhe dizer que não aceitamos as práticas genocidas do estado de Israel contra os palestinos porque entendemos o quanto os judeus sofreram nas mãos dos nazistas exatamente acusados de ser um “povo sem pátria e de ratos que sabotavam o país”. Israel faz o mesmo hoje com os palestinos. Além disso, não esquecemos nem dos atentados árabes nem do massacre feito por Ariel Sharon de Shatilla em 1982 . Um povo com um histórico desses tem o dever de não oprimir ninguém. Mas….

Continua…

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h35 comentou:

    Traduzindo (2)?

    Isso parece discurso politico.

Francisco Ara em 29/05/2014 - 00h07 comentou:

O nazismo negava vários aspectos do capitalismo e ao mesmo tempo combatia, na base da porrada, os ideias e os movimentos socialistas. Na verdade, o nazismo se apresentava como uma "terceira via". No entanto, na hora em que partiu para a tomada pragmática do poder ele contou mesmo foi com os capitalistas que continuaram lucrando com o nazismo no poder e ainda se livraram do comunismo. Resumindo: na teoria o nazismo tinha uma visão crítica do capitalismo, mas na prática teve no capitalismo seu grande aliado e no socialismo um dos seus primeiros inimigos. Depois disso, dá para dizer que o nazismo era/é de esquerda?

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h40 comentou:

    A maioria dos judeus sao de direita. E a direita americana apoia o estado de Israel.

    Então os judeus são nazistas? Se for usar esse raciocinio nao vai chegar em lugar nenhum.

    Tem racista de esquerda e de direita.

    Hitler era racista pq era racista e ponto.

    Pessoal aqui mistura alho com bugalho. Não sabe separar as coisas.

Mbmr em 29/05/2014 - 08h17 comentou:

Governos totalitários se equivalem, seja lá qual for o nome que quiser dar a eles.

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h41 comentou:

    E seja qual for o lado: esquerda, direita, pra cima ou pra baixo.

Ralph de Souza Filho em 29/05/2014 - 14h24 comentou:

Querida e suave, até mesmo quando bate nos reaças, que a perturbam incessantemente. Seu artigo é primoroso, em correção e estilo, porém falta um personagem fundamental e atuante, em verdade umTycoon, denominado HENRY FORD, que foi prestimoso e generoso na colaboração financeira. Mas, mudando de pau para cavaco, estava a folhear a Carta Capital, edição 801, portanto a atual, cuja capa remete-nos à vozerio e gritaria, a guerra eleitoral, dentro da rede social, quando, me deparei com seu artigo, instigante, como tudo, que envolve Snowden, Greenwald e Julian Assange. Permita-me, e sei que voçe compreenderá, com candura, a observação de que podemos corrigir a verdadeira Nacionalidade de Assange, que é Australiano e, não, sueco, como dito no texto. Saudações cordialíssimas, a esta baiana radicada em Brasília, do Planta do Deserto, a quem, basta, tão somente, o orvalho do alvorecer…

Responder

Décio em 29/05/2014 - 18h28 comentou:

E hoje em dia, vejam só, a Fundação Ford, a Fundação Rockfeller e outras financiam ongs e partidos de esquerda. Aí os "socialistas" não falam nada.

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h44 comentou:

    Ai eles ficam de bico fechado.

Julio Cesar Santos em 30/05/2014 - 06h30 comentou:

Atualmente estou vendo aqui no Blog algumas pessoas opinando sobre história e fazendo seus discursos aqui abertamente… Mas por um momento, realmente alguém aqui acredita que a Alemanha de Hitler era esquerdista???? Poxa gente, sinceramente estamos vivendo um momento mal para a análise histórica.
Como diria um grande historiador Marc Bloch “ O dever do historiador não é julgar, mas sim compreender”
Então vamos compreender as falas primeiramente de “Englib” uma pessoa que não conheço mas que alega fielmente que Hitler nos dias de hoje seria esquerdista… Bom, vamos lá.

Parte 1 de 3
01.(Anti-Tabagismo)
Cara… Você me dizer que esta medida é esquerdista eu até que acreditaria em Você, mesmo porque foi só está a sua fala, mais nada para compreender o porquê, então vamos a analise:
A Alemanha e a França eram países bastante avançados no combate ao tabagismo, mesmo porque este era um problema de saúde pública, e como todos sabemos o governo não está pensando na sua saúde tecnicamente, mas sim no custo que vc dará ao futuro e o Nazismo pregava que um homem alemão ariano, superior a todos os outros não deveria possuir vícios e dizia que o fumo e o álcool eram considerados como “venenos genéticos” que levavam à degeneração do povo alemão, já que afetavam a fertilidade e podiam causar danos nos cromossomos. Bom foi por isso que o Tabaco foi combatido na Alemanha nazista para não destruir a raça pura.

02. O partido nazista foi o primeiro partido no mundo ocidental a incluir nas suas diretrizes partidárias os direitos dos animais.

Ok…Entendi, então a direita é favor de surrar e espancar animais… Legal, belo jeito de falar bem da esquerda e ferrar com sua ideologia política. Pois se você diz que isso é um política esquerdista, creio que alguns aqui até se sentiram elogiados. Ok mas veja como esta teoria é meio infundada, se defende os animais, mas se aprisiona, tortura, leva seres humanos de suas casas para campos de trabalho forçado e ainda mais, criam justificativas cientificas para isso. Bom a lei de proteção aos animais dos nazistas, logo após sua chagada ao poder em 1933, mostrava que suas preocupações não só tinham relação com pessoas, mas com os animais nativos da Alemanha. Em 1934, uma lei de caça nacional foi passada para regular o modo como muitos animais poderiam ser mortos por ano, e para estabelecer "as temporadas de caça" adequadas. Essas leis de caça já foram aplicados na maioria dos países ocidentais. Então, novamente, percebemos um nacionalismo exacerbado, aonde até o animal do território alemão era sagrado, o resto era resto, característica da extrema direita está não.

03. (Cristofobia. Hitler odiava o cristianismo. Em seu lugar, ele queria o retorno a um paganismo germânico idealizado).

Cara por favor, vários Nazistas, mas vários mesmo, muitos… Foram protegidos por instituições católicas após o final da segunda guerra Mundial, o Fascismo de Mussolini fez o Tratado de Latrão em 1929 juntamente com o Cardeal Pietro Gasparri, reconhecendo que o Vaticano era um Estado soberano, neutro e inviolável, pelas lei italianas, e seu poder político estava sob a autoridade do papal. Meu amigo, depois disso, o Fascismo e o Nazismo foram vistos como os salvadores do universo, mesmo porque estavam lutando contra uma esquerda, que queria destruir a igreja visando desmantelar a organização que estes acreditavam ser um dos principais males da humanidade, pois os diferenciava e apenas pregava a aceitação de sua condição social.
Você pode até dizer que Hitler odiava o cristianismo, mas odiava ainda mais suas ideias igualitárias da humanidade, como todos sabem o cristianismo foi uma das causas do declínio do Império Romano, pois se todos são iguais, ricos e pobres terão o mesmo julgamento, gentios e não gentios, nenhum homem tem privilégios aos olhos de Deus, ninguém deve ser escravo de ninguém, etc etc etc . Os testemunhas de Jeová, também foram perseguidos por Hitler, talvez você vai alegar isso, mas esquece, o motivo claro pelo qual eles eram perseguidos está na base de que não juravam bandeiras, não adoravam a símbolos e etc. Estas práticas são comuns até mesmo hoje obviamente. Para os Cristãos na realidade, o povo de Israel, os Hebreus, mesmo após tudo, é um povo considerado protegido por Deus, e isso Hitler nunca admitiria em sua Alemanha.

Responder

    @Centralista1 em 16/07/2014 - 23h53 comentou:

    Seguinte:

    Hitler misturava um bando de crença de origem pagã (tem varias historias de nazistas usarem pendulos) + cristã + darwinismo social (q é uma visao deturpada do Darwinismo).

    E ele fazia mistura de esquerda e direita em algumas coisas. Pois na Alemanha nao tinha liberalismo nenhum. Liberalismo (que vem de liberdade) só há na democracia, coisa q nao tinha no regime nazista.

