Socialista Morena
Politik

Invasão do Iraque, 10 anos: as faces da guerra que os EUA preferem ocultar

Dia 20 de março é o décimo aniversário da invasão norte-americana ao Iraque. Dizem que o Iraque está melhor pós-Saddam Hussein. Deve ser, não sei. Eu quero falar dos feridos e dos mortos nessa guerra absurda. Os cálculos variam, mas estima-se que de 110 mil a 170 mil pessoas morreram no Iraque, entre civis e […]

Cynara Menezes
19 de março de 2013, 16h43

(Ty Ziegel em seu casamento, em 2006. Foto: Nina Berman)

(Ty com sua noiva Renee antes da guerra)

Dia 20 de março é o décimo aniversário da invasão norte-americana ao Iraque. Dizem que o Iraque está melhor pós-Saddam Hussein. Deve ser, não sei. Eu quero falar dos feridos e dos mortos nessa guerra absurda. Os cálculos variam, mas estima-se que de 110 mil a 170 mil pessoas morreram no Iraque, entre civis e combatentes. Eu quero falar dos soldados que tiveram suas vidas destruídas pela guerra. Eu quero falar de pessoas como Ty Ziegel, cuja foto você vê acima.

Ty tinha uma noiva antes da guerra, quando se tornou um dos mais de 900 soldados norte-americanos que sofreram queimaduras graves desde 2001 no Iraque ou no Afeganistão. Ele se casou depois que voltou, com o rosto completamente desfigurado e sem o braço esquerdo. Sua esposa Renee Kline o deixou dois anos depois. Ty morreu aos 30 anos em dezembro passado, em um mal-explicado acidente no gelo.

O governo dos EUA prefere não dar muito destaque a estas histórias. Tampouco gosta de divulgar que um em cada cinco soldados voltou de lá com problemas mentais, segundo diz o próprio Pentágono, sem entrar em mais detalhes. 838 perderam uma perna ou um braço no Iraque e no Afeganistão. 2,6% sofreram três ou quatro amputações. Muitos deles continuam a sentir dor, mesmo após a perda dos membros. E muitos tiveram que ir à Justiça para receber uma indenização digna por isto.

Aos dez anos da guerra do Iraque, eu quero mostrar estes rostos ocultos para lembrar os horrores das guerras. Às vezes as pessoas esquecem. Talvez seja mais confortador (ou hipócrita) pensar que o Iraque “vai bem”, que “valeu a pena”. Será?

(Richard Yarosh em pintura de Matthew Mitchell)

(Richard Yarosh, ferido no Iraque)

(o rosto que Yarosh perdeu no Iraque)

(George W. Bush posa para foto com Isaac Gallegos, queimado no Iraque…)

(…embora não tenha nem coragem de olhar nos olhos dele)

(Bush gostava de dar um ar de “naturalidade” às amputações)

(Joey Paulk, queimado no Afeganistão. Foto: New York Times)

(O rosto de Todd Nelson, ferido no Afeganistão, após 43 cirurgias)

(o rosto de Todd antes da guerra)

Este vídeo conta a história de Todd, seu rosto desfigurado e as cirurgias para reconstruí-lo. Se você quer ter apenas imagens edulcoradas da guerra (como se isso fosse possível), é melhor nem abrir.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(40) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Cristiano em 19/03/2013 - 16h56 comentou:

=(

TENSO!

Responder

Lori em 19/03/2013 - 17h05 comentou:

Tem um doc muito bom, "Poster Girl", a história de uma garota que volta da guerra e muda completamente sua visão não só sobre a guerra do Iraque, mas tb sobre um modo de vida. Ver como o Estado trata os veteranos de guerra, dificultando ao máximo a liberação de tratamentos de saúde e aposentadoria, partindo sempre do princípio do capitalismo onde "agora que vc já serviu e está danificado, não é necessário para nós".

