Socialista Morena
Direitos Humanos, Maconha

Willie Nelson, o vovô country do beck

A lenda da country music Willie Nelson carrega outra fama bacana: é um dos porta-vozes dos maconheiros da América. Em seu novo livro de memórias, It’s a Long Story, lançado esta semana, o cantor mais uma vez exibe o enorme entusiasmo pela erva e conta detalhes de como fumou um beck no telhado da Casa […]

Cynara Menezes
10 de maio de 2015, 14h47
williecamaroes

(Willie Nelson e seus camarões. Lucy grandpa. Foto: High Times)

A lenda da country music Willie Nelson carrega outra fama bacana: é um dos porta-vozes dos maconheiros da América. Em seu novo livro de memórias, It’s a Long Story, lançado esta semana, o cantor mais uma vez exibe o enorme entusiasmo pela erva e conta detalhes de como fumou um beck no telhado da Casa Branca (olhaí, mesmo com todo o THC no organismo, é o terceiro livro em que ele LEMBRA o passado. Hahaha).

Foi em 1977 e Nelson havia acabado de sair de uma temporada na prisão por posse de drogas. Ele já havia tocado no assunto em ocasiões anteriores, a última delas numa entrevista à CNN em maio de 2012. Não ficou com medo de ser pego ao fumar maconha ali?, a repórter pergunta. “Eu deveria!”, ele ri.

No livro, que está sendo apresentado como sua autobiografia definitiva, Nelson conta que havia sido convidado à Casa Branca por Jimmy Carter, que queria lhe agradecer pessoalmente pelo apoio na campanha presidencial. Após o jantar, alguém da própria Casa Branca (ele não diz quem) o teria convidado a subir no telhado para ver as estrelas na noite de Washington e… apresentou um baseado ao cantor, que, claro, não recusou. (Na entrevista à CNN, Nelson tinha dito que ele mesmo enrolou o beck antes de subir lá.)

“Ficar chapado no telhado da Casa Branca inevitavelmente faz você ficar introspectivo. Certas questões filosóficas vêm à mente, tipo: caralho, como é que eu consegui vim parar aqui?” (no original, “How the fuck did I get here?”). Hoje com 82 anos, Nelson defende a descriminalização da marijuana há décadas, e é membro atuante do NORML (National Organization for Reform of Marijuana Laws).

Ex-alcoólatra, Willie se diz grato à maconha como a um velho amigo. “Eu não poderia trair a maconha, assim como não poderia trair um membro da minha família ou um amigo da vida toda, porque a maconha nunca me traiu. Ao contrário da bebida, a maconha nunca me fez ficar violento ou desagradável, e, ao contrário da cocaína, a maconha nunca me acelerou ou deixou meu ego descontrolado.”

roll

Seu primeiro livro de memórias levava o sugestivo nome de Roll Me Up and Smoke Me When I Die (algo como “bole-me e me fume quando eu morrer”) e foi lançado três anos atrás junto com a canção homônima. O livro foi um sucesso e logo chegaria à lista dos dez mais vendidos do New York Times. A canção tem a participação de Snoop Dogg (outro que afirma ter fumado um beck na Casa Branca) e Kris Kristofferson).

Na época, ele declarou: “Não acho que a maconha tenha tido nenhum efeito colateral que realmente tenha sido prejudicial a mim”.

Em abril deste ano, o artista ervoafetivo veio com a melhor das notícias para seus fãs que curtem a ganja: vai lançar uma marca própria de maconha nos Estados Unidos, a Willie’s Reserve. O cantor afirma que ele próprio irá testar cada uma das variedades produzidas antes de colocá-las à venda (que sacrifício!) antes de dar seu selo de qualidade. “Vou me certificar se é bom ou não será colocado à venda”, garantiu Nelson à revista Rolling Stone. O negócio incluirá lojas com cardápio mostrando os tipos de maconha disponíveis. “Logo a maconha será legal no país inteiro, é uma questão de tempo. Sinto que comprei tanta maconha que é a hora de vender um pouco!”

Nos Estados Unidos, a maconha para uso medicinal é liberada em 24 Estados e em quatro deles também para uso recreativo (Alasca, Colorado, Washington e Oregon). A previsão dos especialistas coincide com a de Nelson: nos próximos cinco anos, outros 14 Estados terão legalizado a maconha para uso recreativo. A marijuana é, além de tudo, um negócio lucrativo.  É a indústria que cresce mais rápido nos EUA e poderá se tornar maior até do que a indústria de comida orgânica. Segundo um informe recente, entre 2013 e 2014, o mercado da cannabis no país cresceu 74%: passou de U$1,5 bilhões para U$2,7 bilhões.

O ano “verde” de Willie Nelson não ficaria completo sem um novo hit dedicado à maconha, um dueto com outra lenda do country, Merle Haggard, 78: It’s All Going to Pot. No vídeo, os dois amigos cantam e fumam um baseado juntos. Esses vovôs não são palha, não.

Enquanto isso, no Brasil… Tsc, tsc, tsc.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Vídeos

Raul Seixas: “Esse caminho que eu mesmo escolhi”


Raul Seixas: "esse caminho que eu mesmo escolhi"

Cultura

O livro de Elis e o filme de Cássia: autorizada ou não, uma biografia…


Elis Regina faria 70 anos hoje, 17 de março. Quando ela morreu, aos 36 anos, em janeiro de 1982, eu tinha 14 anos e chorei muito. Adolescente no final da ditadura militar, sabia pouca coisa…