Socialista Morena
Cultura

Dois espelhos onde se refletem Machado, Guimarães Rosa e também Freud

Ator Ney Piacentini encena em São Paulo monólogo a partir de contos "psicanalíticos" dos dois autores brasileiros

O ator Ney Piacentini no palco da Companhia do Feijão. Foto: João Maria Silva Jr./divulgação
Cynara Menezes
31 de março de 2018, 11h31

A curiosa sincronicidade entre o escritor brasileiro Machado de Assis e o neurologista austríaco Sigmund Freud já foi objeto de muita especulação e de pelo menos um livro. Machado era mais velho do que Freud 17 anos, e não existe nenhuma evidência de que um tenha conhecido a obra do outro. Mas as coincidências… Que las hay, hay.

O conto O Espelho, do “bruxo do Cosme Velho”, precedeu em 32 anos Sobre o Narcisismo, obra em que o “pai da psicanálise” explora o mito do homem namorando a si mesmo (e se auto-analisando) diante do espelho. Surpreende ouvir, da boca do ator Ney Piacentini, sentenças tão aparentemente freudianas em Machado: “Há uma alma interior e uma alma exterior”, decreta o alferes Jacobina, como quem falasse de ego, superego e id, conceitos que Freud exploraria mais profundamente em O Ego e o Id, de 1923. “Espantem-se à vontade; podem ficar de boca aberta, dar de ombros, tudo; não admito réplica. Se me replicarem, acabo o charuto e vou dormir”, adverte o personagem à plateia.

É quase impossível acompanhar tudo na torrente de palavras. Não houve adaptação do texto, é puro Machado de Assis e puro Guimarães Rosa. Aguce os ouvidos

Há 20 anos no divã, sem direito a alta, e voraz leitor de Machado, Ney descobriu o “psicanalítico” conto e decidiu montá-lo em forma de monólogo. Durante a pesquisa, o ator e a diretora Vivien Buckup encontraram outro texto de título idêntico, do mineiro Guimarães Rosa. O Espelho de Rosa é de 1962, bem depois, portanto, que as teorias freudianas se espalhassem pelo mundo. Ambos os contos são alvo de teses acadêmicas que propõem interligações com a psicanálise. Em ambos os protagonistas avaliam o que veem ali: em Machado, Jacobina se espanta com as sombras que encontra em seu reflexo; em Rosa, o narrador previne o desavisado dos riscos de se olhar no espelho. Um constata a fugacidade da beleza e da juventude; o outro já as olha com distância.

No palco intimista da Companhia do Feijão, em São Paulo, os narradores viram um só e também dois; e ainda três se aí incluirmos as obsessões do próprio intérprete, “divo” da Companhia do Latão em incursão solo. Candelabros, uma escrivaninha, duas cadeiras… Na primeira parte, tudo é contido, inclusive os braços inertes de Jacobina, a contrastar com a verborragia e o vigor físico do segundo personagem. É quase impossível acompanhar tudo na torrente de palavras. Não houve adaptação do texto, é puro Machado de Assis e puro Guimarães Rosa. Aguce os ouvidos.

Se você não leu antes os contos, certamente terá vontade de ler depois. E voltar para rever a peça.

Espelhos
Direção: Vivien Buckup
Companhia do Feijão: rua Teodoro Baima, 68 – República – São Paulo
Sábados às 21h, domingos às 19h. Até o dia 15/04. Haverá sessão extra na sexta-feira, 13, às 21h.
Ingresso: pague quanto puder

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Mais poesia, por favor


De vez em quando, para alimentar a alma dxs leitorxs, o site trará poemas selecionados de algum/a autor/a brasileiro/a e estrangeiro/a. Porque nem só de pão vive o homem (e a mulher)

Cultura

Vinicius de Moraes e o golpe militar


Nos 100 anos de Vinicius de Moraes, republico a investigação do jornalista Marcelo Bortoloti sobre um episódio até hoje nebuloso: a demissão do poeta, diplomata de carreira, do Itamaraty durante a ditadura militar. O texto…