Socialista Morena
Cultura

No campo da política, Maradona goleia Pelé

(campos opostos: Maradona com Fidel e Chávez…) Por Victor Farinelli Muitos no Brasil acharam a cena pitoresca, outros a viram com os olhos cheios de ódio. Diego Maradona como figura estelar do encerramento da campanha do sucessor de Hugo Chávez, o ex-motorista de ônibus Nicolás Maduro, era a união de dois dos ícones mais odiados […]

Victor Farinelli
16 de abril de 2013, 22h59

(campos opostos: Maradona com Fidel e Chávez…)

(…e Pelé com Bill Clinton)

Por Victor Farinelli

Muitos no Brasil acharam a cena pitoresca, outros a viram com os olhos cheios de ódio. Diego Maradona como figura estelar do encerramento da campanha do sucessor de Hugo Chávez, o ex-motorista de ônibus Nicolás Maduro, era a união de dois dos ícones mais odiados pela classe média nacional. Certamente, muitos “almeidinhas” (para usar um arquétipo já consagrado pelo Matheus Pichonelli) não perderam a chance de alfinetar: “É por isso que o Pelé sempre será o Rei do Futebol, enquanto esse daí é só um drogado”.

A polêmica futebolística entre Pelé e Maradona é quase tão insolúvel quanto a do ovo e da galinha, e talvez já seja igualmente antiga.

Pelo futebol, eles fizeram muito: encantaram multidões, ganharam títulos, deixaram milhares de zagueiros para trás e foram idolatrados não só em seus países. Ainda assim o contraste entre seus estilos dentro de campo é muito menos interessante do que o observado fora dele, onde suas trajetórias têm sido completamente opostas.

Não se trata de dizer quem é melhor ou pior, mas é evidente que o moderado Edson Arantes do Nascimento, que evita expor suas ideias políticas, e que soa ambíguo nas raras vezes em que as expõe, é bem diferente do ideológico Diego Armando Maradona, que tem tatuagem do Che, passa férias em Cuba quase todos os anos, chama os Estados Unidos de “ianques imperialistas”, e manifesta suas posturas quase como um ativista –e com um êxtase que também caracterizou seu estilo como jogador.

No entanto, talvez o futebol explique um pouco essas distintas personalidades. O Santos de Pelé foi provavelmente o melhor time do Brasil de todos os tempos, mas mesmo com a torcida santista crescendo muito naqueles anos, não foi suficiente para ligar sua imagem aos dos brasileiros mais humildes. E mais, há quem considere que os 11 anos de tabu que o Peixe impôs sobre o Corinthians foi um dos fatores que levou o rival a passar mais de duas décadas sem títulos, mas, ao mesmo tempo, ver sua torcida crescer, através da identificação das favelas com o sofrimento corinthiano.

Maradona jogou no Boca Juniors, clube com a maior torcida da Argentina e que historicamente representa os “descamisados”. A relação de Maradona com sua torcida “xeneize” (apelido dos boquenses, que remete à ignorância dos imigrantes que povoaram as villas de Buenos Aires; corruptela de “genovês”) o manteve sempre ligado à pobreza que enfrentou quando criança.

Pelé, que também sofreu com uma infância dura, não teve a mesma interação através do Santos, único clube pelo qual jogou no Brasil. Fora do país, o craque brasileiro só jogou no New York Cosmos, franquia criada por empresários para popularizar o futebol nos Estados Unidos. Na Big Apple, seu potencial publicitário foi tão importante quanto o seu rendimento esportivo.

Não foi o mesmo destino que teve Maradona fora da Argentina. O Pibe passou primeiro pelo Barcelona, clube identificado com a luta contra a ditadura franquista e em prol da autonomia da Catalunha com relação à Espanha. Sua curta passagem pelo clube foi marcada mais por suas declarações de respeito ao sentimento pátrio do povo catalão que pelos poucos títulos que conseguiu por lá –num deles, a Copa da Liga de 1983, o craque argentino marcou o único gol da final contra o Real Madrid, clube do franquismo e da monarquia espanhola, em pleno estádio do rival, e comemorou o gol perto da tribuna onde estavam os príncipes.

