Socialista Morena
Feminismo

Frota perde ação para ministra de Dilma e apela à baixaria contra juiz

Inconformado porque Eleonora Menicucci foi absolvida, ex-ator e atual guru "intelectual" da direita saiu do fórum acusando o juiz de "julgar com a bunda"

Eleonora Menicucci comemora na saída do Fórum João Mendes. Foto: Roberto Parizotti/CUT
Da Redação
24 de outubro de 2017, 17h45

A ex-ministra das Mulheres do governo Dilma, Eleonora Menicucci, foi absolvida hoje, em segunda instância, do processo por danos morais que está sendo movido contra ela pelo ex-ator e atual guru “intelectual” da direita Alexandre Frota. Em maio do ano passado, Eleonora havia criticado o ministro da Educação, Mendonça Filho, por ter sido capaz de receber o ex-ator no gabinete para ouvir seus “conselhos” sobre a educação no país.

“Receber esse senhor, que não só já assumiu ter estuprado, mas também faz apologia do estupro, me passa uma credencial péssima de quem está dirigindo a educação”, disse a ex-ministra, se referindo a uma entrevista em que Frota, diante de milhões de telespectadores, conta ter estuprado uma mãe-de-santo desacordada.

“Fiquei olhando aquele bundão e falei ‘vou comer, vou pegar’. Cheguei pra ela assim: ‘deixa eu te falar uma parada, não acredito nessas paradas que você faz, mas queria te dar um pega. E aí, tem jogo?’ Ela não falou nada e eu pensei ‘vou pegar’. Aí virei, botei a mãe-de-santo de quatro, levantei a saia, agarrei ela pela nuca, botei o boneco pra fora e comecei a sapecar a mãe-de-santo”. Segundo o ex-ator, a mãe-de-santo teria inclusive “desmaiado” por conta da pressão na nuca.

Fui julgado por um juiz ativista, ativista do movimento gay, o juiz  não julgou com a cabeça, julgou com a bunda

Após a polêmica causada pela fala, Frota afirmou que tudo não passou de “brincadeira”, “piada”. No entanto, o ex-ator não gostou da referência que Menicucci fez à entrevista e a processou. Em maio deste ano, a juíza Juliana Nobre Correia, da 2ª Vara do Juizado Especial Cível de Vergueiro, na cidade de São Paulo, chegou a condenar a socióloga e professora da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) a pagar 10 mil reais de indenização apenas por dizer que Frota falou o que falou. Hoje, a sentença foi revista.

Houve confusão na entrada do Fórum, com manifestantes favoráveis à ministra sendo insultados por um pequeno grupo que apoiava Frota (sim, havia até mulheres no grupo). Na saída, o alvo do novo guru da direita foi o juiz Luis Eduardo Scarabelli. “Fui julgado por um juiz ativista, ativista do movimento gay, o juiz  não julgou com a cabeça, julgou com a bunda e deu a causa para a Eleonora, por enquanto. Entendeu?” Os advogados dele disseram que vão recorrer.

No twitter, Alexandre Frota voltou a atacar o juiz.

Já a ex-ministra das Mulheres saiu de alma lavada e sensação de que a Justiça foi feita. “Esta vitória é de todas as mulheres. Ela não me pertence, mas a todas as brasileiras. Ela representa a condenação do estupro e a absolvição total das mulheres. É uma luta pela democracia, em favor da justiça social, dos direitos humanos das mulheres”, disse. “Tenho a honra de ser uma mulher que já viveu dois golpes neste país e que hoje enfrenta esta luta, em nome de um compromisso com as mulheres brasileiras. Essas que me ensinaram a lutar.”

Esta vitória é de todas as mulheres. Ela não me pertence, mas a todas as brasileiras. Ela representa a condenação do estupro

Eleonora Menicucci disse que saiu fortalecida com a vitória sobre o ex-ator. “Me sinto ainda mais comprometida com a luta pela democracia, pelo retorno do Estado de direito no nosso país, contra o golpe que tirou a primeira mulher presidenta, eleita e reeleita, e contra este clima de ódio que os golpistas instalaram em nosso país. Viva as mulheres brasileiras.”

Secretária de Comunicação da CUT-SP, Adriana Magalhães lamentou a violência dos manifestantes favoráveis a Frota diante do Forum. “Existem movimentos de direita que são patrocinados. Gente que esteve hoje no fórum, que defende estuprador, que defende intervenção militar no Brasil”, criticou.

A filósofa e teóloga feminista brasileira Ivone Gebara comentou o absurdo da situação. “Eleonora denuncia um crime e é acusada porque o denuncia. E o criminoso tenta sair impune. Isso é um testemunho de que a legalidade não funciona no país e que o regime do terror, da banalidade, é que está vencendo, sobretudo na política e nos meios de comunicação.”

Com informações do site da CUT

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Fabão em 24/10/2017 - 21h12 comentou:

Mônica Iozzi pagou a Gilmar Mendes vinte mil por perguntar o que esperar de um ministro. Pela proporcionalidade o intelectual da direita Frota deve pagar ao juiz que ofendeu uns duzentos mil.

Responder

    Amanda em 25/10/2017 - 18h47 comentou:

    Aaaa seria “ótemo”!
    Ia ter q se cagar d tanto fazer filmes pornos !😂😂😂

Raman Kadal em 25/10/2017 - 09h08 comentou:

Caro Juiz não deixe essa situação barato é uma ofensa ao judiciário tão mal versado nesse país. O senhor fez justiça as mulheres de honra e luta esse rapaz é imbecil que ultrapassa todos os limites do racismo , homofobia, e estupidez humana. Tratou as religiões de matrizes africanas como um lixo, ofende uma idosa , agride um magistrado e fica impune ?

Responder

    Amanda em 25/10/2017 - 18h52 comentou:

    Concordo pleeenamente !
    Esse ser pensa q tudo pode, que esta certo! Tá mais q na hr de darem um chega p lá nele!

Felipe Roberto Martins em 29/10/2017 - 11h10 comentou:

Feliz! Justiça sendo feita.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Repulsivo e sedutor: Carlos Imperial, o mais vistoso símbolo da era dos cafajestes


Houve um tempo no Brasil em que não era considerado abominável a um homem ser cafajeste, pelo contrário. Ter várias mulheres ao mesmo tempo, chamá-las por codinomes depreciativos e tratá-las abertamente como um objeto descartável,…

Politik

CPI da Lei Rouanet: NENHUM artista de esquerda é indiciado


Por Katia Guimarães* Quem esperava encontrar os artistas de esquerda que denunciavam o golpe contra a presidenta Dilma na lista de pedidos de indiciamento da CPI da Lei Rouanet quebrou a cara. Chico Buarque não…