Socialista Morena
Direitos Humanos

“Solidariedade” da direita aos venezuelanos acaba com a vinda deles ao Brasil

Roraima, onde Bolsonaro aparece à frente de Lula nas pesquisas, exibe a face da xenofobia típica da direita em todas as partes do planeta

Foto: Geraldo Maia/Agência Brasil
Da Redação
22 de agosto de 2018, 10h52

Antes de os venezuelanos começarem a migrar para cá, a direita brasileira deu inúmeras manifestações de “apoio” ao povo venezuelano contra o “ditador” Nicolás Maduro. Mas foi só eles resolverem se instalar em cidades na fronteira entre o Brasil e a Venezuela que a “solidariedade” direitista passou a mostrar sua verdadeira face, a face da xenofobia típica da direita, não importa em que local do planeta. O ódio da direita ao imigrante, uma constante em países como os EUA e a França, deu suas caras no “cordial” Brasil durante o fim de semana.

Moradores do município de Pacaraima, em Roraima, na fronteira com a Venezuela, expulsaram venezuelanos de barracas, destruíram os abrigos onde eles estavam com crianças e atearam fogo a seus pertences, em um protesto contra a presença deles na cidade.

Não à toa, em Roraima, o candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro, aparece nas pesquisas à frente de Lula, do PT, nas intenções de voto. A “solução” para o problema, segundo tem dito Bolsonaro, é criar “campos de refugiados” para os venezuelanos que vêm morar no Brasil. “Já temos problemas demais aqui”, disse, em entrevista ao Estadão.

Nos últimos dias, os ataques de brasileiros a imigrantes venezuelanos em Pacaraima levaram 1,2 mil venezuelanos a irem embora. Quem quer ficar num lugar onde são tratados com preconceito, ódio e intolerância? Nossos compatriotas ainda foram flagrados cantando o hino nacional enquanto os expulsavam.

O governo venezuelano ofereceu apoio para coordenar ações com as autoridades brasileiras e criticou o que chamou de “instrumentalização de uma lamentável situação de violência alimentada por uma perigosa matriz de opinião xenófoba, multiplicada por governos e meios de comunicação a serviço dos inconfessáveis objetivos do imperialismo, a partir do desprestígio da venezuelanidade”.

Mas o que o presidente Nicolás Maduro deveria fazer é aproveitar que está lançando uma nova moeda e anunciando estratégias para recuperar a economia e repatriar de uma vez seus compatriotas que estão vindo para cá em decorrência da crise. Tira seus hermanos do Brasil, Maduro. Estamos nos tornando um lugar ruim para um estrangeiro viver. A não ser para os que têm dinheiro.

Com informações da Agência Brasil

 

 


Apoie o site

Se você não tem uma conta no PayPal, não há necessidade de se inscrever para assinar, você pode usar apenas qualquer cartão de crédito ou débito

Ou você pode ser um patrocinador com uma única contribuição:

Para quem prefere fazer depósito em conta:

Cynara Moreira Menezes
Caixa Econômica Federal
Agência: 3310
Conta Corrente: 23023-7
(8) comentários Escrever comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Socialista Morena. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Alan em 20/08/2018 - 22h00 comentou:

Permitam-me discordar do termo “ditador” entre aspas, acho… aliás, tenho certeza que Maduro é sim o ditador, o poder está centralizado e o parlamento praticamente virou só um símbolo para os defensores do regime desorganizado argumentarem “não é uma ditadura, tá vendo, tem um parlamento”.

Permitam-me discordar também de que Roraima seria direitista, Roraima, assim como a maioria óbvia do norte do país, nenhum estado pode ser chamado direitista, estão com falta de consciência de classe e o oprimido sem consciência de classe para o opressor é como um bando de indígenas inocentes, ou seja, ambos são presas fáceis; não tô dizendo que essa atitude exequível deva ser suavizada porque foram pessoas manipuladas pelos porcos capitalistas, apenas devemos ter em mente que oprimido, com ou sem consciência de classe, É UM OPRIMIDO!

Responder

Sergio em 21/08/2018 - 10h00 comentou:

Terrível essa situação. Mas, tenho dito: O problema do Brasil são os extremos. Ou se demonstra xenofobia, ou se apoia um governante, por mera ideologia socialista, que leva seu povo a passar por esse tipo de humilhação. Bolsonaro está errado? Sim! Mas, a esquerda brasileira também está errada, porque há anos mima um incompetente governante e seu fracassado regime! Não há uma linha condenando Maduro! Ele também é o responsável por essa situação.

Responder

JACÓ em 21/08/2018 - 11h55 comentou:

Eo Brasil com um judiciário descumpridor de Leis um Suposto PRESIDENTE que há prova cabal de comentimento de CRIME um Homem honesto cocmo LULA PERSEGUIDO por sua atuação como melhor PRESIDENTE NO MUNDO atual é alguma democrácia sendo condenado em cortes internacionais de DIREITOS HUMANOS DA ONU. Vivemos atualmente em uma DITADURA DA TOGA E DA IMPRENSA.

