Socialista Morena
Direitos Humanos, Maconha, Politik

O Questionário Proust ervoafetivo

Encontrei um cara sentado numa praça fumando um baseado à sombra das sapucaias em flor no domingo de manhã e resolvi submetê-lo ao Proust Questionnaire, um clássico das entrevistas que o escritor francês Marcel Proust popularizou –e por isso tem seu nome. É uma espécie de teste de personalidade que já fizemos aqui na imprensa […]

(antigo pôster de propaganda russo)
Cynara Menezes
05 de outubro de 2012, 21h05

(antigo pôster russo de propaganda de cigarro)

Encontrei um cara sentado numa praça fumando um baseado à sombra das sapucaias em flor no domingo de manhã e resolvi submetê-lo ao Proust Questionnaire, um clássico das entrevistas que o escritor francês Marcel Proust popularizou –e por isso tem seu nome. É uma espécie de teste de personalidade que já fizemos aqui na imprensa brasileira, hoje meio esquecido.

O rapaz estava um pouco tímido a princípio, mas acabou topando.

 

Qual sua maior qualidade?

– Passar a bola.

Qual a qualidade que mais aprecia em um homem?

– Apresentar novidades aos amigos.

Qual a maior qualidade que mais aprecia em uma mulher?

– A paz.

Seu principal defeito?

– É… Hummmm…

Sua atividade favorita?

– Pensar.

Sua ideia de felicidade?

– Camarões pernambucanos.

Sua ideia de infelicidade?

– Tomar uma dura quando estou andando a caminho de casa.

Se você não fosse você mesmo, quem gostaria de ser?

– Ih, muita gente. Às vezes Gandhi, às vezes Bruce Lee, às vezes Napoleão…

Onde você gostaria de morar?

– Em qualquer praia, perto de uma cachoeira, no mato… Se for na cidade, perto de alguma pracinha também é de boa.

Sua cor favorita?

– Verde.

Seu escritor favorito?

– Aldous Huxley.

Seu livro favorito?

– São dois: “As Portas da Percepção”, de Huxley, e “Paraísos Artificiais”, de Charles Baudelaire. Também indicaria “Red-Dirt Marijuana and Other Tastes”, de Terry Southern.

Seu filme favorito?

– “Easy Ryder” (“Sem Destino”), de/com Dennis Hopper.

Uma canção?

– “Redemption Song”, de Bob Marley.

Um herói na ficção?

– Sal Paradise.

Um herói na vida real?

– Pepe Mujica.

O que você mais odeia?

– Mofo.

O personagem histórico mais desprezível?

– Richard Nixon.

Como desejaria morrer?

– Relaxando numa rede.

Qual o seu estado mental atualmente?

– (Risos)

Seu lema?

Faça o que quiseres pois é tudo da lei (Raul Seixas).


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

carmen regina em 07/10/2012 - 15h40 comentou:

hehehe

muito espirituoso o nosso entrevistado, gostei da leitura, amiga

abraços

carmen

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Viva o dia dos mortos!


  Os mexicanos têm outra relação com o dia de Finados e com a própria morte em si: lá é dia de festa, de farra, não de choro e velas. Dia de celebrar a vida…

Cultura, Politik

O Manifesto Comunista em cordel


O escritor cearense Antônio Queiroz de França, anarquista de 67 anos, se dedica a transpor clássicos da literatura mundial à linguagem do brasileiríssimo cordel. Foi assim com o Manifesto Comunista (1847), de Karl Marx e…