    Olha isso:
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Misticismo_nazi

Julio Cesar Santos. em 30/05/2014 - 07h50 comentou:

Parte 2 de 3

04. (Política de controle das armas e fogo)
Resposta:
Mais uma vez, não está querendo compreender o porquê foi instalada essas Leis… Nossa cara, vc joga aqui como se os caras quisessem salvar a Humanidade, mas essas leis foram para fazer totalmente o contrário… Meu amigo, veja só, se você desarma uma população inteira, e uma nação inteira, ela não vai poder fazer uma resistência armada contra vc, correto… Acertou em cheio!
“O Presidente da Polícia de Berlim, Conde Wolf Heinrich von Helldorf, anunciou que como resultado de uma atividade policial nas últimas semanas toda a população judia de Berlim havia sido 'desarmada' com a confiscação de 2,569 armas curtas, 1,702 armas de fogo e 20,000 cartuchos de munição. Quaisquer judeus ainda achados de posse de armas sem licenças (claro que nenhum possuía licença) válidas são ameaçados com a mais severa punição”
Quando os Nazistas invadiram a Holanda, Noruega, Polônia tmb colocaram essa Lei, e quem não entregasse as armas e elas fossem encontradas na sua casa você receberia a pena de morte… Veja só que política esquerdista legal… Muito boa não é mesmo??? Para vc ter uma ideia Hitler proibiu as armas de fogo em territórios ocupados como na França impedindo a resistência francesa de atuar e até mesmo impedindo que armas fossem contrabandeadas em território Francês… É essa a lei que vc acredita ser esquerdista???

Para quem quiser saber mais, indico estes sites que comprovam o que estou dizendo: http://www.mvb.org.br/campanhas/desarmamentonazis

05. (Políticas abortistas)
Resposta:
O segundo país a legalizar, mesmo porque o primeiro foi a União Soviética, foi a Alemanha Nazista em 1935. Através da “Lei Para Prevenção de Doenças Hereditárias Para a Posteridade“, permitia a interrupção da gravidez de mulheres consideradas de “má-hereditariedade” (ou seja, “não-arianas” ou portadoras de deficiência física ou mental), Nesta mesmas “políticas abortistas” que foram colocadas no site, me parece que apenas falando isso mostra que Hitler era um ideário de política, mas enganam-se, tudo tinha um fundo político e um motivo obvio e claro, excluir literalmente esta população que gerava problemas econômicos. Posteriormente o programa de aborto nazista foi ampliado e acabou se transformando em um programa de “eutanásia de crianças” (o que foi o sexto tópico) em larga escala, chegando a um ponto onde até mesmo crianças arianas sem defeitos físicos eram mortas apenas por razões sociais. A morte era assistida por médicos pediatras e psiquiatras.
Com o tempo, a idade das crianças mortas ia ampliando e muito, tanto que no final do programa até mesmo crianças arianas eram mortas por razões banais como orelhas deformadas, talvez até mesmo por machucados ou até mesmo por urinarem na cama e nos piores casos por serem consideradas difíceis de educar. Muito bem, este tipo de aborto e de morte generalizada da população não era feito para dar liberdade a mulher, ou com fins de proteção a mãe, mas sim a favor de purificar a raça ariana… O Estados Unidos faziam a mesma coisa, isso é a Eugenia… Assim como no Brasil esta ideia também possuía muitos seguidores.

Responder

Julio Cesar Santos. em 30/05/2014 - 07h52 comentou:

Parte 2 de 3 [continuação]
06. (Eutanásia)
Resposta:

Em outubro de 1939, a Alemanha Nazista implantou a "Aktion T 4", que era um programa de eliminação de recém-nascidos e crianças pequenas, até 3 anos, que tinham uma "vida que não merecia ser vivida". Os médicos e parteiras tinham o dever de notificar a autoridade sanitária de casos de retardo mental, deformidades físicas e outras condições limitantes. Uma junta médica de três profissionais examinava cada caso e a eliminação somente era realizada quando houvesse unanimidade, o que era quase sempre, ou você acredita que uma criança ariana, pura, loira, de olhos azuis que não andava era considerada alemã??? A desculpa seria que esta criança estava deformada geneticamente por outra raça e por isso deveria ser morta para que seu sofrimento acabasse.
A tecnologia de extermínio desenvolvida neste Programa foi utilizada nos campos de concentração para a eliminação em massa, não mais de doentes, mas com finalidade de "purificação racial". Meu caro, você dizer que hoje os esquerdistas defendem isso, uma eutanásia disfarçada de Genocídio é algo irreal.
A designação Eutanásia para esse tipo de procedimento era totalmente equivocada, pois não havia o interesse de diminuir o sofrimento de uma pessoa capaz e informada de sua condição de saúde, na verdade esta pessoa já era pré-julgada antes mesmo de ser avaliada.
O programa “Aktion T4” esteve ativo entre os anos de 1939 e 1941 pouquíssimo tempo não é mesmo, até mesmo a população alemã discordou deste método. Os números declarados pelos próprios médicos envolvidos com o programa apontam para mais de 70 mil mortes. Porém durante o Tribunal de Nuremberg investigou a ação desses médicos e concluíram que o programa continuou de forma oculta. Em função disso, estipula-se que 275 mil pessoas foram mortas pelo programa.

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h04 comentou:

    Sabia q tem tribos indigenas me q qdo uma criança nasce deficiente os pais matariam elas pra poupar elas de uma vida de sofrimento?

    Acha q isso é criação ou é exclusividade do nazismo?

Morre Diabo em 30/05/2014 - 13h47 comentou:

Francamente, "destros" e "canhotos", vocês são muito chatos! Ao invés de viver esse romance platônico com tais ideologias, vocês deveriam se preocupar em melhorar a vida da população, através de análises frias acerca do que realmente pode ser considerado como "FATO". Essa briguinha para ver quem é "mais santo", só nos leva a extremismos ideológicos e, portanto, prestam enorme desserviço à população e, principalmente, nos emburrece cada dia mais. Esquerda com seu complexo de vira-latas, sempre se explicando. Direita com o dedo em riste, sempre demonstrando superioridade. Esquerda preguiçosa e Direita meritocrata. Por isso, tendo mais à Direita!

Responder

Meno em 01/06/2014 - 17h10 comentou:

Contra o tabagismo por que? Porque é um habito indígena?
Qual o seu papel dentro de uma sociedade ariana?

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h14 comentou:

    A favor do tabagismo pq? Pq é um habito de consumo q gera cancer?
    Qual seu papel dentro de uma sociedade sadia?

Alisson Gomes em 01/06/2014 - 18h35 comentou:

Cynara, este mentira de que o Partido Nazista era na verdade Socialista começou a ser espalhada por conta do documentário The Soviet History (2008). http://www.youtube.com/watch?v=9CkdYmHgjUE

Responder

Robert Moog em 03/06/2014 - 14h53 comentou:

Começa o texto falando sobre o fornecimento de Zyklon por uma empresa privada… Se isso não é sinal de texto tendencioso, eu não sei o que é… Se a IG Farben não fornecesse a substância, então não existiria nazismo…?? O holocausto só foi possível por causa dos químicos da IG Farben…?? É o que dá a parecer nesse texto…. Ou pior, se o Zyklon fosse fornecido por uma agência estatal e não por uma empresa privada então o holocausto seria menos pior por não ser apoiado por uma empresa capitalista…?? Ou então quis mostrar que apenas os capitalistas são capazes de uma aberração como o nazismo… Nesse caso, estude um pouco mais de União Soviética e suas ditaduras… Me poupe… Exaltar seu viés socialista é uma coisa…. Mas destilar falta de noção é outra… E chamar quem não compartilha da sua visão cerebralmente lavada de "jovens sem leitura, desconhecedores da história" é golpe baixo e já bem manjado….

Responder

@caoandaluz em 04/06/2014 - 04h40 comentou:

E o pacto Ribbentrop-Molotov pra dividir a Polônia entre os best friends da época, Hitler e Stalin?
Esqueceu de falar dele não?
Tenha vergonha de contar tanta mentira.
E é óbvio que guerra só se faz com (muito) dinheiro. E dinheiro só se faz com capitalismo, obviamente.

