Socialista Morena
Kapital

Renda média do trabalhador brasileiro caiu 14 reais em 2017, informa IBGE

Governo Temer se esforça em realizar a "profecia Xibom Bombom": o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre

Criança na favela Alba, zona Sul de São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Da Redação
11 de abril de 2018, 15h35

Dados da PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostram que o governo Temer se esforça arduamente em realizar a “profecia Xibom Bombom”: o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre. O rendimento médio mensal dos trabalhadores brasileiros mais pobres caiu de 76 reais em 2016 para 47 reais em 2017.

Em termos gerais, o rendimento médio mensal per capita caiu 14 reais entre 2016 e 2017: em 2016, quando Temer assumiu, o brasileiro recebia 1.285 reais em média, contra 1.271 reais no ano passado. Ao mesmo tempo, o 1% da população mais rica recebeu 36 vezes mais do que os pobres em 2017; 10% da população concentram quase a metade da renda do país.

Em 2017, a massa de rendimento domiciliar per capita do país foi de 263,1 bilhões de reais. Desse total, 43,3% ficaram concentrados nos 10% da população brasileira mais rica, parcela superior à dos 80% com os menores rendimentos. O coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, ressalta que o Nordeste é onde esses 10% concentram a maior massa de rendimentos, 45%: “em particular na Bahia, onde essa concentração chega a 48,9%. No Sul a desigualdade é menor, 37,2%. Em Santa Catarina, por exemplo, os 10% de maior rendimentos detêm 32,4% dessa massa”.

O rendimento médio mensal per capita caiu 14 reais entre 2016 e 2017: em 2016, quando Temer assumiu, o brasileiro recebia 1.285 reais em média, contra 1.271 reais no ano passado

A desigualdade, porém, aumentou em quatro das cinco grandes regiões do Brasil de 2016 para 2017, exatamente no mesmo período em que o consórcio PMDB-PSDB tomou o poder. Numa escala de 0 a 1, quanto maior o índice de Gini (indicador que mede a desigualdade), pior é a distribuição de renda. No Nordeste, o Gini subiu de 0,555 em 2016 para 0,567 em 2017; no Norte, foi de 0,539 para 0,544; no Sul, de 0,473 para 0,477; e no Centro-Oeste, de 0,523 para 0,536. No Sudeste, recuou de 0,535 para 0,529.

Mas a redução no índice de Gini no Sudeste, de acordo com o coordenador, não se deu pelo avanço da população de menor renda. “Não foi ela que subiu um degrau, mas foi quem estava em cima que desceu um degrau e não é essa a melhor forma de se reduzir a desigualdade. O ideal é que se reduza desigualdade com todo mundo avançando”, afirmou.

Na região Sudeste, ao contrário, a concentração de renda foi ainda maior. Nesta região, está a maior parcela da população e reúne rendimento médio mensal real do grupo de 1% mais ricos. No Sudeste, este grupo chegou a ter concentração 33,7 vezes superior ao rendimento médio mensal real de 50% da população com os menores rendimentos –em 2016 era de 36,3 vezes.

O 1% da população mais rica recebeu 36 vezes mais do que os pobres em 2017; 10% da população brasileira concentram quase a metade da renda do país

Os números também derrubaram o mito de que, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, os programas de transferência de renda respondem pela maior parte do rendimento das famílias. “Isso não é verdade. Quando olhamos o país como um todo, observamos que 73,8% da composição do rendimento da família vem do trabalho”, diz Azeredo.

As regiões Nordeste e Norte, apesar de terem os menores valores de rendimento médio mensal real para ambos os sexos dentre todas as demais regiões, apresentaram a menor diferença em termos de gênero: no Nordeste, o salário da mulher equivalia a 84,5% do salário do homem em 2017, enquanto no Norte este percentual era de 87,9%. Em 2016, o salário da mulher equivalia a 88,4% do homem no Nordeste e a 89,2% no Norte. Já o Sudeste é a região onde as mulheres registraram a menor proporção em relação ao salário masculino (73,1% em 2017 ante 71,7% de 2016).

Se todos recebessem o mesmo, a renda mensal seria de 2.112 reais, mas não é isso que acontece. A metade dos trabalhadores mais pobres recebe, em média, 754 reais, enquanto o 1% mais rico ganha, em média, 27.213 reais, 36,1 vezes mais

Se todas as pessoas que têm algum tipo de rendimento no Brasil recebessem o mesmo valor mensal, ele seria de 2.112 reais, mas não é isso que acontece. A metade dos trabalhadores mais pobres recebe, em média, 754 reais, enquanto o 1% mais rico ganha, em média, 27.213 reais, ou seja, 36,1 vezes mais.

Outra forma de observar a desigualdade é através da renda domiciliar per capita, que é calculada da seguinte forma: soma-se todos os rendimentos de um domicílio e divide-se pelo número de moradores. Em 2017, o rendimento médio domiciliar per capita foi de foi de 1.271 reais. Mas, da massa de 263,1 bilhões de reais gerados, os 20% da população mais ricos ficaram com uma parte superior à dos 80% mais pobres.

E o motivo todo mundo já conhece: é que o de cima sobe e o de baixo desce.

Com informações da Agência IBGE e da Agência Brasil

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(4) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Sergio Souza em 11/04/2018 - 15h37 comentou:

Deveríamos ir às ruas por causa disso! Quando iremos? NUNCA!

Responder

Marcos Santos em 13/04/2018 - 13h53 comentou:

E quem estava no governo em 2015? “Renda do trabalhador em 2015 tem a primeira queda desde 2004”, fonte Valor Econômico (http://www.valor.com.br/brasil/4414292/renda-do-trabalhador-em-2015-tem-primeira-queda-desde-2004).

Responder

    Hélio César em 13/04/2018 - 18h05 comentou:

    Ôh Idiota! e os salvadores golpearam o poder, não foi exatamente pra te salvar? olhe, vai continuar aumentando ainda mais essa desigualdade. Grande trouxa.

Marcos Santos em 15/04/2018 - 22h01 comentou:

Achei que as discussões fossem de mais alto nível nesse site. Faço um comentário e sou agredido verbalmente. Triste.

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Kapital

De olho nas terras indígenas, Bolsonaro ilude eleitor com “corrida do nióbio”


Audiência pública na Câmara colocou o nióbio em pratas limpas: o Brasil já faz uma exploração racional do minério, que não "vale mais que o ouro"

Kapital

Planos de saúde dão as cartas no governo e o alvo são os idosos


O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor diz que o projeto que libera reajuste de plano de idosos é “recorta e cola” das propostas das operadoras