Socialista Morena
Cultura

Teocracia: STF decide que escolas públicas terão ensino religioso confessional

Agora, se um governador ou prefeito pertencer a uma determinada religião, poderá impor às escolas estaduais e municipais que adotem o ensino dela

Detalhe da parede do plenário do STF
Da Redação
27 de setembro de 2017, 23h34

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu hoje que as escolas públicas brasileiras poderão ensinar uma religião específica às crianças em vez de uma disciplina genérica onde seria abordada a história de todas as religiões. Isso significa que, futuramente, se um governador ou prefeito pertencer a uma determinada religião, poderá impor às escolas estaduais e municipais que adotem o ensino dela. A decisão abre espaço para o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, por exemplo, criar uma disciplina onde se ensine às crianças o modo Igreja Universal de ver o cristianismo.

Por 6 votos a 5, o Supremo julgou improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade na qual a Procuradoria-Geral da República questionava o modelo de ensino religioso nas escolas da rede pública de ensino do país. A PGR pedia que o ensino religioso nas escolas públicas não fosse vinculado a religião específica e que se proibisse a admissão de professores na qualidade de representantes das confissões religiosas, como padres, pastores, rabinos etc.. Sustentava que tal disciplina, cuja matrícula é facultativa, deve ser voltada para a história e a doutrina das várias religiões, ensinadas sob uma perspectiva laica.

O julgamento foi retomado hoje com o voto do ministro Marco Aurélio, que acompanhou o relator, ministro Luís Roberto Barroso, pela procedência do pedido. Para ele, a laicidade estatal “não implica o menosprezo nem a marginalização da religião na vida da comunidade, mas, sim, afasta o dirigismo estatal no tocante à crença de cada qual”. “O Estado laico não incentiva o ceticismo, tampouco o aniquilamento da religião, limitando-se a viabilizar a convivência pacífica entre as diversas cosmovisões, inclusive aquelas que pressupõem a inexistência de algo além do plano físico”, ressaltou, acrescentando que não cabe ao Estado incentivar o avanço de correntes religiosas específicas, mas, sim, assegurar campo saudável e desimpedido ao desenvolvimento das diversas cosmovisões.

A PGR sustentava que o ensino da religião, cuja matrícula é facultativa, deve ser voltado para a história e a doutrina das várias religiões, ensinadas sob uma perspectiva laica

No mesmo sentido, votou o ministro Celso de Mello (leia a íntegra do voto), ao entender que o Estado laico não pode ter preferências de ordem confessional, não podendo interferir nas escolhas religiosas das pessoas. “Em matéria confessional, o Estado brasileiro há manter-se em posição de estrita neutralidade axiológica em ordem a preservar, em favor dos cidadãos, a integridade do seu direito fundamental à liberdade religiosa”, destacou, ao acompanhar integralmente o relator da ação direta.

O voto de Gilmar Mendes, na semana passada, foi particularmente ridículo. Ironizando, o ministro questionou se, no futuro, o clamor por um estado verdadeiramente laico acabaria por “ameaçar” símbolos nacionais. “Será que precisaremos em algum momento chegar a discutir a retirada da estátua do Cristo Redentor por simbolizar a influência cristã em nosso país? Ou a extinção do feriado nacional da padroeira, Nossa Senhora Aparecida? São Paulo passaria a chamar Paulo? Santa Catarina passaria a chamar Catarina? E o Espírito Santo? Poderia se pensar no espírito de porco.”

Última a votar, a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, seguiu a divergência apresentada pelo ministro Alexandre de Moraes, no sentido de julgar a ação improcedente a fim de que o ensino religioso nas escolas públicas brasileiras tenha natureza confessional. “A laicidade do Estado brasileiro não impediu o reconhecimento de que a liberdade religiosa impôs deveres ao Estado, um dos quais a oferta de ensino religioso com a facultatividade de opção por ele”, ressaltou a ministra.

Votaram pela improcedência do pedido os ministros Alexandre de MoraesEdson Fachin, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia. Ficaram vencidos os ministros Luís Roberto Barroso (relator), Rosa Weber, Luiz Fux, Marco Aurélio e Celso de Mello.

O próximo passo será tornar o ensino religioso obrigatório?

Com assessoria do STF

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(1) comentário Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Rodrigo Dias em 30/09/2017 - 13h32 comentou:

Isso me fez lembrar duma pergunta antiga: Qual é a explicação para que o Executivo e o Legislativo sejam preenchidos através do voto, mas não o Judiciário? Isso do jeito que está hoje é bom ou ruim para o povo?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Cultura

Entrevistas históricas: Oriana Fallaci entrevista dom Helder Câmara


Houve bispos que silenciaram durante as ditaduras na América do Sul. Será que o papa Francisco, o bispo Bergoglio, não foi, no mínimo, omisso diante das barbaridades cometidas na Argentina? Mas houve um bispo que,…

Cultura

Quem matou o diplomata brasileiro? Um mistério no Itamaraty da ditadura


Paulo Dionísio de Vasconcelos saiu de casa após o almoço e apareceu morto, num carro, na Holanda, em 1970. 40 anos depois, jornalista revela sua existência