Responder

Leandro em 04/06/2014 - 12h07 comentou:

Não adianta… O pessoal faz uma leitura por alto daqueles folhetins da série "História Politicamente incorreta" e julgam-se historiadores.
Descontextualizar ideias e eventos para contra-argumentar é lamentável.
Hitler de esquerda é de doer. Mas o problema é que a maioria nem sabe o que é esquerda ou direita, capitalismo, socialismo ou comunismo…

Responder

gui em 05/06/2014 - 17h44 comentou:

capitalismo e nazismo sempre andaram de mãos dadas.

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h27 comentou:

    E Socialismo e Ditadura sempre andam de mãos dadas. Já q nunca houve um país comunista democratico até onde se sabe. Cita um se puder.

    Me explica pq muitos judeus são os q mais se beneficiam do capitalismo? Judeus comunistas sao poucos.

    Então quem é capitalista é necessariamente nazista?

    Vc nao tem argumento com base firme.

    morenasol em 17/07/2014 - 20h54 comentou:

    na verdade, sempre houve muitos judeus comunistas. trotski era judeu. marx idem. fidel castro também tem família judia. aqui uma lista de comunistas judeus
    http://en.metapedia.org/wiki/List_of_communist_Je

    e aqui um texto de albert einstein defendendo o socialismo:
    http://www.marxists.org/portugues/einstein/1949/0

    acho que você tem algum preconceito para dizer que judeus "são os que mais se beneficiam do capitalismo", não?

eagle em 09/06/2014 - 00h37 comentou:

muitas manipulações nesse texto. Os Nazistas eram socialistas sim tem até uma publicação de quando foi criado o partido nacional socialista dos trabalhadores em que o ministro da propaganda nazista diz que lênin era o mais ilustre dos homens atrás apenas de hitler e a diferença entre o comunismo e a fé de hitler era muito pequena, até as propagandas nazistas eram bastante semelhantes com as comunistas porém o comunismo não era bem visto pelo povo alemão e eles evitaram se comparar e falar bem dos comunistas para ganhar popularidade . Hitler tirou muita coisa de marx também e digo mais o genocídio de judeus teve seu principio em karl marx e engels, tem várias publicações de marx e engels que deixa claro que eles eram racistas e defendiam o genocídio de raças além do de classes. Na questão judaica marx escreve que o Deus do judeu é o dinheiro e a religião o mercenarismo o que automaticamente coloca todos os judeus como inimigos do marxismo. E o que deu início a guerra foi um acordo secreto entre os nazistas e os comunistas que invadiram a polônia juntos e a URSS invadiu a finlândia sem motivo algum com o apoio da alemanha porque eles queriam dominar a europa toda, por fim ainda bem que acabaram se matando entre si hitler provavelmente sabia que stalin queria o mesmo que ele e resolveu quebrar o acordo antes, o lado ruim é que quando a situação apertou a URSS pulou para o lado dos aliados (lado dos vencedores) e até hoje os comunistas se aproveitam disso para manipularem os fatos e se passarem por santinhos.

Responder

Marcos Paulo Schlickmann em 19/06/2014 - 16h28 comentou:

Visto que o nazismo foi financiado por empresas, como a autora afirma, podemos então concluir que o PT é capitalista? Pois é também financiado por empresas?
Obrigado

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h29 comentou:

    Oh cara essa foi na mosca!

valmir antunes em 22/06/2014 - 14h30 comentou:

na minha eterna ignorancia concluo que se resume esta luta do bem contra o mal..as ideologias dos homens se degladiam mostrando-nos nosso momentos de procura nessa incertezas que acredito benigna no objetivo de alcançarmos a plenitude do entendimento mundial ..não há outro jeito senão atravez de confrontos…em verdade se não haver as diferenças não haverá progresso em todos os níveis da raça humana….

Responder

    @Centralista1 em 17/07/2014 - 00h32 comentou:

    Bem e mal sao relativos. Comunista pode se ver como bem e os capitalistas como maus e vice-versa.

    Agora humanidade vai encontrar solução do problemas dela ai ja é outra estoria. A tendencia do ser humano é confronto mesmo. Sempre alguem vai caçar um inimigo imaginario e pôr nele as culpas do proprio fracasso. Ex: Os EUA sao culpado de tudo segundo uns aqui.

Marcelo em 24/06/2014 - 18h36 comentou:

Com a palavra, Aldolf Hitler:
“Nós somos socialistas, nós somos inimigos do sistema econômico capitalista atual de exploração dos economicamente fracos, com seus salários injustos, com sua ultrajante avaliação de um ser humano de acordo com sua riqueza e propriedade ao invés de responsabilidade e comportamento, e nós estamos determinados a destruir esse sistema, custe o que custar”
Fonte: discurso proferido em 1º de maio de 1927, nas comemorações do Dia do Trabalho, conforme mencionado em “Adolf Hitler: The Definitive Briography (1976), de John Toland.

Responder

Lúcio Sátiro em 29/06/2014 - 21h22 comentou:

kkkk fico pensando aqui na farra dos submarinos da Kriegsmarine contra os imensos comboios aliados cheinhos de material bélico, que custavam caro, comboios esses formados por centenas de navios que, da parte aliada e capitalista, financiaram durante a guerra, a combalida União
Soviética. Também fico pensando aqui na intervenção econômica de Lenin no início dos anos 20, onde parece que ele teve um milésimo de lucidez e permitiu certo nível de capitalismo entre as pessoas. Esquerdista é engraçado mesmo. Não sabe o que é capitalismo, não tem a ais vaga ideia do que é natureza humana, não tem argumentos para refutar por exemplo Ludwig Von Mises, Alan Hayek e caras como Milton Friedman , aí vem com mimimi de Hitler ser de Direita, como se jogar o nazismo no colo da direita fosse diminuir 100 milhões de mortos que o maldito socialismo provocou. Agora sob outro "estratagema": dizer que o socialismo foi vítima de Stalin.

Responder

Luci Sátiro em 29/06/2014 - 21h23 comentou:

Marx foi deturpado?
"O socialismo não existiu" ou "deturparam Marx"
Os marxistas atuais, depois do marxismo ter matado milhões de pessoas, depois da queda do Muro da Vergonha de Berlim, depois do desmoronamento da falida URSS, depois de 50 anos de ditadura socialista em Cuba, depois do fracasso mundial do marxismo, inventaram mentiras para dizer aos alunos nas escolas e nas universidades, dizem eles – “não existiu socialismo”, “deturparam Marx”, “não eram socialistas”, “fizeram errado”, "foi culpa de Stalin", e outras mentiras descaradas.
Pois bem, vejamos então quais foram as ordens de Marx escritas no Manifesto Comunista de 1848 e comparemos com o que foi feito pelos seus seguidores!

Trechos do Manifesto Comunista:
“Parte 1”
“Os proletários nada têm de seu a salvaguardar; sua missão é destruir todas as garantias e segurança da propriedade privada até aqui existentes.”

Seus seguidores fizeram isso!
Acabaram com a propriedade privada.

“A luta do proletariado contra a burguesia embora não seja na essência uma luta nacional, reveste-se contudo dessa forma nos primeiros tempos. E natural que o proletariado de cada pais deva, antes de tudo, liquidar sua própria burguesia.”

Importante essa fala de Marx!
Desmente uma das alegações de marxistas atuais!
Marx – não diz – que para o marxismo dar certo tem que ser implantado no mundo todo ao mesmo tempo … ele diz que “nos primeiros tempos” os proletários de cada país farão sua revolução!
Ele diz que os proletários de cada país terão que – liquidar – a sua própria burguesia.
Foi o que aconteceu no século passado!
Os marxistas liquidaram (mataram) milhões de pessoas em seus respectivos países.

"Esboçando em linhas gerais as fases do desenvolvimento proletário, descrevemos a história da guerra civil, mais ou menos oculta, que lavra na sociedade atual, até a hora em que essa guerra explode numa revolução aberta e o proletariado estabelece sua dominação pela derrubada violenta da burguesia.”

Está ai Marx dizendo que – a guerra civil será violenta!
Quando seus seguidores mataram milhões de pessoas dentro de seus próprios países (guerra civil) estavam – seguindo estas ordens de Marx.
“A burguesia produz, sobretudo, seus próprios coveiros. Sua queda e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis.”

Previsão equivocada, quem foi seu próprio coveiro foi o marxismo, na Rússia o marxismo matou milhões de russos e desmoronou falido como uma árvore podre sobre si mesmo.

