Socialista Morena
Kapital

Fetichistas do agrotóxico: governo liberou mais de um veneno por dia

Em audiência na Câmara, ministra da Agricultura disse que os pequenos agricultores ingerem agrotóxicos "porque fumam" ao aplicá-los

Ilustra: Robert Crumb
Da Redação
11 de abril de 2019, 16h04

Nos 100 primeiros dias do governo Jair Bolsonaro já foram liberados 121 novos agrotóxicos, mais de um veneno por dia. Neste ritmo, o Brasil se consolidará cada vez mais como líder mundial no consumo de agrotóxicos, posto que ocupa desde 2008, de acordo com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Entre os agrotóxicos que agora podem ser utilizados, 40% são classificados como extremamente ou altamente perigosos para a saúde humana. Em relação ao meio-ambiente, 56% são muito perigosos. Uma das novas substâncias é o sulfoxaflor, proibido nos EUA por causar a morte de insetos, em especial das abelhas.

Outra substância liberada pelos fetichistas do agrotóxico é o Topatudo, uma variação do glifosato, cujo fabricante, a Monsanto-Bayer, sofreu mais um revés nas cortes internacionais: um tribunal de São Francisco decidiu que a substância foi um “fator importante” para o linfoma não Hodgkin (LNH) que vitima Edwin Hardeman, de 70 anos. A empresa foi condenada a pagar 80 milhões de dólares de indenização. Em direção oposta, a brasileira Anvisa concluiu, em fevereiro, que não há evidências de que o glifosato faça mal à saúde.

Entre os venenos liberados, 40% são classificados como extremamente ou altamente perigosos para a saúde humana. Em relação ao meio-ambiente, 56% são muito perigosos. Um deles é o sulfoxaflor, proibido nos EUA por matar insetos, em especial das abelhas

Dos produtos liberados pelo governo Bolsonaro, um é considerado extremamente tóxico, o Metomil, ingrediente ativo usado em agrotóxicos indicados para culturas como algodão, batata, soja, couve e milho. Além dele, quatro foram classificados como altamente tóxicos. Quase todos são perigosos para o meio ambiente, segundo a classificação oficial. Quatorze são “muito perigosos” ao meio ambiente, e 12, considerados “perigosos”.

Nesta terça-feira, em audiência pública na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, conhecida como “musa dos agrotóxicos”, chamou os venenos de “remédio das plantas” e culpou os agricultores por eventuais doenças que venham a ter porque não aplicariam os produtos devidamente, e ingerem o produto porque “fumam” ao aplicá-lo.

“Os pequenos produtores não têm essa capacitação feita para que eles tenham o cuidado e apliquem com roupas apropriadas, equipamentos apropriados, façam lavagem do equipamento e não fumem. Às vezes o sujeito fuma aplicando, e no cigarro ele acaba ingerindo o produto químico que ele está utilizando na aplicação do solo”, disse a ministra. Na mesma audiência, Tereza Cristina sustentou que o brasileiro não passa fome porque tem muitos pés de manga nas cidades.

Durante o último ano do governo Temer, a aprovação de agrotóxicos bateu recordes: foram 450 substâncias liberadas, meta que Bolsonaro deve superar até o final do ano.

Com informações do Brasil de Fato e do Repórter Brasil

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Vídeos

O dia em que os fotógrafos se recusaram a fazer imagens do ditador


Em 1984, inconformados com o desrespeito de Figueiredo com seu trabalho, repórteres fotográficos baixaram as câmeras à sua passagem

Cyberia

Para que servem os ruralistas?


Finalmente tem enquete nova no blog: andei pensando sobre os ruralistas, estes grandes proprietários de terras, com grande força no Congresso, que se gabam de alimentar o Brasil. Mas como isso pode ser verdade se,…