Socialista Morena
Politik

Humor “politicamente incorreto” e extrema-direita: irmãos siameses

Grupo neonazi dos EUA teve seu embrião num site de postagens anônimas, o 4chan. No Brasil, o humor também influencia diretamente a "nova" direita

Trump como Pepe the Frog
Guilherme Coutinho
24 de outubro de 2017, 20h07

Em agosto desse ano, a cidade norte-americana de Charlottesville, na Virgínia, ganhou as manchetes do mundo todo por sediar um protesto de supremacistas brancos que acabou em tragédia, com o atropelamento e morte de três ativistas antirracistas e dezenas de feridos. O evento ficou marcado por imagens chocantes, como saudações nazistas, tochas (em alusão à Ku Klux Klan) e a presença de manifestantes armados. Entre os organizadores estava Richard Spencer, um dos maiores expoentes da denominada Alt Right, o grupo de extrema-direita que apoiou a campanha de Donald Trump e possui, atualmente, representantes em seu governo.

A Alt Right, um eufemismo para “neonazista”, se apoia em princípios radicais: são antifeministas, anti-imigrantes, antissemitas , islamofóbicos e supremacistas. “Sou nazista, sim”, afirmou, sem papas na língua, um dos participantes à reportagem da BBC que cobria a manifestação em Charlottesville.

Este grupo teve seu embrião em um site de humor politicamente incorreto há cerca de uma década: o 4chan. O 4chan é um site onde os usuários fazem postagens e comentários sempre de forma anônima, em formato de fórum. Com o tempo, as postagens, sempre encobertas pelo anonimato, começaram a tomar contornos anárquicos e um novo tipo de humor nasceu por ali. Os memes de internet como os conhecemos e até o influente grupo “Anonymous” são fenômenos surgidos no submundo dos fóruns do 4chan.

A Alt Right possui como símbolo o mesmo meme que representa o 4chan, o bizarro Pepe the Frog

Aos poucos, os usuários do 4chan foram se organizando e realizando encontros presenciais cada vez mais frequentes. O fórum começava a se tornar um movimento. Em fevereiro, o quadrinista e escritor Dale Beran revelou em um artigo como o grupo de nerds anônimos se tornou uma importante força política nos EUA. Seu primeiro protesto foi contra a Cientologia. Mas o protesto não era contra a religião em si e sim contra o fato de a seita ter retirado da rede um vídeo de Tom Cruise que havia viralizado. Ou seja, a igreja tinha impedido o grupo de “zoar” da forma como eles bem entendessem.

Depois da Cientologia, o grupo atuaria severamente contra qualquer movimento que eles considerassem politicamente correto e que tentasse restringir alguma piada (por serem machistas, racistas ou até mesmo nazistas). “O 4chan queria o direito de fazer o que bem entendesse. Sempre que grandes sistemas organizados atrapalhavam esse seu ‘direito’, o grupo se opunha a eles”, escreveu Beran.

Hoje, a Alt Right possui como símbolo o mesmo meme que representa o 4chan: o bizarro Pepe the Frog, originalmente um sapinho engraçado do qual os ativistas do ódio se apropriaram. O próprio Trump, ainda pré-candidato, tuitou a si mesmo retratado como Pepe.

Indignado, o criador do sapinho, Matt Furie, renega a criatura e foi à Justiça para impedir o uso que foi dado ao desenho. Em maio, Furie “matou” Pepe em um cartum para ver se a direita esquecia o personagem, mas não adiantou.

O funeral de Pepe

No Brasil, também temos uma nova –e radical– direita em plena ascensão. E não há dúvidas que o humor possui uma influência direta na moldagem desse novo grupo. Alguns humoristas reacionários, ao reivindicarem o direito de fazer piada com tudo, atacam grupos feministas, negros, homossexuais e todo tipo de minoria, e se eles reclamam, são acusados de fazerem “mimimi” (um dos piores neologismos desses tempos digitais).