“Parte 2”
“Os comunistas”
“2) Nas diferentes fases por que passa a luta entre proletários e burgueses, (os comunistas) representam, sempre e em toda parte, os interesses do movimento em seu conjunto.
Praticamente, os comunistas constituem, pois, a fração mais resoluta dos partidos operários de cada pais, a fração que impulsiona as demais; teoricamente têm sobre o resto do proletariado a vantagem de uma compreensão nítida das condições, da marcha e dos resultados gerais do movimento proletário.”

Está ai Marx a dizer que os comunistas são os “condutores teóricos”, eles é que detém a “compreensão nítida” para conduzir os demais…

Essa liderança dos comunistas sobre os demais apregoada por Marx – existiu!
E como foi praticada?
Foi praticada através dos Partidos Comunistas, por exemplo na Polônia marxista, apenas um único partido existiu, o Partido Comunista Polonês, a nação não precisava de mais nada … apenas estes "seres intelectuais" que tinham "uma compreensão nítida" dos acontecimentos é que tinham a atribuição de "conduzir" os proletários … que deveriam apenas obedecer.

Essa era a "democracia" socialista estipulada por Marx, apenas uma classe de gente – a mais despótica, soberba e estúpida que já existiu na humanidade, os comunistas – tinham capacidade para pensar e mandar.

E foi isso – exatamente – que aconteceu em todos os países onde o marxismo foi implantado, e sabemos as atrocidades e crimes que estes alucinados cometeram em seus respectivos países!

“Neste sentido, os comunistas podem resumir sua teoria nesta fórmula única: a abolição da propriedade privada.”

Eis ai o "resumo" do que os comunistas deveriam fazer decretado por Marx!
Marx disse essa tolice em várias oportunidades!
A doença espiritual que conduziu Marx por toda a vida e deu origem a sua doutrina cega, foi a existência da propriedade privada !
Toda a "teoria" marxista – SE RESUME NESTA FÓRMULA ÚNICA – abolir a propriedade privada!

Responder

Lúcio Sátiro em 29/06/2014 - 21h24 comentou:

Para Marx, tal providência resolveria todos os problemas da humanidade!
E como não era uma coisa difícil de fazer com o poder ditatorial nas mãos … seus cegos seguidores fizeram isso sem nenhum problema.
Então, a base, a "fórmula única" do marxismo – os comunistas fizeram em todos os países em que tomaram o poder – aboliram a propriedade privada.

Este fato, invalida qualquer desculpa marxista – a "fórmula única" do marxismo comunista, abolir a propriedade privada, foi feita por todos eles!

Os países socialistas a partir dessa providencia divina, deveriam ter passado a viver no melhor dos mundos !
Afinal, o "maldito" burguês capitalista dono de propriedades e explorador de "mais-valia" não mais existia !
Se todos os problemas da humanidade vinham disso … nos países socialistas isso não mais existia, era para eles terem gerado sociedades avançadas onde o povo tivesse tudo de bom.
Como sabemos, isso não aconteceu, pelo contrário, tais países mataram milhões de pessoas, ficaram estagnados na economia, não tinham liberdade e faliram na miséria.
A doutrina marxista é uma mentira grotesca.

“Mas, o trabalho do proletário, o trabalho assalariado cria propriedade para o proletário? De nenhum modo.”

Mentira.
Milhões de assalariados mundo afora se tornaram proprietários de capital e foram grandes empreendedores.
O interior do Estado de São Paulo que em 1900 só tinha fazendas povoadas pelos pobres “caipiras” paulista, hoje em dia possui milhões de empresários bem sucedidos.
A odiosa mentira marxista nasceu com seu “mestre”, mas, foi desmentida pela História.

“O capital não é, pois, uma força pessoal; é uma força social. Assim, quando o capital é transformado em propriedade comum, pertencente a todos os membros da sociedade, não é uma propriedade pessoal que se transforma em propriedade social.”

Errado, não se transformou.
Seus seguidores fizeram exatamente isso que Marx mandou, mas, em vez de acontecer o que Marx disse, aconteceu o oposto – aconteceu a estagnação, a miséria e a falência.

Responder

Lucio Sátiro em 29/06/2014 - 21h25 comentou:

“Na sociedade comunista, o trabalho acumulado é sempre um meio de ampliar, enriquecer e melhorar, cada vez mais a existência dos trabalhadores.”

Mentira.
Nas sociedades marxistas-socialistas-comunistas aconteceu o oposto, empobreceram, pioraram, e o trabalhador ficou cada vez mais pobre.

“Em resumo, acusai-nos de querer abolir vossa propriedade. De fato, é isso que queremos.”

E foi exatamente isso que seus seguidores fizeram!

“Alega-se ainda que, com a abolição da propriedade privada, toda a atividade cessaria, uma inércia geral apoderar-se-ia do mundo. Se isso fosse verdade,”

Profética essa afirmação dos homens de mente livre!
Foi exatamente isso que aconteceu nos países que implantaram o marxismo!
Inércia geral, estagnação e falência econômica.

“Quando os antagonismos de classes, no interior das nações, tiverem desaparecido, desaparecerá a hostilidade entre as próprias nações.”

Mentira.
A URSS e a China marxistas eram inimigos declarados e viviam se agredindo na fronteira sino-soviética.
A URSS invadiu e massacrou os tchecos na “Primavera de Praga”.
A URSS invadiu e massacrou os húngaros quando eles clamaram por liberdade.
O marechal Tito na Iugoslávia (hoje desmembrada em diversas nações) usou de mão de ferro para subjugar todas as demais etnias sob suas botas comunistas.

Responder

ALJ em 29/06/2014 - 22h44 comentou:

Resposta pra "Socialista Morena":
http://meuprofessordehistoriamentiupramim.blogspo

Responder

Vitor Grando em 30/06/2014 - 13h26 comentou:

Como discutir com uma mulher que diz que no socialismo todos podem ter um iPhone?

Responder

Geraldo Gomes em 30/06/2014 - 21h59 comentou:

No aguardo de uma tréplica à suposta refutação que a página Meuprofessordehistórimentiupramimpublicou em resposta ao seu texto.
Tenho certeza que você vai mandar aquele reaça pra casa chorando. http://meuprofessordehistoriamentiupramim.blogspo

Responder

    morenasol em 30/06/2014 - 22h46 comentou:

    eu não leio auto-ajuda

    Geraldo Gomes em 01/07/2014 - 21h15 comentou:

    É tudo que tens a comentar? Que a argumentação em resposta ao seu texto é auto-ajuda?

Jon em 30/06/2014 - 22h33 comentou:

Stalin que por sinal tinha um tratado com Hitler para dividir a Europa e usava o exercito vermelho para ajudar a Gestapo a mandar Judeus para os campos de concentração. Antes e depois que Hitler foi eleito seu partido ainda possuía a foice e o martelo na bandeira nazista. Hitler precisava de um ponto estratégico para se retirar caso algo desse errado, Stalin proporcionou isso dando um pequena parte de terra da URSS como abrigo político e ainda ofereceu armamento militar a Hitler no começo da Guerra. Mas como você diz que o Partido é de direita e liberal, diga-me, quem invadiu a Polônia mesmo foi EUA e Alemanha, ou Alemanha e URSS?
Quando a URSS percebeu que seu aliado iria perder a guerra, se voltou contra ele, mas como eles conseguiriam percorrer a distancia da URSS até a Alemanha rapidamente ? Não precisaram, usaram os próprios soldados que já estavam ajudando na guerra nazista contra eles mesmos, um pelas costas, mas é de se esperar de quem é socialista(não possuem nenhum tipo de moral mesmo).
Infelizmente o socialismo é visto como a igualdade de todos oque não é verdade, o socialismo se base principalmente em monopólios de mercado(que sempre vai beneficiar somente o governo) e economia planificada(que sempre provoca a a falência de mercado). Grandes empresas conseguem se aliar sistemas de esquerda, mas nunca vão conseguir se aliar a sistema de direita porque estes defendem a não intervenção do governo na economia. Mas claro, você nunca leu um livro de história e nunca leu um palavra de um livro de economia, ainda estou na metade de "O Capital" então não posso criticá-la por não ter lido-o, mas já posso de anti-mão dizer que todas as filosofias Marxistas tem peso 0 entre economistas sérios.

