Socialista Morena
Direitos Humanos

MPF quer aumentar para 300 mil multa a Bolsonaro por ofender quilombolas

Segundo o órgão, o valor da multa, que deve refletir a gravidade do fato e a capacidade econômica do réu, não foi proporcional

Moradores do Quilombo Ivaporunduva, no Vale do Ribeira. Foto: Du Amorim/A2FOTOGRAFIA
Da Agência Brasil
23 de maio de 2018, 15h33

Por Vitor Abdala

O  Ministério Público Federal pediu ao Tribunal Federal da 2ª Região que aumente o valor da multa ao deputado federal e pré-candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL/RJ), por declarações ofensivas a comunidades quilombolas. Em outubro do ano passado, a 26ª Vara Federal condenou o parlamentar a pagar 50 mil reais pelas declarações.

O MPF pediu, no entanto, que o valor seja aumentado para 300 mil reais, seis vezes mais do que a multa inicial. De acordo com o órgão, o valor da multa estabelecido pela Justiça, que deve refletir a gravidade do fato e a capacidade econômica do réu, não foi proporcional à conduta do parlamentar.

Na ação, a Procuradoria da República diz que Bolsonaro fez declarações contundentes contra quilombolas durante uma palestra no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro, em abril do ano passado. O deputado disse que o “afrodescendente mais leve” de uma comunidade quilombola paulista “pesava sete arrobas” e completou dizendo que os quilombolas não faziam nada e nem para “procriar servem mais”.

Em palestra no Clube Hebraica, o presidenciável disse que o “afrodescendente mais leve” de uma comunidade quilombola paulista “pesava sete arrobas” e que nem para “procriar servem mais”

Além disso, na denúncia, o MPF diz que Bolsonaro afirmou: “Alguém já viu um japonês pedindo esmola por aí? Não, porque é uma raça que tem vergonha na cara. Não é igual a essa raça que tá aí embaixo, ou como uma minoria que tá ruminando aqui do lado.”

O MPF destacou que Bolsonaro não demonstrou arrependimento pelas declarações, apesar de sua grande repercussão. Além do aumento do valor da multa, o TRF julgará um recurso da defesa, que alega que Bolsonaro tem imunidade parlamentar, e um recurso da Fundação Cultural Palmares, que pede maior indenização e honorários para a advocacia pública.

A multa, conforme estabelecido pela Justiça, deve ser paga ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos, que é gerido por um conselho federal para reparar danos coletivos em áreas como meio ambiente e patrimônio histórico.

O MPF destacou que Bolsonaro não demonstrou arrependimento pelas declarações, apesar de sua grande repercussão

Além do processo civil, as declarações de Bolsonaro no Clube Hebraica deram origem a uma ação penal proposta em abril passado pela Procuradoria-Geral da República ao Supremo Tribunal Federal, em razão da prerrogativa de foro. O deputado foi denunciado por racismo e discriminação contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros.

A assessoria de imprensa do deputado, por enquanto, não se pronunciou sobre a ação do MPF.

 


(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Roberto de Campos Modesto em 14/09/2018 - 23h29 comentou:

É um site excelente. Publicações exibidas para quem quer conhecimento. Parabéns.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Dois textos de Stan Lee que parecem ter sido escritos para os bolsominions


Um dos criadores do Pantera Negra, o roteirista escreveu em 1968 e 1969 contra o racismo, a xenofobia, o ódio e o preconceito

Politik

Direitista Macri também prometeu isenção de imposto de renda para os pobres –e não…


Bolsonaro faz a mesma promessa que seu ídolo não cumpriu, pelo contrário: mais trabalhadores argentinos pagam impostos do que antes