Socialista Morena
Kapital

Piada pronta: Philip Morris lança fundação “por um mundo livre de fumaça”

Fabricante do Marlboro pretende "acelerar o fim do hábito de fumar cigarros", que seriam substituídos por vaporizadores eletrônicos –também produzidos e comercializados por ela

Anúncio da Philip Morris com Lucille Ball e Desi Arnaz em 1952
Cynara Menezes
02 de outubro de 2017, 17h09

É como se a indústria de armamentos anunciasse a criação de uma fundação “por um mundo livre de guerras”. A Philip Morris, uma das maiores fabricantes de cigarro do planeta, está lançando uma fundação “por um mundo livre de fumaça”. No último dia 13 de setembro, a fabricante do Marlboro anunciou que destinará 80 milhões de dólares nos próximos 12 anos à Foundation for a Free-Smoke World, que teria a pretensão de acelerar o fim do hábito de fumar cigarros no planeta.

Para dar aquele ar de “neutralidade” e seriedade à empreitada, a empresa contratou um ex-diretor da OMS (Organização Mundial de Saúde) para ser o presidente da fundação. O especialista em saúde pública sul-africano Derek Yach explicou ao jornal britânico The Guardian que a ideia por trás de “livrar o mundo de fumaça” é substituir os cigarros de tabaco pelos vaporizadores (Iqos), que, por aquecer o tabaco em vez de queimá-lo, seriam menos danosos à saúde –e que também, é claro, são produzidos e comercializados pela empresa. “A intenção é criar uma fundação independente que reúna os mais altos padrões de normas éticas e legais e que aborde a verificação científica de maneira inovadora”, disse.

A OMS soltou um comunicado dizendo que não se envolverá na fundação e aconselha os governos a também não apoiá-la

Entidades que combatem a indústria do tabaco mostraram ceticismo. Ainda mais a OMS, que viu seu nome sendo de certa forma utilizado para avalizar a fundação, e decidiu emitir um comunicado em que afirma não ter nada a ver com a iniciativa. “A Assembleia Geral da ONU reconheceu um conflito de interesses fundamental entre a indústria do tabaco e a saúde pública. A OMS não se envolve com a indústria do tabaco ou com atores não estatais que trabalham para promover seus interesses. Por isso, o organismo internacional não se envolverá com esta nova fundação”, afirmou a agência da ONU.

Segundo a organização, o artigo 5.3 da Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco (CQCT) indica claramente que os governos devem limitar as interações com a indústria do tabaco e evitar parcerias. Essas diretrizes também explicitam que os governos não devem aceitar contribuições financeiras do setor de tabaco ou daqueles que trabalham para promover seus interesses, como esta fundação, alertou a OMS.

A entidade acusou a gigante dos cigarros de se opor às políticas da ONU de combate ao tabagismo. “Se a Philip Morris estivesse verdadeiramente comprometida com um mundo livre de tabagismo, a empresa apoiaria essas políticas. Em vez disso, opõe-se a elas. A empresa faz pressão em grande escala e litígios prolongados e dispendiosos contra políticas de controle de tabaco baseadas em evidências, como as encontradas na Convenção-Quadro e no MPOWER da OMS, que auxilia na implementação da CQCT”, salientou.

As políticas comprovadamente eficazes para o combate ao tabagismo ainda são os impostos sobre os produtos, os rótulos de advertência gráficos, as proibições abrangentes de publicidade, a promoção e o patrocínio, além de oferta de ajuda para parar de fumar. “Essas políticas não se concentram apenas em ajudar os usuários a largarem o fumo, mas também a prevenir o início do consumo”, completou a agência da ONU, destacando que as pesquisas para redução de danos causados pelo tabaco não devem ser financiadas por empresas que vendem esses produtos.

Se a Philip Morris estivesse verdadeiramente comprometida com um mundo livre de tabagismo, apoiaria as políticas da ONU. Em vez disso, opõe-se a elas

“Apenas no ano passado, por exemplo, a Philip Morris perdeu um acordo de investimento de seis anos com o Uruguai. A empresa gastou aproximadamente 24 milhões de dólares para se opor às advertências de saúde em larga escala e também à proibição de embalagens enganosas em um país com menos de quatro milhões de habitantes”, afirmou a OMS.

“A indústria do tabaco e seus grupos têm enganado o público sobre os riscos associados a outros produtos derivados do tabaco. Isso inclui a promoção dos chamados produtos de tabaco ‘light’ e ‘suaves’ como alternativa a largar de fumar, sabendo que esses produtos não eram menos nocivos para a saúde. Essa conduta enganosa ainda continua nas empresas, incluindo a Philip Morris, que comercializam produtos dessa natureza sugerindo equivocadamente que alguns deles são menos prejudiciais do que outros.”

“Quando se trata da Foundation for a Smoke-Free World, há uma série de conflitos de interesses claros envolvidos com uma empresa de tabaco que financia uma suposta fundação de saúde, ao mesmo tempo que promove a venda de tabaco e também de outros produtos encontrados em seu portfólio. A OMS não se associará à fundação. Os governos não devem fazer parceria com essa iniciativa e a comunidade de saúde pública deve seguir essas orientações”, concluiu.

O “cigarro que não queima tabaco” da Philip Morris

Em 2016, o CEO da Philip Morris, André Calantzopoulos, disse à BBC que a empresa gostaria de atuar junto a governos para promover o fim dos “cigarros convencionais”, isto é, substitui-los pelos Iqos, que continuariam dando lucros bilionários à empresa sem (provavelmente) tantas ações na Justiça. O vaporizador do fabricante do Marlboro, que funciona a bateria, produz nicotina, mas não efetua a combustão do tabaco. A empresa sustenta que o vapor produzido alcança temperaturas muito mais baixas do que os cigarros convencionais e por isso seria “mais saudável”.

“Como o tabaco é aquecido e não queimado, os níveis de produtos químicos nocivos são significativamente reduzidos comparados à fumaça do cigarro”, diz a empresa sobre o Iqos. “O que há nele? Um vapor contendo nicotina –não fumaça– que faz do Iqos um produto livre de fumaça que satisfaz fumantes.” Não há, porém, estudos científicos que apoiem estas conclusões.

 

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
Nenhum comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Sicko – S.O.S. Saúde, de Michael Moore


Você que critica o SUS (Sistema Único de Saúde), muitas vezes sem nem usá-lo, acha que temos a pior saúde pública do mundo, não é? Isso é porque você não conhece o sistema que funciona…

Politik

13 anos depois, carne dos EUA se livrou da “vaca louca”, mas não dos…


Ninguém lembra mais por que o Brasil e outros 14 países proibiram, em 2003, a importação de carne dos Estados Unidos. Em dezembro de 2003, o Departamento de Agricultura norte-americano confirmou o primeiro caso da chamada…