Socialista Morena
Kapital

Davi enfrenta Golias: a luta das tubaínas contra a Coca-Cola e a Ambev

Indústrias pequenas apoiam decreto de Temer que reduz de 20% para 4% o desconto no IPI na compra de concentrados na Zona Franca

Steve Cutts
Cynara Menezes
07 de junho de 2018, 18h44

Pouca gente soube, mas, em plena greve dos caminhoneiros, Michel Temer deu uma dentro: atendeu ao pedido das pequenas produtoras de refrigerantes e reduziu, por meio de um decreto, de 20% para 4% o desconto no IPI da Coca-Cola e da Ambev na compra, na Zona Franca de Manaus, dos concentrados que utilizam para fazer suas bebidas açucaradas. A redução irá representar uma arrecadação extra para o país de 740 milhões de reais até o final do ano.

A demanda dos fabricantes das chamadas tubaínas, os refrigerantes regionais, é antiga, e basicamente pede que a Coca-Cola e a Ambev atuem em situação de paridade, porque, por incrível que pareça, as duas gigantes bilionárias pagam menos imposto do que fábricas minúsculas do interior do país. “Não estamos pedindo nem incentivo, como poderíamos, já que somos pequenos. O que não é justo é eles praticarem concorrência desleal, pagando menos imposto do que nós”, disse ao site o presidente da Afebras (Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil), Fernando Barros.

Não estamos pedindo nem incentivo, como poderíamos, já que somos pequenos. O que não é justo é eles praticarem concorrência desleal, pagando menos imposto do que nós

Nos últimos dez anos, cerca de 160 fábricas de tubaína fecharam no Brasil porque não aguentaram a concorrência dos gigantes do setor. Populares no Brasil na década de 1970, as tubaínas foram aos poucos sumindo das prateleiras dos supermercados e ganharam uma fama de “refrigerante de pobre” impulsionada pela própria Coca-Cola, que, na década de 1990, lançou uma campanha publicitária em que chamava todas as outras marcas de “refrigereco”.

Atualmente, são 136 fábricas, em geral empreendimentos familiares que se mantêm graças à relação afetiva que os habitantes da região têm com o sabor e com a marca. Um exemplo é o Guaraná Pureza, produzido há 113 anos em Rancho Queimado, cidade com 2 mil habitantes em Santa Catarina. “O dono da fábrica se orgulha de empregar 1% da população da cidade e de nunca ter tido uma ação trabalhista”, conta Fernando. O mesmo não pode se dizer da Coca-Cola ou da Ambev.

Os fabricantes de tubaína reclamam dos benefícios fiscais recebidos pelas grandes produtoras de bebida, que nem mesmo recolhem IPI, o que impossibilita a adequação do Brasil à sugestão da OMS de aumentar os tributos dos refrigerantes como forma de combater a obesidade. “Nós aceitamos aumentar, mas eu falei para o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) que isso só vai atingir os pequenos, porque os grandes não pagam”, critica o presidente da Afebras.

O Idec, integrante da Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, aplaudiu o decreto de Temer. “Na prática, essa medida diminui os benefícios de crédito tributário que alguns fabricantes de bebidas açucaradas recebem e acaba arrecadando mais”, afirmou Igor Britto, advogado do instituto. Ele explicou que, além de não pagar vários impostos, a AmBev e a Coca-Cola recebem hoje um crédito de 20% sobre o que produzem na Zona Franca, o que acaba causando a absurda distorção de o governo brasileiro subsidiar a produção de bebidas danosas para a saúde.

Além de não pagar vários impostos, a AmBev e a Coca-Cola recebem um crédito de 20% sobre o que produzem na Zona Franca, o que acaba fazendo o governo brasileiro subsidiar a produção de bebidas danosas para a saúde

Um decreto parecido chegou a ser editado em 2013, durante o governo Dilma, mas foi derrubado em três dias pelo lobby das duas gigantes do setor, que já estão agindo no Congresso novamente, infelizmente com o apoio de nomes de esquerda, como a senadora Vanessa Grazziotin, do PCdoB, que saiu em defesa da Zona Franca e consequentemente da Ambev e da Coca-Cola, em vez dos pequenos fabricantes nacionais. “Não é só uma questão pontual em relação a um segmento, porque isso abre um precedente perigoso para outros setores e é inconstitucional, afinal de contas, a Zona Franca é um modelo baseado na Constituição e, ao mexer nos incentivos, você mexe indiretamente com a Constituição Federal”, disse a senadora.

