Socialista Morena
Cultura

Do Subcomandante Marcos aos donos da mídia: “O que vocês fizeram pelos jornalistas?”

No final de 2013, quando se celebraram os 20 anos da insurreição zapatista no México, o subcomandante Marcos publicou um texto na página da organização na internet em que criticava, vejam só, as biografias autorizadas de políticos, sempre cheias de elogios e pouco interessadas em fatos. “Não são mais que mentiras documentadas”, atacou. Nelas, o […]

Cynara Menezes
19 de janeiro de 2014, 15h08

(Foto: Raúl Ortega)

No final de 2013, quando se celebraram os 20 anos da insurreição zapatista no México, o subcomandante Marcos publicou um texto na página da organização na internet em que criticava, vejam só, as biografias autorizadas de políticos, sempre cheias de elogios e pouco interessadas em fatos. “Não são mais que mentiras documentadas”, atacou. Nelas, o ex-presidente Carlos Salinas de Gortari, por exemplo, é retratado como “um patriota” e não, diz Marcos, “como o líder de um bando de traidores”. Parecia até estar por dentro das últimas polêmicas no Brasil (leiam a íntegra, em espanhol, aqui).

Ao final, sempre afiado, o porta-voz do Exército Zapatista de Libertação Nacional direcionou algumas perguntas aos donos dos meios de comunicação de seu país que cabem também, como uma luva, aos daqui. Ele rebatia as críticas da imprensa mexicana à autonomia conquistada pelos zapatistas, a quem acusavam de “não ter modificado em nada” a vida dos indígenas nestes 20 anos. Marcos mostrou que, ao realizar as “escuelitas”, espécie de vivência que atraiu a Chiapas 4500 pessoas de todo o mundo para conhecer de perto as comunidades rebeladas, os zapatistas nada tinham a esconder. Já os jornais…

O texto é didático, sobretudo, para os jornalistas brasileiros que agem como se os donos de jornal, seus patrões, fossem seus colegas de profissão e de classe social. Imperdível.

***

Do Subcomandante Marcos

Se as condições das comunidades indígenas zapatistas estão iguais a 20 anos atrás e nada se avançou no seu nível de vida, por que o EZLN –como fez em 1994 com a imprensa tradicional– se “abre” com sua escuelita para que as pessoas vejam e conhecem diretamente, SEM INTERMEDIÁRIOS, o que existe aqui?

E já colocando em “modo interrogativo”: Por que neste mesmo período se reduziu, também exponencialmente, o número de leitores-ouvintes-telespectadores dos meios de comunicação privados? Pst, pst, vocês podem responder que não há menos leitores-ouvintes-telespectadores –isso reduziria a publicidade e o jabá–, e que o que acontece agora é que são mais “seletivos”.

Vocês perguntam: “O que fez o EZLN pelas comunidades indígenas?” E nós estamos respondendo com o testemunho direto de dezenas de milhares de nossos companheiros e companheiras.

Agora vocês, donos, acionistas, diretores e chefes, respondam:

O que vocês fizeram, nestes 20 anos, pelos trabalhadores dos meios de comunicação, um dos setores mais atingidos pelo crime apadrinhado e fortalecido pelo regime que tanto adoram? O que fizeram pelos jornalistas, pelas jornalistas ameaçadas, sequestradas e assassinadas? E por seus familiares?

O que fizeram para melhorar as condições de vida de seus trabalhadores? Aumentaram seu salário para que tenham uma vida digna e não tenham que vender sua palavra ou seu silêncio diante da realidade?

Criaram as condições para que se aposentem dignamente, depois de anos trabalhando para vocês? Deram-lhes estabilidade no emprego? Quero dizer, o emprego de um/uma repórter já não depende do humor do chefe de redação ou dos “favores”, sexuais ou de outro tipo, que são exigidos a todos os gêneros?

O que fizeram para que ser trabalhador nos meios de comunicação seja um orgulho que não custe a perda da liberdade ou a vida ao ser honesto?

Podem dizer que seu trabalho é mais respeitado por governantes e governados que 20 anos atrás?

O que fizeram contra a censura imposta ou tolerada?

Podem dizer que seus leitores-ouvintes-espectadores estão mais bem informados que 20 anos atrás?

Podem dizer que têm mais credibilidade que 20 anos atrás?

Podem dizer que sobrevivem graças a seus leitores-ouvintes-telespectadores e não pela publicidade, majoritariamente governamental?

Respondam a seus trabalhadores e leitores-ouvintes-espectadores, assim como nós respondemos a nossos companheiros e companheiras.

Oh, vamos, não fiquem tristes. Não somos os únicos que escapamos a seu papel de juiz e verdugo, suplicando sua absolvição e recebendo sempre sua condenação. A realidade, por exemplo, também escapou.