Responder

Bruno_ts em 01/07/2014 - 14h39 comentou:

É inegável que a subversão já atingiu a autora e a grande maioria dos leitores. Mas mesmo assim, vou compartilhar o link (bem antigo, mas ótimo) mostrando como subverter uma nação (e depois como não ser): http://goo.gl/SrYsSo

Responder

Bruno_ts em 01/07/2014 - 15h31 comentou:

É de extrema ingenuidade (ou seria feito apenas para satisfazer alguns leitores metidos a estudiosos?) afirmar e usar como tal que as empresas privadas "apoiadoras" do nazismo é o suficiente para seja automaticamente convertido em um sistema político de direita. Quem puder ler, e estudar um pouco além dos seu querido leninismo e marxismo, livros do ensino médio, verá que essas empresas eram controladas pelo Fuhrer e seus subordinados. Essas empresas produziam o que ele queria, faziam o que ele queria, compravam matéria prima de quem ele quisesse. Tudo que um regime totalitário fazia: controlar "suas" empresas. IBM? hahaha Não fez nada além de vender produtos como faz com qualquer outro país. Livre comercio? Sim! Se os produtos da IBM eram melhores e talvez com preço melhor, pq comprar de outra empresa? E como fica a União Soviética? Se não fosse pelos EUA (apoiaram financeiramente, com comida, muita comida, munição, muito combustível, vários veículos de transporte e militar – leia mais no livro de Anthony C. Sutton: "Wall Street and the Bolshevik Revolution: The Remarkable True Story of the American Capitalists Who Financed the Russian Communists" – tem também um documentário do History, mas não lembro o nome), o seu querido socialismo estaria enterrado a muitos anos e não teria havido guerra fia, cuba não venderia suas canas de açoca superfaturadas e não comprariam combustível abaixo do preço da URSS (e seus países subvertidos).

Abraços, "camarada".

Responder

Ronaldo em 02/07/2014 - 02h25 comentou:

Matou as aulas de história? Tem coisa aí nada a ver. Google não é fonte também, até seu texto achei no Google, cheio de inverdades históricas. Quer apoiar sua ideologia faça com com fatos.

Responder

diogo em 25/08/2014 - 12h18 comentou:

Socialismo nunca deu certo e nunca vai dar! Porque algumas pessoas insistem nessa droga!

Responder

@catuireal em 26/08/2014 - 03h24 comentou:

"Este é um blog de ideias e noticias com viés esquerdista", diz a autora sobre o seu blog "SOCIALISTA Morena". Aí ela começa a argumentação ridicularizando os que levam o "socialismo" no nome do partido nazista, no PSB, etc, a sério. Como explicar? 1) A autora não se leva a sério e assim está implicitamente ridicularizando toda a esquerda que leva a sério o que ela escreve; 2) Ela na verdade é coerente, mas não é a autora do texto e essa incoerência foi um lapso editorial; 3) A incoerência faz parte do "esquerdismo way of life" e aplicar uma "lógica" para o ataque e outra para a defesa é parte intrínseca do pensamento relativista esquerdista, que admite a existência de uma verdade objetiva, mas se contenta em construir discursos persuasivos para desmoralizar a oposição, ainda que isso contradiga frontalmente posições previamente assumidas – como parece ser o caso.

Responder

flaliman em 15/09/2014 - 20h44 comentou:

Com a palavra, Aldolf Hitler:
“Nós somos socialistas, nós somos inimigos do sistema econômico capitalista atual de exploração dos economicamente fracos, com seus salários injustos, com sua ultrajante avaliação de um ser humano de acordo com sua riqueza e propriedade ao invés de responsabilidade e comportamento, e nós estamos determinados a destruir esse sistema, custe o que custar”
Fonte: discurso proferido em 1º de maio de 1927, nas comemorações do Dia do Trabalho, conforme mencionado em “Adolf Hitler: The Definitive Briography (1976), de John Toland.

Responder

Antonio Marcos em 07/10/2014 - 20h17 comentou:

O comunismo/socialismo, nada mais é que um pacote de ideias de um produto à ser vendido para pessoas que não estão satisfeitas com o mundo. Assim como a religião promete um mundo de igualdade, fraternidade e liberdade no céu, esta ideologia promete aos seus seguidores uma paraíso na terra. Toda vez que a sua pessoa perguntar para um comunista/socialista sobre os fatos que ocorreram na antiga União Soviética, Camboja, Vietnã , ou que estão ocorrendo em Cuba, Venezuela, Coreia do Norte e na China (Principalmente este último levante em Hong Kong), à resposta do mesmo será "Aquilo não é comunismo/socialismo", encerrando a questão e chamado a sua pessoa de burra e ignorante (Ou colocado frases: Não alimente o Troll). É o modus operandi do um pensamento comunista, (Pode se encontrar pessoas com este tipo de atitude na religião), nunca admitir em hipótese nenhum que seu sistema têm defeito, pois o mesmo foi feito visando o bem de todos, onde quem é contra e sempre colocado como alienado mental, ou como na religião como um adorador do diabo.

O próximo vídeo efetua uma explicação melhor sobre a comparação entre o Comunismo e a Religião:
http://www.youtube.com/watch?v=-LYPDCcb4Ro

O próximo dá uma ideia do paraíso Comunista na Terra:
http://youtu.be/egNdpYnYODM

Responder

Nicolau em 09/10/2014 - 16h06 comentou:

KISSEL MORDEKAY, DITO DE "KARL MARX" E ROTSCHILD SÃO DOIS CAPITALISTAS JUDEUS!

Responder

r2_cwb em 02/11/2014 - 10h08 comentou:

Cadê a autora do texto? Morreu? KKKKK

Responder

aloisio costa em 04/11/2014 - 17h52 comentou:

socialista morena ,agradeço por este blog maravilhoso que tanta alegria me da ,estas brilhantes alucinações burguesas acerca de igualdades sociais é melhor que tomar cerveja alemã , mina que festival de baboseiras esquerdopatas romanticas
,põe na conta ai tambem stalin , mao ,lenin ,pol pot e mais uma porrada de carniceiros ideologicos que tanto mal fez para a humanidade este tipo de seletiva é cruel e irresponsavel
voces reclamam do capitalismo mas não abrem mão dele certo ? internet, tablets,celulares ,boa comida viagens ,bom salarios e claro liberdade para ser e dizer o que quiser
mas como sei que voce é uma pessoa coerente com sua ideologia ,imagino que deva detestar morar no brasil afinal é meio tosco mas ainda é uma democracia com forte queda para o capitalismo , cuba seria perfeita , ou quem sabe a china ,não talvez seria melhor a russia de putin
enfim toda esta turma que voce citou e muitos que seletivamente voce deixou de fora , assim como estas empresas tipo bayer ,ibm tem os seus pecados que padre nenhum consegue amenizar
minha sugestão é cuba.

Responder

davi em 11/11/2014 - 05h30 comentou:

Lei Maria da Penha gente, parem de bater na moça! kkkk

Responder

Roberto em 02/04/2015 - 01h22 comentou:

Ficar citando o livro do cara é interessante, mas não é suficiente. Tem de ver o que ele fez na prática. E na prática ele fez um discurso para a alta burguesia alemã em 1932 em Dusseldorf dizendo que lamberia o cu de cada ricaço germânico se esses o apoiassem. Também lambeu o cu do papa para que esse apoiasse sua lei de exceção, a qual deu início ao regime ditatorial. Ainda por cima foi financiado por Fritz Thyssen, o dono da empresa que hoej chama-se Thyssen Krupp

Responder

Antônio em 14/08/2017 - 16h52 comentou:

Vejo aqui a Direita a todo custo querendo tirar o corpo fora de que o Totalitarismo de Hitler estava mais para o liberalismo. Os seus desejos nefastos, como o extermínio dos Judeus, tinha também a obsessão pelo extermínio dos comunistas, visto que a conquista da União Soviética, era o caminho mais fácil para o seu intento de dominar a Europa e o Mundo, visto que, via Inglaterra, estava cada vez mais difícil. Hitler abominava o altruísmo e a igualdade, cultivava o egoísmo e consequentemente o individualismo, características essas sine qua non para o liberalismo de ontem e de hoje, conforme dizia John locke principal criador do Liberalismo.
O Fuhrer, pregava também para os seus Suditos, um caráter Sadomasoquista no qual ele dizia que o seu povo tinha que ser submisso ao onipotente e odiar os impotentes, características presentes na direita brasileira no Brasil e no mundo. Hitler não suportava qualquer tipo de igualdade, então como podemos não atribuir as suas idéias sendo exclusivamente de direita?