Responder

jose francisco em 19/03/2013 - 17h20 comentou:

Pois é, esses são alguns dos casos dos próprios americanos, mas experimente verificar como estão os "sobreviventes" lá do Iraque. Bush, Cheney et caterva são um bando de criminosos que deveriam ser caçados como animais pois não são humanos, na verdade, não se pode compará-los a animais pois animais não são tão selvagens quantos essas criaturas. Outro que parece ser da mesma estirpe de seu antecessor é o Obama, daqui ha pouco vamos ver os USA em guerra com o Irã… Pobre planeta, com esses "líderes" mundiais… pobre humanidade…

Responder

    bruna em 01/06/2014 - 16h24 comentou:

    as pessoas esquecem da situação das pessoas que ficaram no país, os estados unidos da america é o verdadeiro terrorista

borges em 19/03/2013 - 17h33 comentou:

A guerra, não somente neste caso, é feia e mexe com a gente.
Se o lado "ruim" dos vencedores é assim, não quero nem imaginar como é a situação dos derrotados.

Responder

    Helder em 19/03/2013 - 20h56 comentou:

    Mais uma bomba explodiu hoje no Iraque, 50 morreram…

José Guilherme em 19/03/2013 - 17h34 comentou:

Chocado com essas imagens. É bom que haja manifestações em que se mostrem o lado oculto de guerras.

Responder

Ailton em 19/03/2013 - 17h42 comentou:

Terrorismo é complicado!
A "Guerra ao terror" produz mais caos e dor que qualquer iniciativa de alguma minoria étnica ou religiosa. O Terrorismo de Estado dos EUA matou e mata milhares todos os anos, tanto estadunidenses como árabes muçulmanos. Os maiores vilões e disseminadores do ódio ainda são Israel e EUA.

Responder

Marcos em 19/03/2013 - 18h30 comentou:

Isso é só um pouco do que se sabe. Existe muitas e muitas famílias sofrendo com tudo isso

Responder

Silvia Regina Pavesi em 19/03/2013 - 18h30 comentou:

difícil de encarar!

Responder

LeoContesini em 19/03/2013 - 18h56 comentou:

Não que eu concorde com a guerra ou com os EUA, mas nenhum desses militares foi obrigado a se alistar, afinal, o serviço militar não é obrigatório nos EUA. Estavam defendendo o que talvez acreditassem, por vontade própria, sabiam das consequências. Bem diferente do que aconteceu no Vietnã.

Responder

    Luiz Rafael em 19/03/2013 - 20h05 comentou:

    Se não me engano, na Guerra do Iraque o Governo começou a "caçar" soldados para guerra.

    LeoContesini em 22/03/2013 - 22h31 comentou:

    Nenhum deles foi obrigado. Eles optaram por isso cientes do que poderia lhes acontecer.

    Helder em 19/03/2013 - 20h55 comentou:

    A maioria é de pobre estudantes que buscam auxílio das Forças Armadas para custear seus estudos…

    Julia em 20/03/2013 - 03h00 comentou:

    Exato. É uma obrigação velada, a única chance de escapar. Inverno da Alma é um longa não documental, mas aborda esse assunto, em um plano secundário, mas muito sensivelmente. E concordar com o militarismo não significa assinar com as guerras. Significa assinar cegamente com decisões que são feitas numa hierarquia que lhe é alheia.

    LeoContesini em 22/03/2013 - 22h42 comentou:

    Única mesmo? Ou é uma chance atraente, com possibilidade de fazer dinheiro rápido?

    Julia em 23/03/2013 - 08h06 comentou:

    Você faz soar como se a decisão fosse baseada no desejo de arcar com a última geração do Iphone ou como se fosse um caminho fácil.

    LeoContesini em 24/03/2013 - 02h56 comentou:

    É uma decisão baseada em ganhar dinheiro para determinado fim. Há várias opções. Eu jamais entraria no exército para bancar uma faculdade. Rejeitei até concurso público, imagine então uma instituição como o exército americano.

    As pessoas são responsáveis por seus atos. Quem se junta ao exército americano não é um incauto jovem que acha que vai ser um camponês como os soldados das infantarias brasileiras em troca de alguns dólares. O cara sabe de todas as ações e missões nas quais o exército americano está enfiado.

    O cara não teria culpa se fosse obrigado, como foram muitos jovens na época do Vietnã — uma situação completamente diferente.

    Não concordo com a "filosofia bélica" do militarismo americano, mas nesse caso não tente culpar o Estado americano por decisões tomadas pelos jovens durangos. Tanto é que um dos caras desfigurados aí de cima acha que estava fazendo algo certo quando entrou no exército.