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(13) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Gabriel Priolli em 19/01/2014 - 15h59 comentou:

Muito bem perguntado. Se Marcos estendesse o questionário ao baronato da mídia brasileira, seria ainda mais eloquente o silêncio da resposta. Ela oprime jornalistas e destrói o jornalismo, para salvaguardar seus interesses corporativos e de classe.

Responder

Riobaldo em 19/01/2014 - 17h09 comentou:

Apesar de achar uma porcaria a mídia tradicionalista brasileira, concordando com a idéia do texto, acho absurdo logo no começo haver erro crasso de português na transcrição da entrevista: 'estão iguais a 20 anos atrás '. O jornalista e crítico não pode deixar passar erros básicos como esse, o correto 'há 20 anos'. É comum também: 'comentar sobre', 'proliferar-se'. Não basta ter idéias corretas, é necessário se valer de uma forma correta, nesse caso a gramática, que as sustente: comentar é transitivo direto, e proliferar não é verbo transitivo, para prevenir.

Responder

    morenasol em 19/01/2014 - 20h41 comentou:

    nada disso. "igual a": comparativo. errado seria escrever "há 20 anos atrás". regra número um: jamais corrigir alguém quando não se tem certeza. ou se paga um mico federal. fica a dica.

    Riobaldo em 19/01/2014 - 22h42 comentou:

    Sem mico. Estava errado eu, modestamente. Aprendi. Obrigado.

Paulo Souza Jr. em 20/01/2014 - 01h38 comentou:

Cara Cynara

Eu venho dar a minha opinião com relação a sua inclinação socialista, assim como a de muitas pessoas que são da parte mais intelectualizada da sociedade brasileira. Eu sou contra o socialismo e digo que ele é uma ilusão e é impraticável. Venho portanto para mostrar para você, que está cometendo um erro terrível contra o seu país ao defender esse tipo de regime.

Porque? Bem vamos lá:

Quase tudo o que você tem em sua casa, ou o que você utiliza fora dela, são coisas cruciais para o seu conforto e bem -estar, o seu carro, o restaurante onde prefere as vezes comer, a sua televisão e a internet para te manter bem informada, etc.

Tudo isso é constantemente inovado e melhorado com o passar dos anos e essa evolução tem melhorado o padrão de vida de muitas pessoas no mundo, incluindo os mais pobres e os mais ricos. E essa evolução é conduzida por… empresas privadas, que tem a liberdade de inovar (veja a Apple, a Microsoft, nenhuma delas paga mau os funcionários), de empreender e estabelecerem os preços de forma livre de modo que viabilizem essa evolução.

O que aconteceria então se o governo tomasse conta desses empreendimentos? Estabeleceria preços padrão, mas devido ao volume de pessoas, de área territorial e de materiais e produtos, não conseguiria regular periodicamente esses preços de modo a tornar esses preços viáveis em tal momento futuro, levando o sistema a crises. Foi isso e outras características do socialismo que causaram o atraso estrutural da Alemanha oriental e da URSS por exemplo.

O ser humano é feito para correr atrás, para se esforçar para conseguir o que almeja, essa é a lei inclusive da natureza, os leões precisam sair para caçar e nesse sistema, os veados podem perder, sendo então que houve um que ganhou e outro que perdeu. Portanto, não adianta reclamar, sempre haverá um que tem mais que outro, um que perde e outro que ganha. Portanto, as mazelas do capitalismo, são a lei do Universo.

Se você der todo o poder ao Estado para ele retirar o poder dos grandes capitalistas, você concentrará muito poder na mão de poucos e esses abusarão desse poder, veja o que ocorreu na Coréia do Norte e na China.
O sistema fica sujeito a ser tomado por um tirano que terá todo o poder do Estado e da economia. Lembrando que já vivemos em uma sociedade muito corrupta. É isso o que você quer?

Repense os seus conceitos.

Responder

    morenasol em 20/01/2014 - 04h13 comentou:

    você curte férias? oito horas de trabalho? ou preferia não ter férias e trabalhar 14 horas por dia? agradeça ao socialismo por essas conquistas

    Paulo Souza Jr. em 20/01/2014 - 22h57 comentou:

    Nos países de capitalismo mais avançado, os trabalhadores conseguiram o direito de férias e menos horas de trabalho, graças as melhorias de produção empreendidas pela evolução tecnológica empreendida pela livre iniciativa. Além disso, um grande capitalista, Henry Ford, foi aquele que começou a pagar salários mais altos para seu funcionários, sem eles precisarem recorrer a socialistas. Vai estudar mais história, todos vocês, socialistas desinformados. Apoiam essa burrice que é o socialismo por estarem cheios de doutrinas antigas e ultrapassadas e sem usuabilidade prática.

    Flavio Lima em 20/01/2014 - 23h53 comentou:

    Nos países de capitalismo mais avançado, os trabalhadores conseguiram o direito de férias e menos horas de trabalho, graças a exploração colonial dos países de capitalismo menos avançado.
    Vai (não, não, vão!) estudar (mais?) história, todos vocês, direitistas desinformados. Apoiam uma coisa que não entendem bem o que é, que só funciona para uma pequena parcela da população mundial, por estarem cheios de ideologias antigas e ultrapassadas que acreditam na mitologia do deus-mercado.