Danilo Gentili parece ser o maior expoente desse suposto humor “anárquico”. Exemplos bizarros não faltam: ironicamente, ofereceu bananas a Thiago Ribeiro, jornalista negro que o criticava; afirmou ter confundido a senadora Regina Sousa –também negra– com a “tia do café”; em uma postagem no twitter, reforçou a cultura do estupro: “um cara esperou uma gostosa ficar bêbada para transar com ela. Todos sabemos o nome que se dá a um cara desses: gênio”. Vejam como é possível disseminar preconceito sob a tênue máscara do humor.

Ainda não podemos comparar Gentili com a Alt Right. Mas, há muito pouco tempo, os membros desse grupo apenas reivindicavam direito de fazer piadas politicamente incorretas

Gentili poderia ter enterrado sua carreira depois desses “deslizes”. Mas, como mencionamos, uma nova direita está em ascensão no país. O humorista tem quase 16 milhões de seguidores no twitter e incríveis 13 milhões de seguidores no facebook. A Folha demitiu recentemente um repórter que entrevistou o apresentador após ele se queixar da “ideologia” do jornalista nas redes sociais, embora o jornal negue ter havido pressão. No SBT, o “humorista” tem carta branca para maldizer tudo e todos em seu programa de entrevistas. Não é fácil bater de frente com quem fala para tantas pessoas, mesmo se aquilo que tenha sido falado seja recoberto de preconceito, bullying e intolerância.

Ainda não podemos comparar os efeitos das “piadas” de Gentili com as manifestações organizadas pelo Alt Right nos EUA. Entretanto, não custa lembrar que, há muito pouco tempo, os membros desse grupo apenas reivindicavam o direito de fazer piadas politicamente incorretas na internet. E que o “comediante” já tem seu braço direito na política, com quem sempre se junta na defesa da “liberdade de expressão” sem limites: o MBL.

 

 

 


(3) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Haroldo Barbosa em 24/10/2017 - 20h28 comentou:

Seria interessante ressaltar ( e não só citar de passagem) a importância do site p/ grupos como o Anonymous. Texto superficial.

Responder

Filipa em 24/10/2017 - 20h31 comentou:

Excelente artigo! Só faltou mencionar o gamergate, tubo de ensaio das técnicas que a extrema-direita usou para publicitar o Trump. Foi aí que Milo Y. começou a espalhar as suas ideias e de Steve Bannon.

Começando por uma calúnia – que Zoe Quinn, desenvolvedora de jogos, dormirá com um jornalista para que este publicidade o seu jogo – foi imediatamente apropriado pela extrema-direita.

Esse “humor” se virou contra críticas feministas de jogos, como Anita SARKEESSIAN e Zoe Quinn. As suas ideias foram pervertidas e gozadas, houve ameaças de morte e violação.

Aconselho consultar o site feminist frequency e o vídeo “gamergate” do canal “Folding Ideas”.

Estou no telemóvel, por isso não posto os links:D.

Responder

CarlosH em 25/10/2017 - 01h20 comentou:

“Alguns humoristas reacionários, ao reivindicarem o direito de fazer piada com tudo, atacam grupos feministas, negros, homossexuais e todo tipo de minoria, e se eles reclamam, são acusados de fazerem “mimimi”” E são os primeiros que soltam os cachorros quando veem algo que consideram ofensivo ou quando se sentem ofendidos. “”zueira sem limites”” deles é pros outros.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Direitos Humanos

A teoria da relatividade do amor reaça


Nós, de esquerda, cometemos um erro ao falar que os reaças só sabem odiar. Não, gente. Os reaças também amam! Só que depende. Que negócio é esse de amar incondicionalmente? Mesmo se dizendo cristãos que…

Politik

Reaças católicos fazem abaixo-assinado para impedir Haddad de ser conselheiro da PUC-SP


Convidado para ser conselheiro da PUC-SP, o ex-prefeito Fernando Haddad está sendo alvo de um movimento liderado por conservadores católicos para impedir que tome posse no cargo. Em fevereiro, o arcebispo metropolitano, dom Odilo Scherer,…