Socialista Morena
Cultura

CPI convoca coercitivamente artista da performance do MAM

A condução coercitiva também vale para o curador Gaudêncio Fidélis, da exposição Queermuseu, cancelada em Porto Alegre após ter sido alvo de um ataque patrocinado pelo MBL

Enquanto isso, no Senado... Desenho de Rudolf Cronau (1919)
Katia Guimarães
10 de novembro de 2017, 11h47

Mais um capítulo do obscurantismo em que o golpe contra Dilma Rousseff mergulhou o Brasil foi escrito esta semana pelo representante-mor no Congresso da Tradição, Família e Propriedade, a temerosa TFP, e da bancada fundamentalista, o senador Magno Malta (PR-ES). Como presidente da CPI dos Maus-Tratos, criada para apurar casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes, o senador aprovou a condução coercitiva do artista Wagner Schwartz, responsável pela performance de nudez artística La Bête, realizada no MAM (Museu de Arte Moderna) de São Paulo. Um vídeo gravado durante sua atuação foi divulgado nas redes sociais e atiçou os falsos moralistas de plantão, provocando uma onda reacionária contra o artista, que foi inclusive ameaçado de morte. Um deputado chegou a defender a tortura do artista.

A condução coercitiva também vale para o curador Gaudêncio Fidélis, da exposição Queermuseu, que foi cancelada em Porto Alegre após ter sido alvo de um ataque sem precedentes patrocinado pelo grupo de direita MBL. O fuzuê que levou o Santander a cancelar a mostra e corroborar o atraso foi causado por uma tela de Adriana Varejão, que retratava uma cena de sexo com uma cabra, e uma obra da artista plástica Bia Leite inspirada no tumblr Criança Viada, em que adultos posam fotos suas quando crianças em poses engraçadas. A justificativa para a violência de forçá-los a depor é que os dois não responderam ao convite para as audiências da CPI dos Maus-Tratos em São Paulo, e, por isso, serão conduzidos por força policial.

Na semana passada, a CPI já havia convocado a mãe da menina que se aproximou do artista nu durante a performance. Intimidada, Elizabete Finger compareceu a uma reunião reservada da comissão, mas preferiu não se pronunciar. Ao comentar a decisão, Magno Malta debochou: “Ouvi aquela mãe que levou a filha para tocar no nu do indivíduo, que fugiu. O indivíduo convocado também fugiu, vai ter de vir coercitivamente, mas a mãe foi levada. O advogado tentou uma série de coisas, quero dizer, tentou negociar comigo para ser fechado. Ser fechado como? Para não ser aberto, para ela não ser filmada, para não ser exposta… Mais exposta do que está? Do que já foi? Mais exposição do que teve com uma criança? A menina foi exposta, viralizou no Brasil a sua imagem e a dela. ‘A sua filha vai levar isso para a eternidade. A senhora, de alguma maneira, se arrepende?’ Ela disse: ‘Prefiro ficar calada’”, esbravejou o senador, fazendo troça dos defensores dos direitos humanos.

Os senadores reacionários Magno Malta e José Medeiros fizeram troça da mãe da criança filmada tocando no artista e do curador do MAM, também convocados a depor

O curador do MAM, Felipe Chaimovich, passou por idêntico constrangimento e foi desqualificado por outro integrante da CPI, senador José Medeiros (PODE-MT). “Foi bem na linha ‘não sei, não vi, não estava lá’. Tudo o que se perguntava ele não tinha muito a dizer, simplesmente autorizou, defende que a exposição seja livre, que o museu não tem responsabilidade sobre a exposição, que os pais é que são responsáveis porque lá teria uma placa avisando que teria cenas de nudez”, afirmou Medeiros. “A conversa dele foi de bêbado para delegado, conversa de Rolando Lero. Queria se firmar em cima de uma seta que estava colocada lá: ‘Naquela repartição terá cenas de nu’. Quando você põe uma seta dizendo que terá cenas de nu é muito mais convidando para as pessoas entrarem do que para sair”, completou Malta.

Na sessão da CPI, Magno Malta defendeu que os envolvidos sejam denunciados pelo Ministério Público com base no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). “Vocês precisam conhecer a legislação para colocar alguma coisa à vista do público, porque vocês conhecem a legislação para saber se colocam uma peça e levantar se é roubada ou não, se é legal, se é ilegal”, disse.

Um dos objetivos da CPI dos Maus-Tratos, segundo o próprio senador fundamentalista, é elaborar leis de proteção à crianças e adolescentes, e foi aí que ele, de forma esdrúxula, encaixou a perseguição a exposições de arte, artistas e curadores. “Cada dia é um caso atrás do outro. Veja como nós precisamos melhorar a legislação preventiva. Por isso que meu coração entristece quando eu escuto gente discutindo, fazendo discurso de que exposição que expõe criança, que mexe com a sensualidade e sexualidade de criança é arte. Meu coração dói muito, porque a gente não espera ver essas pérolas saírem da boca da pessoa”, afirmou.

No caso da mostra Queermuseu e da performance La Bête, as acusações são de incitação à pedofilia e incentivo à zoofilia. A aprovação da condução coercitiva ocorre na mesma semana que o obscurantismo deu as caras contra a escritora Judith Butler, uma das principais pensadoras do feminismo contemporâneo. Formuladora da teoria queer, Butler viu paulistas dizerem, para a nossa vergonha: “queimem a bruxa”. Trata-se da mesma patrulha histérica que espalha preconceito, moralismo e ignorância, refletindo uma sociedade doente. É lamentável que uma CPI de tamanha importância seja utilizada como massa de manobra por grupos conservadores para criminalizar a arte.

 

 

 


Apoie o autor

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Katia Guimarães Vaz
Caixa Econômica Federal
Agência: 4760
Conta Corrente: 21602-1
CPF 602.735.771-15
(2) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Luís Fraga em 10/11/2017 - 16h52 comentou:

Ora, com o ativista da malta Magno Malta, este pulha e ignorante presidindo a súcia, o que poderíamos esperar desta CPI?
A sociedade “ligeiramente” esclarecida tem que reagir e estes inquisidores. Tá parecendo aquele moleque que faz bulling na escola. A vítima não reage e aí tudo vai piorando, ele se sente com mais poder.
Basta!
Quem estes idiotas pensam que são?

Responder

Helio Luíz em 16/11/2017 - 20h19 comentou:

Uma performance de nudez em museu o/a menor não pode ver. Um ser humano com as “coisas” a mostra! Que blasfêmia!! Os indígenas devem possuir deformações mentais e compartamentais inimagináveis, convivem com a nudez desde criancinhas até a velhice! Bando de hipócritas, não perdem um capítulo das novelas da globo, onde a sensualidade é explorada ao limite para fins de audiência!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

É na marra! Mesmo com crise institucional, trator de Temer continua em ação no…


Por Katia Guimarães* O Brasil está (literalmente) pegando fogo, mas Temer não arreda o pé do cargo e sua base no Congresso continua a todo vapor, trabalhando para aprovar as “reformas” que tiram direitos dos trabalhadores…

Politik

Conselho arquiva denúncia, mas colegas culpam senadoras por “má imagem” da Casa


Cinicamente, senadores governistas acusaram as seis parlamentares que ocuparam a mesa contra a "reforma" trabalhista de "envergonhar" o Senado, como se não pesassem contra muitos deles acusações bem mais graves