Socialista Morena
Direitos Humanos

Deputado reaça quer banir a palavra “gênero” de todos os projetos da Câmara

Para os parlamentares de direita, a palavra é inimiga dos bons costumes e "ataca a família tradicional e cristã"

O deputado direitista Capitão Augusto. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Da Redação
05 de julho de 2018, 21h01

Um deputado reaça atuando para excluir a palavra “gênero” de qualquer projeto de lei onde ela apareça na Câmara, segundo informações da Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Não importa qual seja o tema: se o termo “gênero” constar de algum projeto, começa a confusão. Por incrível que pareça, para os parlamentares de direita, a palavra é inimiga dos bons costumes.

Na reunião da comissão de 23 de maio, a palavra “gênero” levou à obstrução o PL 5434/2016, do deputado Orlando Silva (PC do B-SP), que inclui homenagem a personalidades femininas e negras nas cédulas de papel-moeda e nas moedas metálicas. Um trecho do projeto prevê que nas “novas emissões de papel-moeda e moeda-metálica o Banco Central do Brasil buscará homenagear personalidades femininas e negras que tenham se destacado na luta emancipatória das mulheres e no combate à discriminação racial e de gênero no país”.

“Não vamos aceitar a palavra gênero em nenhum projeto. Essa palavra ataca a família tradicional e cristã”, afirmou o deputado Capitão Augusto (PR-SP)

Outro projeto que enfrenta obstáculo pelo mesmo motivo é o PL 304/2015, que propõe incluir nos currículos escolares conhecimento sobre a língua, usos, costumes e a cultura dos povos e comunidades tradicionais e minorias éticas formadores do povo brasileiro. Um dos artigos da iniciativa, do deputado Valmir Assunção (PT-BA), propõe a “vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais voltadas à promoção da igualdade racial e de gênero”.

O fiscal da palavra “gênero” na Câmara é o deputado Capitão Augusto (PR-SP), que é policial militar e se tornou notícia por ir às sessões fardado e por lançar um projeto de lei que obriga os árbitros de futebol a revelar seus times de coração e os proíbe de apitar partidas onde eles atuem.  “Não vamos aceitar a palavra gênero em nenhum projeto. Essa palavra ataca a família tradicional e cristã”, afirmou Capitão Augusto, que já tentou mudar seu nome para Capitão Augusto Bolsonaro no painel da Câmara, sem sucesso. Ele pede que “gênero” seja substituído por sexo ou pela expressão “homens e mulheres” em todo canto que aparecer.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) rebateu. “Gostaria de saber qual o problema com sexo e gênero. Não falamos em índios ou população pobre. Só querem falar de sexo. E no caso deste projeto, estamos falando de idiomas e sobre cultura e o problema está na troca de palavras”, protestou.

O que essa discussão levanta é uma gênerofobia. Essa palavra traz de imediato uma reação. Toda vez que se fala a palavra gênero nessa Casa, acontece uma reação não fundamentada

Para a deputada Erika Kokay, o projeto de Orlando Silva seria uma homenagem às mulheres negras que, de acordo com ela, ficaram invisíveis na nossa sociedade. “O que essa discussão levanta é uma gênerofobia. Essa palavra traz de imediato uma reação. Toda vez que se fala a palavra gênero nessa Casa, acontece uma reação não fundamentada”. Para ela, “quem quer tirar a palavra gênero, quer banir a mulher”.

Nesta quarta-feira, 4 de julho, alguns projetos de lei foram retirados da pauta deliberativa da Comissão de Direitos Humanos e Minorias por tratarem, de acordo com o parlamentar do PR, de “temas polêmicos”, no caso outra palavra, “homofobia”. Um deles, o PL 622/15, de autoria da deputada Moema Gramacho (PT-BA), proíbe recursos públicos para contratação de artistas que incentivem a violência contra a mulher ou contenham manifestações de discriminação ou “homofobia”. O outro, o PL 7.292/17, de Luizianne Lins (PT-CE), prevê o “LGBTcídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio”.

Não será surpresa se, no futuro, os direitistas aloprados também quiserem excluir a expressão “gênero” dos dicionários. Te cuida, Houaiss.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(6) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio em 06/07/2018 - 09h23 comentou:

Cada um deve escolher se quer deixar para os seus filhos um mundo construído sobre a verdade, ou sobre a falsidade de uma ideologia.

O que o deputado está fazendo, está no direito dele e no dever de sua consciência. Se o que ele defende não agrada, busque-se os meios democráticos e eleja-se porta-vozes de acordo com o que se quer, para defender o que se quer. É assim que funciona! Reduzir o debate a chamar de reaça ou, por outro lado, de esquerdopata, é nivelar por baixo nossas inteligências!

Responder

    Cynara Menezes em 07/07/2018 - 12h51 comentou:

    onde está a inteligência em banir PALAVRAS?

Sergio em 07/07/2018 - 08h52 comentou:

Assim como haverá o familicídio! E aí? O debate não é por aí. Reaças x Esquerdopatas

Responder

Viviane em 09/07/2018 - 11h15 comentou:

Pois é, Cynara, agora explique para nós como quem combate a discriminação pode ser de direita.

Responder

Line em 09/07/2018 - 13h28 comentou:

Familicídio? O que é isso gente? Quem está impedindo essa gente de casar e reproduzir? O que essa cara tem feito de bom para o povo brasileiro? Banir a palavra gênero é o que ele faz pelo Brasil? Mais um parasita fútil, bancada da bala misturada com bancada da bíblia não poderia resultar em coisa boa mesmo.

Responder

Sergio em 09/07/2018 - 16h30 comentou:

A questão da inteligência não é em banir as palavras é quando se deixa de lado a falta de argumentação para se atacar: Não concorda comigo? Você é esquerdopata! Ela concorda com ele? É mais um reaça! Continuamos querendo vencer uns aos outros à base da desconstrução!

O fato é: Será o Estado quem tem que definir o que é melhor para os nossos filhos em matéria de educação??? Essa é uma tarefa dos próprios pais definir como esse tema, nesse caso, será abordado e tratado nas famílias.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

The playba revolution. Ou: o fim da consciência de classe


Fotomontagem: Magnesio Design Há poucos dias, em entrevista à repórter Eliane Trindade na Folha de S.Paulo, o apresentador Luciano Huck falou que é hora de sua geração “ocupar os espaços de poder”. Sem tucanês, a…

Politik

O que o MBL e os terraplanistas têm em comum?


Difícil eleger quem está mais fora de órbita, se os terraplanistas, que acham que a Terra é plana, ou os emebeelistas, que acham que a Globo é comunista