Socialista Morena
Direitos Humanos

Paraná é líder no ranking de pontos de exploração sexual infantil nas estradas

Quarto Estado mais rico do país e sede da Lava-Jato supera Estados do Norte e Nordeste em pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes

Bloco de rua contra a exploração sexual de Crianças e Adolescentes no Carnaval 2017 em São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Da Redação
16 de maio de 2018, 19h27

Estado mais conservador do país e sede da Lava-Jato, o Paraná aparece no topo de um ranking elaborado pela Polícia Rodoviária Federal em parceria com a Childhood Brasil com o maior número de pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e adolescentes nas rodovias federais. Dos 2.487 pontos identificados em todo o Brasil, 299 estão em território paranaense. É a sétima vez que o Mapear é feito, e o Paraná subiu três posições desde o último levantamento, no biênio 2013/2014, quando o Estado apareceu com 179 pontos, o que representa um aumento de 40%. No país houve um aumento de 20% nos pontos de prostituição infantil entre 2017 e 2018.

Os pontos de vulnerabilidade por Estado. Fonte: Projeto Mapear

Atualmente, a terra dos juízes e procuradores da Lava-Jato, quarto Estado mais rico do país, supera os Estados do Norte e do Nordeste em pontos vulneráveis à exploração sexual infantil e juvenil: está à frente do Pará, que aparece na segunda posição, e do Ceará, que aparece na quarta. Além de aparecer no topo dos Estados com mais pontos vulneráveis, o Paraná também figura no Top 10 dos Estados do país com mais pontos críticos e com maior número de denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes. A violência sexual contra crianças e adolescentes abrange abuso sexual, estupro, exploração sexual, exploração sexual no turismo, grooming (aliciamento), pornografia infantil, sexting (envio de conteúdo erótico por celular), entre outros.

Os dez Estados com maior número de pontos críticos. Fonte: Projeto Mapear

Por região, o Nordeste é a que concentra maior número de pontos vulneráveis: 644. É também é onde está a maior concentração de pontos críticos: 156. Depois, estão o Sul (575 pontos), o Sudeste (468), o Norte (404) e o Centro-Oeste (396). No caso da região Norte, houve um incremento expressivo no número de pontos vulneráveis, que passou de 160 para 404. Em todo o país, 489 pontos foram considerados críticos, 653 de alto risco, 776 de médio risco e 569 de baixo risco.

Os pontos vulneráveis são os trechos das rodovias com risco de ocorrer exploração, obtidos por um cruzamento de dados e entrevistas com caminhoneiros, com indicativos como tipo de estabelecimento, iluminação, vigilância, estacionamento isolado, circuito fechado de televisão, orelhão ou telefone de fácil acesso, existência de tráfico de drogas, prostituição de adultos, conivência dos funcionários, proximidade com casas noturnas, proximidade com vilarejos, área urbana ou rural, posto fiscal ou porto e distância de perímetro urbano.

Além de aparecer no topo dos Estados com mais pontos vulneráveis, o Paraná também figura no Top 10 dos Estados do país com mais pontos críticos e maior número de denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes

Os critérios com maior peso são existência de prostituição de adulto, a memória do policial de ter flagrado exploração sexual de criança e adolescente no local, registro de tráfico/consumo de drogas nos últimos 24 meses e presença constante de crianças e adolescentes. Os postos de combustíveis (940) são os principais pontos vulneráveis, já que quase todos possuem pontos de alimentação (927), aumentando o risco de haver exploração.

Por isso, para os autores do estudo, os postos de combustíveis nas rodovias devem ser os principais alvos das ações preventivas e de conscientização governamentais e não governamentais, uma vez que reúnem grande concentração de motoristas e transeuntes, que ali procuram os mais variados tipos de prestação de serviços. Dos 489 pontos considerados críticos no país, 224 estão vinculados a postos, ou 45,8% do total. Para o levantamento 2017/2018, um policial de cada regional da PRF foi especialmente treinado e se tornou multiplicador, criando grupos pelo whatsapp para dirimir dúvidas de policiais rodoviários federais do país.

Para os autores do estudo, os postos de combustíveis nas rodovias devem ser os principais alvos das ações preventivas e de conscientização governamentais e não governamentais, já que reúnem grande concentração de motoristas e transeuntes

De acordo com o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da PRF, Igor de Carvalho Ramos, o aumento também se deve à ampliação da fiscalização, não necessariamente à da exploração. “Nós achamos que esses pontos já existiam, mas nos últimos anos a gente trabalhou muito na capacitação de policiais e passamos a usar um aplicativo de smartphone que facilita muito o monitoramento”, explica.

A PRF do Paraná declarou à Folha de Londrina que o aumento nos pontos vulneráveis no Estado “ocorreu em outros 17 Estados e se deu pelo maior engajamento das superintendências regionais em mapear, de forma mais eficiente, os pontos informados no relatório”.

Com informações da Agência Brasil

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio em 17/05/2018 - 10h16 comentou:

Salvem as crianças do país!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Deus tenha pena da América (e dos progressistas do mundo também)


Fujam para as montanhas! Ou melhor, para o Canadá: na iminência da vitória de Donald Trump durante a madrugada de quarta-feira, o site do Departamento de Imigração do progressista país vizinho caiu, tamanha a afluência…

Politik

As vidas possíveis de José Serra


1. Após oito anos como prefeito de São Paulo, José Serra deixou o cargo com a popularidade em alta em 2012. Avaliado como “bom” e “ótimo” pela ampla maioria dos paulistanos, Serra melhorou o trânsito…