Socialista Morena
Kapital

Não é só a cerveja: o shoyu brasileiro também é feito de milho

No Brasil, ao contrário dos países asiáticos, o principal ingrediente do molho de soja vendido nos mercados é o milho

Anúncio do shoyu Kikkoman, 1951
Da Revista Fapesp
25 de abril de 2018, 13h55

Por Rodrigo de Oliveira Andrade 

No mundo todo, o principal componente do shoyu, condimento fundamental da culinária asiática, é a soja. No Brasil, é diferente. Aqui, muitas empresas substituem, ou trocam, a soja pelo milho. A conclusão é de um grupo de pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) e da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), ambos da Universidade de São Paulo, que analisou a composição química de 70 amostras de shoyu de marcas comercializadas no país.

No Japão, China e Coreia do Sul, o molho shoyu é feito de soja com proporções pequenas de outros cereais como trigo ou cevada

Em países como Japão, China e Coreia do Sul, o molho shoyu é feito de soja com proporções pequenas de outros cereais como trigo ou cevada. “O que a indústria brasileira oferece ao consumidor não é shoyu propriamente dito, é um molho escuro e salgado elaborado a partir de milho, que deveria ter outro nome”, destaca a bióloga Maristela Morais, uma das coordenadoras do grupo, ao lado do engenheiro agrônomo Luiz Antonio Martinelli. Ambos são do Cena-USP.

Para identificar os ingredientes usados na elaboração do molho, os pesquisadores mediram a proporção de duas variantes do elemento químico carbono encontradas nas amostras. Soja, arroz e trigo são plantas que absorvem o gás carbônico da atmosfera e, sob a luz solar, realizam reações químicas que geram moléculas de açúcar contendo três átomos de carbono – é o chamado sistema de fotossíntese C3. Já o milho é uma planta de via fotossintética C4, por produzir açúcares com quatro carbonos. Esses açúcares continuam a existir nos alimentos, mesmo depois de os grãos serem processados, e funcionam como uma assinatura química de sua origem.

O que a indústria brasileira oferece ao consumidor não é shoyu propriamente dito, é um molho escuro e salgado elaborado a partir de milho, que deveria ter outro nome

Ao analisar as amostras, os pesquisadores verificaram que o milho era o principal componente do shoyu comercializado no Brasil (Journal of Food Composition and Analysis, 3 de abril). Em média, as amostras analisadas tinham menos de 20% de soja em sua composição. Acredita-se que o uso de milho na produção do condimento esteja relacionado ao preço do grão, consideravelmente mais barato que o da soja. Entre 2007 e 2017, o preço médio da soja foi o dobro do preço médio do milho no Brasil. “O uso de milho na produção de shoyu não é ilegal, já que a legislação brasileira não especifica qual deve ser a proporção de cereais usados na sua fabricação”, afirma Maristela.

Artigo científico: 
MORAIS, M.C. et alStable carbon isotopic composition indicates large presence of maize in Brazilian soy sauces (shoyu). Journal of Food Composition and Analysis. v. 70, p. 18-21. abr. 2018.

 


(6) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

João Junior em 25/04/2018 - 18h22 comentou:

O nome disso é fraude.

Responder

Stella em 27/04/2018 - 15h47 comentou:

A que situação chegamos? Agora quem quer consumir soja tem que comprar azeite de oliva.

Responder

Humberto Luiz Lima de Oliveira em 28/04/2018 - 16h33 comentou:

São garapas com álcool que fazem muito mal do que podem oferecer prazer. Mas, uma coisa deve ser dita, sempre foi assim. Agora é que estamos “descobrindo”, ou não?

Responder

ALEXANDRE OLIVEIRA FALCAO em 29/04/2018 - 12h50 comentou:

A utilização do milho na produção do molho shoyu nas proporções utilizadas aqui no Brasil pode não ser ilegal. Entretanto, é, no mínimo, propaganda enganosa, ferindo o direito básico dos consumidores brasileiros à informação adequada e clara sobre os produtos que consumem. Infelizmente essa é uma prática costumeira da maioria das empresas brasileiras, pois sabem que a fiscalização é falha. É Brasil! Mas temos que reverter essa situação.

Responder

Omar Dario em 29/04/2018 - 18h03 comentou:

Porra! É cerveja adulterada, leite adulterado, agora soja adulterada, e sabe mais lá o quê é adulterado. Empresário brasileiro é tudo filho da puta!

Responder

EUGÊNIO em 02/05/2018 - 20h53 comentou:

Uma vez colônia, colônia até morrer…

No Mineirão ou no Maraca — vá lá pra ver –, a patuleia entupida de Globo e Ambev entra e sai a mijar pelos corredores e ruas, quebrando mudas de árvores e vomitando seu ódio, outrora contra o time contrário, agora contra a Democracia e seus defensores.

Milho transgênico é pro povaréu, inclusive esse que paga caro pra ver um futebol de merda e pensa que não se inclui no adjetivo.

Alguém aqui pensa que a moçada bacana engole isso?

Dão lá uma passada nos supermercados chiques, cerveja e vinhos e tudo o mais o que

promete pureza está lá…

Excelentes preços e — fique tranquilo — não se vê um só preto que não esteja no devido lugar.

E que deliciosas loiras espumosas, portuguesas, espanholas, alemãs…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

PEC de Temer atingirá severamente os mais pobres, alerta relator da ONU


Mais uma prova de que o governo Temer está mentindo aos brasileiros sobre os efeitos da PEC do Teto foi dada hoje pela ONU (Organização das Nações Unidas), ao alertar que a medida é incompatível…

Politik

Como se não bastassem os políticos, Brasília está infestada de escorpiões


Bichos peçonhentos que se auto-reproduzem, se movem pelos esgotos, e que podem ser fatais para idosos e crianças viraram praga na capital federal. Sim, os políticos corruptos que infestam Brasília encontraram um concorrente à altura. Como se…