Socialista Morena
Direitos Humanos

João Bosco repudia uso de O Bêbado e a Equilibrista em ação autoritária

“Não autorizo o uso dessa canção por quem trai seu desejo fundamental”, disse o compositor sobre a desfaçatez de nomear operação como "Esperança Equilibrista"

Policiais federais tratam professores como marginais na UFMG. Foto: Jornalistas Livres
Katia Guimarães
07 de dezembro de 2017, 20h13

Em 1968, o campus da Universidade de Brasília foi invadido por tropas do Exército que consideravam os universitários subversivos e revolucionários. Todos os fatos envolvendo a invasão do campus da UFMG e a condução coercitiva de reitores, professores e dirigentes pela Polícia Federal, nesta quarta-feira, dia 6 de dezembro de 2017, remetem àquele episódio que marcou o endurecimento da ditadura no país.

A ação arbitrária provocou perplexidade no meio acadêmico e político, mas um detalhe sórdido chamou a atenção: a operação foi batizada de Esperança Equilibrista, em alusão à canção que se tornou um hino da redemocratização e da anistia, O Bêbado e a Equilibrista, composta por João Bosco e Aldir Blanc em homenagem a Charles Chaplin. Invadir uma universidade utilizando a música, imortalizada na voz de Elis Regina em uma época em que a repressão militar caminhava para o fim e muitos exilados sonhavam com a volta ao país com a chegada da Anistia, foi considerado uma desfaçatez da PF.

Em nota divulgada, nesta quinta-feira, 7 de dezembro, o compositor João Bosco demonstrou todo seu rechaço não só com a “coerção desnecessária”, mas com a escolha do nome da operação em alusão ao hino. “A operação da PF me toca de modo mais direto, pois foi batizada de Esperança Equilibrista, em alusão à canção que Aldir Blanc e eu fizemos em honra a todos os que lutaram contra a ditadura brasileira. Essa canção foi e permanece sendo, na memória coletiva do país, um hino à liberdade e à luta pela retomada do processo democrático. Não autorizo, politicamente, o uso dessa canção por quem trai seu desejo fundamental”, reagiu.

Para Bosco, está em curso um ato de ataque à universidade pública brasileira. “Isso, num momento em que a Universidade Estadual do Rio de Janeiro, estado onde moro, definha por conta de crimes cometidos por gestores públicos, e o ensino superior gratuito sofre ataques de grandes instituições (alinhadas a uma visão mais plutocrata do que democrática). Fica aqui portanto também a minha defesa veemente da universidade pública, espaço fundamental para a promoção de igualdades na sociedade brasileira. É essa a esperança equilibrista que tem que continuar”, ressaltou.

Essa canção foi e permanece sendo, na memória coletiva do país, um hino à liberdade e à luta pela retomada do processo democrático

A presidenta eleita Dilma Rousseff também classificou como “perverso” o batismo da operação pela PF utilizando a canção. “É uma bofetada nos anistiados e um desrespeito à memória dos torturados e dos que tombaram na luta contra a ditadura”, protestou. “Novamente, de maneira injustificada, extrapola-se o limite do bom-senso e monta-se uma operação policial que joga para a plateia, ao envolver mais de 80 policiais para fazer conduções coercitivas. É lamentável que a sombra do Estado de Exceção continue a se projetar sobre as instituições brasileiras”, condenou.

Dilma fez questão de lembrar da operação semelhante que acabou levando ao suicídio o reitor da UFSC, Luiz Carlos Cancellier, preso pela PF de forma arbitrária e ilegal em outubro. “Novamente, de maneira injustificada, extrapola-se o limite do bom-senso e monta-se uma operação policial que joga para a plateia, ao envolver mais de 80 policiais para fazer conduções coercitivas. É lamentável que a sombra do Estado de Exceção continue a se projetar sobre as instituições brasileiras.”

Pelo menos 84 policiais federais vestidos com trajes camuflados e fortemente armados realizaram 8 mandados de condução coercitiva e 11 de busca e apreensão na UFMG. O alvo foi justamente a construção do Memorial da Anistia Política do Brasil, financiado pelo Ministério da Justiça e executado pela Universidade. Curiosamente, o ataque ocorreu uma semana antes de ser divulgado o relatório final da Comissão da Verdade na UFMG. O documento, fruto de uma enorme pesquisa, tenta explicitar os abusos autoritários perpetrados durante o período militar.

É lamentável que a sombra do Estado de Exceção continue a se projetar sobre as instituições brasileiras

A alegação para a operação digna dos anos mais sombrios da ditadura foram as suspeitas de desvio de recursos –em nota, a Polícia Federal disse ser de quase 4 milhões de reais, de um total de 19 milhões já gastos. O delegado Lacerda, que conduz o caso, admitiu que a investigação ainda é “incipiente”, conforme matéria Circo na UFMG, do site O Beltrano.

