Socialista Morena
Cultura

Paulo Coelho: “Por que Lula insiste tanto? Está escrito que não vão deixá-lo sair”

Em entrevista exclusiva, escritor fala sobre seu novo livro, "Hippie", e comenta a situação política do país

Paulo Coelho em sua fase hippie nos anos 1970. Foto: acervo pessoal
Cynara Menezes
14 de agosto de 2018, 12h19

Paulo Coelho está preocupado. Acha que Lula está demorando demais em assumir que não o deixarão sair da prisão para ser candidato, em vez de abrir espaço logo para a chapa Fernando Haddad-Manuela Dávila, na qual o escritor declara voto. “Eu torço para que Haddad e Manuela ganhem, mas quando eles resolverem entrar na corrida presidencial, poxa, os outros já comeram ali pela borda”, diz, em entrevista ao site. “Está escrito aí que que os caras não vão deixar Lula sair, infelizmente, porque uma eleição sem o Lula vai ser triste.”

Mas não é só a situação do Brasil que o deixa inquieto. O eterno parceiro de Raul Seixas em Gita e mais de 40 canções vê o mundo caminhando para “um fundamentalismo generalizado” e um encaretamento total das novas gerações, bem ao contrário da sua. “Essa geração não quer experimentar, tem medo. E o medo está acabando com esse lado rebelde do jovem que foi tão importante na minha geração.”

Hippie, seu novo livro, retrata um pouco do que foi o Paulo Coelho quando jovem, no começo dos anos 1970, sem medo algum de experimentar tudo, o que inclui pegar um ônibus escolar em Amsterdam, na Holanda, para ir com zero conforto até Katmandu, no Nepal, o lendário “magic bus” que se tornaria o sonho das gerações que se sucederam à dele. O mundo hoje é outro e nem é mais possível fazer este percurso por terra, devido aos conflitos políticos dos países no meio do caminho. Segundo o escritor, todos os fatos relatados no romance aconteceram na vida real.

Leia a entrevista que Paulo Coelho concedeu ao site, por e-mail.

Socialista Morena – Por que você decidiu fazer um romance autobiográfico apesar de já ter uma biografia publicada, escrita por Fernando Morais?
Paulo Coelho  Na verdade todo livro é autobiográfico, mesmo aqueles que parecem uma metáfora de sua vida, como O Alquimista. Mas desde o primeiro livro, O Diário de Um Mago, no caminho de Santiago, minha transformação, que meus livros são autobiográficos, todos, todos. A biografia do Fernando é boa, mas não toca muito no tema espiritual. É uma pena. É uma grande biografia, mas escrita por uma pessoa que tem uma concepção diferente da minha.

Quem glamouriza a droga não são as pessoas que já experimentaram, são as pessoas que fazem as propagandas antidrogas para o governo e nunca experimentaram

SM – Apesar de levar o nome Hippie, o livro não tem nada da glamourização das drogas que havia no período. Pelo contrário, mostra desprezo por uma viagem de ácido, pintada como banal, desimportante, tola. Por quê?
PC  Não, não há glamourização da droga. A gente viveu o que tinha que viver, não vou dizer que hoje em dia sou contra a droga, aqui na Suíça a maconha é livre, as outras são toleradas, há lugares onde você pode ir e usar. O ácido foi inventado na Suíça, para minha surpresa (risos), eu não sabia, só descobri quando li. Mas chega um tempo que cansa. Por que eu parei de tomar droga? Porque em teoria eu cansei, enchi o saco, virou muito repetitivo. O perigo é justamente a propaganda antidroga, é ela que glamouriza a droga dizendo que ela faz isso, faz aquilo, provoca um lado desafiador no jovem, o jovem vai e toma. Quem glamouriza a droga não são as pessoas que já experimentaram, são as pessoas que fazem as propagandas antidroga para o governo e nunca experimentaram. Se tivessem experimentado teriam visto que a droga é perigosa porque mata a sua vontade, você deixa de ter vontade, passa a viver em função do barato, do efeito da droga. É muito chato, muito entediante.