Responder

Kleiner Michiles em 14/08/2017 - 17h25 comentou:

Valeu Cynara o artigo está hiper porreta! Você como sempre postando coisas de extrema importância para consolidar os valores democráticos e trazer um pouco de luz sobre essas mentes entorpecidas dessa juventude que não lê,mas quer emitir opinião com base no palavriado oco das redes sociais e da mídia golpista. Esse assunto é muito importante, creio que você prestou um grande serviço a causa dos valores socialistas e democráticos que tanto precisamos reergue-los, nesse momento tão moralmente catastrófico que o nosso país em especial está atravessando. Um abraço valeu mesmo.

Responder

HEDUAN PINHEIRO em 15/08/2017 - 15h03 comentou:

Nossa, quanta mentira. Além de não entender entender nada do que é o movimento Socialista. Se diz socialisma mas nem sabe o que realmente é.

Comunismo e Nazismo são irmão, não apenas questão histórica, também cultural como na Estrutura de Estado. Estude verdadeiramente a história ao invés de só citar livros se passando de estudiosa. Para te ajudar, você precisará estudar a mitologia nórdica, a origem dos Aryas, a formação dos Feudos, a história da Prússia, o Judaismo, o Cristianismo (especialmente entender a reforma de Lutero), Hegel, Marx…

Ambos tem a mesma origem e o mesmo objetivo, apenas divergiam na metodologia de como implementar o Totalitarismo. É neste ponto que entram as empresas (que você já confunde com capitalismo, santa ignorância!). Enquanto os Soviéticos tomaram as empresas pela revolução sanguinária da luta de classes, os Nazistas preferiram utilizar a interferência estatal COMPLETA na economia e na produção preservando as empresas nas mãos dos cidadão. Porém, isto não configura capitalismo. MUITO longe disso. Capitalismo é em essencial livre mercado, sem interferência alguma do Estado. É a liberdade pura de se relacionar comerciamente, algo típico do Liberalismo da Direita e que não encontra qualquer similaridade com o modelo do III Reich.

Responder

    Cynara Menezes em 15/08/2017 - 15h13 comentou:

    é muito engraçado ver um garoto reacionário inimigo da leitura tentar me ensinar o que é socialismo. o socialismo é anterior ao marxismo, para começo de conversa. mas o que esperar de quem se informa por memes? o post tem FATOS e as falas do próprio hitler contra os comunistas. o resto é papo de gente burra para burro ouvir

luiza alberto corrêa em 15/08/2017 - 19h29 comentou:

Para os bobões que acham que o nazismo era de esquerda primeiro quero dizer quew o primeiro campo de concentração na alemanha dachau foi construido em 1933 para receber comunistas socialistas e sociais democratas, esta bobagem citada aqui não tem fundamento nenhum a não ser na cabeça de direitosos que acham que podem confundir as pessoas a la goebbels abaixo as citações tiradas da mais fidedigna fonte a do proprio hitler e de livro o mein kampf me muita atenção a página 361 onde hitler escreve como enganar o povo para aumentar o partido nazista

Procurei citar os parágrafos e frases importantes para a compreensão da relação (ou falta dela) de Hitler com o marxismo, e, como o autor mesmo fazia, não vai ser difícil observar o evidente antissemitismo associado com o tema. Por incrível que pareça, não estão todas as citações de Hitler sobre o tema em seu livro de 500 e poucas páginas.

O conteúdo é muitas vezes chocante ou contraditório, mas sempre que possível procurei citar o contexto, daí a grande extensão deste texto. Inicialmente começarei com a palavra escrita do próprio autor, retirada de seu livro, o Mein Kampf, na tradução de Klaus Von Puschen, publicada pela editora Centauro em 2001.

Assim, aqui vai:

Página 22: “Nesse tempo, abriram-se-me os olhos para dois perigos que eu mal conhecia pelos nomes e que, de nenhum modo, se me apresentavam nitidamente na sua horrível significação para a existência do povo germânico: marxismo e judaísmo”

Página 43: “Só o conhecimento dos judeus ofereceu-me a chave para a compreensão dos propósitos íntimos e, por isso, reais da social-democracia. Quem conhece este povo vê cair-se-lhe dos olhos o véu que impedia descobrir as concepções falsas sobre a finalidade e o sentido deste partido e, do nevoeiro do palavreado de sua propaganda, de dentes arreganhados, vê aparecer a caricatura do marxismo”

Página 51: No pequeno círculo em que agia, esforçava-me, por todos os meios ao meu alcance, por convencê-los da perniciosidade dos erros do marxismo e pensava atingir esse objetivo, mas o contrário é o que acontecia sempre.”

Página 53:”A doutrina judaica do marxismo repele o princípio aristocrático na natureza. Contra o privilégio eterno do poder e da força do indivíduo levanta o poder das massas e o peso-morto do número. Nega o valor do indivíduo, combate a importância das nacionalidades e das raças, anulando assim na humanidade a razão de sua existência e de sua cultura. Por essa maneira de encarar o universo, conduziria a humanidade a abandonar qualquer noção de ordem. E como nesse grande organismo, só o caos poderia resultar da aplicação desses princípios, a ruína seria o desfecho final para todos os habitantes da terra.

Se o judeu, com o auxílio do seu credo marxista, conquistar as nações do mundo, a sua coroa de vitórias será a coroa mortuária da raça humana e, então, o planeta vazio de homens, mais uma vez, como há milhões de anos, errará pelo éter.”

Página 63: “A democracia do ocidente é a precursora do marxismo, que sem ela seria inconcebível. Ela oferece um terreno propício, no qual consegue desenvolver-se a epidemia. Na sua expressão externa – o parlamentarismo – apareceu como um monstrengo de “lama e de fogo”, no qual, a pesar meu, o fogo parece ter-se consumido depressa demais. ”

Página 116: “Pela segunda vez na minha vida, analisei profundamente essa doutrina de destruição [o marxismo] – desta vez, porém, não mais guiado pelas impressões e efeitos do meu ambiente diário, e sim dirigido pela observação dos acontecimentos gerais da vida política. […]

Comecei a considerar, pela primeira vez, que tentativa deveria ser feita para dominar aquela pestilência mundial. Estudei os móveis, as lutas e os sucessos da legislação especial de Bismarck. Gradualmente o meu estudo me forneceu princípios graníticos para as minhas próprias convicções – tanto que desde então nunca pensei em mudar minhas opiniões pessoais sobre o caso. Fiz também estudo profundo das ligações do marxismo com o judaísmo.

Página 116: “No meu íntimo eu estava descontente com a política externa da Alemanha, o que revelava ao meu pequeno círculo de meus conhecidos, bem como a maneira extremamente leviana, como me parecia, de tratar-se o problema mais importante que havia na Alemanha daquela época – o marxismo. Realmente, eu não podia compreender como se vacilava cegamente ante um perigo cujos efeitos – tendo-se em vista a intenção do marxismo – tinham de ser um dia terríveis.

Página 116: “Nos anos de 1913 e 1914 manifestei a opinião, em vários círculos, que, em parte, hoje estão filiados ao movimento nacional-socialista, de que o problema futuro da nação alemã devia ser o aniquilamento do marxismo”

Página 127: “O marxismo, cuja finalidade última é, e será sempre, a destruição de todas as nacionalidades não judaicas, teve de verificar, com espanto, que nos dias de julho de 1914, os trabalhadores alemães, já por eles conquistados, despertaram e cada dia com mais ardor, se apresentavam ao serviço da pátria.’

[…]

Tinha chegado agora o momento oportuno de proceder contra a traiçoeira camarilha de envenenadores do povo. Dever-se-ia ter agido sumariamente, sem considerações para com as lamentações que provavelmente se desencadeariam. Em agosto de 1914 tinham desaparecido, como por encanto, as idéias ocas de solidariedade internacional e, no lugar delas, já poucas semanas depois, choviam, sobre os capacetes das colunas em marcha, as bênçãos fraternais de bombas americanas. Teria sido dever de um governo cuidadoso exterminar sem piedade os destruidores do nacionalismo, uma vez que os operários alemães se tinham integrado de novo a Pátria.