O reitor Jaime Arturo Ramírez, a vice-reitora Sandra Regina Almeida e as ex-vices-reitoras Heloísa Murgel Starling e Rocksane de Carvalho Norton, todos ligados diretamente ao projeto, foram levados coercitivamente a depor. Em relato no Facebook, o jornalista Mario Marona contou que a PF invadiu a casa de Ramirez às 6h da manhã. Como ele estava saindo do banho, pediu alguns minutos para se trocar, e ouviu de um dos policiais:  “Você não tem mais direito à privacidade, não, rapaz!”. Recebido por estudantes e professores após ser liberado, Ramirez afirmou que “a UFMG nunca se curvou e nunca se curvará ao arbítrio. Vamos resistir sempre”.

Assim como aconteceu com o reitor Cancellier e agora com Ramirez, outras universidades públicas também sofreram com a truculência e o abuso de autoridade desde o golpe contra Dilma. Ricardo Fonseca, reitor da Universidade Federal do Paraná, lembrou os casos ocorridos no último ano também na UFPR e na UFRGS.

“Há quase um ano, no dia 9 de dezembro de 2016, a polícia federal irrompeu na UFRGS, em vista de uma suspeita de fraude em um programa de extensão. A polícia federal batizou todo o movimento de Operação PhD. Pouco tempo depois, em 13 de fevereiro de 2017, algo similar aconteceu na nossa universidade: numa operação (batizada de Research), foram envolvidos mais de 180 agentes federais, cumprindo vários mandados de prisão e oito conduções coercitivas”, relatou. Fonseca destacou o estranhamento com o fato de as universidades públicas se tornarem os principais focos de atenção da polícia e órgãos reguladores que promovem o mesmo escarcéu repressivo e midiático.

O silêncio do Supremo Tribunal Federal, que tem como função primordial guardar a Constituição, é ensurdecedor

“As universidades, seus professores, servidores técnicos e pesquisadores teriam se pervertido tanto assim em um ano? Teriam se transformado de repente em ninhos de bandidos? As universidades não são perfeitas, como nenhuma instituição pública ou privada o é, mas seguramente não são esse antro de corrupção, descontrole e ineficiência que as ações policiais sugerem e que a mídia propaga”, afirma. “O momento é de fato grave: enquanto deputados ou senadores filmados em flagrante delito por graves desvios são soltos pelos seus pares, reitores têm sua liberdade cassada. A sociedade deve, com muita premência, pensar que tipo de mundo pretende construir quando instituições como as universidades públicas (responsáveis por cerca de 90% da ciência e tecnologia do Brasil) são demonizadas, expostas, desrespeitadas e quando seus dirigentes são imolados publicamente”, ressalta.

Ex-reitora da UFMG, a deputada Margarida Salomão (PT-MG), condenou a brutalidade do episódio. “Não vamos permitir que se repita”, disse, referindo-se às práticas abusivas do regime militar. Mesma revolta demonstrou o senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator do projeto de lei contra o abuso de autoridade, chamado por ele de Lei Cancellier. Para Requião, também há uma provocação com o propósito de “desmoralizar as universidades públicas, fazer o povo crer que são espaços de corrupção, com a intenção de privatizá-las”. “É preciso enquadrar a PF”, ressaltou.

Enquanto deputados ou senadores filmados em flagrante delito por graves desvios são soltos pelos seus pares, reitores têm sua liberdade cassada

Professores e intelectuais da USP e UFMG afirmaram em carta pública que o alvo da operação da PF mais uma vez não foi a corrupção e sim a liberdade democrática. “Está se constituindo uma máquina repressiva insidiosa, visando não só coagir, mas intimidar e calar as vozes divergentes sob o pretexto de combater a corrupção. Seu verdadeiro alvo, porém, não é corrupção, mas o amordaçamento da sociedade, especialmente das instituições que, pela própria natureza de seu fazer, sempre se destacaram por examinar criticamente a vida nacional”.

O modus operandi para atacar universidades têm sido o mesmo. Conta com a truculência policial e a insolência do judiciário, ferindo a garantia do Estado de Direito prevista na Constituição Brasileira, que diz que toda pessoa é considerada inocente até o trânsito em julgado de sua sentença. O Código Penal prevê a condução coercitiva em casos extremos, apenas quando há negativa em depor. O que espanta é a forma como vêm sendo conduzidas essas investigações: todos são tratados de antemão como criminosos. Qual foi a base legal para uma ação com tamanha arbitrariedade?

O silêncio do Supremo Tribunal Federal, que tem como função primordial guardar a Constituição, é ensurdecedor. As togas parecem tapar os olhos e ouvidos dos ministros da Suprema Corte para episódios que têm sido recorrentes, e não só no meio acadêmico.

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
CPF 602.735.771-15
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Dilma recorre ao Supremo para que anule o impeachment e lhe restitua o cargo


Do site de Dilma A defesa de Dilma Rousseff encaminhou nesta quarta-feira, 24 de maio, petição ao Supremo Tribunal Federal, pedindo à Corte que julgue a ação sobre a legalidade do impeachment da presidenta eleita…

Politik

O golpe BBB


Uma das características dos golpes é, claro, prescindir do voto popular em favor de um colégio eleitoral, onde poucos escolhem em nome da maioria. As eleições são deslegitimadas e os votos que milhões de pessoas…