Socialista Morena
Politik

Eles voltaram do recesso: salve-se quem puder

O pacote de maldades do governo Temer continuou a todo vapor nas férias de julho e promete trazer aos brasileiros outras surpresas ruins com o fim do recesso e a volta dos parlamentares a Brasília

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Katia Guimarães
01 de agosto de 2017, 14h47

O saco de maldades do governo Temer parece não ter fundo: continuou a todo vapor durante as férias de julho e promete ser ainda pior com o fim do recesso do Congresso Nacional e a volta dos parlamentares a Brasília. Depois da terceirização e da reforma trabalhista, o brasileiro foi pego de surpresa com o aumento do imposto sobre o combustível e a alta na conta de luz. Cortes draconianos no Orçamento que chegam a R$ 6 bilhões, com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) perdendo 30% dos recursos, também foram anunciados. O contingenciamento, como é chamado o bloqueio de verbas, levará à paralisação da máquina administrativa. Atividades da Polícia Rodoviária Federal, do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de políticas das universidades federais estão sendo atingidas, levando ao limite da insolvência. É o Estado mínimo em ação.

A despeito de tudo isso, o Palácio do Planalto continua a gastar de forma escancarada com a compra de votos de parlamentares e promove uma execução orçamentária seletiva para atender aliados e safar Temer da denúncia feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que acusa o presidente de corrupção passiva. Mais denúncias estão a caminho: obstrução à justiça e organização criminosa. Para barrar a primeira, os aliados mais próximos do presidente passaram o recesso parlamentar negociando votos, com destaque para as benesses à bancada ruralista. A chamada MP da Grilagem, que trata da regularização fundiária rural e urbana, inclusive na Amazônia Legal, já foi sancionada. Agora vem aí a anistia das dívidas dos produtores rurais no Funrural, a venda de terras brasileiras a estrangeiros e as mudanças na demarcação de terras indígenas, a flexibilização do licenciamento ambiental e uma possível nova tentativa de redução da reserva florestal no Pará. Além da votação da medida provisória que concede perdão de dívidas tributárias, beneficiando o empresariado.

O Palácio do Planalto continua a gastar de forma escancarada com a compra de votos de parlamentares e promove uma execução orçamentária seletiva para atender aliados e safar Temer da denúncia

Diante da notícia de que há um rombo de 139 bilhões de reais nas contas do governo que precisa ser coberto, a previsão é que essa farra toda seja compensada em parte por mais tungadas no bolso e nos direitos do trabalhador e na soberania brasileira, levando o país a uma situação absurda. Nem mesmo a reprovação de 95% toca Michel Temer, que age com escárnio e debocha da cara do povo. Na semana passada, o presidente comemorou a ridícula redução da taxa de desemprego, que caiu de 13,5% para 13% –o governo esconde inclusive que, entre os jovens, o número supera os 20%. Esse número foi puxado pelo emprego informal, sem carteira assinada ou trabalhando por conta própria. Em vídeo divulgado nas redes sociais, Temer atribuiu o feito às realizações de sua gestão. “É o trabalho do meu governo para gerar empregos que começa a dar resultados. E acreditem, é apenas o começo”, disse.

Na fila das maldades também está a medida provisória que ressuscita o programa de demissão voluntária do servidor público federal criado por FHC, e que nada mais é do que propaganda enganosa. Cinco mil funcionários vão ser convidados a deixar o emprego num cenário de recessão devastadora e de precarização do trabalho para uma módica economia de 1 bilhão de reais, que representa 0,35% dos 284 bilhões previstos para as despesas de pessoal neste ano. Ou 0,08% das despesas totais das despesas estimadas no Orçamento, como apontou Fernando Brito no Tijolaço. Ex-servidores que aderiram ao PDV em 1990 criticaram os planos de Temer. O novo PDV também foi condenado pelo Sindsep (Sindicato dos Servidores Públicos Federais no DF), que prepara a campanha “Diga não ao PDV: quem precisa sair é Temer e não o servidor”, para orientar os funcionários a não aderirem ao programa.