“Que se deveria fazer? Por os dirigentes do movimento nos cárceres, processá-los e deles livrar a nação. Ter-se-ia de empregar com a máxima energia todos os meios de ação militar, a fim de destruir essa praga. Os partidos teriam de ser dissolvidos, o Reichstag teria de ser chamado à razão pela força convincente das baionetas.”

Página 160: “Foi assim que os dogmas de Gottfried Feder me incitaram a me ocupar de maneira decidida com esses assuntos que eu pouco conhecia. Comecei a aprender e compreender, só agora, o sentido e a finalidade da obra do judeu Karl Marx. Só agora compreendi bem seu livro – “O Capital’ – assim como a luta da social-democracia contra a economia nacional, luta essa que tem em mira preparar o terreno para o domínio da verdadeira alta finança internacional.”

Página 176: “Antes da guerra, a internacionalização dos negócios alemães já estava em andamento, sob o disfarce das sociedades por ações. É verdade que uma parte da indústria alemã fez uma decidida tentativa para evitar o perigo, mas, por fim, foi vencida por uma investida combinada do capitalismo ambicioso, auxiliado pelos seus aliados do movimento marxista.”

Página 181: “Não precisamos dizer nada sobre os mentirosos jornais marxistas. Para eles o mentir é tão necessário como para os gatos miar. Seu único objetivo é quebrar as forças de resistência da nação, preparando-a para a escravidão do capitalismo internacional e dos seus senhores os judeus”

Página 192: O bolchevismo da arte é a única forma cultural possível da exteriorização do marxismo.

Quando essa coisa estranha aparece, a arte dos Estados bolchevizados só pode contar com produtos doentios de loucos ou degenerados, que desde o século passado, conhecemos sob forma de dadaísmo e cubismo, como arte oficialmente reconhecida e admirada.”

Página 236: “O processo aí emprego pelo judeu é o seguinte: aproxima-se do trabalhador, finge compaixão pela sua sorte ou mesmo revolta contra seu destino de miséria e indigência, tudo isso unicamente para angariar confiança. Esforça-se por examinar cada privação real ou imaginária na vida dos operários, despertando o desejo ardente de modificar a sua situação. A aspiração à justiça social, latente em cada ariano, é por ele levada de um modo infinitamente hábil, ao ódio contra os privilégios da sorte; a essa campanha pela debelação de pragas sociais imprime um caráter de universalismo bem definido. Está fundada a doutrina marxista.

[…]

É que, sob esse disfarce de idéias puramente sociais, escondem-se intenções francamente diabólicas. Elas são externadas ao público com uma clareza demasiado petulante. A tal doutrina representa uma mistura de razão e loucura, mas tal forma que só a loucura e nunca o lado razoável consegue se converter em realidade. Pelo desprezo categórico da personalidade, por conseguinte de toda a civilização humana, que depende justamente desses fatores. Eis a verdadeira essência da teoria marxista, se é que pode se dar a esse aborto de um cérebro criminoso a denominação de “doutrina’. ”

Página 237: “De acordo com as finalidades da luta judaica, que não consistem unicamente na conquista econômica do mundo, mas também na dominação política, o judeu divide a organização do combate marxista em duas partes, que parecem separadas mas, em verdade, constituem um único bloco: o movimento dos políticos e dos sindicatos.”

Página 243: “Mesmo as eleições de representantes ao “Reichstag” anunciavam, com o seu acréscimo patente de votos marxistas, o desmoronamento interno cada vez mais próximo e a todos manifesto. Todos os sucessos dos denominados partidos políticos não tinham mais valor, não só por não poderem fazer parar a ascensão da onda marxista, mesmo nas chamadas vitórias eleitorais burguesas, como também pelo fato de já trazerem dentro de si os fermentos da decomposição. Inconscientemente, o mundo burguês já se achava contaminado pelo veneno mortal do marxismo”.

Página 287: “E se uma parte do marxismo, por vezes, tenta, com muita prudência, aparentar indissolúvel união com os princípios democráticos, convém não esquecer, que esses senhores, nas horas críticas, não deram a menor importância a uma decisão por maioria, à maneira democrática ocidental. Isso foi quando os parlamentares burgueses viam a segurança do Reich garantida pela monumental parvoíce de uma grande maioria, enquanto o marxismo com uma multidão de vagabundos, desertores, pulhas partidários e literatos judeus, em pouco tempo, arrebatava o poder para si, aplicando, assim, ruidosa bofetada à democracia. Por isso, só ao espírito crédulo dos magros parlamentares da burguesia democrática cabe supor que, agora ou no futuro, os interessados pela universal peste marxistíca e seus defensores possam ser banidos com as fórmulas de exorcismo do parlamentarismo ocidental”.

Página 288: “Mas, numa época em que uma parte, aparelhada com todas as armas de uma nova doutrina [o marxismo], embora mil vezes criminosa, se prepara para o ataque a uma ordem existente, a outra parte só pode resistir-lhe sempre se adotar fórmulas de uma nova fé política; em nosso caso, se trocar a senha de uma defesa fraca e covarde pelo grito de guerra de um ataque animoso e brutal.”

Página 291: “À nossa concepção política usual repousa geralmente sobre a idéia de que ao Estado, em si, se pode atribuir força criadora e cultural, mas que ele nada tem a ver com a questão racial; e que ele é, antes de mais nada, um produto das necessidades econômicas ou, no melhor dos casos, o resultante natural da competição política pelo poder. Essa concepção fundamental, em seu lógico e consequente desenvolvimento progressivo, leva não só ao desconhecimento das forças primordiais da raça como à desvalorização do indivíduo. Porque a negação da diferença entre as raças viria a ser o fundamento de um semelhante modo de ver a relação aos povos e depois em relação aos homens individualmente. A aceitação da identidade das raças viria a ser o fundamento de um semelhante modo de ver em relação aos povos e depois em relação aos homens individualmente. Por isso, o marxismo internacional é simplesmente a versão aceita pelo judeu Karl Marx de idéias e conceitos já há muito existentes de fato sob a forma de aceitação de uma determinada fé política. Sem o alicerce de uma semelhante intoxicação geral já existente, jamais teria sido possível o espantoso êxito político dessa doutrina. Entre os milhões de indivíduos de um mundo que lentamente se corrompia, Karl Marx foi, de fato, um que reconheceu com o olho seguro de um profeta, a verdadeira substância tóxica e a apanhou para, como um feiticeiro, com ela aniquilar rapidamente a vida das nações livres da terra. Tudo isso, porém, a serviço de sua raça.

Página 291: “O mundo burguês é marxistísco, mas acredita na possibilidade de domínio de determinado grupo de homens (burguesia), ao passo que o marxismo procura calculadamente entregar o mundo às mãos dos judeus”.

Página 335: ” Se o programa social do novo movimento consistisse em suprimir a personalidade e por em seu lugar a autoridade das massas, o Nacional-Socialismo já ao nascer, estaria contaminado pelo veneno do marxismo, como é o caso dos partidos burgueses.”

Página 342: “O que nossa burguesia sempre olhou com indiferença, isto é, a verdade segundo a qual ao marxismo só se ligam as classes iletradas era, na realidade, a condição sine qua non para o êxito do mesmo. Enquanto os partidos burgueses, na sua intelectualidade superficial, nada mais representavam do que um bando incapaz e indisciplinado, o marxismo, com um material humano intelectualmente inferior, formou um exército de soldados partidários que obedeciam tão cegamente aos seus dirigentes judeus como outrora aos seus oficiais alemães.”

Página 353: “A força que deu ao marxismo sua espantosa influência sobre as massas não foi a obra intelectual preparada pelos judeus, mas sim a formidável propaganda oral que inundou a nação, acabando pela dominação das camadas populares. De cem mil proletários alemães não se tiram talvez cem que conheçam a obra de Marx, que era estudada, mil vezes mais, pelos intelectuais, especialmente os judeus, do que por genuínos adeptos do movimento nas classes inferiores.

