Socialista Morena
Cultura

Cuba e o Cameraman ou: Fidel Castro e o amigo americano

Durante 40 anos, o documentarista norte-americano Jon Alpert visitou Cuba e conquistou uma relação única com o líder revolucionário

Fidel autografa a camiseta de Jon Alpert no documentário. Foto: reprodução
Cynara Menezes
27 de agosto de 2018, 19h49

Fardado e de quepe, Fidel Castro participa de uma dessas cerimônias entediantes quando um movimento peculiar atrai sua atenção: um grupo de jovens jornalistas gringos com um carrinho de bebê. Como os equipamentos de TV pesavam como o diabo em 1976, o documentarista Jon Alpert teve a ideia de carregá-los no insólito suporte, que carregava por toda parte. Curioso, Fidel se aproxima e puxa assunto com Jon e sua mulher e parceira, a nipo-americana Keiko Tsuno. Nos anos seguintes, o cineasta norte-americano conquistaria uma proximidade tão grande com o líder revolucionário a ponto de viajar com ele, no mesmo avião, a Nova York. Ida e volta.

Cuba e o Cameraman, em cartaz no Netflix, mostra a relação amorosa que o documentarista novaiorquino desenvolve com a ilha através dos encontros e reencontros com três famílias, além de Fidel. Em primeiro lugar, os Borrego, Cristóbal, Angel, Gregorio e Lilo, camponeses das cercanias de Havana; depois, o guia Luis Amores, típico “malandro” cubano que vive de bicos; por último, a menina Caridad e, mais tarde, seu filho Wilder. O cineasta acompanha estas pessoas comuns ao longo de 40 anos com enorme delicadeza; o carinho transborda da tela. Ao mesmo tempo, acompanhamos os sucessos e fracassos da revolução. O retrato que ele traça é honestíssimo –e tocante.

Um dos documentaristas mais importantes do mundo em atividade, Jon Alpert acabava de iniciar sua carreira. cobrindo problemas de moradia e demandas trabalhistas em seu país natal, quando vai para Cuba na ilusão de encontrar “a” solução. Mas aos primeiros anos de lojas cheias, com a revolução de vento em popa, logo sobrevém as duas décadas de penúria pós-embargo e sobretudo pós-fim da União Soviética. As visitas aos amigos cubanos são uma forma indireta de apontar os problemas: em uma delas, Luis está preso por atuar no mercado negro; roubaram os bois dos Borrego, que não têm como arar a terra; e o filho de Caridad sonha, como muitos, cruzar o oceano e ir para Miami.

Mas em 1979 as coisas ainda estavam bastante bem e um charmoso, sedutor Fidel Castro, no auge de sua vitalidade aos 50 anos, está prestes a fazer um discurso histórico nas Nações Unidas. E convida Jon & sua trupe a embarcar junto, algo inédito. A CNN fez um documentário apenas sobre a viagem, Uma Viagem Com Fidel. Imperdível.

O Fidel que aparece nas cenas no avião e no hotel onde a comitiva está hospedada em Nova York, é um Fidel nunca visto, antes ou depois. Absolutamente relaxado e visivelmente encantado com a companhia dos jovens jornalistas, o líder cubano corteja a equipe e se abre como nunca diante das câmeras. Literalmente: a certa altura do vôo, questionado se andava com colete à prova de balas, Fidel abre a jaqueta verde-oliva e a camisa que leva por baixo para mostrar o peito, sem nenhuma proteção.

No quarto, as perguntas simples de Jon (“você dormiu bem?”, “o que tem na geladeira?”) o deixam tão à vontade que ele mostra tudo, até mesmo o quarto onde dorme. “Como você gosta de se vestir quando está em casa?”, Alpert pergunta. “De pijamas”, diz Fidel, prenunciando seus últimos anos, quando vai aparecer mais de agasalhos esportivos do que de uniforme.

Fidel Castro com a camiseta que ganho do cineasta em 1979. Foto: reprodução

A simpatia latina do líder cubano, o sorriso largo e as frases sarcásticas de Fidel conquistaram o cineasta a ponto de o documentário ter sido massacrado pelos veículos conservadores dos EUA por transmitir uma imagem positiva do “ditador”. “Moralmente tóxico”, vaticinou o Washington Post. “É abundantemente claro que Alpert é um fã”, desdenha o jornal. Sim, Alpert é um admirador declarado de Fidel, mas nunca esquece que em primeiro lugar é um jornalista. Em 1980, durante o Êxodo de Mariel, quando Cuba abriu as portas para quem quisesse ir embora, o documentarista denunciou que o governo também abrira as portas das cadeias e manicômios para que criminosos e enfermos mentais migrassem aos EUA. A revelação lhe custou a proibição de entrar na ilha durante quatro anos.

Além de Fidel Castro, Jon Alpert se tornaria também um dos últimos norte-americanos a entrevistar Saddam Hussein, após a primeira Guerra do Golfo. Sua expertise em entrevistar homens fortes da política mundial (para alguns, “ditadores”) o aproximou recentemente de outro peso pesado da política mundial, Vladimir Putin, com quem conseguiu mais uma história inusitada para sua coleção ao enfrentá-lo numa partida de hóquei no gelo em julho deste ano. O time de Putin ganhou, claro. Segundo Alpert, o “flerte” com estas figuras é uma técnica para obter aproximação. “Se eu fui amigável com Fidel? Claro. Nosso trabalho é conseguir chegar perto –e provavelmente ninguém mais pode.”

Alpert e Putin em Sochi. Foto: divulgação

Enquanto assistimos e nos emocionamos com o desenrolar da vida do povo em Cuba e o Cameraman, é inegável também a ansiedade que ficamos em saber se Fidel Castro irá reatar ou não a relação com Jon. Conseguirá o amigo americano rever el comandante antes de sua morte? Como será o reencontro? Assistam.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Celso Orrico Filho em 27/08/2018 - 21h05 comentou:

Olá Socialista Morena, ótimo artigo com sempre..não consigo me inscrever no seu facebook, não tem aba para inscrição..
Abraços

Responder

    Cynara Menezes em 28/08/2018 - 17h10 comentou:

    inscrever como?

Celso Orrico Filho em 29/08/2018 - 19h02 comentou:

me adicionando, eu a sigo mas não consigo comentar lá..

Responder

    Cynara Menezes em 29/08/2018 - 23h46 comentou:

    que estranho. normalmente basta adicionar/curtir. vou checar se você está bloqueado por algum erro

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

25 anos após o fim da guerra fria, EUA vivem “love affair” com o…


Enquanto no Brasil a direita segue repetindo platitudes sobre o socialismo (assim como faz a direita norte-americana mais apatetada), o termo está em alta no país-símbolo do capitalismo. Tudo se deve ao senador Bernie Sanders,…

Kapital

Os novos cearenses: uma comuna na região metropolitana de Fortaleza


O sítio Brotando a Emancipação concretiza o desejo do grupo de esquerda cearense Crítica Radical de viver a experiência de uma sociedade onde não haja a mediação do dinheiro