Socialista Morena
Politik

Sisa, o crack que está devastando a Grécia: os pobres pagam pelos erros do FMI

Na quarta-feira 29 de maio vazou um relatório confidencial do FMI (Fundo Monetário Internacional) admitindo que o órgão errou grosseiramente na avaliação da crise grega. Estimou para baixo dados de recessão e desemprego. A “estratégia” do Fundo de colocar os mais pobres para pagar a conta das crises do capitalismo é velha conhecida dos latino-americanos, […]

Cynara Menezes
10 de junho de 2013, 22h08

(foto: Worldgrapher)

Na quarta-feira 29 de maio vazou um relatório confidencial do FMI (Fundo Monetário Internacional) admitindo que o órgão errou grosseiramente na avaliação da crise grega. Estimou para baixo dados de recessão e desemprego. A “estratégia” do Fundo de colocar os mais pobres para pagar a conta das crises do capitalismo é velha conhecida dos latino-americanos, e o mesmo está ocorrendo na Europa. A Grécia é hoje o mais sofrido país da zona do Euro. Os suicídios no país cresceram 40% nos últimos anos. Também aumentaram os assassinatos e os infectados por HIV e até malária.

Os países ricos da Europa sempre utilizaram a sigla “PIGS” para se referirem a Portugal, Itália, Espanha e Grécia, como se os quatro fossem a América Latina de lá. Com a criação da União Europeia, estes países viveram durante anos sob a ilusão de terem “virado europeus”, mas a realidade se mostra outra com a crise econômica. Me causa particular indignação que, ao mesmo tempo que nutriam seu desprezo pelos “PIGS”, os alemães, por exemplo, adoravam curtir as férias justamente neles. Ou seja: enquanto serviam como balneário, estava ótimo. Agora que estão tendo problemas, viraram um estorvo na vida da senhora Angela Merkel.

Obviamente, com a crise, veio outra mazela diretamente ligada ao aumento das doenças infecto-contagiosas: as drogas. A heroína, que se notava nas ruas de várias capitais europeias no passado, com viciados se arrastando pelas sarjetas e pelos metrôs, voltou a fazer vítimas. Mas o pior mesmo é uma novidade, muito mais barata, que está devastando os gregos e que logo certamente se espalhará entre os pobres do continente: Sisa, espécie de crack que se fuma em cachimbo de vidro (ou se injeta), mas que não é subproduto da cocaína e sim um composto de várias substâncias. Em fevereiro do ano passado, em um artigo para o Terra Magazine, o jurista Walter Maierovitch já alertava para o perigo da Sisa:

“Na quebrada Grécia, as organizações criminosas estão ofertando, e o país de origem ainda é desconhecido da Europol (polícia da União Europeia), uma droga composta de detergente e líquido de baterias. A nova droga tem consistência de pedra, como o crack. Mas, atenção: a pedra consumida na Grécia não contém coca como princípio ativo.

Os gregos chamam essa nova droga de Sisa e é aquecida e fumada com o emprego de cachimbos, como se vê na Cracolândia de São Paulo. A Sisa custa dois euros, mas em certas zonas degradadas de Atenas é vendida a 0,50 euros. Numa comparação, o papelote de cocaína, para os helênicos, sai a 5 euros e cada picada de heroína, proveniente do Afeganistão e refinada na Turquia, custa de 20 a 30 euros.

Segundo o Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência, com sede em Lisboa, os efeitos da Sisa são devastadores: ‘Comparável a 18 meses de consumo injetável de heroína’, informa nota do órgão.”

