Socialista Morena
Feminismo

Novo filme de Sofia Coppola é um conto de bruxas sobre sororidade

Segundo a diretora, não é um filme de terror, mas uma comédia. De fato, não deixa de ser engraçado imaginar a reação masculina, no escurinho do cinema, a um filme tão zombeteiramente matriarcal

Cynara Menezes
21 de agosto de 2017, 18h22

***ESTE TEXTO CONTÉM SPOILERS***

Até nisso os homens deram mais sorte que nós, mulheres: a palavra que designa a ligação de amizade, a conexão entre os homens é “brodagem”, enquanto nós temos de nos contentar com “sororidade”, uma palavra que lembra, sei lá, um colégio de freiras. Enfim, é de sororidade, cumplicidade entre mulheres, que trata o novo filme de Sofia Coppola, O Estranho Que Nós Amávamos.

O filme começa com uma menininha catando cogumelos selvagens em um belíssimo corredor de carvalhos do Sul dos Estados Unidos, cobertos de barba-de-velho ou “musgo espanhol”, como se saído de uma ilustração de contos de fadas. Logo, Amy (Oona Lawrence) encontra um soldado ferido e o arrasta até sua casa: uma escola para moças semiabandonada, durante a guerra da Secessão. Além da menina, há outras quatro garotas na casa, uma professora e a diretora do lugar.

O musgo conhecido como “barba-de-velho”. New York Public Library

Quando o cabo McBurn (Colin Farrell) acorda, é como se tivesse chegado ao paraíso, rodeado de ninfas sorridentes, de cabelos esvoaçantes e pele alvíssima. De ambos os lados, ninguém vê um espécime do sexo oposto por perto há meses ou anos. É um ianque, um inimigo natural, como todo homem… mas nem tanto.

O cabo se sente desejado pelas meninas e provoca a rivalidade entre elas. “Não diga às outras, mas você é minha melhor amiga entre todas aqui, Amy”. O jogo de sedução é mútuo. Hábil galanteador, McBurn diz a cada uma delas o que deseja ouvir. Ao mesmo tempo, o “frágil” da história é ele, desde o princípio está claro; é o homem o ferido e necessitado de cuidados. Atenção.

Sofia Coppola foi acusada por alguns críticos de “feminizar” a versão anterior para o cinema do romance O Seduzido (The Beguiled), de Thomas Cullinan. Traduzido para o português como O Estranho Que Amamos, o filme de 1971 foi dirigido por Don Siegel e tinha Clint Eastwood e Geraldine Page no elenco. Na época, houve quem apontasse certa influência de Luis Buñuel; o mesmo pode-se dizer sobre o remake de Sofia Coppola.

No primeiro filme, Clint é abertamente disputado pelas moças; na versão de Sofia, Colin é cortejado, mas não exatamente disputado. O “homem da casa” parece mais um brinquedo nas mãos daquelas fadinhas (ou serão bruxinhas?). Não há utilidade para ele ali; elas permitem que trabalhe no jardim.

O filme é sobre a força que as mulheres têm quando estão unidas em torno de um objetivo. É terrível, é cômico e é empoderador

A atmosfera gótica tem razão de ser e a história vira: o cabo McBurn de repente se torna o inimigo. Fosse em uma novela da Globo, as sete se engalfinhariam e despencariam escada abaixo por causa dele. No filme, pelo contrário, as mulheres se juntam contra o soldado. E vem justamente da menorzinha, da mais inocente de todas, a sugestão que irá solucionar o problema. Neste momento, as moçoilas já parecem pequenas aranhas em torno da “rainha” Nicole Kidman, unidas para dar o bote no macho que quer destruir o ninho.

A diretora retorna, assim, a um tema que lhe é caro: também As Virgens Suicidas, seu filme de estreia, é sobre cumplicidade entre mulheres. E a escolha da parceira de longa data Kirsten Dunst para interpretar a meiga Edwina não é por acaso. Quando o filme ganha contornos de terror, um sentimento de vingança feminino aflora.

Segundo Sofia, O Estranho Que Nós Amávamos é uma comédia. De fato, não deixa de ser engraçado imaginar a reação masculina, no escurinho do cinema, a um filme tão zombeteiramente matriarcal. Arrancar uma perna ou arrancar o pênis, tanto faz: o filme é sobre a força que as mulheres têm quando estão unidas em torno de um objetivo. É terrível, é cômico e é empoderador. Sabemos que homem algum terá chance diante de mulheres como essas. Elas são maioria e estão juntas.

E a gente sai do cinema pensando se aquele soldado foi o único a cair na teia ou foi só o primeiro…

 

 

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Letícia Flores em 08/09/2017 - 21h36 comentou:

Oi, Morena.

Não li o post todo pra não pegar os spoilers, tá?

Mas só pra acrescentar (acho que pode ser interessante pra nós), o termo “sororidade” vem do italiano “sorella”, que vem do latim “soror”, e que, finalmente (ufa!), significa “irmã”.

O termo ‘brodagem’ ou ‘broderagem’ pode parecer mais ‘cool’ por vir do inglês (brother), mas, no frigir dos ovos, dá na mesma haha.

Mas eu entendo que soa muito mais leve a palavra em inglês do que esse ~palavrão~ “sororidade”. Parece soro, doença… sei lá! Coisa de doido esse negócio de ser mulé.

Enfim, volto aqui depois de assistir ao filme, tá? (Mas não prometo porque sou de peixes = esqueço das coisas)

Beijo!

Responder

    Cynara Menezes em 09/09/2017 - 01h06 comentou:

    volte mesmo, também sou pisciana 😉

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Stone: espanhóis deviam levar Aznar a Haia


  Um dos cineastas mais assumidamente esquerdistas de Hollywood, Oliver Stone chegou ao festival de San Sebastián, na Espanha, disposto a causar polêmica. Além de criticar a prisão de Julian Assange, estimulou os espanhóis a…

Cultura

Cine Morena especial: Dez Dias que Abalaram o Mundo e Outubro, de Eisenstein


Sessão dupla em homenagem aos 96 anos da revolução russa: primeiro, o raro documentário Dez Dias Que Abalaram o Mundo, de 1967, baseado no livro homônimo de John Reed. Uma produção anglo-soviética feita para a…