Esse livro não foi escrito para o povo, mas exclusivamente para os líderes intelectuais da máquina que os judeus montaram para a conquista do mundo. ”

Página 361: Só a cor vermelha de nossos cartazes fazia com que afluíssem às nossas salas de reunião. A burguesia mostrava-se horrorizada por nós termos também recorrido à cor vermelha dos bolchevistas, suspeitando, atrás disso, alguma atitude ambígua. Os espíritos nacionalistas da Alemanha cochichavam uns aos outros a mesma suspeita, de que, no fundo, não éramos senão uma espécie de marxistas, talvez simplesmente mascarados marxistas ou melhor, socialistas. A diferença entre marxismo e socialismo até hoje não entrou nessas cabeças. Especialmente, quando se descobriu que, nas nossas assembleias tínhamos por princípio não usar os termos ‘Senhores e Senhoras’, mas ‘Companheiros e Companheiras’, só considerando entre nós o coleguismo de partido, o fantasma marxista surgiu claramente diante de muitos adversários nossos. Quantas boas gargalhadas demos à custa desses idiotas e poltrões burgueses, nas suas tentativas de decifrarem o enigma da nossa origem, nossas intenções e nossa finalidade.

A cor vermelha de nossos cartazes foi por nós escolhida, após reflexão exata e profunda, com o fito de excitar a Esquerda, de revoltá-la e induzi-la a frequentar nossas assembleias; isso tudo nem que fosse só para nos permitir entrar em contato e falar com essa gente.”

Página 368-369: “É a essa idéia que a bandeira preta, branca e vermelha, do antigo Reich, deve a sua ressurreição como emblema dos partidos nacionais-burgueses.

É evidente que o símbolo de uma crise que podia ser vencida pelo marxismo, em circunstâncias pouco honrosas, pouco se presta a servir de emblema sob o qual esse mesmo marxismo tem que ser novamente aniquilado. Por mais santas e caras que possam ser essas antigas e belíssimas cores aos olhos de todo alemão bem intencionado, que tenha combatido na Guerra e assistido ao sacrifício de tantos compatriotas, debaixo dessas cores, não pode essa bandeira simbolizar uma luta no futuro.”

Página 384-385: “Ninguém deve esquecer que tudo que há de verdadeiramente grande neste mundo não foi jamais alcançado pelas lutas de ligas, mas representa o triunfo de um vencedor único. O êxito de coalizões já traz na sua origem o germe da corrupção futura. Na realidade só se concebem grandes revoluções suscetíveis de causar verdadeiras mutações de ordem espiritual, quando arrebentam sob a forma de combates titânicos de elementos isolados, nunca porém, como empreendimentos de combinação de grupos.”

Página 446: “Não o sindicato em si é que é “lutador de classe’, mas o marxismo é que o fez dele um instrumento para a luta de classes. Ele criou as armas econômicas dos Estados nacionais livres, independentes, para aniquilamento da sua indústria nacional e do seu comércio nacional e por consequência para a escravização de povos livres ao serviço do judaísmo financeiro universal super-estatal.”

Página 449: “Quem […] tivesse realmente arruinado sindicatos marxistas a fim de, em lugar dessa instituição da luta de classes aniquiladora, colocar a idéia do sindicato nacional-socialista e contribuir para a sua vitória, esse pertence ao número dos verdadeiros grandes homens de nosso povo e seu busto deverá, um dia, ser dedicado à posteridade, no Walhalla de Regensburg”.

Página 450: Utilidade real para o movimento [sindical], como para nosso povo em geral […] só pode surgir de um movimento sindical nacional-socialista, se esse já estiver tão fortemente embebido das nossas idéias nacional-socialistas que ele não corra mais perigo de seguir as pegadas marxistas. Pois um sindicato nacional-socialista, que visse como sua missão apenas a concorrência aos marxistas, seria pior que nenhum. Ele tem de declarar a sua luta ao sindicato marxista, não apenas como organização, mas antes de tudo, como idéia. Ele deve encontrar nele o pregoeiro da luta de classes e da idéia de luta de classes e deve se tornar, em lugar deles, o guardião dos interesses profissionais dos cidadãos alemães.

Página 488: “Uma aliança, cujo o objetivo não compreenda a hipótese de uma guerra, não tem sentido nem valor. Alianças só fazem para luta. Embora, no momento de ser realizado um tratado de aliança, esteja muito afastada a idéia de guerra, a probabilidade de uma complicação bélica é, não obstante, a verdadeira causa.

[…]

Assim pois, o simples fato de uma aliança com a Rússia é uma indicação da próxima guerra. O seu desenlace seria o fim da Alemanha.

[…]

Os atuais detentores do poder na Rússia, não pensam absolutamente em fazer uma aliança honesta ou de mantê-la.

É preciso não esquecer nunca que os dirigente da Rússia atual são sanguinários criminosos vulgares e que se trta, no caso, da borra da sociedade, que, favorecida pelas circunstâncias, em uma hora trágica, derrubou um grande Estado e, na fúria do massacre, estrangulou e destruiu milhões dos mais inteligentes de seus compatriotas e agora, há dez anos, dirige o mais tirânico regime de todos os tempos. Não devemos esquecer que muitos deles pertencem a uma raça que combina uma rara mistura de crueldade bestial e grande habilidade em mentir e que se julga especialmente chamada, agora, a submeter o mundo todo à sua sangrenta opressão.”

Página 488: Não devemos esquecer que o judeu internacional, que continua a dominar na Rússia, não olha a Alemanha como um aliado, mas como um Estado destinado à mesma sorte. Não se conclui, porém, nenhum tratado com uma parte, cujo único interesse está no aniquilamento da outra.”

Página 489: “Devemos enxergar no bolchevismo russo a tentativa do judaismo, no século XX, de apoderar-se do domínio do mundo”.

Página 489: “A luta contra a bolchevização mundial exige uma atitude clara com relação à Russia soviética. Não se pode afugentar o Diabo com Belzebu.”

Página 502: “Qualquer idéia de resistência contra a França seria rematada loucura, se não se declarasse guerra de morte aos elementos marxistas que, cinco anos antes, impediram que a Alemanha continuasse a luta nas linhas de frente.”

Página 503: “O fato de ter o nosso soldado outrora lutado com ardor é a prova mais evidente de que não estava ainda contaminado pela loucura marxista. À proporção, porém, que o soldado e o operário alemão, com o decorrer da Guerra, iam caindo nas garras do marxismo, eram elementos perdidos para a Pátria.”

Página 503: “No ano de 1923 estávamos em face de uma situação idêntica à de 1918. QUalquer que fosse a maneira de resistir que se escolhesse, a condição indispensável seria livrar primeiro, o nosso povo do marxismo corruptor.”

Página 505: “No dia em que, na Alemanha, for destruído o marxismo, romper-se-ão, na verdade, para sempre, os nossos grilhões”.

Responder

    Lauro em 21/11/2017 - 13h00 comentou:

    Ta, e cadê onde Hitler apoia a direita? a liberdade de mercado? Estou esperando um, pelo menos um argumento para associar Hitler a direita.

luiza alberto corrêa em 15/08/2017 - 19h34 comentou:

o resto é bobagem de quem não leu o mein kampf, o nazismo era baseado primeirante na raça, e principalmente na raça ariana, renega a luta de classes, foi apoiada por grandes industriais e banqueiros para barrar a força dos socialistas sociais democratas e comunistas, o resto é aberração conceitual de quem nem ao menos se dá ao trabalho de ver as diferenças e quer apenas reafirmar sua cartilha “liberal” ou seja lá o que isto quer dizer

Responder

Omar em 07/11/2017 - 21h55 comentou:

Quem firmou o pacto Germano-sovietico para invadir a Polônia foram os capitalistas?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Quem tem medo dos comunistas? Por… Carlos Lacerda


O carioca Carlos Lacerda (1914-1977), o civil que ajudou os militares a fazer o golpe de 1964 –e depois se arrependeu, ao ver que os milicos não iam deixar o poder tão cedo–, ficou conhecido como…

Cultura, Politik

Os dez livros que abalaram o mundo


Por Luiz Philippe Torelli* No hoje longínquo e lendário ano de 1968, Nelson Rockfeller, herdeiro de uma das mais ricas e predadoras famílias do mundo, veio ao Brasil em uma das clássicas visitas de “boa…