Campanha do Sindsep

Nesse segundo semestre, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e a base aliada ainda querem ressuscitar a reforma da Previdência, outra perversidade que atinge em cheio os mais pobres, as mulheres e os negros. No estudo (Des)proteção social: impactos da reforma da Previdência no contexto urbano os consultores legislativos do Senado Joana Mostafa e Mário Theodoro defendem que, com a alta rotatividade do mercado de trabalho brasileiro, as pessoas de menor renda e menor escolaridade –justamente o grupo que se aposenta por idade– serão os mais prejudicados. “Ao estabelecer parâmetros mais rígidos de acesso ao benefício, a PEC pune mais uma vez e de maneira direta as trabalhadoras, aqueles/as de menor renda, menor escolaridade e, por conseguinte, mais vulneráveis”, diz o estudo. Outro ponto importante é o fato de o relatório final da CPI da Previdência comprovar que a Seguridade Social não é deficitária e sim superavitária. O dito buraco apontado pelo governo deve-se aos grandes sonegadores da Previdência e ao desvio de receita para outras áreas.

A vitória do presidente no plenário da Câmara seria a cereja (envenenada) do bolo e o cenário desenhado, a não ser que haja uma reviravolta, é que Temer se safe, pelo menos, desta primeira denúncia. Mas, como em Brasília tudo pode acontecer ou nada, a oposição promete dificultar a vida dos governistas. O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) dispara que o Planalto “não tem votos para aprovar nada” e conta que há um impasse sobre a sessão marcada para o dia 2 de agosto. Enquanto o governo tem que colocar 342 deputados no plenário para a votação começar, a oposição tem que conseguir o mesmo número de votos para a denúncia ser aceita – o que é praticamente impossível já que ela soma 94 deputados. A essa altura, os dois lados cogitam não dar quórum. O placar do site 342agora aponta 207 deputados a favor da abertura de processo contra Temer, 160 contra e 146 indecisos. Para Temer se salvar, bastam 172 votos. O governo argumenta que a cabe à oposição agir para reverter a decisão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a denúncia foi rejeitada.

A vitória do presidente na Câmara seria a cereja (envenenada) do bolo e o cenário desenhado, a não ser que haja uma reviravolta, é que Temer se safe desta primeira denúncia

A tendência é que PT, PCdoB, PSOL, PSB, PDT e Rede (incluindo dissidentes do PSDB e PMDB) afinem a estratégia é só registrem presença no plenário depois que o governo conseguir colocar os aliados. Se Temer ganhar, aumentam as chances de todas as reformas e medidas passarem. Em caso de derrota ou da chegada de outras denúncias, as votações paralisariam apenas por mais um tempo. Como deixou escapar o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, com Temer ou sem Temer as reformas continuarão. Até porque, na hipótese de um afastamento do presidente, o país estará sob a batuta de Rodrigo Maia, o amigão do mercado financeiro que gosta de botar na conta do trabalhador o mau uso dinheiro público e do lucro que o Estado mínimo concede ao capital.

O pacote de maldades de Temer e seus aliados:

Reforma da Previdência

A PEC 287/16 está pronta para ser votada no plenário da Câmara dos Deputados e prevê que o trabalhador terá que contribuir por 40 anos e ter 65 anos de idade, no caso do homem, e 62 para as mulheres para poder se aposentar com o teto do INSS de 5.531,31 reais. O governo diz que o caixa previdenciário faliu pois o déficit estimado para este ano será de 181,2 bilhões de reais, mas um balanço dos seis meses dos trabalhos da CPI que investiga as contas da Previdência, adianta que o relatório final irá apontar que a a Seguridade Social não é deficitária e sim superavitária. Isso porque  os grandes bancos e empresas, como Itaú, Bradesco, Caixa Econômica, Banco do Brasil, montadoras de automóveis e a JBS são os maiores caloteiros, devem mais de 500 bilhões de reais à Previdência. “Setores do patronato arrecadam por ano cerca de 25 bi em torno do trabalhador e não repassam à Previdência, o que é apropriação indébita. Isso é crime”, diz o presidente da CPI, senador Paulo Paim (PT-RS).

