Socialista Morena
Politik

No mesmo dia, Fachin arquiva inquérito contra Jucá e relator rejeita denúncia contra Temer

"Com o Supremo, com tudo": mais uma vez a "profecia" se concretiza e comprova que o golpe que arrancou Dilma do cargo nada tinha a ver com luta contra a corrupção e sim com "estancar a sangria"

O tucano Bonifácio de Andrada, relator da segunda denúncia contra Temer. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Da Redação
10 de outubro de 2017, 19h57

“Com o Supremo, com tudo”: mais uma vez a “profecia” de Romero Jucá se concretiza e comprova que o golpe que arrancou Dilma Rousseff do cargo nada tinha a ver com a luta contra a corrupção e sim com “estancar a sangria”. No mesmo dia, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), mandou arquivar o inquérito que investigava o próprio Jucá, Renan Calheiros e José Sarney, e o relator do pedido de impeachment, o tucano Bonifácio de Andrada, recomendou que a Câmara rejeite a denúncia da PGR (Procuradoria Geral da República) contra o presidente ilegítimo Michel Temer.

Bonifácio, deputado ligado a Aécio Neves e que já votou em plenário pela rejeição da primeira denúncia contra Temer, em agosto, argumentou na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que não há “prova concreta” que justifique o prosseguimento da denúncia. A PGR havia pedido o afastamento de Temer e acusava o grupo palaciano formado pelos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) pelo crime de organização criminosa. O relator também rejeitou a denúncia contra Temer por obstrução de Justiça.

“Não há nenhuma prova real ou concreta de que o presidente tenha tomado providência ou atitude para dificultar investigações. Conclui-se pela impossibilidade da denúncia contra o presidente Michel Temer”, afirmou. Segundo Bonifácio de Andrada, a denúncia se baseia em “delações espúrias, sem credibilidade, não havendo justa causa para o prosseguimento da ação penal”.

Bonifácio de Andrada, ligado a Aécio, argumentou na CCJ da Câmara que não há “prova concreta” que justifique o prosseguimento da denúncia contra Temer

 

O relator não mencionou a mala de dinheiro que o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures pegou com Ricardo Saud, da JBS, como algo que pudesse ser aceito como prova, e preferiu atacar o Ministério Público Federal e a Polícia Federal por fazer “ações espetacularizadas” pelos meios de comunicação. “Espera-se que essa concepção policialesca, que em boa parte existe no MP, se traduza em um posicionamento social pedagógico e que a instituição possa intervir pelo povo”, disse.

O tucano afirmou também enxergar uma atuação política no MP com o fim de criminalizar a política. “Essa denúncia apresenta uma ampla acusação à vida pública brasileira.” Bonifácio defendeu que o Ministério Público deve se manter como um fiscal da lei e de sua execução e que não deve “extrapolar suas atribuições”. Em seu parecer, Andrada disse que há um ataque generalizado aos homens públicos do país. “É inadmissível considerar que o partido político constitua uma associação para fins criminais. Não é como uma organização criminosa.”

Já o ministro Fachin acolheu requerimento do próprio MPF pedindo o arquivamento do inquérito instaurado a partir de acordo de colaboração do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado para investigar os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá, além do ex-senador e ex-presidente da República, José Sarney, todos do PMDB. O inquérito apurava a suposta prática de crime de obstrução a investigação de organização criminosa, previsto na Lei 12.850/2013. Ou seja, a fala de Jucá de que haveria um “grande acordo nacional” para “estancar a sangria” da Lava-Jato tampouco foi aceita como prova de que estavam tramando acabar com as investigações ou “delimitar onde está”.

Foi o então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quem requereu o arquivamento, considerando que as conversas gravadas entre o colaborador e os investigados não foram materializadas em atos concretos para embaraçar ou impedir o trâmite regular das investigações na operação Lava-Jato. Assim, segundo o MPF, apesar de considerados graves os fatos narrados, somente seria possível incidir o direito penal em caso de comprovação de atos executórios pertinentes ao plano de obstruir ou prejudicar as investigações.

A fala de Jucá de que haveria um “grande acordo nacional” para “estancar a sangria” não foi aceita como prova de que estavam tramando acabar com as investigações ou “delimitar onde está”

“À exceção das hipóteses em que o procurador-geral da República formula pedido de arquivamento de Inquérito sob o fundamento da atipicidade da conduta ou da extinção da punibilidade, é pacífico o entendimento jurisprudencial desta Corte considerando obrigatório o deferimento da pretensão, independentemente da análise das razões invocadas”, disse o relator em sua decisão. Ele ressaltou, entretanto, que o arquivamento realizado com fundamento na ausência de provas suficientes de prática de crime não impede a retomada das investigações caso futuramente surjam novas evidências.

A ausência de provas, como vemos, só é aceita quando envolve o ex-presidente Lula.

Com informações da Agência Brasil e da assessoria do STF

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Luiz Carlos P. Oliveira em 11/10/2017 - 15h57 comentou:

Por isso invadiram a casa do filho do Lula. É uma maneira de esconder a canalhice de nosso judiciário e do nosso legislativo. Já estamos acostumados.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Câmara rejeita investigação contra Temer; panelas continuam mudas


Praticamente as mesmas caras-de-pau que apareceram gritando "Sim! Sim! Sim!" para aceitar a abertura de investigação contra Dilma em nome da "luta contra a corrupção", voltaram a repetir "Sim!" para livrar a cara de Temer

Politik

No twitter, Janaina Paschoal divulga postagem falsa de Maria do Rosário


Motivo recorrente de piadas nas redes sociais, a advogada que pediu o impeachment de Dilma está propagando um tweet adulterado em que a deputada petista "defende" estupradores. Deveria saber que isso é crime