Responder

Rodrigo em 21/08/2018 - 15h57 comentou:

Sergio, espero que saiba ler inglês: https://benjaminstudebaker.com/2017/08/13/whats-really-going-on-in-venezuela/

A grande mídia sempre evita falar no conluio EUA+Arábia Saudita que incrementou a produção de petróleo pra derrubar o preço do barril e quebrar, de uma só vez, Irã, Rússia e Venezuela. Se duvida, olhe o valor das ações das maiores empresas petrolíferas do mundo: todas caíram pela metade entre 2014/2015. E é claro que a mídia brasileira aproveitou pra colocar no PT a culpa dessa queda na Petrobras.

O pior do Brasil são os brasileiros que, quando mostramos as manipulações da mídia, fingem que não ouviram. Chegam até a tapar os ouvidos…

Responder

m em 22/08/2018 - 04h03 comentou:

A onda da intolerância, de um ideal de extremos individuais é fruto da base dessa difusão (meios de comunicação privados com engenharia no poder público – da meritocracia) e os ocupantes dos cargos públicos com remuneração de classe média (burguesia reacionária)…tempos difíceis atrelados a um discurso de “lei e ordem”. Chega ao ponto de se notar que os “amigos do rei” são tratados diferentemente na “discricionariedade”…. Talvez está aí a dificuldade de se enfrentar uma estrutura em que o poder judiciário em sua grande parte é ocupado pela elite, a polícia militarizada é ocupada por jovens reacionários, com pouca vontade de defesa dos direitos humanos…talvez está aí os novos enfrentamento de um pensamento progressista: ocupantes do poder…em que pese o respeito e total solidariedade ao povo Venezuelano, a crise econômica é fruto do isolamento que visam deixar a Venezuela…que o seu governo bolivariano vem lutando por um capitalismo de estado, porém, não consegue, pois os ocupantes dos privilégios resistem pelos direitos adquiridos…a máquina estatal tem uma engenharia para manter privilégios é esse enfrentamento da tríplice divisão (execução, legislativo e judiciário) vem com a crise econômica…a Venezuela vai se reerguer…saudações bolivarianas, sempre!!! Solidariedade ao povo Venezuelano!!!

Responder

Sergio em 22/08/2018 - 15h42 comentou:

Grato pelo artigo… Sim, e? Justificaria o mal governo do Maduro? Vamos ajudar o Maduro. O mundo todo, eleva significadamente os preços do petróleo e gás, e os EUA privilegiariam exclusivamente a Venezuela, comprando seu petróleo? A solução está aí?

Bem, o preço do petróleo é esse, e a política de preços está estabelecida. O que cabe a um governante eleito pelo seu povo para cuidar dele?

Bom mostrar esse artigo aos refugiados em situação de desespero, comprovadamente mal cuidado por um governo que deveria protegê-los.

Já estive em Roraima, e a situação não é nada agradável. Penosa!

Lá, como aqui, o problema sim, reside na população, que insiste em votar em maus políticos! Se nossos políticos vivessem a vocação de trabalhar pelo bem estar de seu povo…

Responder

John em 22/08/2018 - 17h05 comentou:

Alan você achar e ele ser são duas coisas diferentes, você acha que ele é um ditador baseado no que leu nos periódicos patrocinados pelo imperialismo, nunca esteve lá, não conhece á situação politica da região, aliás se tivesse se dado ao trabalho de estudar como os eua agem contra os países da América latina talvez parasse de cuspir tanta abobrinha, abraços e thau.

Responder

Henrique Aguiar em 28/11/2018 - 17h37 comentou:

genteeeee eu sou de direitaaaa.. isso não tem nada haverrr.. por favor…

um amigo acima colocou: “não tô dizendo que essa atitude exequível deva ser suavizada porque foram pessoas manipuladas pelos porcos capitalistas”.

Pq qualquer capitalista (capitalista puro mesmo, que quer lucro) iria querer uma situação daquela? Se vc for um empresario, que vende qualquer coisa (comida, roupa, aparelhos e até casas – ou aluguel de casas), por que querer expulsar os venezuelanos? Pensando de forma bem “capitalista”, ou são possíveis clientes (se tiverem dinheiro) ou possivel mão de obra barata (se não tiverem dinheiro)… Nenhum capitalista “puro” iria querer aquela situação… As ruas se tornaram em confronto, pessoas estão morrendo… Que capitalista desejaria isso em sua área comercial?

O motivo de esses ataques estarem acontecendo não tem nada haver com capitalismo ou socialismo ou direita ou esquerda… A unica questão é a falta de condições para os nativos que não tem o suficiente para si – quanto mais para dividir…

A a questão é:
1. Por que os nativos não tem condições de recebê-los? Por que não está havendo empresários interessados em atendê-los como clientes ou contratá-los como empregados?
2. por que os venezuelanos estão fugindo para cá? qual o problema no pais deles? por que não há empresarios lá interessados em dar-lhes trabalho? Essas pessoas estão desesperadas… aceitariam trabalho qualquer por qualquer conforto ou dinheiro… pensem… Pq não existe interesse economico nenhum nem na Venezuela e nem no Brasil?

Responder

Deixe uma resposta

 


Mais publicações

Politik

“Não é golpe”: CCJ do Senado regulamenta eleição indireta em caso de vacância


Caiado cria regras para o "parlamentarismo indireto", onde o governo pode ser substituído a cada dois anos pelo Congresso, sem voto popular

Kapital

Rebelião monetária na Venezuela: prefeitura de Caracas cria moeda própria


Esta é a quarta moeda criada no país para driblar a guerra econômica imposta ao governo Maduro pelos EUA e produtores nacionais