Com a disseminação da droga impulsionada pela crise econômica, a Grécia está virando a cracolândia da Europa. Há três semanas, a revista online Vice publicou uma reportagem sobre a Sisa, que denominou “a cocaína dos pobres”:

“Em 2012, Charalampos Poulopoulos, diretor da Kethea, organização antidrogas e de reabilitação mantida pelo governo, publicou uma pesquisa intitulada ‘Crise Econômica na Grécia: Riscos e Desafios da Política e Estratégia de Combate às Drogas’, para o jornal Drugs and Alcohol Today. Nela, Charalampos detalhou as formas como o desastre econômico grego exacerbou o uso de drogas no país, afirmando que ‘as taxas de consumo de drogas e álcool, assim como os problemas de saúde mental associados a isso, devem aumentar enquanto a recessão continuar’. Em sua essência, o relatório oferece dados sobre o óbvio: a instabilidade que resulta de uma pobreza generalizada e em expansão em todo o país leva problemas de saúde, desesperança e automedicação com uso de drogas ilegais.

‘Nos últimos dois anos, os usuários de drogas se tornaram mais autodestrutivos’, escreveu Charalampos. ‘Principalmente na região de Atenas, onde os efeitos da crise econômica são mais óbvios.’ Segundo o pesquisador, foi mais ou menos nessa época que a Sisa surgiu no mercado.

O ingrediente básico da Sisa é a metanfetamina. Os dependentes dizem que também pode conter excipientes como ácido de bateria, óleo de motor, xampu e sal de cozinha. ‘Não existem dados oficiais sobre isso’, disse Charalampos. ‘O Laboratório Químico Estatal Geral da Grécia ainda não conseguiu número suficiente de amostras para chegar a nenhuma conclusão.'” (Leia a íntegra da reportagem aqui.)

A Vice também fez este vídeo assustador sobre os efeitos da droga entre os gregos. Quem vai ser responsabilizado por este desastre? O FMI? Imagina.

Assista:


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(16) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Ivaldo Pontes em 10/06/2013 - 22h22 comentou:

Sinceramente Cynara, você acredita que houve erro do FMI?
Ou é a mesma política indiscriminada que nos submeteu durante
vinte 20 anos?
Abs

Responder

grego em 10/06/2013 - 22h30 comentou:

acho que vc trocou Irlanda por Italia na sigla PIGS

Responder

    morenasol em 10/06/2013 - 22h53 comentou:

    não ; )

Iana em 10/06/2013 - 22h59 comentou:

Que pena que o vídeo não tem legenda… 🙁

Responder

    morenasol em 11/06/2013 - 02h15 comentou:

    iana, já está com legendas em português

Marinho em 11/06/2013 - 13h50 comentou:

O nome PIG também era referente à Irlanda.

Responder

    Arthur Reis em 13/06/2013 - 12h52 comentou:

    Não, a sigla PIIGS se refere à Irlanda.

Fábio de O. Ribeiro em 11/06/2013 - 18h08 comentou:

Pois é… a única coisa que as elites tem a oferecer neste momento à juventude européia e norte-americana é crack, cocaína, ópio, maconha e outras porcarias igualmente destrutivas. Nenhuma novidade. Tudo continua como no tempo da expansão do Império Romano.

Antes de conquistar militarmente as tribos gaulesas, germânicas, etc… os romanos introduziam o vinho nas mesmas, produto cujo vício tornava as sociedades dependentes do comércio com Roma e enfraquecia a capacidade de organização e resistência militar dos aldeões. Julio Cesar, em seu livro Bellum Galica destina um capítulo a descrição dos usos e costumes de alguns destes povos bárbaros e repreende com vigor uma tribo no alto dos Alpes, já fora da Itália, que se recusava a permitir o comércio e consumo do vinho romano e sempre dificultava a passagem das tropas de Roma pela região obrigando-as a lutar, a pagar pela passagem ou a contornar a região.

Que os romanos, séculos antes de Cristo, fizessem isto com outros que consideravam bárbaros é algo que consideramos bastante reprovável. Mas o que fazem hoje as elites com seus próprios povos é simplesmente ultrajante, monstruoso, inominável. Afinal, nem mesmo os romanos, que eram brutais e cruéis, eram brutais e cruéis o bastante para deliberadamente destruir as vidas de seus próprios concidadãos usando tamanha perfídia (exceto quando eles estavam em Guerra Civil, pois que nesta tudo é permitido). E nós outros, civilizados cristãos pós-romanos? Estamos em guerra civil (como disse Karl Marx) ou não? A julgar pelo que tem sido feito, só posso concluir que sim.

