Socialista Morena
Mídia

Quais os limites do jornalismo?

Só podia ser na terra onde Rupert Murdoch fez fortuna no jornalismo. E onde, pelo visto, fez escola. Uma repórter da TV inglesa está sendo massacrada pela opinião pública por ter dado aos voluntários que estavam ajudando nas buscas da menina April Jones, de 5 anos, desaparecida desde a última segunda-feira, a notícia de que […]

Cynara Menezes
05 de outubro de 2012, 22h32

Só podia ser na terra onde Rupert Murdoch fez fortuna no jornalismo. E onde, pelo visto, fez escola. Uma repórter da TV inglesa está sendo massacrada pela opinião pública por ter dado aos voluntários que estavam ajudando nas buscas da menina April Jones, de 5 anos, desaparecida desde a última segunda-feira, a notícia de que ela está provavelmente morta. A repórter Kay Burley, do canal Sky News, se aproximou ao vivo dos voluntários. Uma delas acabara de receber a notícia da jornalista e já estava chorando. A outra chega perguntando: “O que foi? O que foi?”

Segue-se o seguinte diálogo:

– Eu não sabia que vocês não tinham sido avisadas. Eles não esperam encontrar a menina viva. Sinto muito por ter de contar a vocês desse jeito… Gostariam de dizer alguma coisa?

– Se eles ainda não a encontraram, há uma chance. Onde há esperança, há uma chance. Ela ficará bem. Nós a acharemos.

– O que você acha que vai acontecer agora? Como está se sentindo?

– Entorpecida.

E aí a repórter friamente conclui sua “entrevista”:

– Vou deixar que vocês se recomponham. Se quiserem falar conosco depois, estamos aqui. Cuidem-se, OK?

Não é a primeira vez que Burley é acusada de ultrapassar os limites do jornalismo. Segundo a revista Salon, em 2008 ela perguntou a um serial killer:

– Você acha que se tivesse uma vida sexual melhor teria feito isto?

A falta de sensibilidade da repórter inglesa é realmente de doer até para um país onde os tabloides espionavam autoridades. Mas aqui no Brasil teve um caso pior, lembram? A repórter da Bandeirantes na Bahia que humilhou o rapaz negro na delegacia. Aliás, aconteceu alguma coisa com ela ou ficou por isso mesmo?

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sandro Lobo em 05/10/2012 - 22h53 comentou:

BITCH – é a melhor palavra no vernáculo dela para definir esse tipo de atuação…

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Mídia

O “jornalismo” misógino e chapa branca da revista IstoÉ ataca novamente


Desde que Lula chegou ao poder, o jornalismo brasileiro entrou em uma espiral de decadência: mal feito, machista, reacionário, provinciano e capaz de rifar sua linha editorial em troca de anúncios

Politik

Por que a entrevista de Mirian Dutra sobre FHC é notícia?


Muita gente, de direita e esquerda, anda questionando nas redes sociais se a entrevista de Mirian Dutra à revista Brasil com Z, editada na Europa para brasileiros, é notícia, em termos jornalísticos, ou apenas fuxico.…