Socialista Morena
Direitos Humanos

Marielle, vereadora do PSOL executada no Rio, denunciava violência policial

Quatro dias atrás, Marielle postou nas redes sociais sobre o assassinato de jovens e as ameaças feitas por policiais a moradores em Acari

A vereadora Marielle Franco. Foto: reprodução facebook
Cynara Menezes
14 de março de 2018, 23h30

Quatro dias atrás, a vereadora Marielle Franco, do PSOL, assassinada a tiros no centro do Rio hoje, denunciou nas redes sociais a violência policial na favela de Acari, zona Norte da cidade. “O 41° Batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro está aterrorizando e violentando moradores de Acari. Nessa semana dois jovens foram mortos e jogados em um valão. Hoje a polícia andou pelas ruas ameaçando os moradores. Acontece desde sempre e com a intervenção ficou ainda pior”, escreveu Marielle.

Ontem, a vereadora voltou a denunciar a violência policial ao comentar o caso de Matheus Melo, de 23 anos, morto ao ser alvejado por policiais militares em Manguinhos, Zona Norte. “Mais um que pode estar entrando para a conta de homicídios da polícia. Quantos jovens precisarão morrer para que essa guerra aos pobres acabe?”, perguntou Marielle, que era socióloga.

Em 2016, a CPI do Senado sobre o Assassinato de Jovens concluiu que há um genocídio de jovens negros no país: a cada 23 minutos um jovem negro é assassinado no país. Muitas das mortes acontecem pelas mãos de policiais nos famigerados “autos de resistência”, onde a polícia atira e depois justifica o assassinato dizendo que o jovem negro “resistiu à prisão”.

Marielle Franco também fazia críticas constantes à violência policial em seu perfil no twitter.

Ela tuitou sobre as mortes dos jovens em Acari. “O 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da morte”, disse.

Nascida no Complexo da Maré, Marielle, a quinta vereadora mais votada do Rio nas eleições de 2016, com 46.502 votos, voltava de uma roda de conversa com mulheres negras na Lapa quando um carro emparelhou com o veículo onde ela estava. Os ocupantes abriram fogo contra a vereadora, que levou quatro tiros na cabeça, e fugiram. Segundo o jornal Extra, a polícia civil encontrou pelo menos oito cápsulas de balas no local.

As últimas imagens da vereadora foram publicadas em sua página, que transmitiu a roda de conversa, apenas algumas horas atrás.

“O Partido Socialismo e Liberdade vem a público manifestar seu pesar diante do assassinato da vereadora Marielle Franco. Estamos ao lado dos familiares, amigos, assessores e dirigentes partidários do PSOL/RJ nesse momento de dor e indignação”, diz a nota oficial do PSOL. “A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta. Exigimos apuração imediata e rigorosa desse crime hediondo. Não nos calaremos! Marielle, presente!”

O PT também soltou nota oficial. “O brutal assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL, é um crime que atinge diretamente a cidadania e a democracia. Marielle foi executada no momento em que vinha denunciando os abusos de autoridade e a violência contra moradores das favelas e bairros pobres da cidade, por parte de integrantes de um batalhão da Polícia Militar. O Partido dos Trabalhadores exige imediata e rigorosa apuração deste crime, que desafia abertamente a política de intervenção federal na área de segurança do Rio de Janeiro. Nossa solidariedade aos familiares e amigos da companheira Marielle. Vamos prosseguir com sua luta contra a violência e os abusos contra os pobres”, diz o texto, assinado pela presidenta do partido, a senadora Gleisi Hoffmann.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(5) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio Souza em 15/03/2018 - 14h22 comentou:

Que os assassinos sejam capturados. Tenham um julgamento rígido e justo. E que sejam punidos na forma da lei exemplarmente.

Responder

Marcelo em 19/03/2018 - 07h43 comentou:

A vereadora Marielle, conquistou o seu cargo no Legislativo com votos da…classe média.

Responder

    Cynara Menezes em 19/03/2018 - 10h22 comentou:

    e daí?

Sergio Souza em 19/03/2018 - 17h16 comentou:

Denunciar a violência policial, é mais que válido e preciso. Porém, também é preciso denunciar a violência dos narcotraficantes! E isso não aparece no discurso do PSOL. A violência policial oprime a população mais pobre, pior ainda fazem os narcotraficantes. Jovens de 10 anos são sacados das famílias e utilizados para fazer o trabalho sujo dos traficantes. Violência é violência. Não dá para denunciar violência policial e ocultar a violência dos narcotraficantes. Os narcotraficantes possuem armas de guerra! Como vencê-los? Apelando para a consciência social? Eles não sabem o que é isso! Conhecem a lei das armas, para tomar pontos de venda de drogas, e vender mais drogas para ganharem mais dinheiro.

Outra coisa que precisa mudar no PSOL, é querer dar anistia a criminosos. Parar de querer convertê-los em revolucionários! Têm que ser presos e pagarem pelos crimes que cometem! Vai se assim também com os criminosos da vereadora falecida? Ou vão exigir punição?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Tudo que você queria saber sobre cotas


Graças ao desserviço prestado pelas bestas-feras da direita e pela imprensa em geral, sempre dando espaço maior a opiniões contrárias às cotas, muita gente que poderia se beneficiar delas não sabe que tem direito. Uma…

Cultura

50 anos do assassinato de Martin Luther King: sua vida em HQ


Trechos do histórico discurso “Eu tenho um sonho” (I have a dream) acompanham ilustrações sobre o líder negro