Responder

    Milton em 15/06/2013 - 02h04 comentou:

    Tem um trecho deste seu escrito que abre um questionamento, aqui no meu pensamento!
    : "E nós outros civilizados cristãos pós-romanos?". Me pergunto: civilizados por quem? E Roma ainda existe!
    Sem força militar, mas com uma força que faz um estrago ainda maior no desenvolvimento da HUMANIDADE: fé sem conhecimento.

Alvaro Fernando em 11/06/2013 - 19h18 comentou:

Só para esclarecimento: inicialmente o i da sigla PIG referia-se realmente à Irlanda, que 'quebrou' antes da Itália, mas depois que as finanças da Itália também se deterioraram, ela também passou a ser identificada com um dos países do PIG, até com a sigla PIIGS, que convenhamos não tem o mesmo sentido subjetivo dado a PIGS. Esclarecido?

Responder

adminblogash em 11/06/2013 - 19h24 comentou:

Mais que balneario economias frageis e pouco protegidas, mercados prontos para serem engolidos pelas transnacionais francesas e alemas. Do ponto de vista economico paises como Grecia e Portugal cometeram suicidio ao aceitar utilizar a mesma moeda que a Alemanha, era obvio que suas empresas seriam destruidas.
Agora a chegada da metanfetamina, que torço muito para que nao venha tao cedo pro Brasil, demonstra bem claramente a relacao miseria/consumo de drogas pesadas que tantos caretas brasileiros insistem em fingir que nao existe.

Responder

Felipe em 11/06/2013 - 19h43 comentou:

Eu discordo da autora deste post com relação às causas da crise na Grécia. Vejo um texto carregado de ideologia, bem parcial. Só isso.

Responder

Milton em 12/06/2013 - 04h21 comentou:

Bom…Perdoem minha ignorância. Mas alguém poderia me esclarecer : Quando se fala em ELITES, está se referindo a quem?

Responder

    Bacellar em 12/06/2013 - 16h22 comentou:

    Grandes herdeiros e tecnocratas (que se confundem em muitos casos). Os proprietarios e socios majoritarios de gigantes como Gerdau, Odebrecht, EBX, Itaoeste,Itau,etc, etc…Detentores e agentes do grande capital nacional e seus socios (quiça patrões) estrangeiros. Não confundir com a pequena elite que possui 1 ou 2 milhoes entesourados, falamos aqui de capital: d-m-d´.

    Capische paesano?

Maria Olimpia em 12/06/2013 - 17h34 comentou:

Excelente matéria! Já postei no face e comentei!
Como países "pendurados " no FMI e BCE estão deixando suas populações à deriva ao ponto de perderem toda e qualquer esperança e se degradarem a este ponto! A tenência é o alastramento desta "maldita" droga pela Europa! Ms, "who cares?"", parafraseando nosso despótico presidente do STF!

Responder

Alexandre Cimatti em 14/06/2013 - 01h44 comentou:

Mas,então o ópio inglês não parou na china… ainda continuam exterminando o excedente humano…e levando algum com isso? :-/

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

Neoliberalismo: querem trazer de volta para o Brasil agenda que até o FMI acha…


Pânico no Instituto Millenium! Tucanos, fujam para as montanhas! Alguém dê um rivotril pro Rodrigo Constantino! Um estudo publicado esta semana por economistas do Fundo Monetário Internacional defende que os “benefícios que são parte importante…

Direitos Humanos, Maconha

Vamos falar de maconha?


“Já fumamos a macumba ou diamba. Produz realmente visões e como um cansaço suave; a impressão de quem volta cansado dum baile, mas com a música ainda nos ouvidos” (Gilberto Freyre) Está quase no fim…