Socialista Morena
Politik

Boa notícia: Conselho de Ética livra Jean Wyllys de suspensão do mandato por cuspir no “Mito”

da Agência Câmara O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou uma censura por escrito contra o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) por ter cuspido no também deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). O episódio aconteceu em abril do ano passado, na sessão que aprovou a abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. A decisão […]

Cynara Menezes
05 de abril de 2017, 17h17
jeanbolsa

(Reprodução youtube)

da Agência Câmara

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar aprovou uma censura por escrito contra o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) por ter cuspido no também deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O episódio aconteceu em abril do ano passado, na sessão que aprovou a abertura de processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

A decisão foi contrária ao parecer do relator do processo contra Wyllys, Ricardo Izar (PP-SP).

Inicialmente, Izar havia pedido a suspensão do mandato do deputado do Psol-RJ por 4 meses. Hoje ele mudou a recomendação para suspensão do exercício do mandato pelo prazo de 30 dias. Mesmo assim, seu parecer não foi acolhido. Ele teve 4 votos favoráveis e 9 contra.

Coube ao deputado Julio Delgado (PSB-MG) ler o parecer vencedor, pela censura, que recebeu 13 favoráveis e nenhum contrário.

Fim do processo
Com a censura, o processo se esgota e não será mais levado ao Plenário da Casa. Caberá ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, proferir a censura.

O processo administrativo contra Jean Wyllys foi proposto pela Mesa Diretora da Câmara (Representação 11/16), que pediu uma pena de seis meses de suspensão do mandato.

Wyllys não participou da reunião de hoje do Conselho.

Entenda o caso
No final do ano passado, os dois depuseram no Conselho de Ética.

Wyllys alegou que reagiu a ofensas homofóbicas de Bolsonaro, ditas anteriormente à data do episódio e também no dia. Bolsonaro negou as ofensas e disse que que no dia do impeachment dirigiu a Wyllys apenas a frase “Tchau, querida”, um dos bordões da campanha contra Dilma. O deputado do Psol votou contra a abertura de processo de impedimento da ex-presidente. Bolsonaro votou a favor.

Izar reconheceu que Wyllys foi provocado, mas afirmou que a atitude dele, ao revidar cuspindo, possui “natureza injuriosa” e é incompatível com o decoro parlamentar.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Thiago em 20/08/2017 - 14h37 comentou:

“Boa noticia: conselho de ética livra fulano de cuspir no rosto de ciclano”. Tem alguma coisa errada nessa frase. Um verdadeiro estímulo a intolerância. Mesmo considerando que fosse verdade tal provocação (que não existiu), mas vamos lá, assumindo como verdade, já é motivo para análise no conselho. Vamos lembrar que Bolsonaro foi julgado culpado por uma RESPOSTA, agora, uma AÇÃO nojenta dessas fica impune? Quem é o intolerante nessa história? Dois pesos, duas medidas. Assim afundamos juntos companheiros.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

A pergunta que a Record não respondeu sobre o estado de saúde de Bolsonaro


O candidato do PSL à presidência tinha alguma condição preexistente na região do abdômen antes de receber a facada?

Politik

Feliz ano velho


Pego emprestado o título do romance de Marcelo Rubens Paiva para tentar definir o que sinto neste final de 2018