Mas foi na Itália, no modesto Napoli, que ele faria história. O futebol italiano, tradicionalmente dominado pelos ricos times do norte do país, foi sacudido, nos anos 80, por aquele pequeno clube do sul desafiando sua hegemonia. A audácia napolitana enfrentou os interesses econômicos e políticos de muitos poderosos, entre eles Silvio Berlusconi, o magnata dono do Milan.

As camisas de suas seleções ressaltaram ainda mais a disparidade dos dois perfis políticos. Um disciplinado Pelé, que não criticava a ditadura abertamente, foi ao México em 1970 e trouxe de lá o Tri. Diante do uso político que o regime fez da conquista, o craque renunciou à seleção, um protesto velado, parecido ao apelo em favor das crianças, expressado um ano antes, ao marcar o milésimo gol, no qual pediu que a sociedade “pensasse mais nas crianças carentes”, mas não expôs mais claramente os flagelos que elas viviam diariamente.

Diego, vestido de celeste e branco, não só falou e atuou politicamente. Nos mesmos gramados mexicanos, em 1986, ele efetivamente transformou o futebol em política. Porque, do ponto de vista da estética pura, seu gol contra os ingleses pode ser contestado, mas é o conteúdo político que faz dele o melhor gol da história das Copas, o mais importante, e também o mais belo, para os que conseguem entender o significado de cada um daqueles dribles, de cada inglês que ia ficando para trás, e quantos corações argentinos renasceram com aquele lance. Até mesmo a malandra jogada da “Mano de Dios” pode ser vista como a revanche à mão infernal de Margaret Thatcher, quando autorizou o bombardeio de navios argentinos já rendidos, no final da Guerra das Malvinas, matando centenas de vidas que deveriam ter sido poupadas.

Ao pendurar as chuteiras, em 1977, Pelé logo enfrentou sua primeira polêmica política, ao declarar, em plena ditadura e diante do nascimento dos primeiros tímidos movimentos de redemocratização, que “o povo brasileiro não sabe votar”. A frase, que Pelé depois alegou ter sido tirada de contexto, foi fortemente repreendida por Ulisses Guimarães, e, se bem não serve para ligar o jogador à imagem da ditadura, demonstra que ele não era tampouco um crítico dela –e por isso não figurou na campanha das Diretas Já, que eram representadas, no mundo futebolístico, por Osmar Santos e pelos craques politizados da Democracia Corinthiana, como Sócrates, Wladimir e Casagrande.

Daí por diante, o Rei passou viver de sua imagem como garoto-propaganda das Casas Bahia, da Mastercard, do Banco Santander, entre outras grandes marcas. Embora tenha procurado não se envolver com a política, sempre evitou se aproximar da imagem de Lula, mas se deixou envolver por Dilma, que tem um perfil mais “classe média”, como o dele. Além disso, aceitou ser ministro dos Esportes nos Anos 90, durante o Governo FHC. O símbolo de sua gestão foi o decreto que leva o seu nome.

(Pelé veste a camisa do Santander)

A Lei Pelé diminuiu o poder dos clubes sobre os atletas, mas não passou esse poder aos próprios atletas, e sim aos empresários da bola, antes desconhecidos, e hoje, os verdadeiros donos do esporte no Brasil. Através dela, o neoliberalismo tomou conta do futebol brasileiro, o que levou ao sofrimento de muitos grandes times (alguns sofrendo até hoje) e ao surgimento de muitos clubes de empresários, verdadeiras hordas de mercenários da bola. Todo Campeonato Brasileiro tem pelo menos dois representantes desses.

Já Maradona, depois de aposentar-se da pelota, enfrentou a morte diversas vezes, e em todas elas foi salvo em Cuba. Sua relação com a ilha é de muito mais que simples amizade. É amigo pessoal dos irmãos Castro, defende e ajuda os médicos que trabalham ao redor do mundo. Diego é quase como um embaixador informal da medicina cubana.

Sem nunca ter ocupado um cargo público, Maradona fez mais política que Pelé. Em 2005, esteve ao lado de Kirchner, Chávez, Lula e Evo, quando estes disseram, na cara de George W. Bush, que a América do Sul rejeitava a ALCA, o cavalo-de-tróia definitivo do neoliberalismo. Também foi amigo de Chávez e jogou bola com Evo Morales no topo de uma montanha, a seis mil metros de altura, quando a FIFA tentou proibir os jogos na altitude. Tornou-se o futebolista-símbolo do bolivarianismo e fala da “pátria grande” com a mesma ênfase usada pelos presidentes da região.