SM– É coincidência o motorista do ônibus chamar-se Rahul?
PC – O motorista se chamava Rahul mesmo. Agora que você me chamou a atenção pra isso é que eu tô vendo a coincidência, não tinha notado até hoje.

SM – Minha geração herdou da sua o sonho de viajar neste ônibus. Você se arrepende de ter abandonado a viagem no meio?
PC – Talvez eu me arrependa, sim. Eu gostaria de ter ido até o Nepal, não fui até hoje, embora tenha feito uma música, “traga minha bola de cristal, e aquele incenso do Nepal que você comprou num camelô”… Talvez eu tivesse buscado outro momento para aprender sufismo, mas na hora você não pensa muito, não. E “arrepender” também é uma palavra meio difícil. Não diria que me arrependi, diria que poderia ter ido até o final.

SM – Hippie é outro romance seu que também é uma jornada em busca do espiritual, assim como todos, acredito. Um bildungsroman, espécie de precursor de Diário de um Mago… Por que para você é tão importante esta busca ao ponto de, no livro, abdicar de viver uma aventura de amor, coisa que poucos jovens da época fariam?
PC – Não chamo isso de busca. Eu já tive o barato da busca espiritual, mas na verdade não existe busca, não existe o tempo na busca espiritual, existe o encontro, a epifania, o momento em que você se conecta e de repente diz: puxa vida. Mesmo que você não acredite, mesmo que você queira deixar passar, e a maior parte das pessoas deixa passar porque um encontro com o lado espiritual é muito forte, muito desagregador, te balança demais. Então eu acho que não há busca. Há encontros, epifanias, revelações. E foi o que aconteceu no Diário de um Mago. Achei que o meu guia era o Castañeda, eu projetei nele o Castañeda e o cara me deixou na mão, eu achei, mas não. O encontro aconteceu, o encontro foi assim. Eu abdiquei da minha aventura de amor com a Karla no livro porque eu não era apaixonado por ela, essa é a verdade. Se eu fosse morto de amor por ela eu teria continuado com ela até o Nepal. Eu gostava dela, curti, amei a Karla um momento, de repente a coisa se desfez, da minha parte, também da parte dela, imagino. E pronto. Ela tocou pra frente, eu toquei pra frente. Então nenhum dos dois abdicou nada, é o que é.

SM – Aos 70 anos, quase 71, você acha que encontrou o que buscava quando fez esta viagem ou pensa, como Hilda Hilst, que “ainda que se mova o trem, tu não te moves de ti”?
PC – A gente tá sempre se movendo. A ideia de conceber o tempo como algo linear é ruim. O tempo é uma coisa que tá fundida com o espaço, como Einstein demonstrou tão bem na relação tempo-espaço, então não tem isso de não conseguir se mover como diz a Hilda. Você se move, a vida é o trem, não a estação, como eu disse em outro livro, Aleph. Querendo ou não. Os únicos que não se movem são os mortos, viver é movimento.

SM – Tenho a impressão de que nunca teve gente jovem tão conservadora quanto agora. Hoje os jovens pensam de uma forma que a minha geração (e certamente a sua) nunca imaginou que pudessem pensar algum dia. Como você vê o mundo ficando tão careta?
PC – Foi o motivo pelo qual eu escrevi o livro. Uma geração que de repente parou de questionar as coisas, parou de ser mais incendiária, e ficou vivendo com valores conservadores sem se perguntar o que tem do outro lado da porta. Você pode até não gostar do que tem do outro lado da porta, aí você sai fora. Mas essa geração não experimentou, não quer experimentar, tem medo. E o medo está acabando com esse lado rebelde do jovem que foi tão importante na minha geração, nas gerações anteriores e posteriores. Agora de repente as pessoas vivem isso de uma maneira virtual, nas redes sociais e não se entregam à experiência, ao viver.

