Revista de Doria passa a ser mensal (e com anúncios do governo tucano de Goiás)

Publicado em 27 de março de 2017

doriavitaminas

Desde que assumiu a prefeitura de São Paulo, o tucano João Doria Jr. tem dado todos os sinais de que não está nem um pouco interessado em respeitar o princípio da impessoalidade na administração pública. Sua gestão tem se destacado pelo personalismo e pelo populismo, com uma promiscuidade entre o público e o privado que se choca frontalmente com o discurso de “moralidade”.

Em três meses à frente do cargo, Doria já fez propaganda das vitaminas de uma rede de farmácias, parceira da prefeitura, em pleno exercício da função; já cobrou apoio financeiro à sua empresa para fazer palestras como prefeito; usou dinheiro privado para promover sua gestão em partida da seleção brasileira; e, agora, utiliza a visibilidade como prefeito para fazer sua própria revista crescer.

Foi o grupo Doria mesmo quem anunciou, na semana passada, que a revista Lide, principal publicação da Doria Editora, vai passar a circular mensalmente e não a cada dois meses como acontecia. Todas as edições agora também passam a ser acompanhadas de encartes temáticos sobre varejo, empreendedorismo, marketing, saúde e agronegócio. Tudo regado a muita publicidade pública e privada, lógico. Interessante que a revista parecia parada antes de o prefeito assumir: a última postagem no twitter é de dois anos atrás.

Com 124 páginas e tiragem de 40 mil exemplares, a primeira revista LIDE mensal vai chegar às bancas de todo o país ao preço de 15 reais, e está destinada ao público “triplo A”. Segundo os editores, a publicação conta com 21 anunciantes: Audi, Convention Center, Copacabana Palace, Easy Way, Fórum Nacional do Varejo, Fórum Empresarial, GJP, Galeria Bia Doria, Hap Vida, Hotel das Cataratas, HZ Eventos, Person of The Year, Piselli, Prodent, Rodeio, Sapore, Vivo e TV Lide. Em tempos em que a publicidade na mídia escasseia e os veículos estão demitindo gente, pode-se dizer que a revista do prefeito de São Paulo é a única que cresce no país.

Chama a atenção que, entre os anunciantes da revista de Doria, estejam duas empresas farmacêuticas, a Ultrafarma e a EMS, que anunciaram recentemente uma parceria com a prefeitura para entregar medicamentos na rede municipal de saúde (foi também a Ultrafarma quem patrocinou a faixa “Cidade Linda” no Brasil X Uruguai). Salta aos olhos ainda que a publicação do prefeito, que alardeia seus anseios privatistas, continue a receber anúncios públicos do governo do Estado de Goiás, administrado pelo tucano Marconi Perillo, colega de partido de Doria.

Em setembro do ano passado, foi noticiado que os governos tucanos do Paraná, Mato Grosso, Goiás e São Paulo repassaram mais de 10 milhões de reais a empresas de Doria desde 2010. Também veio à tona que só o governo de São Paulo, capitaneado por seu padrinho político Geraldo Alckmin, pagou 1,5 milhão de reais por anúncios nas revistas da Doria Editora. O que espanta é que, mesmo com Doria ocupando cargo público, governos do PSDB continuem anunciando na revista do prefeito. Republicanismo para quê?

Agindo assim, Doria, que foi eleito dizendo não ser político, comporta-se de forma clientelista e fisiológica como qualquer coronel da velha política, promovendo uma mistura imoral entre o público e o privado. Nesta toada, termina o mandato como prefeito com sua revista virando semanal. Isto é, se não se lançar à presidência antes.

 

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente

Procuram-se jornalistas (e leitores dispostos a patrociná-los)

Publicado em 7 de março de 2017
jejum

(Rosalind Russell e Cary Grant em Jejum de Amor, 1940)

Enquanto o novo site não fica pronto, o blog já está testando uma experiência inteiramente nova: o patrocínio direto de reportagens pelos leitores. Já pagamos, com sucesso, uma tradução, uma ilustração e agora está no ar a primeira reportagem dentro do sistema de “vaquinha posterior”, uma matéria sobre como a imprensa brasileira ajudou a prolongar em 20 anos o tráfico de escravos no Brasil, de autoria do repórter Charles Nisz.