    LeoContesini em 22/03/2013 - 22h38 comentou:

    É uma opção que eles fizeram, ninguém os obrigou ao engajamento. Há várias opções para custear os estudos e a maioria delas te mantém vivo.

Paulo Piloto em 19/03/2013 - 19h51 comentou:

Vitimas militares estadunidenses da guerra, penso que para a maioria dos estadunidense a guerra é necessária a manter sua hegemonia e fontes de necessidades commodities supridas nem que seja a usar a violência e rapinar outras nações. Um general alemão da SS executado disse em suas ultimas palavras no local de sua execução a seguinte frase, "Uma outra Alemanha nascera" se referindo aos EUA.

Responder

André Graziano em 19/03/2013 - 20h47 comentou:

Triste e repugnante. A repugnância não é pelos rostos e corpos destruídos, mas pelo que provocou tudo isto.

Responder

Helder em 19/03/2013 - 20h54 comentou:

Perturbador…

Olha a cara de pau do Bush, que nojo.

Responder

    LeoContesini em 22/03/2013 - 22h43 comentou:

    Curioso é que nessa foto ele parece olhar bem para os olhos do militar ferido:
    <img src="http://www.socialistamorena.com.br/wp-content/uploads/2013/03/isaacgallegos2.jpg"&gt;

    LeoContesini em 22/03/2013 - 22h46 comentou:

    Curioso é que na primeira foto ele parece olhar bem para os olhos do militar ferido. É fácil pegar uma imagem fora de contexto e colocar uma legenda conveniente. A foto anterior contradiz a legenda da segunda. A mim parece que ele estava olhando para alguém que o chamou no momento, pois na primeira foto ele encara bem de perto o militar.

Marques Goron em 19/03/2013 - 22h13 comentou:

Você por acaso também teria algumas fotos dos anos 80, quando as tropas soviéticas invadiram o Afeganistão para postar no blog??

Responder

Diogo Correia em 19/03/2013 - 22h22 comentou:

Impressionante como mesmo no vídeo esses infelizes dão tom patriótico e se orgulham em dizer que fizeram isso pelo país… por que não mostram os homens que falariam como a guerra arruinou a vida deles e qual a atual posição deles em relação a ela? Será que a mídia americana é inescrupulosa e hegemônica até tratando de assuntos tão delicados quanto esse?

Responder

Fernando em 19/03/2013 - 22h51 comentou:

E será que nesses casos o governo americano ajudou nas cirurgias e tratamentos deles? Pq devem ser caríssimos. Imagens muito fortes mesmo =/

Responder

Luciana Gomes em 20/03/2013 - 04h25 comentou:

Geneton Moraes Neto entrevistou um ex-soldado americano. Vale a pena assistir. http://globotv.globo.com/globo-news/globo-news-do

Responder

Paulo em 20/03/2013 - 15h36 comentou:

Não conhecia o blog e achei excelente, quanto a esse post muito chocante mais pessoas precisam ler.

Responder

karmma em 20/03/2013 - 19h50 comentou:

Nao tenho pena desses americanos mizeraveis que tiraram a vida de muitos civis inocentes em uma guerra infundada. Ainda tem imbecil pra apertar a mão desse desgraçado desse bush. Qual o mérito tem em voltar da guerra totalmente desfigurado.

Responder

    Mariana em 22/03/2013 - 21h38 comentou:

    Eu mega concordo com vc. Eu não entendo esta devoção. Pra mim mostra uma certa ignorância em achar OK entrar numa guerra ridícula dessas.

André Góes em 20/03/2013 - 23h38 comentou:

Este é o mundo da intolerância, da ganância… Onde o capital precisa se multiplicar e sobreviver, mesmo que para isso seja necessário ceifar algumas vidas, ainda jovens. Na Primeira Grande Guerra iniciou-se a mecanização da morte em grande escala, com armas e técnicas. Na Segunda Grande Guerra, institucionalizou-se a matança em larga escala, com requinte Bestial. Nas Coréias e no Vietnã, mais tarde, o confronto ideológico polarizou-se claramente e contou com muita brutalidade e ódio… E mesmo assim os horrores desses conflitos não é suficiente para sensibilizar os "Senhores da Guerra" e o restante da humanidade. Pois bem, "WAR IS HELL" Que Deus tenha piedade de nós…

