Socialista Morena
Trabalho

Ministério Público do Trabalho: reforma trabalhista de Temer NÃO irá gerar empregos

O MPT (Ministério Público do Trabalho) soltou quatro notas técnicas no início do ano contrárias aos projetos de “modernização” da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) que o governo Michel Temer pretende aprovar no Congresso Nacional a toque de caixa. O principal ponto das críticas feitas pelos procuradores é que, ao contrário do que afirma o […]

Cynara Menezes
08 de fevereiro de 2017, 19h38
poster1886

(Pôster de 1886: “8 horas para trabalhar, 8 horas para descansar e 8 horas para o que você desejar”)

O MPT (Ministério Público do Trabalho) soltou quatro notas técnicas no início do ano contrárias aos projetos de “modernização” da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) que o governo Michel Temer pretende aprovar no Congresso Nacional a toque de caixa. O principal ponto das críticas feitas pelos procuradores é que, ao contrário do que afirma o governo e as entidades patronais, flexibilizar a jornada de trabalho, por exemplo, não gerará empregos e só irá piorar a vida do trabalhador.

“Em nenhum país em que foi adotada a jornada móvel houve aumento de emprego. Se não gerou emprego em lugar algum, por que aqui iria gerar?”, questiona o Procurador-Geral do Trabalho, Ronaldo Curado Fleury. “O que gera empregos não é a redução dos custos e sim o aumento da demanda. O que a redução de custos proporciona é o aumento da margem de lucro dos empresários. No máximo, tira a empresa do sufoco.”

Para afirmar tão categoricamente, o procurador se baseia em um estudo recente da OIT (Organização Internacional do Trabalho), Emprego Mundial e Perspectivas Sociais 2015: a Natureza Cambiante do Trabalho, em que foram analisadas estatísticas de 63 países, tanto desenvolvidos quanto em desenvolvimento. “O estudo, com dados dos últimos 20 anos, conclui que a diminuição na proteção dos trabalhadores não estimula a criação de empregos e não é capaz de reduzir a taxa de desemprego”, diz a nota do MPT.

A pesquisa da OIT demonstra que, diferentemente do que têm afirmado o governo e as entidades patronais, não existe correlação entre diminuir a proteção ao trabalhador e as taxas de ocupação e desemprego. Curado Fleury lamenta que, num momento de crise, em vez de buscar proteger o trabalhador, o governo federal e o Congresso busquem fragilizá-lo. “Em momentos de crise, a atitude do Estado tem que ser de proteção ao trabalhador, não de desproteção. Infelizmente, sempre tende para o lado do empregador.”

Em novembro, a OIT alertou para um aumento global, nos próximos anos, dos empregos considerados precários ou atípicos, que incluem trabalhos temporários, de meio expediente, com subcontratos, autônomos e outros. Em termos trabalhistas, o Brasil possui, desde os anos 1940, uma das legislações mais avançadas do mundo, que ampara o trabalhador. Retirar estas proteções pode ser um tiro no pé para as empresas, porque assegurar os direitos dos trabalhadores aumenta a produtividade e, isso sim, pode gerar mais contratações.

O MPT comprova isto citando justamente a mais famosa empresa a adotar a polêmica jornada flexível, ao ponto de tê-la tornado conhecida em toda parte como “jornada McDonald’s”. A gigante da junk food tem sido alvo de protestos de trabalhadores em todo o mundo por conta da jornada móvel variável, sobretudo em sua terra natal, os Estados Unidos. Funciona assim: a pessoa trabalha por hora e só sabe na véspera qual será seu turno. Se não trabalhar nada, não recebe nada, porque não é fixado um salário mínimo. Isto pode acontecer no Brasil porque o projeto de “flexibilização” de Temer prevê a prevalência do acordado com o empregador sobre o legislado.

“Neste tipo de jornada, o trabalhador é como uma máquina: só vai ser pago se você ‘ligá-lo’. Ou seja, é a coisificação do trabalhador, a precarização da precarização”, critica o procurador-geral. Mas vejam só: em 2013, o MPT firmou um acordo judicial com o McDonald’s, onde a empresa se comprometia em extinguir a jornada móvel variável em todas as suas unidades no Brasil e aderir à CLT. O que aconteceu desde então? A extinção da jornada AUMENTOU o número de empregos e o número de lojas do McDonald’s.

Como nos demais projetos do governo Temer, cujo slogan ironicamente é “Ponte para o Futuro”, a reforma trabalhista também preocupa por representar, na verdade, uma volta ao passado, a uma época em que os trabalhadores não tinham proteção alguma e trabalhavam até 16 horas por dia. No caso da jornada móvel variável, é uma prática que foi proibida em países como a Nova Zelândia e a Inglaterra, e começa a ser impedida por prefeitos em cidades dos EUA. “O movimento no mundo inteiro é oposto”, afirma Fleury. “Qual realidade a gente quer para o trabalhador brasileiro, a dos países europeus ou a de Bangladesh?”

Outra ponte para o passado da reforma trabalhista de Temer é permitir que existam jornadas de até 14 horas, como era na época da revolução industrial. A modernidade aponta em outra direção: reduzir a jornada para que mais pessoas trabalhem. Existem estudos comprovando que a redução da jornada aumenta a produtividade, assim como diminui os riscos de acidentes e, consequentemente, as ações trabalhistas –desmentindo outra falácia seguidamente repetida, de que, desprotegendo o trabalhador, irá acabar com a alegada (pelo patronato) “indústria das ações trabalhistas”.

“Está comprovado que mais de 80% dos acidentes de trabalho acontecem nas duas últimas horas, quando o trabalhador está mais cansado e com os reflexos menos aguçados”, diz o procurador-geral. Ele citou o exemplo do acidente ocorrido com o navio Trade Daring, da Vale do Rio Doce, no terminal de Ponta da Madeira, em São Luis, em 1994. O navio se partiu ao meio, acarretando prejuízo para todos os envolvidos com o fechamento do porto por mais de um mês.

No inquérito, soube-se que, além da excessiva velocidade no carregamento, o responsável pelo serviço já estava trabalhando havia 12 horas quando o casco cedeu. “Não tenho dúvidas que aumentar a jornada vai causar mais ações trabalhistas, mais fraudes, mais contestações na Justiça, mais processos envolvendo a saúde do trabalhador e, consequentemente, aumentar o déficit da Previdência”, afirma Curado Fleury.

Não bastasse a jornada flexível e o aumento da jornada, Temer também está empenhado em aprovar a regulamentação da terceirização. Em dezembro passado, o governo chegou a tentar uma manobra para aprová-la sem o aval do Senado, ressuscitando um projeto do governo FHC parado na Câmara desde 2002. Para os procuradores do Trabalho, o projeto de terceirização total e irrestrita do consórcio PMDB-PSDB é uma contradição ao próprio capitalismo, que pressupõe capital e trabalho. Com a terceirização de tudo, será possível uma empresa que produz sem ter empregados, uma escola que não possui professores, um jornal que não emprega jornalistas…

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Com Marcela, golpistas recolocam a mulher no lugar que o machismo sempre lhe reservou:…


Se o ministro da Cultura, Marcelo Calero, não estivesse na Suíça, a foto oficial do lançamento do programa Criança Feliz repetiria o que já se tornou rotina na era Temer: só homens nos principais lugares…

Politik

Conselho de Ética livrou Aécio, mas quer punir senadoras por defender trabalhadores


O mesmo Conselho de Ética que rejeitou a representação contra Aécio, flagrado pedindo dinheiro, irá analisar a denúncia contra as seis senadoras que ocuparam a mesa contra a "reforma" trabalhista