Por que o Lula insiste tanto? O cara fica insistindo em continuar candidato, mas é tudo besteira, porque não vão deixar, pode fazer o que quiser que não vão. Está escrito aí que os caras não vão deixar ele sair, infelizmente, porque uma eleição sem o Lula vai ser triste

SM – E a situação brasileira? Vejo você sempre com posturas progressistas no twitter e em franco desacordo com o golpe e os rumos que o país tomou desde então. Qual sua expectativa para estas eleições?
PC – Infelizmente vejo o Brasil num momento muito complicado. Converso muito sobre o Brasil com amigos, seja brasileiros, seja estrangeiros. Os estrangeiros são mais pessimistas do que eu sou. E eu não sei, francamente, como isso vai se desenvolver. Acho que o mundo caminha para um fundamentalismo generalizado. Eu não entendo algumas coisas, inclusive da esquerda. Por exemplo: por que o Lula insiste tanto? São coisas que ultrapassam meu entendimento, pô. O cara fica insistindo ali em continuar candidato, deve ter uma ótima razão, uns ótimos advogados, mas é tudo besteira, porque não vão deixar, pode fazer o que quiser que não vão. Está escrito aí que os caras não vão deixar ele sair, infelizmente, porque uma eleição sem o Lula vai ser triste. Torço para que Haddad e Manuela ganhem, mas quando eles resolverem entrar na corrida presidencial, poxa, os outros já comeram ali pela borda. Uma pena. O PT, realmente, de uma grande ilusão positiva se transformou numa grande decepção.

SM – Você narra no livro a tortura que sofreu durante a ditadura sem ter o menor envolvimento com política. Este episódio parece ter marcado profundamente sua juventude e a sua vida, tanto espiritualmente quanto politicamente. Por quê? Estar mais à esquerda é um reflexo disso?
PC – Não, estar mais à esquerda não é reflexo da tortura. A tortura infelizmente foi a pior experiência que tive na minha vida. As torturas, porque foram três. Uma em Ponta Grossa (PR) e duas no Rio de Janeiro. Sendo que eu conto como se tudo fosse em Ponta Grossa. Eu tinha ido com a minha namorada da Iugoslávia para lá, a mulher sabia atirar, vê se pode. Então isso me marcou demais, até para ter uma consciência do que é você estar abandonado à sua sorte, e não poder dizer nada, fazer nada, sua família sem saber onde você está, enfim, este abandono é muito triste. É uma maneira de quebrar você. A dor não é tanta, dói, mas depois passa. Mas a sensação de estar completamente impotente é uma das piores sensações e foi o que senti todas as vezes em que fui preso, a impotência de saber que eu não tinha nada para sair daquela situação. Eu dependia deles, das pessoas que me prenderam. Ainda bem que tive a ideia de usar a casa de saúde onde eu tinha sido internado -a internação não foi nada tão grave, na verdade foi um barato ser louco e conviver com loucos. Eu fiquei de 1974, que foi minha última prisão, até 1977 completamente paralisado de medo, é uma coisa que dura, que te acompanha 24 horas por dia, você acha que está sendo seguido. Aí eu fui morar em Londres e essa sensação se desfez. Mas estar mais à esquerda não é um reflexo disso. Acho que o Brasil precisa de justiça social, eu faço a minha parte através do meu instituto e agora da minha fundação. Ninguém vai para a esquerda porque foi torturado, as pessoas vão para a esquerda por outras razões. A tortura é uma maneira de assustar e não de te abrir a consciência.

LIVRO: Hippie
AUTOR: Paulo Coelho
EDITORA Paralela/Cia. das Letras, 288 págs., R$31,92


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(15) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Priscila Cristiane em 14/08/2018 - 14h02 comentou:

Adoro Paulo Coelho e tudo que ele escreve,mas não consegui entender porque ele defende o Lula.

Responder

Denise Tremura em 14/08/2018 - 15h16 comentou:

“Jovem conservador” é algo que não faz o menor sentido pra mim

Responder

DennyAlblima em 14/08/2018 - 21h06 comentou:

