Socialista Morena
Politik

Fernández & Fernández: a jogada de Cristina para driblar perseguição judicial

Ao sair a vice em vez da cabeça de chapa, líder argentina se torna automaticamente presidenta do Senado se for eleita

Alberto e sua vice, Cristina. Foto: reprodução twitter
Martín Fernández Lorenzo
13 de julho de 2019, 13h37

Quando faltavam 44 dias para o encerramento das listas de candidatos presidenciais, Cristina Fernández de Kirchner fez uma jogada memorável em 9 de maio, apresentando seu livro Sinceramente em Buenos Aires, na Feira do Livro. O evento contou com a participação das Mães e Avós da Praça de Maio, organizações de direitos humanos, líderes políticos do peronismo e de outros partidos, sindicalistas e empresários. Atores argentinos famosos, como Leo Sbaraglia e Cecilia Roth (ambos no último filme de Pedro Almodóvar, Dor e Glória), e o músico Leon Gieco também estiveram presentes.

Em uma sala lotada, com telas gigantes do lado de fora, Cristina falou por 35 minutos, e, apesar do dia chuvoso e das sete ameaças de bomba a duas estações de trem, uma multidão estava presente nas ruas para acompanhar a ex-presidenta. Um preso foi acusado de ser o autor das ameaças. Nos últimos dois meses já houve 19 falsos alarmes de bomba a estações de trem no país.

Ainda assim, o lançamento do livro, um ensaio sobre a história recente do país, foi sem dúvida o maior evento político do ano. No governo, o silêncio reinou. O livro foi considerado um “sucesso editorial sem precedentes”. Até o momento, mais de 250 mil cópias foram vendidas, com o livro ocupando o primeiro lugar em todas as listas de best sellers. Cristina fez lançamentos nas províncias de Chaco, Santa Fé e Santiago del Estero, sempre em salas cheias, e com uma multidão acompanhando-a nas ruas. Arruinou a oposição com um livro. Poético.

Embora todos esperassem que ela anunciasse sua candidatura à presidência, a ex-presidenta deixou o anúncio em suspenso e, 15 dias depois, tornou oficial a grande surpresa: vai sair a vice-presidente e não na cabeça de chapa. Em suas redes sociais, Cristina voltou a surpreender o oficialismo anunciando a Alberto Fernández como candidato. Fernández, que havia sido chefe de gabinete e amigo íntimo de Néstor Kirchner, mas que no passado criticou o governo de Cristina, agora fazia parte do Kirchnerismo na chapa “Frente de Todos”, tornando-se nada menos que o candidato a presidente.

Lançado em maio, o livro de Cristina, Sinceramente, é “um sucesso editorial sem precedentes”. Até o momento, mais de 250 mil cópias foram vendidas, com o livro ocupando o primeiro lugar em todas as listas de best sellers

Na apresentação de Sinceramente, Cristina havia destacado a aproximação entre os dois. Segundo ela, foi o próprio Fernández (considerado na época pelo jornal Clarín como “articulador de Cristina”) quem lhe deu a ideia de escrever o livro. A decisão de sair a vice é uma jogada de mestre porque, eleita, Cristina acumulará automaticamente a presidência do Senado argentino. Ou seja, dará ao presidente condições plenas para governar o país –além de garantir para si mais quatro anos de imunidade parlamentar, driblando a perseguição judicial que sofre, similar a que Moro e cia. fazem a Lula.

“Nós, líderes, devemos deixar a vaidade de lado. Eu estou disposta a ajudar a partir de um lugar onde possa ser mais útil”, disse ela no twitter em maio, ao anunciar a candidatura a vice de Fernández.

Outro movimento brilhante, que confundiu aos aliados e aos adversários, como os dois gols de Maradona contra a Inglaterra no Mundial do México, em 1986: a Frente de Todos conseguiu a adesão de Sergio Massa, que desistiu da candidatura presidencial e será o principal candidato a deputado nacional da província de Buenos Aires. Na eleição de 2015 para presidente, Massa conseguiu 21,39% dos votos. É como se Ciro Gomes tivesse se unido ao PT em 2018.

