Socialista Morena
Trabalho

“…Me guardando para quando o carnaval chegar”. Ou: como o capitalismo sepulta o talento

Filme de Marcelo Gomes retrata a "capital do jeans", Toritama, e a ilusão de seus moradores de serem donos do próprio tempo

Cena do filme de Marcelo Gomes. Foto: divulgação
Cynara Menezes
30 de julho de 2019, 18h59

A certa altura de Estou me guardando para quando o carnaval chegar, documentário de Marcelo Gomes, o cineasta pergunta a uma sarcástica senhora de Toritama se ela também está no negócio do jeans, em que praticamente todos os habitantes da pequena cidade do agreste pernambucano estão engajados.

“Eu não. Sou agricultora”, ela responde, com orgulho.

Com cerca de 40 mil habitantes, Toritama, a “capital nacional do jeans”, é responsável pela produção de 20 milhões de peças anuais ou 20% do total da produção do país. Em cada casa por onde o diretor passa com sua equipe há fabriquetas instaladas, com pessoas costurando, cortando, tingindo ou fazendo rasgos em calças, minissaias, macacões… Nas calçadas, em vez das famílias conversando de sua infância, idosos passam os dias fazendo acabamento nas peças em troca de tostões.

A agricultora entrevistada por Marcelo é uma das poucas personagens que de fato tem uma profissão, um ofício, por ali. Os demais são costuradores de bolsos, pregadores de colchetes, fazedores de pregas… Tarefas que exercem de forma absurdamente repetitiva, dia e noite, enquanto têm a ilusão de que são senhores do próprio tempo.

“Começo de manhã, vou pra casa almoçar, volto para cá, depois vou pra casa jantar e retorno para trabalhar até as 10 da noite”, conta uma costureira ao diretor, ressaltando a “vantagem” de poder fazer “o próprio horário”. Outra moça se orgulha de ser “dona” do seu tempo porque fica de domingo a domingo costurando bolsos em casa, sem perceber que o filhinho pequeno que mendiga sua atenção será um homem feito quando ela se der conta disso… Ganha 10 centavos por bolso. “Se eu fizer 1000 bolsos num dia, ganho 100 reais”, comemora.

Não há lugar ali para o talento; ninguém será cantor, ator, arquiteto, agricultor ou matemático. Toritama é uma versão nordestina e bem real do filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin

O paradoxo do trabalhador sem garantia alguma, sem direito trabalhista e sem aposentadoria que é “dono do próprio tempo” fica evidente quando, às vésperas do carnaval, os moradores de Toritama se desesperam com a possibilidade de não viajar para curtir a folia na praia. São capazes de vender tudo o que têm para sair dali e ter direito a ser, pelo menos uma vez por ano, indivíduos capazes de se divertir, dançar, viver –ou simplesmente ficar sem fazer nada, algo raro em seu cotidiano.

No resto do ano, são apenas parte de uma grande engenhoca fabricadora de jeans que os usa como parafusos, polias, engrenagem. Robôs humanos que chuleiam, caseiam e bordam. Não há lugar ali para o talento; ninguém será cantor, ator, arquiteto, agricultor ou matemático. Toritama é uma versão nordestina e bem real do filme Tempos Modernos, de Charles Chaplin.

Como no clássico do cinema, o “vagabundo” que traz algum lirismo à história é Leo, que Marcelo Gomes flagra cochilando em pleno expediente. Um “loser” que não se encaixa na linha de produção e ora arranca tocos, ora tinge tecidos, ora se vira como pedreiro… A graça de Leo é não ver em “ganhar dinheiro” a única razão de existir, o único “sonho” citado pelos moradores de Toritama.

A cidade pernambucana é um microcosmo do mundo ideal do neoliberalismo de Temer e Paulo Guedes: jornada de 14 horas, mulheres acumulando o serviço doméstico, sem licença maternidade e às voltas com doenças laborais

Quem ainda não entendeu a noção de “precariado” do economista britânico Guy Standing vai entender perfeitamente. A cidade pernambucana é um microcosmo do mundo ideal do neoliberalismo de Temer e Paulo Guedes: jornada de 14 horas por dia, mulheres acumulando o serviço doméstico, sem licença maternidade e às voltas com doenças laborais, como as lesões por esforço repetitivo, dores na coluna e nas vistas. “Talvez, no futuro, seremos uma grande Toritama”, disse o cineasta em entrevista ao Jornal do Commercio.

E então nossas vidas se resumirão a trabalhar e dormir, como era no mundo antes da jornada das 8 horas, sem direito a lazer, a cuidar dos filhos, a amar, a fazer o que quisermos do nosso tempo livre. Servos voluntários sem sequer nos darmos conta disso, como o povo de Toritama.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Hélio em 31/07/2019 - 11h41 comentou:

Estamos retrocedendo sem perceber que as nossas condições de trabalho e vida são semelhantes aos tempos servidão

Responder

Eucletiano jose em 02/08/2019 - 20h34 comentou:

Infelizmente a história continua, maximização do lucro sobre a opressão do trabalhador. Para o congresso e dai? Gente humilde tem que trabalhar mesmo até morrer! Só assim manterá a luxúria dos poderosos. Se engana quem pensa que a escravidão no Brasil acabou…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Perseguindo Robert Barker: um brasileiro explora a vida dos papparazzi londrinos


O cineasta mineiro Daniel Florêncio foi estudar em Londres 10 anos atrás e de lá não voltou. Mas mantém os olhos bem ligados no Brasil e principalmente na política. Em 2008, fez um documentário em…

Trabalho

Por 16 votos a 9, macabra “reforma” trabalhista de Temer é aprovada na CCJ


Por Katia Guimarães* A oposição bem que tentou. Foram mais de 12 horas de pressão sobre os senadores governistas, que, emparedados pelas ameaças do Palácio do Planalto, acabaram aprovando a macabra “reforma” que retira direitos…