Por que a ideia da vaquinha posterior? Porque há, em minha opinião, um problema fundamental no crowdfunding, que é a arrecadação de recursos antes da reportagem ser feita: para que isso aconteça, é preciso revelar qual será o tema abordado. Isso é muito complicado em jornalismo, porque tira a surpresa e você corre o risco de alguém roubar sua pauta e fazer antes… Portanto, a vaquinha posterior, após a matéria ser publicada, me parece ideal. Não tira a surpresa e é como se a gente passasse o chapéu entre os leitores. Quem gostar, contribui.

Outro fator é que, desde que comecei o blog, sempre tive certo na minha cabeça que não iria querer colaboradores sem pagá-los, como acontece em vários veículos, inclusive da grande mídia. Tem site estrangeiro que cresceu e apareceu sem pagar autores! Não me parece correto nem justo, ainda mais se tratando de um site socialista como este. Bolei, então, este sistema de pagamento ao autor de cada reportagem pelos próprios leitores, algo que é total novidade no meio. Desconfio que o Socialista Morena vai lançar uma tendência… No novo site, estamos estudando um “botão” específico para pagamento dos autores, totalmente independente das assinaturas e das doações ao blog em si.

O site Socialista Morena, uma versão reformulada e ampliada do blog, deverá estar no ar até junho e precisará ampliar seu conteúdo, aumentar o fluxo de textos, que é hoje pequeno porque só há uma autora. O que tenho a oferecer aos jornalistas que quiserem embarcar nesta aventura é audiência. Tenho 90 mil seguidores no twitter e outros 420 mil no facebook. As reportagens terão visibilidade garantida, porque o blog repercute muito nas redes. Os leitores recebem conteúdo de qualidade e contribuem para pagar o colaborador. Me parece uma troca justa para todo mundo e o menos capitalista possível.

Este sistema também permite que o site continue a ser despoluído de publicidade de mau gosto, como infelizmente está acontecendo com todos os veículos digitais. Eu acredito ser possível um modelo inteiramente financiado pelos leitores, com o mínimo possível de propaganda, possibilitando uma página visualmente bonita, limpa. Isso é importante em jornalismo, o visual, e o Socialista Morena sempre prezará pela estética do site. Não ser dependente de anúncios também possibilita independência total em termos editoriais: podemos criticar qualquer empresa sem medo de perder anunciantes, ao contrário da velha mídia.

Por que eu acredito que este modelo pode funcionar? Porque jornalismo de verdade sempre foi bancado pelos leitores, prioritariamente. A receita dos anúncios era mínima no começo dos tempos, depois é que se inverteu ao ponto de os jornais se tornarem totalmente dependentes de, por exemplo, empreiteiras da Lava-Jato. Assinar uma revista ou jornal foi um hábito adquirido ao longo dos anos e que também deu certo. Tenho certeza que, com o tempo, as pessoas se habituarão a assinar suas mídias digitais favoritas. Com uma diferença essencial: quem não paga também lê. O conteúdo do Socialista Morena sempre será aberto a todos. Contribui quem pode e porque quer que o site continue existindo.

Aos jornalistas que se interessarem em escrever para o blog neste sistema, mandem suas pautas para [email protected]

 

 

Publicado em

Em Blog

0 Comente

Para inglês ver: como a imprensa brasileira ajudou a prolongar o tráfico de escravos

Publicado em
1200px-Navio_negreiro_-_Rugendas_1830

(Navio Negreiro por Rugendas)

Por Charles Nisz*

A expressão “para inglês ver” tem uma origem triste. Ela surgiu por causa de uma lei promulgada em 7 de novembro de 1831, cujo texto proibia o tráfico escravista. Com penas fortes, a lei pretendia extinguir o fluxo de escravos africanos para o Brasil. No entanto, por causa da pressão dos senhores de escravos, ajudados pela imprensa, a lei não conseguiu cumprir seu objetivo e virou letra morta. Uma norma “para inglês ver” –quem mais pressionava o Brasil pelo fim do tráfico escravista era a Inglaterra.