PDV

O governo pretende economizar 1 bilhão de reais por ano com o pagamento de indenização para quem abrir mão do serviço público, além de implementar a jornada de trabalho reduzida e a licença incentivada. A MP 792/17, que institui o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) de servidores públicos federais chegou agora no Congresso. A indenização será de 125% da remuneração mensal do servidor, na data da exoneração, multiplicada pelo número de anos de efetivo exercício. Não haverá desconto de Imposto de Renda (IR) ou para o regime previdenciário. O governo definirá a forma de pagamento podendo ser à vista ou parcelado. Tentativas anteriores fracassaram.

Redução da jornada

Outra medida para reduzir as despesas com o funcionalismo é a opção pela redução de jornada. O servidor do Executivo federal poderá pedir que a jornada de oito horas diárias e 40 horas semanais mude para seis ou quatro horas diárias (equivalente a 30 ou 20 horas semanais). Ele receberá o salário proporcional à redução com um adicional de 30 minutos. Ou seja, a nova remuneração será equivalente a 4h30 ou 6h30 de trabalho.

Licença incentivada

Sem remuneração, o servidor ficará afastado por três anos consecutivos, prorrogáveis por igual período, e receberá, como incentivo, o valor equivalente a três meses da remuneração, sem desconto do IR e da previdência. É vedada a interrupção da licença. O servidor em licença incentivada não poderá exercer cargo ou função de confiança em outro poder ou em estatais.

Refis

A MP 783/17 cria o novo Refis prevendo descontos em multas e juros para empresas e pessoas físicas que devem à Receita Federal com parcelas em 175 vezes e descontos de até 99% nos encargos. Antes, a bondade valia apenas para contribuintes com débitos até 15 milhões de reais, mas agora esse limite passou para 150 milhões. A expectativa é que entrarão nos cofres públicos apenas 500 milhões de reais.

Venda de terras a estrangeiros

Em pauta na Comissão de Agricultura da Câmara, o Projeto de Lei 4.059/12 é polêmico e sofre forte críticas das Forças Armadas. A proposta não inclui dispositivo restringindo a compra ou arrendamento de terras por pessoas jurídicas brasileiras que sejam controladas direta ou indiretamente por estrangeiros, retirando do Estado a prerrogativa de monitoramento e controle sobre aquisições indiretas de terras. O projeto ainda revoga a legislação atual (lei 5.709/71) e regulariza todas as compras de terras já realizadas até o momento por empresas ou cidadãos estrangeiros no País.

A “MP do Gato Angorá”

A MP 782/2017 concede status de ministério à Secretaria-Geral da Presidência da República. Na prática, a MP garante foro privilegiado a Moreira Franco, investigado no âmbito da operação Lava-Jato e ganhou o apelido em homenagem a ele.

MP da Grilagem  

Conhecida como a MP da Grilagem, a medida provisória 759 possibilita a transferência de terras da União a grandes especuladores fundiários, anistia grileiros de terras, enfraquece a reforma agrária e acaba com o conceito de uso social da terra. Com isso, a medida resultará em aumento do desmatamento de florestas, a disputa pela posse de terras e, consequentemente, a violência no campo. O texto já foi sancionado pelo presidente.

*PAGUE A AUTORA: Gostou da matéria? Contribua com a autora. Todas as doações para este post irão para a repórter Katia Guimarães. Se você preferir, pode depositar direto na conta dela: Katia Guimarães, Caixa Econômica Federal, agência 4760, conta 21602-1, CPF 602.735.771-15. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Darcy denuncia as negociatas da ditadura (e assombra a semelhança com a era Temer)


Foi na ditadura civil-militar, ao contrário do que defendem os saudosistas que vão às ruas pedir por uma nova “intervenção” (sic) das Forças Armadas, que a corrupção brasileira se profissionalizou. Imaginem: uma época em que…

Politik

Gravação prova que grampo era na presidência (de quebra, prova que Lula falava ACERVO,…


Áudio divulgado agora à noite prova que o grampo estava localizado no Palácio do Planalto. Observe que é a secretária da presidência quem liga para Lula. Ouve-se o toque de chamada e a respiração da…