O “muro comunista” acabou. Os muros capitalistas continuam lá

Publicado em 20 de dezembro de 2015
euamexico

(O muro entre os EUA e o México. Foto: Ilcp)

O pré-candidato da direita nos EUA, o xenófobo Donald Trump, prometeu, se eleito, ampliar o muro já existente entre seu país e o México: quer que TODA a fronteira entre os EUA e o vizinho passe a ser cercada. A princípio ele propôs um muro de 3200 quilômetros, mas após engenheiros demonstrarem que seria preciso um volume de concreto suficiente para erguer seis novas pirâmides de Giza, ele reduziu a extensão à metade.

Lá se vão 26 anos (completados em novembro) desde que o muro de Berlim caiu em nome do “fim do comunismo”. Desde então, o capitalismo ergueu outros muros, nenhum deles derrubado em nome de qualquer luta pela democracia. Os muros que continuam de pé em geral separam ricos de pobres. No Brasil chegaram a construir um muro separando o morro Santa Marta da zona Sul do Rio.

Será que, na verdade, o problema não está nos muros em si, mas em quem os constrói? Veja muros pelo mundo que não sofrem tantas críticas quanto o muro de Berlim, com toda a razão, sofria.

O muro entre os Estados Unidos e o México continua lá.

O muro que separa os palestinos de Israel continua lá.

O muro que separa ricos e pobres no Peru continua lá.

O muro em Buenos Aires entre a favela Rodrigo Bueno e o chique Puerto Madero continua lá.

O muro entre o Marrocos e a Espanha que impede os imigrantes de entrar continua lá.

Os Muros, por Eduardo Galeano:

 

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente

Darcy Ribeiro, o primeiro socialista moreno

Publicado em 3 de abril de 2015

Faz dois anos que prometi publicar aqui este documentário. Só agora apareceu na íntegra no youtube. Nunca é tarde… A TV Senado, que faz ótimos documentários, apresentou um filme sobre a vida de Darcy Ribeiro (1922-1997), inspirador deste blog e criador da ideia do “socialismo moreno”, um socialismo à brasileira, que não segue modelos pré-existentes.

O documentário Darcy – um brasileiro, dirigido por Maria Maia, mostra o ex-ministro da Casa Civil do governo João Goulart pela ótica de amigos e colaboradores. Exilado em 1974, o simpático Darcy voltaria ao Brasil com a anistia e se tornaria vice-governador de Leonel Brizola e senador. Escritor de romances e ensaios, Darcy Ribeiro é autor de uma obra fundamental para conhecer nosso país, O Povo Brasileiro (Companhia das Letras), que já aparece em vários posts e sempre estará presente no Socialista Morena.

O documentário segue uma narrativa cronológica, da infância de Darcy em Montes Claros (MG) até seus últimos dias, internado na Rede Sarah de Hospitais, para tratamento do segundo câncer. Pontuado por imagens de arquivo de vários momentos históricos brasileiros, o documentário mostra que a vida de Darcy está entrelaçada aos acontecimentos mais importantes do país na segunda metade do século passado.

Assista:

 

Publicado em

Em Cine Morena

9 Comente

O Brasil que a ditadura nos roubou

Publicado em 26 de março de 2014

Abrindo a semana de REmemoração dos 50 anos do golpe militar, republico este post sobre um filme muito importante. Todos que querem saber a verdadeira história do que aconteceu em 1964 no Brasil devem assisti-lo.

***

Revolta. Tristeza. Náusea. É o mínimo que se pode dizer da sensação que causa no espectador o documentário O Dia Que Durou 21 Anos, de Camilo Tavares. Revolta e tristeza por constatar que, com o golpe, nos roubaram um projeto de país, um futuro. Náusea por conhecer mais a fundo o papel que os Estados Unidos tiveram na derrubada de João Goulart, muito além da teoria da conspiração e da paranóia.

Camilo é filho do jornalista Flávio Tavares, um dos presos trocados pelo embaixador norte-americano Charles Elbrick, sequestrado pelos guerrilheiros da ALN (Ação Libertadora Nacional) e MR-8 em 1969. Sua principal façanha como diretor foi a obtenção de documentos e áudios inéditos que comprovam a participação ativa dos EUA no golpe militar durante o governo John Kennedy e, depois de seu assassinato, com Lyndon Johnson no poder. Particularmente nauseante é a intervenção do embaixador americano no Brasil, Lincoln Gordon, e seu cinismo ao reconhecer oficialmente o governo militar no dia seguinte ao golpe.

Além de tramar, espionar e conspirar para derrubar o presidente de outro país, algo inadmissível para um “diplomata”, Gordon é o responsável pela crença, disseminada até hoje pelas carpideiras da ditadura, de que Jango pretendia transformar o Brasil em Cuba, em um país comunista. Uma mentira histórica tão absurda quanto chamar os guerrilheiros de “terroristas”, como insiste a direita fascista brasileira, incapaz de discernir terrorismo de Estado de reação cívica à ditadura. Propositalmente, para enganar jovens com pouca leitura e desinteressados em conhecer a verdade.

A certa altura do documentário, o líder do PTB então, deputado Bocayuva Cunha, esclarece com todas as letras: “Revolução comunista só existe na cabeça e na estupidez de certa elite brasileira”. O que Jango queria era transformar o País, e tinha apoio popular para isso. Suas reformas de base incluíam a reforma bancária, fiscal, administrativa, educacional e agrária. Jango defendia ainda medidas nacionalistas, que desataram a ira dos EUA, histéricos por proteger os lucrativos negócios de suas empresas no Brasil. A intenção de realizar uma profunda reforma agrária, por sua vez, descontentou os grandes donos de terras. Os mesmos ruralistas que hoje em dia volta e meia se associam aos líderes evangélicos no Congresso em defesa de bandeiras arcaicas e anti-democráticas. Gentalha da pior espécie.

O que seria do Brasil se Jango pudesse ter feito suas reformas de base? Se, já naquela época, a questão da terra tivesse sido resolvida, com o fim dos latifúndios? Se a educação tivesse dado um salto qualitativo? Seríamos a republiqueta de bananas em que o golpe nos transformou durante 21 anos, a mais longa ditadura militar da América Latina? Teríamos os problemas educacionais e de terra que ainda temos hoje? Nosso povo continuaria a ser manipulado por políticos, religiosos pilantras e pela mídia apenas por não ter estudado como deveria? Nosso ensino público teria sido sucateado para que gerações inteiras fossem impedidas de pensar?

Na sessão de cinema em que estive (deveriam colocá-lo em cartaz de novo agora), o filme de Camilo Tavares foi aplaudido ao final. Merece mesmo aplausos. E lágrimas. E raiva. E saudade do que não fomos.

O documentário está na íntegra no youtube:

http://youtu.be/Nh6LE_kviXs

Publicado em

Em Cine Morena

36 Comente