O livro Imprensa e escravidão – política e tráfico negreiro no Império do Brasil (Rio de Janeiro, 1822-1850), de Alain El Youssef, mestre em História pela FFLCH/USP, mostra o ativo papel da imprensa brasileira na manutenção da escravidão de negros africanos no Brasil. Nosso país foi o último do hemisfério ocidental a abolir o escravismo, somente 58 anos depois da promulgação da lei que extinguia o tráfico negreiro. De quebra, demonstra como desde sempre nossa imprensa representou ativamente os interesses das classes privilegiadas. Para quem acha que o apoio à ditadura militar foi a única mancha na história da imprensa brasileira, o livro é um choque.

capaalain

Pouco antes de 1830, houve uma intensificação do tráfico negreiro, pois havia uma real intenção dos Regentes em abolir a importação de escravos. De acordo com Youssef, quando a lei foi aplicada, o tráfico minguou e estava em nível residual no início da década de 1830. O ponto de virada se deu por volta de 1835. A imprensa brasileira teve papel fundamental na retomada do tráfico escravista. Ou seja, diferentemente do que prega a historiografia oficial, a lei não foi feita para acalmar a pressão inglesa sobre o Brasil, mas ela foi sabotada aqui dentro.

De acordo com o historiador paulista, os jornais eram muito conectados com o Parlamento –então localizado no Rio de Janeiro– e funcionavam como caixa de ressonância e também como balões de ensaio das ideias discutidas na Câmara dos tempos imperais. Youssef exemplifica essa mudança com um artigo de Diogo Antônio Feijó, publicado em 25 de dezembro de 1834, no qual o regente do Brasil defende abertamente a volta do tráfico de escravos. Essa defesa tinha como objetivo agradar aos fazendeiros e pavimentar sua posse na Regência no ano seguinte, explica o historiador.

Acabar com o tráfico envolvia mexer nos interesses econômicos dos fazendeiros. Por volta de 1830, a cafeicultura estava em expansão na parte fluminense do Vale do Paraíba. O Brasil logo se tornaria o maior produtor mundial de café e a utilização de mão de obra escrava era fundamental para manter a lucratividade do negócio. Para sustentar esse modelo, era necessário fazer pressão no Parlamento e a imprensa foi o meio pelo qual os cafeicultores silenciaram o discurso abolicionista existente no fim dos anos 1820. Similar ao que os jornais fazem hoje em defesa do modelo do agronegócio e contra os índios…

criancasnavionegreiro

(Crianças africanas em navio negreiro apreendido pelos ingleses após 1831)

Uma das estratégias utilizadas foi o discurso anglofóbico. Para convencer a opinião pública da necessidade do escravismo, usou-se a estratégia de que a Inglaterra estaria interferindo na economia e na política brasileiras. Veja este trecho, publicado no jornal Sete d’Abril em 03 de novembro de 1835, no qual os lobistas do tráfico acusam os abolicionistas de receber dinheiro inglês: “Governos estrangeiros, profundamente convencidos de que os produtos de suas colônias não podem concorrer nos mercados com os brasileiros, e que não há outro meio senão encarecer a estes pelo alto preço de braços livres em vastos, férteis e não povoados Estados, têm resolvido remunerar os que promoverem a extinção da escravatura no Brasil com a quantia de 50:000$000 de réis (…)”.

A eficácia desse discurso passou por uma estreita articulação entre imprensa e Parlamento. Especialmente dos deputados ligados às regiões do Vale do Paraíba em SP e RJ e do sul de MG. Articulados num grupo liderado pela “Trindade Saquarema” (Honório Hermeto Carneiro Leão, Paulino Soares de Sousa e Joaquim José Rodrigues Torres) e por Bernardo Vasconcelos, esses parlamentares fizeram ferrenha oposição àqueles que se posicionavam contra o comércio de africanos e a escravidão, e silenciando o restante, como Evaristo da Veiga, principal voz a favor do fim do tráfico negreiro na década de 1830, diz Youssef.

