Petistas pedem investigação de filme sobre a Lava-Jato por usar armas e até avião da PF

pimentadamous

(Os deputados Damous, Pimenta e Teixeira. Fotos: Lula Marques/Agência PT)

Imaginem, apenas imaginem, se Dilma Rousseff fosse presidente e a Polícia Federal cedesse agentes, helicópteros, armas, uniformes e até um avião para um filme contra Fernando Henrique Cardoso ou contra Aécio Neves. Segundo os deputados petistas Wadih Damous, Paulo Teixeira e Paulo Pimenta, foi isso que aconteceu com o filme sobre a Lava-Jato que está sendo produzido e que tem Lula como “protagonista”. Os deputados vão entrar com uma representação junto ao Ministério Público Federal para investigar o filme, que conta com um “investidor secreto” além da “gentileza” da PF.

Segundo os petistas, uma série de irregularidades foi cometida por delegados e agentes da Polícia Federal ao se associarem, de maneira informal, à produção de um filme que diz retratar os “bastidores” da operação. Para os deputados, foi estabelecida uma “relação promíscua” entre a PF e a produção do filme –que se chamará Polícia Federal: A Lei é Para Todos”– e os agentes públicos envolvidos devem ser responsabilizados criminalmente.

O empréstimo informal de viaturas, armas, uniformes, carros, combustível, helicóptero e até um avião, além da cessão de agentes, e o fechamento da sede da Superintendência da PF em dia de expediente para gravação de cenas são algumas das ilegalidades que os parlamentares apontam, inclusive a partir de registros oficiais dos sistemas administrativos da corporação. “Este filme integra o cenário de Estado de exceção no qual nos encontramos”, disse Damous na coletiva para anunciar a representação que será protocolada nesta quinta, 6 de abril. “Queremos que tudo seja rigorosamente apurado, esse tipo de promiscuidade com particulares para enaltecer o papel da PF.”

juniordurski

De acordo com os parlamentares, há imagens de agentes da PF confraternizando com a equipe do filme numa das unidades do restaurante Madero, na capital paranaense (coincidentemente, a rede de restaurantes apareceu na operação Carne Fraca como tendo pago propina a fiscais). Há ainda informações de que agentes da Polícia Federal teriam se deslocado até São Paulo durante o carnaval para participar do filme. Pelo menos 10 agentes da PF estariam envolvidos diretamente na produção.

“Há um delegado, de nome Reinaldo, que teria sido instado pelo diretor-geral da Polícia Federal a ajudar no patrocínio do filme, para arrumar patrocinadores”, afirmou Damous. Os deputados pedem que seja investigada a possibilidade de terem sido cometidos os crimes de improbidade administrativa, abuso de autoridade, prevaricação e peculato por parte do diretor geral da PF, Leandro Daiello, do delegado Igor Romário de Paula e de alguns agentes. Com base na Lei de Acesso à Informação, os parlamentares destinaram a Daiello, no dia 24 de fevereiro, um pedido completo de informações relacionadas ao episódio. Até o momento, não houve qualquer resposta do diretor geral.

aryfontoura

(Ary Fontoura como Lula no filme. Foto: divulgação)

O juiz Sérgio Moro também será denunciado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por não ter tomado qualquer atitude efetiva para impedir a cessão ilegal de imagens da Lava-Jato para uso pelo filme. “Embora tenha havido proibição judicial por parte do juiz Sérgio Moro, as filmagens do sequestro do presidente Lula não só foram feitas como foram cedidas à equipe de filmagem”, afirmou Wadih Damous, baseando-se em declarações à imprensa de integrantes da equipe, como o ator Ary Fontoura, que disse à revista Veja ter tido acesso às imagens de Lula sendo conduzido coercitivamente, em março do ano passado. Em seu despacho, o juiz Moro havia deixado expresso que os agentes não poderiam filmá-lo.

Segundo Wadih Damous, não se trata de “impor censura”, como justificou Moro sobre o uso das imagens pela equipe do filme. “Ele diz que não pode funcionar como censor, mas deve funcionar como juiz e fazer obedecer suas próprias determinações judiciais.”

(Com informações da Agência PT)

 

 

 

Leia também  Falocracia e o puritanismo seletivo dos machistas (que nem sabem onde fica o clitóris)

O Socialista Morena é um blog de jornalismo independente. Se você quiser contribuir financeiramente, doe ou assine. Quanto mais colaborações, mais reportagens exclusivas. Obrigada!!

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode apenas usar qualquer cartão de crédito ou de débito. Ou, você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência 3310
Conta Corrente 23023-7

Publicado em 5 de abril de 2017