Por sua parte, o presidente Mauricio Macri anunciou sua candidatura com um candidato a vice-presidente que também surpreendeu com a escolha do peronista Miguel Angel Pichetto. O partido do Macri sempre se destacou ao criticar duramente o peronismo, junto com seus seguidores, e Pichetto foi, durante 18 anos, o chefe do bloco Justicialista (peronista) no Senado até sua renúncia em 11 de junho.

Macri também surpreendeu ao escolher um peronista para vice, em uma jogada confusa. “Sinceramente”, o efeito que eles queriam conseguir é difícil de entender: os anti-peronistas serão obrigados a votar em um “ex”-peronista

O UCR, partido aliado ao Macrismo, não terá um candidato de peso na lista. Os anti-peronistas serão obrigados a votar em um “ex”-peronista. Pichetto, um sujeito sem carisma que incentiva a mão dura com rasgos xenófobos e misóginos, é considerado pelo peronismo como um traidor, e para os aliados como um inimigo. Sem contar que, com a grande revolução que foi gerada no país graças ao crescente movimento feminista, não ter uma mulher na cartela presidencial é mais um ponto negativo para Macri.

O que os macristas esperam? Conquistar, com um traidor do peronismo, votos que seriam para Cristina? “Sinceramente”, o efeito que eles queriam conseguir é difícil de entender. Macri me lembra um tango que, como tal, sempre se cantam pra tristeza ou desgraça: Desencuentro, de Cátulo Castillo e Aníbal Troilo. “Estás desorientado y no sabes, que trole hay que tomar, para seguir…” (Você está desorientado e não sabe que bonde é preciso tomar para continuar…).

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Luis Carlos Kerber em 13/07/2019 - 23h09 comentou:

Espero que a chapa de Cristina Kirchner ganhe a presidência da Argentina, faça uma grande maioria no Legislativo e seja uma força a barrar o retrocesso na América do Sul. Espero que a vitória de Cristina ajude as forças progressistas e nacionalistas brasileiras a derrotar a bárbarie Bozo.

Responder

Mary em 14/07/2019 - 16h04 comentou:

Lindo Tango

Responder

Omar em 14/07/2019 - 16h31 comentou:

A Cristina tem a vantagem de observar tudo que aconteceu no Brasil, para formular suas estratégias. Os trabalhadores argentinos sempre foram peronistas. Quem elegeu Macri foi o PIG (Clarin) e a classe média ( coxinha e fascista, igualzinha a nossa) em uma votação apertadíssima. Mas até a classe média está se fodendo de azul e branco. Não aprenderam nada depois do Menem, assim como a nossa classe média não aprendeu nada com FHC.
Acho que somente a mais abjeta e grotesca manipulação eleitoral pode salvar o Macrismo. O que não seria nenhuma novidade pois ninguém me convence que as nossas eleições não foram fraudadas.

Responder

John em 23/07/2019 - 13h14 comentou:

Astuta até esse daí dar uma de Lenin Moreno… aí vamos ver quão astuta é essa tática.

Responder

Vítor M. em 24/07/2019 - 14h29 comentou:

Infelizmente, Lula não teve a grandeza de Cristina.

Diante da perseguição judicial e da prisão, preferiu insistir na própria candidatura como cabeça de chapa, deixando todo o povo brasileiro morrendo na praia.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Macri diz que um dia todos os argentinos terão um “crush” pela chefa do…


Presidente argentino bajula Christine Lagarde em Nova York enquanto o país afunda na crise econômica e no meio de uma greve geral

Kapital

Forbes sobre o fracasso do direitista Macri: “é hora de cair fora da Argentina”


Enquanto o peso despenca, especialistas de publicações estrangeiras acusam equipe do ex-ídolo dos coxinhas de estar perdida