Socialista Morena
Politik

Ocupação: o sonho da casa própria do excluído

Uma pesquisa do instituto Data Popular divulgada em 2012 constatou que 19,2 milhões de brasileiros das classes C e D sonham em ter uma casa própria. Entre a chamada “nova classe média”, ou classe C, o desejo é ainda maior: 57,6%. Entre as classes D e E, o percentual, por incrível que pareça, cai para […]

Cynara Menezes
01 de abril de 2016, 16h23
sem-teto

(Família de sem-teto em São Paulo. Foto: @magnesio)

Uma pesquisa do instituto Data Popular divulgada em 2012 constatou que 19,2 milhões de brasileiros das classes C e D sonham em ter uma casa própria. Entre a chamada “nova classe média”, ou classe C, o desejo é ainda maior: 57,6%. Entre as classes D e E, o percentual, por incrível que pareça, cai para 27,2%. Por que será? Ora, porque para quem é pobre no Brasil ter uma casa própria é um sonho praticamente impossível. Como é que uma pessoa que não tem nem o que comer direito pode sonhar em COMPRAR uma casa para morar?

Segundo a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios) de 2013, 17,9% dos domicílios brasileiros são imóveis alugados, enquanto 7,4% são imóveis “cedidos” ou, como se diz, ocupados por pessoas que vivem “de favor”. Só em São Paulo existem, de acordo com o último censo da prefeitura, cerca de 16 mil pessoas morando nas ruas. Fica difícil acreditar que pessoas sob estas condições consigam ter algum sonho de consumo e muito menos que este sonho seja adquirir uma casa própria. A direita dirá que lhes faltou “esforço” para tal, embora na maioria dos casos sejam pessoas excluídas há várias gerações.

A Organização das Nações Unidas apresentou em março um relatório que afirma que o número de pessoas sem-teto está aumentando no mundo inteiro, em vários países, independentemente do grau do desenvolvimento ou da economia. “O aumento do número de sem-teto é evidência da falha dos Estados em proteger e garantir os direitos humanos das populações mais vulneráveis”, disse Leilani Farha, relatora especial da ONU para o direito à moradia.

No relatório, a ONU pede que os governos se comprometam a solucionar o problema dos sem-teto até 2030. Enquanto isso não ocorre (se é que vai ocorrer), o que pode fazer esta legião de pessoas sem ter onde morar? Ocupar, claro. Não há como não se solidarizar com os trabalhadores sem-teto que ocupam prédios abandonados ou terrenos não-utilizados como forma de lutar para ter uma moradia. As ocupações são uma forma de os excluídos realizarem, como a classe média, o sonho da casa própria.

Os estudantes de Jornalismo da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação (FAPCOM), em São Paulo, fizeram um mini-documentário em uma dessas ocupações, a Vila Nova Palestina, no extremo Sul da capital. Há cerca de 5 mil pessoas cadastradas na ocupação, que está aguardando um laudo da CETESB para iniciar a construção das casas, prometida pelo prefeito Fernando Haddad (PT). A expectativa é de que sejam construídas 3500 moradias com recursos do programa Minha Casa Minha Vida.

A vida por lá é dura. Não há rede de esgoto e nem mesmo privadas ou banheiros nas barracas improvisadas com lonas e plásticos. Há o medo constante de incêndios. As crianças são estigmatizadas, mas frequentam a escola. O sonho de ter uma moradia para chamar de sua faz com que estas pessoas insistam e sigam em frente. Assista, é muito emocionante. Espero que ajude a mudar a forma com que muitos vêem as ocupações pelos sem-teto. Não é “crime”, é o contrário, é a busca pela cidadania.

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

O “muro comunista” acabou. Os muros capitalistas continuam lá


O recém-empossado presidente dos EUA, o xenófobo Donald Trump, deve assinar hoje o decreto que torna realidade sua mais polêmica promessa de campanha: ampliar o muro já existente entre seu país e o México. Trump…

Cultura

“Che era um assassino” –menos quando o capitalismo usa sua imagem para vender


A direita se esmera em tentar destruir a imagem do revolucionário argentino Che Guevara. Mas vira um ícone respeitável quando é para ganhar dinheiro e não para ameaçar o status quo. Hay que endurecer, pero…