Na Argentina, defende enfaticamente o kirchnerismo e a polêmica Ley de Medios. Em uma ocasião, disse que “a oposição argentina mal sabe preparar um guisado, e pretende falar dos problemas dos argentinos”.

Também foi treinador da seleção argentina, mas antes teve passagens fugazes por alguns clubes do seu país, entre eles o modesto Deportivo Mandiyú, do extremo norte do país (já imaginaram o Pelé como técnico de algum time amapaense ou paraense?), e o tradicional Racing Club de Avellaneda, time de Evita e Juan Domingo Perón, identificado com o chamado “peronismo de esquerda”.

São essas diferenças que fazem com que Pelé seja um ídolo feito sob medida para a classe média brasileira. Não chega a ser um conservador, mas tampouco defende transformações sociais. Sua imagem de respeitador da lei e da ordem e sua falta de convicções o aproximam, ainda que involuntariamente, da direita e seus entusiastas, e talvez por isso seja comum tê-lo como alvo das críticas do movimento negro, que reclama que ele nunca tenha sido capaz de fazer um gesto mais significativo em favor dos problemas raciais no Brasil e no mundo, embora sempre apoie as irrelevantes campanhas contra o racismo no futebol, promovidas pela FIFA e outros organismos futebolísticos.

Já Maradona é uma figura fortemente ligada aos movimentos sociais, inclusive ao movimento gay, mesmo não sendo um homossexual –em 1997, celebrou um gol do Boca com um beijo na boca do seu companheiro Claudio Caniggia, ao melhor estilo “Marco Feliciano não me representa”, causando furor em La Bombonera.

(Caniggia e Maradona desafiam os felicianos do futebol)

O transgressor Diego será sempre a antítese de Edson. Sua história e sua pele tatuada já estão definitivamente marcadas com os signos da revolução, o que faz dele quase que um guerrilheiro do futebol –que o digam os jornalistas contra quem ele disparou, literalmente, mais de uma vez. Pelé e Maradona representam uma dicotomia sócio-política tão comum que, somada à já conhecida comparação futebolística, faz com que a disputa entre ambos esteja fadada à eternidade.


(17) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

tereza em 17/04/2013 - 11h12 comentou:

Bobagem. É só procurar imagens do maradona com menen e outros menos cotados

Responder

    Helio em 24/04/2014 - 03h44 comentou:

    Exato, Teresa. Maradona é o rei do marketing. Apoiou Menem e De La Rua quando lhe convinha e agora posa de "revolucionário". Só a parte burra da esquerda brasileira cai na conversa dele.

    Gabriel em 11/06/2014 - 08h53 comentou:

    kkkkkkkkkkkkkkkk

    Uma pessoa que coloca a cara no meio das câmeras dos grandes meios de comunicação da Argentina (que são piores do que Globo e cia) defendendo a ley de medios quer fazer "marketing"? Fala sério né.

    Maradona não precisa fazer Marketing em nenhum lugar do mundo, ele é uma lenda, esse comportamento dele só faz irritar a ideologia dominante mesmo.

João Miguel em 17/04/2013 - 13h23 comentou:

Acho que hoje outro bom comparativo seria com o proprio Romário, que vem ganhando destaque no embate com a MAFIA da CBF.

Responder

Marcelo Procopio em 17/04/2013 - 13h29 comentou:

Pensando na frase datada de Pelé: brasileiro não sabe votar, me lembrei de uma crônica de Carlos Drummond de Andrade no JB da época: "votar se aprende votando"

— Legal a análise comparativa. Viva Maradona, o craque que se posiciona. Viva Pelé, o craque.

Responder

Endeson em 17/04/2013 - 14h35 comentou:

Sou santista e Maradona me representa!

Responder

Luciana Mendonça em 17/04/2013 - 14h50 comentou:

Querido, Victor
Muitos amigos odeiam quando eu digo que os argentinos possuem muito mais culhão e as argentinas muito mais peito para qualquer coisa em relação a nosotros. De fato, em muitos aspectos os argentinos nos goleiam. Particularmente, Pelé foi pro fundo do poço do meu conceito quando renegou a filha, mesmo depois de confirmada a paternidade. A moça morreu jovem e sem nenhuma ajuda desse boçal. Pra mim, rei aqui era o Garrincha! Era podrão? Era! Morreu bêbado e falido, mas com toda a autenticidade do mundo! Lindo!