Responder

David em 21/03/2013 - 01h28 comentou:

No princípio, o destemido Senhor da Guerra suspeitava de que o demônio iraquiano tinha armas químicas. Então, reuniu seus anjos britânicos e, contrariando a voz da senhora ONU, por seis dias fez chover mísseis sobre a pecadora Babilônia. Não ficou pedra sobre pedra dos palácios erguidos a um deus que não frequentava as rodas judáico-cristãs.
Depois que o sangue daqueles que falavam uma língua estranha ao inglês oficial, tingiu de vermelho as águas do Eufrates, o senhor da guerra, de uma confortável poltrona da bela WHITE HOUSE (leia-se paraíso), contemplou a sua obra e viu que aquilo era de fato bom, pois estava fazendo um favor à humanidade: iria extirpar do mundo o eixo do mal…(Crônica O Senhor da Guerra uma parábola, João Alavarenga Professor que tive o prazer de ser seu aluno.)

Responder

Rossi em 21/03/2013 - 01h47 comentou:

Estas são as faces dos ricos e poderosos agressores.Imaginem as dos pobres e agredidos iraquianos que sofreram uma guerra baseada em mentiras e propagandas.

Responder

José em 21/03/2013 - 23h43 comentou:

Oi Cynara,

peço desculpas. Mas eu não sei se você reparou no video. Ele contadiz quase completamente o seu texto. ã pergunta: "você se arrependeu?", Todd, o senhor do rosto completamente desfigurado diz que estava no exército há 17 anos e que estava preparado para que algo assim acontecesse… Sei que não era a sua intenção, mas isso pode até soar como propaganda da guerra dos EUA…

Peço desculpas, mas um leitor ficaria perdido entre a interpretação do soldado e de seu ferimento e a sua…

Até…

Responder

    morenasol em 22/03/2013 - 01h00 comentou:

    josé, ele pode dizer o que quiser em defesa dos EUA. seu rosto o contradiz completamente.

José em 22/03/2013 - 13h28 comentou:

Desculpa, ei não quis fazer propaganda da guerra americana. Me choca o fato do conflito se arrastar por 10 anos. Mas o depoimento de alguém que começa dizendo: "eu adoraria ter a minha orelha de volta"e termina com um "não me arrependo apesar de tudo" mostra como estes veteranos desfigurados não se levantam contra o conflito, eles o reforçam, enccorajam pessoas a lutar contra o outro. São a prova física de que o "inimigo" está lá e mesmo que os estadunidenses não tenham encontrado as tais armas de destruição em massa iraquianas, a volta para casa destes veteranos acaba por justificar o conflito de alguma forma. Espero que entendam. Acho que o blog é bem incisivo na sua crítica e o vídeo acaba por mostrar um outro lado: como a guerra é alimentada, como são produzidos os "heróis americanos"…

Até…

Responder

Torreblanca em 24/03/2013 - 23h06 comentou:

Faltou mostrar os rostos e os corpos (ou o que sobrou deles) de todos aquelas vitimas das armas norte-americanas seja no Iraque, no Afeganistão, no Vietnam, no Laos e em dezenas de outros locais em que existam interesses estratégicos para o Império. A grande diferença é que hoje a Mídia e a opinião pública nos EUA apoiam, em sua maioria, essa selvageria em nome da Luta Contra o Terror. Violência perpetuada através de mais massacres contra indefesos. O Sr Obama prometeu muito e o que realizou? Sempre mais do mesmo no país do Tio Sam.

Responder

diego em 16/08/2013 - 21h06 comentou:

os americanos sao trouxas se metem nos problemas dos outros tinha uma historia que nos eua passava uma propaganda falando mal do brasil que a floresta amazonica estava sendo devastado

Responder

SIDNEI RODRIGUES em 14/08/2018 - 21h16 comentou:

E quanto às fotos de crianças iraquianas com membros amputados, cegas de um olho ou com outras mutilações ? É heroísmo dos mocinhos americanos ?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Coreia do Sul dá claros sinais a Trump: vá fazer guerra em outra parte


Com o mundo em crise, os EUA querem lucrar promovendo alguma guerra. Mas a Coreia do Sul manda seu recado a Trump: aqui, não

Imagem do dia

72 anos da bomba em Hiroshima


72 anos da bomba atômica em Hiroshima