Sob a influência dessa máquina de propaganda, a sociedade começou a ficar mais simpática à manutenção do tráfico escravista –um negócio extremamente rentável aos mercadores de escravos e aos fazendeiros brasileiros. Representações (uma versão pioneira dos atuais abaixo-assinados) eram enviadas das Câmaras Municipais ao Parlamento. Diante de tal “pressão”, muito estimulada pelos artigos de Vasconcelos no jornal conservador O Sete de Abril, as autoridades trataram de fazer da lei de 1831 apenas letra morta.

Tal situação se tornava ainda mais forte pelo fato de que muitos dos deputados eram também senhores de engenho. Era como se Marcelo Odebrecht fosse parlamentar e pudesse agir diretamente para que a legislação beneficiasse sua empreiteira. Deste modo, os fazendeiros conseguiram adiar por pelo menos 20 anos que a lei contra o tráfico negreiro tivesse efetividade plena. O tráfico só acabaria de fato em 1850, com a promulgação da Lei Eusébio de Queirós.

agostiniescravo

(Charge de Angelo Agostini de 1881 mostra político “liberal” da época utilizando escravo como cavalo)

Podemos especular várias consequências trazidas por esse prolongamento do tráfico negreiro. O primeiro deles é econômico. O capital que propiciou o desenvolvimento industrial do Sudeste surgiu desse modelo econômico. Talvez tivéssemos um Brasil menos centralizado no Sul-Sudeste caso a abolição tivesse acontecido antes de 1889. O escravismo resistiu com um discurso conservador parecido com o que defende o fim dos direitos trabalhistas na imprensa dos dias de hoje: “É preciso pagar menos para ser competitivo com os mercados internacionais”.

A segunda consequência diz respeito à própria unidade nacional, diz Youssef. O sufocamento das revoltas imperiais foi bancado com o dinheiro advindo desse modelo de produção escravista. “Esses fazendeiros tinham um projeto de Estado que dependia da manutenção desse estado de coisas”, sublinha o historiador da FFLCH.

O atraso na revogação do tráfico negreiro também influiu na maneira como o Brasil percebe a escravidão e o racismo. Um dos discursos mais veiculados na metade do século XIX por esses jornais conservadores é que o escravismo brasileiro seria menos perverso que o norte-americano. Se por milagre conseguisse a liberdade, um ex-escravo brasileiro adquiria direitos de cidadão, coisa que não acontecia em terras ianques. Assim sendo, não havia por que os negros reclamarem –está aí uma das origens do mito da nossa democracia racial.

Foi justamente a Guerra Civil norte-americana que abalou de modo definitivo o escravismo brasileiro. Os EUA eram a grande potência escravista mundial –o algodão norte-americano abasteceu a indústria fabril europeia no século XIX. Com o fim da guerra da Secessão, em 1870, não era mais possível ser escravista no Ocidente.

Ironicamente, quem primeiro percebeu essa mudança de pensamento foi Dom Pedro II. O velho imperador passa a defender a Lei do Ventre-Livre. O monarca lia com atenção as cartas enviadas pelo embaixador do Brasil nos EUA. Por conta do crescimento das cidades e início do trabalho fabril, na década de 1880, o discurso abolicionista volta a ganhar força –quase 50 anos depois da promulgação de lei de 1831.

“Essa polarização entre discurso conservador e progressismo sempre existiu em São Paulo”, sublinha Youssef. Hoje, ela se reflete na sucessiva alternância entre petistas e tucanos na cadeira de prefeito do Palácio Anchieta. Mas um traço é comum nesses quase 200 anos de História: o caráter conservador da imprensa. Assim como nas Diretas Já, os jornais cariocas (então o centro econômico do país) foram abolicionistas de véspera: só defenderam essas medidas aos 45 minutos do segundo tempo. “O discurso conservador domina a nossa imprensa, raramente uma medida progressista é defendida nos jornais”, sumariza Youssef.

 

*PAGUE O AUTOR: Gostou da matéria? Contribua com o autor. Todas as doações para este post irão para o repórter Charles Nisz. Se você preferir, pode depositar direto na conta dele: Charles Jungles Nisz Lourenço, Banco Itau, agência 3748, conta corrente 04689-7, CPF 301.580.808-74. Obrigada por colaborar com uma nova forma de fazer jornalismo no Brasil, sustentada pelos leitores.

 

Publicado em

Em Camaradas

0 Comente