Não sei por que Paulo Coelho e outros tantos. Insistem em querer mostrar que são socilialistas… Quando na realidade vivem uma vida boa e confortável com o dinheiro do capitalismo. Esses caras não sabem o que é levantar as 4 hrs da manhã, tomar banho frio isso quando tem água pra tomar banho. As vezes engolir um pedaço de pão com margarina. E sair correndo com o dia ainda escuro, arriscado a ser assaltado. E depois subir em um metrô ou um ônibus super lotado. Pra chegar no trabalho, passar 8hrs as vezes até 12hrs no dia. Pra no final do mês receber uma mereca de um pouco mais que um salário mínimo. Isso com sorte…80% dos idosos aposentados recebem um salário mínimo.
E com certeza Lula na cadeia está tendo muito mais conforto que muitos brasileiros que não tem uma cama pra dormir ou um cobertor pra se aquecer do frio.
E gostaria de saber o que mudou nesse país? Merda nenhuma! O povo continua pobre e ignorante. O nordeste continua sendo humilhado, esculachado, o povo analfabetos e desdentados.E dando Glória a Deus por que recebe a esmola R$ 70,00 ou é 80,00 reais que espertamente Lula transformou todas as bolsas que o tal do FHC doava. E em uma jogada de mestre formou uma só. A tal da bolsa família; tão aclamada pelo Petistas, socialistas, comunistas e vários outros “ISTA”
Viver na Suíça cheio de grana é uma coisa…Viver no Brasil com um salário mínimo é comer o pão que o diabo amassou…
Então estou de saco cheio, dessa demagogia, dessa hipocrisia.

Responder

    Cynara Menezes em 16/08/2018 - 15h43 comentou:

    pensei que vocês de direita fossem a favor da meritocracia. paulo vive assim porque escreveu e vendeu livros. depois vocês dizem que esquerdista é que é invejoso…

Jailson Carvalho em 14/08/2018 - 21h57 comentou:

Confesso que nunca gostei de Paulo Coelho. Não sei porque, talvez seja os temas que ele trabalha em seus livros, temas por demais místicos, espirituais… Mas suas opiniões políticas são de vital importância para o Brasil atual. Tanto que me interessei pelo livro dele a partir dessa entrevista. Sinto falta, nos artistas, escritores, pensadores atuais, de manifestações mais incisivas sobre a ruptura democrática ou o golpe de 2016. Talvez se eles não tivessem se silenciado, as coisas, e os desdobramentos políticos, teriam sido outros. Não sei!

Responder

Sergio em 15/08/2018 - 10h15 comentou:

Lula não será candidato e fim de papo. Para quê insistir nessa aventura? Sobretudo porque não há apoio político! O povo não está na ruas querendo Lula! O povo não parou o país para exigir Lula livre e candidato. Triste para o PT? Sim! Mas, o povo não está nem aí! A verdade é essa!

Haddad será o candidato. Há quem o chame de golpe dento do PT! Que ele é petista de estrela azul. Mas, será ele! Ou há outro?

Responder

Wanderlaini Aparecida Rodrigues em 15/08/2018 - 11h24 comentou:

Eu gostava muito do Sr Paulo Coelho mais depois dessa entrevista foi de dez a zero.

Responder

Jandui Tupinambás em 15/08/2018 - 16h07 comentou:

Paulo Coelho, vou tentar resumir o porquê Lula ainda não saiu do páreo:

1. Lula foi condenado de forma grotescamente farsante, sem nenhuma prova portanto, é um preso político. Isto precisa de ser denunciado.
2. A lei da ficha limpa (por mais ridícula que seja) possui brechas que permitem a legibilidade
3. Centenas de prefeitos em situações bem piores que Lula registraram suas candidaturas há dois anos atrás e a maioria hoje administra suas cidades
4. A maioria do povo quer LULA. A vontade popular tem que ser respeitada. O PT não pode cuspir na soberania popular.
5. Todos recursos jurídicos devem ser explorados. Desconsiderá-los é entregar de bandeja a cabeça de Lula aos golpistas.
6. Temos que forçá-los a sujar mais ainda suas mãos diante da história pois a jurisprudência é clara: não existe inegibilidade até que o recurso chegue ao STF.
8. Quanto ao tempo que está se perdendo, fique tranquilo. Se Lula indicar o Paulo Coelho e Cynara para presidente dia 17 de setembro, nosso grande escritor que espalhou o nome do Brasil pelo mundo e nossa incrível blogueira, ganham no primeiro turno.

