Socialista Morena
Politik

O maior resultado da campanha anti-PT: nasce a república teocrática do Rio de Janeiro

Já há algum tempo venho alertando que, enquanto reclamam do Fla-Flu entre PT e PSDB, a direita mais retrógrada corre por fora e cresce como força política. Nesta eleição para prefeito, os fundamentalistas religiosos conquistaram nada menos que a segunda capital mais importante do país, o Rio de Janeiro. Na internet, a piada é que […]

Cynara Menezes
30 de outubro de 2016, 23h43

riurd

Já há algum tempo venho alertando que, enquanto reclamam do Fla-Flu entre PT e PSDB, a direita mais retrógrada corre por fora e cresce como força política. Nesta eleição para prefeito, os fundamentalistas religiosos conquistaram nada menos que a segunda capital mais importante do país, o Rio de Janeiro. Na internet, a piada é que a Cidade Maravilhosa agora passa a se chamar RIURD Janeiro, em referência à Igreja Universal do Reino de Deus, de onde saiu o bispo Marcelo Crivella, o novo prefeito, do PRB. É rir para não chorar.

De quem é a responsabilidade pelo avanço dos fundamentalistas religiosos na política? Em primeiro lugar, da velha mídia. Em sua sanha para arrancar o PT do poder, os meios de comunicação brasileiros fortaleceram a direita golpista, simpatizante da ditadura militar e fundamentalista. Cría cuervos y te sacarán los ojos, diz o adágio espanhol, que cabe como uma luva no desespero da rede Globo e da revista Veja em tentar derrotar o arqui-inimigo Crivella, sem sucesso. Vão provar agora do seu próprio veneno.

Mas não se pode tirar a responsabilidade de cima dos ombros do próprio PT e do rival PSDB, que, na briga pelo poder, em vez de marcar distância do fundamentalismo religioso, disputavam encarniçadamente o apoio das igrejas evangélicas e de suas lideranças em todas as eleições nos últimos anos. Crivella, aliás, foi ministro de Dilma Rousseff em nome da tal “governabilidade”. Também entra na conta de ambos os partidos a ausência do Estado nas periferias das grandes cidades, que deixou-as à mercê das igrejas neopentecostais e do proselitismo religioso. Com o tempo, os fundamentalistas foram ganhando espaço e chegando cada vez mais longe, até alcançar pela primeira vez um dos cargos mais concorridos da nação.

O que fará o bispo Marcelo Crivella, um reacionário, à frente de uma das cidades mais belas e complexas do mundo? É uma incógnita, mas certamente sua administração não será marcada pelo Estado laico previsto na Constituição, no artigo 19, inciso I, que preconiza: “é vedado ao Poder Público estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança”.

Que Deus (ops!) tenha piedade dos cariocas. E parabéns aos envolvidos.

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

É a esquerda que se cala ou é o El Pais que tem postura…


Quando se trata da Venezuela, diário espanhol assume uma postura colonialista idêntica à da monarquia de seu país, que se acha no direito de mandar calar um chefe de Estado legitimamente eleito

Politik

Marilena Chaui errou em atacar a classe média


Aquele vídeo em que a Marilena Chaui, intelectual que respeito, ataca a classe média, sempre me deixou incomodada. Poxa, eu sou de classe média! Compreendo, claro, que ela se referia, mais que à classe média,…