Responder

    damastor dagobé em 20/05/2013 - 00h35 comentou:

    sobre argentinos e brasileiros basta comparar quantidade de prêmios Nobel que cada um tem…e se comparar premio Nobel per capita então…agora, covardia mesmo seria comparar a qualidade dos filmes.
    Seria de chorar sem parar…podemos comparar tb o IDH..quer dizer, qualquer comparação tamos ferrados.

    Helio em 24/04/2014 - 03h43 comentou:

    O IDH? Como, se o IDH argentino é manifestamente manipulado pelo INDEC (o IBGE deles)? No único campo que dá pra comparar sem manipulação – renda – ganhamos de goleada deles.

    Temos melhores universidades, melhores institutos de pesquisa e atualmente até melhor ensino básico do que eles (basta conferir os resultados do PISA, em que a Argentina tem o PIOR desempenho da América Latina). E de economia, melhor nem falar. Somos incomparavelmente melhores. Até a esquerda brasileira é superior a deles.

Camila em 18/04/2013 - 14h19 comentou:

Adorei, tem muita coisa nesse texto que eu, que sou nova, não sabia…

Responder

alberto em 19/04/2013 - 00h56 comentou:

E essa foto do Dieguito? http://3.bp.blogspot.com/-Tr4yWMyBpA0/UPXJfj_A71I

Responder

Fabio em 26/04/2013 - 11h12 comentou:

Na politica são dois demagogos Pelé e Maradona.

Responder

Francisco Libânio em 28/05/2013 - 12h23 comentou:

Pelé é um craque na bola, mas na política, quando não foi um inocente útil, foi um omisso convicto. Se bem que eu vejo o Maradona e seu chavismo fachada e marketing… Aquela coisa de "já que eu fui sacaneado pelo sistema, vou defender o que ele não gosta". Posso – e espero – estar errado.

Responder

Audrey Bonney em 31/12/2013 - 14h44 comentou:

Vele lembra daquela partida ocorrida contra a Inglaterra, antes havia ocorrido uma gerra dos Argentinos contra a Inglaterra pela Ilhas Malvinas aonde os ingleses mataram 1000 soldados argentinos ande ele marcou o mais belo gol da sua carreira e o outo chamado de a mão de Deus aquela vitória representou um motivo de orgulho para um país cheio pela pobreza e tristeza. Outro motivo dele ser um herói foi quando ele deixou o Barcelona para jogar pela Napoli era como deixar o São Paulo e jogar pelo Criciúma.Aqui vai um trecho de outra matéria…O futebol italiano sempre foi dividido pela geografia. O norte do país, rico e poderoso, tinha os principais times e conquistava os principais títulos, enquanto o sul pobre fazia apenas figuração. Essa situação mudou na década de 80 quando o Napoli assumiu o papel de protagonista. Em 1984, o Napoli trouxe Diego Maradona para o sul da Itália e o Calcio nunca mais seria o mesmo. Comandado por Maradona, o Napoli fez história no futebol italiano conquistando seus dois primeiros títulos nacionais em 1987 e 1990 e levantou também a Copa da UEFA em 1989. Esta camisa azul celeste do Napoli era motivo de orgulho para toda uma região que sempre sofreu com o preconceito futebolístico.

Responder

Bruno em 30/10/2014 - 19h58 comentou:

Maradona bate em mulher!!!!!!!!!

Responder

    ulo em 15/12/2017 - 02h40 comentou:

    Provas?

Gael em 20/05/2018 - 08h17 comentou:

El Barça era el equipo de Franco, memo! http://www.marca.com/blogs/el-primer-palo-de-juanma-rodriguez/2016/03/30/franco-era-del-barca.html

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

As redes sociais e a falsa sensação de forra contra os políticos


Um efeito curioso das redes sociais é certa sensação de vingança que tem proporcionado alegrias efêmeras aos analfabetos políticos manipulados pela mídia. Como preferem ignorar a principal causa de suas mazelas –o fato de votarem…

Politik

A geléia geral não compensa


Cada qual pode ter a sua leitura da condenação, pelo STF, de dois nomes históricos do PT, José Dirceu e José Genoino, por corrupção ativa. São várias as interpretações para os termos duros utilizados, como…