    Paulo Souza Jr. em 21/01/2014 - 23h26 comentou:

    KKKKK. Como é que é meu amigo??? Os Estados Unidos, assim como outros países de capitalismo mais avançado, já estavam com uma vantagem social e econômica em relação a outros muito grande já há muito tempo quando os grandes capitalistas ainda abusavam de seus empregados. A grande diferença é que o capitalismo dá liberdade as pessoas para achar soluções para contornar os seus próprios problemas, quando as pessoas tomam consciência. Eu vivo em um sistema capitalista e ele funciona com direito aos trabalhadores, como os que eu tenho.

    O capitalismo não se alimenta da pobreza de uns e a riqueza de outros, quando uma sociedade é educada de modo a ser produtiva, ou seja, graduados e técnicos em boa quantidade, o capitalismo mostra o seu lado bom. Nos Estados Unidos, os mais pobres que são 1%, tem um salário 2 vezes maior que o brasileiro médio, enquanto que os médicos cubanos ganham uma miséria equivalente a 70 reais ao mês, mais de 10 vezes menos que o brasileiro médio! A pobreza extrema existe exatamente onde as pessoas não tem uma mente capitalista, porque não empreendem que é a base do capitalismo, não recebem educação de qualidade que serve ao progresso técnico-científico que é outra base e ainda vivem de SUBSISTÊNCIA e SOBRE REPRESSÃO e não de CAPITALISMO.

    Portanto, eu continuo bem informado e VOCÊS, AINDA MAU INFORMADOS, e ao contrário de vocês que vivem de utopias infantis, eu conheço e me informo como o mundo dos adultos funciona de verdade. Eu não fico lendo livros e seguindo teorias bonitas somente, eu verifico se elas realmente funcionam na prática, no mundo real.

    O capitalismo é tão ruim, que é ele que espalha as melhorias tecnológicas até mesmo onde as pessoas não poderiam produzí-las, exemplo: na África, onde permitiram que fossem feitas assistências a população pobre com acesso gratuito a internet e levaram computadores para lá, isso não seria possível em um regime comunista, porque entraria em contradição com o programa de metas. Em resumo, o capitalismo não é um regime, é a livre vontade de você criar e produzir segundo suas vontades e necessidades e permite que, se você quiser, fazer assistência, se tiver consciência. O problema não é o capitalismo e sim o ser humano.

    E aí o que vocês me dizem, vão refletir, ou vão continuar a adotar como ideologia, um sistema falido e que já foi provado que não dá certo, com vários exemplos pelo mundo?

    Marcelo Paz em 21/01/2014 - 11h44 comentou:

    No Brasil, na verdade deveríamos agradecer esses direitos a uma pessoa em especifico que mandava pessoas com pensamentos socialistas iguais aos seus pra ter uma conversinha com a Gestapo. Pobre Olga né, se tivesse nascido hoje estaria com um blog, mas nasceu na época do fascismo brasileiro que, ironicamente, implementou todos esses direitos que você citou. Logo devo agradecer ao FASCISMO por ter férias?

    Não, obrigado.

José Expedito em 20/01/2014 - 12h09 comentou:

Quando se perde os sonhos de imortalidade do espírito, prevalece os pesadelos de circunstâncias absolutas baseadas no "nível das dores de barriga". A natureza realmente sábia, quando o leão só mata para saciar a fome, e o homem estuda para saciar a fome de todos, essa está morrendo, dia a dia.
Imaginem os leões mais fortes estocarem caças para "dominar" os mais fracos, logo também montaria um "exército" desses mais fracos, para exterminarem outras espécies e o planeta.
Não enxergo sabedoria nas discussões entre esquerda e direita, racional e irracional, bonito feio, etc.
Não se trata de homens limitados e nem de leões espirituosos, muito pelo contrário, se trata de fazer de fazer sempre por todos e pelo planeta. E só!

Responder

Bacellar em 21/01/2014 - 00h24 comentou:

Hijole que cabron, no Mames! Viva Marcos!

Responder

Décio em 23/01/2014 - 21h31 comentou:

É como diz aquele mané que "entrevistou" o Lobão no Roda Vida: se ele usa máscara, é de direita.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

A censura do Estado espanhol aos independentistas catalães


Inspeções policiais, fechamento de sites  – incluindo a página oficial do referendo –  e restrição de envios pelo correio são alguns dos casos de limitação da liberdade de expressão e imprensa

Mídia

Entre estas duas capas, Veja ajudou a entregar o país a Bolsonaro


Quando chegará a vez de a chamada "grande" imprensa fazer o mea culpa que vivem cobrando ao PT e a Lula?