Abraços,

Responder

Ernesto Neto em 15/08/2018 - 20h32 comentou:

É a era de saturno, acabou o tempo da esquerda colorida. 27 anos de seriedade iniciando para ajeitar a casa nosso planeta.

Responder

Sergio a b em 16/08/2018 - 19h25 comentou:

Me parece óbvio que:
a) lula e o pt sabem que lula será inabilitado para a eleição.
b) quanto mais embate entre lula e o judiciário perdura mais lula se fortalece e mais o judiciário se deteriora.

Acho estre óbvio uLULAnte.

Responder

Marcos em 17/08/2018 - 06h53 comentou:

Data vênia, concordo com o comentário do ilustre escritor, em que pese não seja seguidor de suas colocações espirituais, que há um fundamentalismo sendo inserido na sociedade….digo mais, fruto da flexibilização de muitos paradigmas de enfrentamento! Evidente que a “paz e amor” não move montanhas…Lula foi é perseguido por uma elite intelectual e que possui Voz…Lula não representa uma esquerda marxista, porém uma luta progressista! Eis o motivo que a saída do cárcere deve ser uma luta de todos os progressistas! O que precisamos pensar é libertar as mentes que são manipuladas….no Brasil a pobreza, manipulada, é capaz de parabenizar um militar de extrema direita, bater palmas para a polícia repressora….não me assusta rei se o pobre reacionário for de um ideal “Bolsonaro” com discurso para sensibilizar o pobre! O que liberta é uma educação focada em sabermos que não somos o que temos e sim o que somos, como seres humanos! A sociedade capitalista selvagem precisa rever seus conceitos na base, de que não devemos explorar o próximo! Abraços e parabéns a ilustre blogueira e jornalista! Sinal que podemos unir forças e criar meios alternativos de oxigenação!! Saudações socialistas!!!

Responder

Sergio em 17/08/2018 - 08h32 comentou:

“4. A maioria do povo quer LULA. A vontade popular tem que ser respeitada. O PT não pode cuspir na soberania popular.”

A maioria do povo vota em Lula. Mas, não percebeu ou não quer, lutar para tê-lo nas urnas. O que acontece? Chega a pesquisa e apresentam o nome dele. Pronto! Meu voto é de Lula! Mas, querer mesmo, é um sentimento que se o povo tem, não está disposto a ir em busca de seu querer. Isso, infelizmente é do nosso povo.

Responder

m em 19/08/2018 - 18h06 comentou:

Em que pese o poder da blogueira na sua opção de censurar, afinal é dela o poder para filtrar e solicitar inclusive doações a seu trabalho, como deixei comentário aqui sobre o texto anteriormente, gostaria de deixar consignado que o governo do partido dos trabalhadores agiu como o estado age em governos anteriores no tocante a manter imexivel os privilégios dos ocupantes do poder…evidente que a elite petista lutou por avanços sociais a população pobre, lutou por construir melhorias com relevantes projetos de assistencialismo…. todavia reprimiu muito também…ex. a política criminal permaneceu a mesma …agora das opções que temos, o ícone lula possibilitou o diálogo com os movimentos sociais. Entendo que a blogueira deveria explicar o porquê da censura de minha humilde postagem sobre o tem anterior e o critério adotado. Atenciosamente.

Responder

    Cynara Menezes em 20/08/2018 - 15h35 comentou:

    não tem censura nenhuma, amigo, só não há, como na mídia comercial, gente trabalhando 24 horas por dia neste site. tiramos folga aos fins de semana, como todo trabalhador. estão aí seus comentários

m em 22/08/2018 - 03h37 comentou:

Tranquilo. Parabéns pela luta….

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Miruna, filha de Genoino: “A grande mídia parecia sentir prazer em nos sufocar”


Entre 1981, o ano em que Miruna nasceu, e 2005, ano em que estourou o escândalo do mensalão, o cearense José Genoino Guimarães Neto foi um político de esquerda respeitado por todo mundo, até mesmo…

Politik

Lula, guerreiro do povo brasileiro: estou a seu lado porque isso não é justiça,…


Sei que quando eu publicar este texto, irão mais uma vez me acusar de receber dinheiro público ou do PT. Gente capaz de vender a própria consciência em geral pensa que os outros fazem o…