Socialista Morena
Feminismo

Pesquisa comprova que os homens ainda se recusam a compartilhar tarefas domésticas

O número de horas que os homens dedicam aos trabalhos domésticos diminui quando eles se casam, enquanto o das mulheres aumenta: elas trabalham mais que o dobro do que eles em casa

"Busy Mom", Elliot Erwitt, 1955
Da Redação
29 de agosto de 2017, 22h24

Uma pesquisa coordenada pelo Núcleo de Estudos sobre Desigualdades e Relações de Gênero (Nuderg) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) concluiu que, em pleno século 21, os homens continuam a se recusar a dividir as tarefas domésticas com as mulheres. Pior ainda: o número de horas que os homens dedicam aos trabalhos domésticos diminui quando eles se casam, enquanto o das mulheres aumenta. Ou seja, a impressão de que os homens se encostam nas mulheres quando vão morar sob o mesmo teto não é só impressão.

Segundo a pesquisa, quando são solteiros, os homens dedicam quase 13 horas semanais aos cuidados domésticos. Depois que casam, passam a dedicar 12 horas, enquanto as mulheres, que trabalhavam 19 horas em casa quando solteiras, passam a dedicar mais de 29 horas por semana às tarefas domésticas após o casamento. As tarefas em que os homens mais contribuem são pequenos consertos na casa (72,3%), lavar a louça (20,5%) e comprar comida (17,4%). Já as mulheres são as principais responsáveis por lavar e passar roupa (82,6%), cozinhar (81,2%) e limpar a casa (76,2%).

O resultado mostra um avanço mínimo em relação a 2003, quando a pesquisa foi feita pela primeira vez. Naquele ano, as mulheres casadas dedicavam 36 horas semanais aos trabalhos domésticos, enquanto os homens dedicavam pouco mais de 11 horas, quase exatamente como hoje. Em 14 anos, o tempo que os homens casados dedicam às tarefas domésticas aumentou em UMA hora. Ao todo responderam ao questionário 1575 pessoas em todo o Brasil.

O número de horas que os homens dedicam aos trabalhos domésticos diminui quando eles se casam, enquanto o das mulheres aumenta. Ou seja, a impressão de que os homens se encostam nas mulheres quando vão morar sob o mesmo teto não é só impressão

A pesquisa aponta ainda que 90,8% dos homens e 92,2% das mulheres dizem ser felizes, mas que há uma diferença entre o índice dos homens casados que se dizem felizes em comparação com as mulheres. “Não é entre as casadas que as mulheres são mais felizes, é entre aquelas que dizem trabalhar 40 horas. As mulheres percebem a vida conjugal como uma vida com mais conflitos do que os homens percebem, por causa desse conjunto de elementos”, diz Clara Araújo, coordenadora do Núcleo.

E pensar que, se a “reforma” da Previdência de Temer passar, as mulheres ainda vão ter que se aposentar com a mesma idade que os homens…

Com informações da Agência Brasil

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio em 30/08/2017 - 10h07 comentou:

Uma tristeza. Particularmente gosto muito de ajudar nas tarefas do lar. Não cairá a masculinidade lavando uma louça, dar banho nas crianças, varrer a casa, lavar os banheiros… Que mal há nisso? Isso não é feminismo! Isso é ser família!

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

Horrores do capitalismo: escolas públicas dos EUA marcam crianças sem dinheiro pro lanche


No início de abril, a governadora do estado do Novo México, Susana Martinez, sancionou uma lei proibindo estigmatizar e expor as crianças que não têm dinheiro para a merenda, prática conhecida no país como lunch…

Politik

A “geração Zuar e Beber” e a cultura de embebedar a mulher para transar


Toda hora a gente vê uma notícia relacionada a estupro misturada ao uso abusivo de álcool. Mesmo quem “não acredita” –como se isso fosse possível– que há uma cultura do estupro em nosso país é capaz…