O problema é que a Zona Franca de Manaus se transformou numa “nascente” tributária para as multinacionais do refrigerante. Lá nascem todas as vantagens da Ambev e da Coca-Cola. Um exemplo é a isenção sobre “produtos da Amazônia”, que caberia em relação ao guaraná (embora hoje a maior parte da produção esteja na Bahia) e nunca sobre a “cola”, o concentrado do refrigerante. Outra distorção é, por exemplo, a erva mate para o Mate Leão ser produzida no Rio Grande do Sul, transformada em líquido na fábrica da Coca-Cola no Paraná, e enviada a Manaus apenas para se beneficiar da moleza tributária.

“Os empresários têm que parar de correr atrás do Estado”, critica o presidente da Afebras. “Se a Coca-Cola e a Ambev não pagam impostos, qual o efeito social de uma empresa dessas no Brasil? Gerar empregos nós também geramos, 4800 empregos diretos. Somos responsáveis por 45% de toda a mão-de-obra do setor, porque somos mais artesanais, eles fazem tudo mecânico. E poluímos menos porque nosso volume é menor e só utilizamos dois tipos de embalagem, garrafa PET e vidro.”

Quem vai vencer essa disputa entre Davi e Golias? Temer irá ceder? Abra uma tubaína e espere pelo resultado.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Andre em 08/06/2018 - 06h59 comentou:

O efeito social dessas empresas, como já avaliado em outros países, é extremamente negativo. Apesar de gerar empregos diretos e indiretos, o problema da obesidade e suas consequências no sistema público de saude são devastadores, comparáveis aos males criados pela venda e consumo de cigarros. É inacreditável que, num país onde a fruta apodrece no chão por falta de quem a colha, tome-se refrigerantes com tantos componentes nocivos.

Responder

Leonardo Pacheco em 08/06/2018 - 07h10 comentou:

Bom dia. Gostei muito do artigo e foi bem esclarecedor.
Só não entendi uma coisa: o nome do site diz que é jornalismo anticapitalista. Porque então vocês pedem ajuda financeira?

Responder

    Cynara Menezes em 08/06/2018 - 17h57 comentou:

    porque vivemos num mundo capitalista e a autora precisa sobreviver? porque o site faz JORNALISMO e não SOCIALISMO? porque perguntar uma coisa dessas é coisa de gente burra?

Jefferson Milatias em 13/06/2018 - 11h49 comentou:

Parabéns pela excelete matéria!

Responder

Emerson Queiros em 21/06/2018 - 00h27 comentou:

Temos que ampliar o alcance do nosso entendimento. Vivo na região amazônica e os incentivos fiscais concedidos a região sao imprescindíveis. Mas o que vemos a partir este episodio (tubaínas x ambev, coca cola e Pepsi) é que estão usando uma argumentação plausível (manutenção dos incentivos fiscais em beneficio da floresta e da região) para beneficiar multinacionais e quebrar as empresas locais ( ditas tubaínas). além disso, este modelo atua como exportador de tributos, lembrando que os EUA tributa as empresas que receberam incentivos fiscais no Brasil. Isso acaba sendo negligenciado na hora do debate, ficando um discurso raso ou superficial sobre este problema em particular. Como defensor do modelo Zona Franca de Manaus tenho que tentar enxergar mais longe e analisar a questão de maneira mais profunda.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

A farra bilionária das estatinas e o “jornalismo” subserviente à indústria farmacêutica


Eu estava trabalhando na revista Veja (os piores oito meses de minha carreira; leia aqui) quando saiu uma capa louvando as estatinas, pílulas usadas para controlar o colesterol “ruim” que, afirmava a revista, eram “a…

Cultura

A complexa relação dos hindus com as vacas (e com quem as come)


Incentivado pelo governo de direita, movimento nacionalista da Índia está tentando usar a noção de santidade da vaca para privar muçulmanos de seus direitos civis e oprimir as castas inferiores